0 A Longa Subida - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A Longa Subida - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

A Longa Subida

Costa Rica, Chirripó

Admirando a lua quase cheia do final de tarde no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

Admirando a lua quase cheia do final de tarde no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica


O dia chega cedo aqui na Costa Rica. Cinco e meia e o céu já está claro. Foi nessa hora que acordei, no nosso quarto na pousada Descanso. Aí, no friozinho das primeiras luzes, fiquei esperando o Francisco vir me chamar conforme tínhamos combinado. Seis horas e ele, depois de já ter corrido seus 40 minutos diários, bateu na porta. Vinte minutos mais tarde e eu já estava na administração do parque para pagar os extorsivos 40 dólares por pessoa. São 15 por dia, mais 10 para dormir no refúgio.

Início da caminhada de 20 km ao pico Chirripó, o mais alto da Costa Rica

Início da caminhada de 20 km ao pico Chirripó, o mais alto da Costa Rica


Depois, foi o tempo de fazermos algumas compras de comida e tomar um saboroso café da manhã na pousada, com direiro a frutas e granola. Finalmente, o Francisco nos levou de carro até o início da trilha, 2 quilômetros acima por estrada, a pouco mais de 1.500 metros de altitude. À partir daí, ficava tudo por conta de nossas pernas. Eram 9 horas da manhã quando demos nossos primeiros passos.

Muito barro no início da trilha no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

Muito barro no início da trilha no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica


Eu carregava uma mochila maior, com os sleepings, material de cozinha e comida, além de roupas. A Ana, com uma mochila menor, levava roupas e a máquina fotográfica. Apesar do pouco peso, a manhã nunca é a praia da Ana e o início foi bem sofrido para ela. Principalmente porque, apesar dos 40 dólares, a trilha estava, neste ponto, em péssimas condições. Muito escorregadia pela quantidade de barro. Ladeiras que ficam eternamente na sombra de árvores se transformam em verdadeiros tobogãs depois da época das chuvas. Aí ficou bem claro porque a corrida de ida e volta ao refúgio é feita em Fevereiro.

Trekking no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

Trekking no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica


Mas, aos poucos, a gente foi esquentando os músculos, a trilha foi melhorando e tudo ficou muito mais agradável. Uma longa subida através da mata, aqui e ali com pontos mais abertos onde podíamos admirar a bela paisagem tropical ao nosso lado. A cada quilômetro uma placa nos avisava do nosso avanço, na distância e na altitude. Assim, em cada curva tínhamos a esperança de ver a placa lá na frente. Quando aparecia, era um alívio, um sinal concreto do nosso avanço.

Trekking no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

Trekking no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica


Assim fomos seguindo, protegidos primeiro pela sombra e depois pela quase eterna neblina que cobre um longo trecho da mata, dando à floresta um aspecto fantasmagórico. Passamos a barreira dos 2 mil metros, motivo de celebração. Cruzamos com gente descendo, nos dando dicas valiosas sobre a trilha à frente. Finalmente, chegamos na metade do caminho, quilômetro 7, perto dos 2.500 metros de altitude. Aí há um pequeno refúgio com portas trancadas, mas com uma gostosa varanda com uma mesa para fazermos o nosso lanche. É também o primeiro ponto com água potável.

Após 4 km de subida e barro, chegamos à entrada do Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

Após 4 km de subida e barro, chegamos à entrada do Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica


Revigorados, seguimos em frente. Chegamos à temida subida do km 8 onde a inclinação da subida aumenta bastante. Depois, alguns quilômetros quase planos, já acima dos 3 mil metros, onde a vegetação se abre bastante e podemos admirar as montanhas à nossa volta. Mais uma subida rápida e árdua e chegamos ao Monte Sin Fé, 3.200 metros. Puxa... ainda falta 4 quilômetros para o refúgio e já estamos quase na altitude dele? A explicação está logo à frente. Temos de descer um vale e é aflitivo ver a trilha serpenteando morro acima lá do outro lado. Não é à tôa que, quando chegamos ao fundo desse vale, onde está o último e precioso ponto de água potável, a próxima encosta se chama "Cuesta de los Arrependitos". Aqui, não tem mais volta, não adianta se arrepender!

Lanche na metade do caminho para o campo base do pico Chirripó, na Costa Rica

Lanche na metade do caminho para o campo base do pico Chirripó, na Costa Rica


Incrível como a altitude e ar mais rarefeito se fazem sentir para quem não está aclimatado (como é o nosso caso!). Os passos cansam muito mais do que cansavam poucas horas atrás. Caminhar a 3 mil metros de altitude é três vezes mais pesado do que a 1.500 metros. Ter essa experiência no mesmo dia deixa tudo muito claro! E pensar que há poucos meses, no Equador, eu estava tirando de letra os 5 mil metros. Mas essa temporada ao nível do mar acabou com a nossa aclimatação...

Placa de auto-ajuda colocada bem no meio da última grande subida (a 'Encosta dos Arrependidos') para o refúgio no campo-base do Chirripó, na Costa Rica

Placa de auto-ajuda colocada bem no meio da última grande subida (a "Encosta dos Arrependidos") para o refúgio no campo-base do Chirripó, na Costa Rica


Bom, enfim vencemos a Encosta dos Arrependidos e, daí para frente, foi um passeio até o refúgio, onde chegamos pouco depois das quatro da tarde. Visual magnífico de montanhas à nossa volta, principalmente o Pico Crestones, bem em frente ao refúgio. Bem parecido com as Prateleiras, lá no Itatiaia. Fomos recebidos por um guarda-parque que nos apresentou o enorme refúgio, a cozinha e área de convivência e o nosso quarto com dois beliches, mas apenas para nós.

Pausa para descanso depois de 10 km de subidas, no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

Pausa para descanso depois de 10 km de subidas, no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica


Não demorou muito para escurecer e esfriar. Doze graus do lado de dentro, seis graus do lado de fora. Afinal, estávamos a 3.400 metros de altitude, muito mais altos do que qualquer montanha no Brasil. A Ana cozinhou um delicioso macarrão para nós, com a ajuda do fogareiro de outras pessoas, já que o nosso teima em não funcionar em lugares mais altos. Enquanto ela cozinhava e socializava com as outras quinze pessoas no local, praticando o seu espanhol e seu inglês, eu utilizei a internet do refúgio (que chique!) escrevendo o texto que segue abaixo e que esteve postado esses dias como um post separado:

"Estamos agora a 3.400 metros. Caminhada de 15 km, saindo de 1500 metros. Nao foi facil!!!
Amanha, as 3 da madrugada, vamos ao pico ver o nascer do sol
Atualizacoes do site, talvez amanha de noite...
Brrrrrrrr, ta um gelo aqui em cima, no Parque Nacional Chirripo
Abs"

A lua paira sobre o Pico Crestones, no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

A lua paira sobre o Pico Crestones, no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica


Nada como a tecnologia! Tive de escrever rápido porque já eram seis da noite, hora de fechar os computadores. As luzes (geração solar!) são apagadas às oito e, à essa hora, já estamos todos jantados e devidamente acomodados em nossas camas. Afinal, o dia amanhã vai começar cedo. Bem cedo! Para chegar ao pico em tempo de ver o nascer-do-sol, temos de começar a caminhar às três da madrugada! Para isso, temos de acordar uma meia hora antes...

Preparando o jantar no refúgio do Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

Preparando o jantar no refúgio do Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica


O nosso problema é que não temos relógio e muito menos despertador. Os nossos vizinhos de quarto não irão partir de madrugada, então não adianta contar com o barulho deles para acordar. O único meio de saber as horas é ligar a câmera fotográfica... Bom, vou fazer a programação mental e ver o que acontece. Já funcionou outras vezes, mas apenas para horas mais "civilizadas", à partir das seis da manhã. Veremos...

Lavando a louça no refúgio do Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

Lavando a louça no refúgio do Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

Costa Rica, Chirripó, trilha, Parque, Montanha

Veja todas as fotos do dia!

Faz um bem danado receber seus comentários!

Post anterior Baía de Dominicalito, no litoral da Costa Rica

Da Praia Para a Montanha

Post seguinte Junto com os outros madrugadores no cume do Chirripó, na Costa Rica

No Teto da Costa Rica

Blog da Ana A lua paira sobre o Pico Crestones, no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

Parque Nacional Chirripó

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 09/12/2011 | 19:59 por Marcos

    Bom ver que tem gente se divertindo neste mundão!!
    Eita subidinha boa, hei!
    Sorte Sempre!

    Resposta:
    Essa foi fogo mesmo...
    Mas valei muito à pena!

    Abs

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet