0 No Teto da Costa Rica - Blog do Rodrigo - 1000 dias

No Teto da Costa Rica - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

No Teto da Costa Rica

Costa Rica, Chirripó

Junto com os outros madrugadores no cume do Chirripó, na Costa Rica

Junto com os outros madrugadores no cume do Chirripó, na Costa Rica


Oito e meia da noite e já estávamos deitados, prontos para dormir. O cansaço da caminhada ajudou na tarefa! Fiz um último esforço de programação mental para despertar na hora correta e adormeci. Horas depois, acordei de sobressalto. Curiosamente, a Ana também. "Que horas são?" - ouvi sua pergunta no escuro. Tateei com a mão em busca da máquina fotográfica. Achei o botão do "on", naveguei pelos menus e achei a hora - "Nossa, ainda são onze e meia da noite!". Suspiros aliviados e em segundos já estávamos dormindo novamente. Mais um tempo se passou e despertei outra vez. Nova operação para descobrir as horas. Duas e meia! Dessa vez, tinha dado certo! Em cerca de 45 minutos já estávamos começando nosso caminho, lanternas na cabeça e um rápido sanduíche no estômago. O que nos atrasou foi que o ziper da nossa mochila de ataque estragou e tivemos que rearrumar tudo na mochila grande mesmo, comida, água, remédios e máquina fotográfica.

Café da manhã às três da madrugada, antes do ataque ao cume do Chirripó, na Costa Rica

Café da manhã às três da madrugada, antes do ataque ao cume do Chirripó, na Costa Rica


Noite escura e estrelada, sem lua. A trilha segue quase plana, leve ascenso. Com as lanternas, vamos descobrindo o caminho, razoavelmente fácil de ser seguido. Um grupo parte uns quinze minutos depois de nós. Vemos suas luzes lá trás. E, muito à frente, outro par de luzes, já subindo uma encosta. Nesse ponto, as pilhas da lanterna da Ana acabam. O nosso ritmo cai bastante, uma luz dividida entre dois, trilha cheia de pedras, buracos, todo cuidado era pouco.

Magnífico nascer-do-sol visto dos 3.820 metros do pico Chirripó, ponto mais alto da Costa Rica

Magnífico nascer-do-sol visto dos 3.820 metros do pico Chirripó, ponto mais alto da Costa Rica


Seguimos lentamente, mas sem parar. O céu já está mais claro, o que nos ajuda bastante. Quando chegamos à base do pico já não precisamos mais de lanternas. Enfim, chegamos ao ponto mais alto da Costa Rica. Quinze minutos antes que o sol apareça sobre o enorme mar de nuvens que vem do lado do Atlântico. Um verdadeiro espetáculo da natureza compartilhado com outras doze pessoas que chegaram ao pico em tempo. Celebração geral, muitas fotos, alegria espontânea por estar no lugar certo na hora certa.

Observando o mar de nuvens logo após o nascer-do-sol no cume do Chirripó, na Costa Rica

Observando o mar de nuvens logo após o nascer-do-sol no cume do Chirripó, na Costa Rica


O sol sobe um pouco e começa a espantar o frio. Com a claridade, podemos observar melhor a beleza da paisagem. Dezenas de picos abaixo de nós. Muitos lagos entre eles. Vegetação de campos úmidos, típica de altitude. Estamos a 3.820 metros de altura. Abaixo de nós, o páramo, um importante ecossistema do país de onde provém a maioria dos rios da Costa Rica.

No cume do Chirripó, na Costa Rica

No cume do Chirripó, na Costa Rica


Após aproveitar aquela paisagem por uma meia hora, é tempo de voltar. Primeiro até o refúgio e depois até a pequena San Gerardo, mais de 2 km abaixo de nós, 20 km de trilhas pela frente. No caminho para o refúgio, ainda fazemos pequenos detours para admirar mais de perto as belezas do páramo: riachos semi-congelados, lagoas, pequenas cachoeiras. E também uma paisagem exótica, criada com a ajuda não-intencional do homem. Um vazamento numa mangueira cria um esguicho que se transforma em chuva permanente sobre um trecho de capim. Com o frio da noite, o resultado é magnífico: uma mancha de capim congelado, branquinho, em meio ao capinzal verde. Paisagem de Papai Noel em plena Costa Rica!

O sol aquece as nuvens vindas do Atlântico, visto do alto do Chirripó, na Costa Rica

O sol aquece as nuvens vindas do Atlântico, visto do alto do Chirripó, na Costa Rica


Chegamos ao refúgio, empacotamos quase tudo na mochila grande e um pouco de roupa na mochila sem ziper. Quinze quilômetros de trilha morro abaixo, mais dois quilômetros de estrada nos separam do conforto de um chuveiro quente na nossa pousada Descanso.

O pico Chirripó, com 3.820 metros, ponto mais alto da Costa Rica

O pico Chirripó, com 3.820 metros, ponto mais alto da Costa Rica


Tudo começa bem, a minha mochila mais pesada, mas indo para baixo é mais tranquilo. Céu azul, temperatura agradável, pele protegida com o resto de creme que temos. As poucas subidas no caminho são vencidas rapidamente enquanto as descidas mais íngrimes são feitas com cuidado. Ao contrário de ontem, hoje a quantidade de oxigênio vai aumentando e vamos nos sentindo mais fortes. Chegamos à metade do caminho, pausa para lanche.

Riacho parcialmente congelado na parte alta do Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

Riacho parcialmente congelado na parte alta do Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica


Cruzando riacho na parte alta do Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

Cruzando riacho na parte alta do Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica


Nesse ponto, a combinação de bolhas, unha e joelhos já começam a cobrar um alto pedágio da Ana. O que tinha começado como um dia maravilhoso vai, aos poucos, se tornando um pesadelo para ela. Os quilômetros faltantes começam a passar mais devagar. Agora, o joelho direito está muito ruim. Ela só pode dar pequenos passos. A dor incomoda muito. Até esquece das unhas e das bolhas. O último quilômetro foi no sacrifício total, uma eternidade que parecia não terminar.

Capim congelado na parte alta do Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

Capim congelado na parte alta do Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica


Partindo do refúgio no campo-base do pico Chirripó, na Costa Rica

Partindo do refúgio no campo-base do pico Chirripó, na Costa Rica


Enfim, chegamos. Ela ficou "instalada" num restaurante logo na saída da trilha enquanto eu voltei correndo para a pousada, um pouco de chuva para me refrescar. A chuva depois aumentou, se transformando em toró. Que sorte que não chegou uma hora antes! Aí, vale aquela máxima:"Nada está tão ruim que não possa piorar!". Bem, no nosso caso, na hora do toró, eu já estava de volta ao restaurante, Fiona ali do lado, onde comemos uma comida quente e maravilhosa. Naquela hora, tudo seria maravilhoso, hehehe!

Trilha corta a região do páramo, no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

Trilha corta a região do páramo, no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica


Voltamos para a pousada e tomamos nosso banho caliente. Evento raríssimo, a Ana quis dormir cedo hoje! Sonho de dever cumprido! Sonho de espetáculo da natureza! Sonho de sacrifício superado! Sonho de vida saudável, ar puro, água fresca, natureza intocada! E para amanhã, promessa de musculatura dolorida. Mas terá valido à pena! Para mim, desde já. Mas para a minha sofrida e adorada esposa, acho que vamos precisar dar tempo para que a dor passe e fique apenas as lembranças daquele nascer-do-sol...

Magnífico nascer-do-sol visto dos 3.820 metros do pico Chirripó, ponto mais alto da Costa Rica

Magnífico nascer-do-sol visto dos 3.820 metros do pico Chirripó, ponto mais alto da Costa Rica

Costa Rica, Chirripó, trilha, Parque, Montanha

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior Admirando a lua quase cheia do final de tarde no Parque Nacional de Chirripó, na Costa Rica

A Longa Subida

Post seguinte O Teatro Nacional, de inspiração francesa, o mais belo da América Central, em San José, capital da Costa Rica

San José

Blog da Ana Magnífico nascer-do-sol visto dos 3.820 metros do pico Chirripó, ponto mais alto da Costa Rica

No Topo da Costa Rica

Comentários (2)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 15/12/2011 | 10:42 por Alejandro Céspedes

    Hola Rodrigo,

    Me gustaron mucho las fotos de Costa Rica, SAUDADES de ver o nacer do sol do teto da Costa Rica!
    Espero puedan conocer mucho mas de mi lindo País.
    Les recomiendo mucho Parque Nacional Santa Rosa, mas que todo la costa y Roca Bruja, ademas si pueden vayan a Isla murcielago y Junquillal.

    Saludos desde Brasil,

    Alejandro

    Resposta:
    Olá Alejandro

    Muito obrigado pelas suas dicas desse incrível país. Com certeza, poderíamos ficar aqui um mês visitando tantos lugares !

    Adoramos o Chirripó, Zancudo, Santa Teresa e o Rio Sereno. Agora já estamos na Nicarágua, mas teremos mais tempo na volta. Ainda queremos muito passat em Osa e na costa do caribe.

    Um grande abraço

  • 10/12/2011 | 16:18 por Friso

    Oi Rodrigão,
    lindas fotos, como vejo tudo bem com vcs.
    saudades, curtam a vida ao máximo!
    lembranças da Alemanha!
    Friso

    Resposta:
    Opa!

    Fala Friso!!!

    Tudo bem com vocês? Estão de férias aí na Alemanha? Quando voltam ao trabalho aqui na América?

    Um grande abraço!!!

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet