0 A Patagônia e a Conquista do Deserto - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A Patagônia e a Conquista do Deserto - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

A Patagônia e a Conquista do Deserto

Argentina, El Bolsón

Tropas argentinas se preparam para mais uma batalha na Conquista do Deserto, nome dado à guerra conttra os indígenas pelo controle da Patagônia (imagem da Internet)

Tropas argentinas se preparam para mais uma batalha na Conquista do Deserto, nome dado à guerra conttra os indígenas pelo controle da Patagônia (imagem da Internet)


Deixando El Bolsón para trás e rumando para o sul, estamos mergulhando de vez na Patagônia. Na verdade, essa região geográfica de nome tão famoso se estende muito mais para o norte (veja no mapa abaixo!), ocupando praticamente metade do território argentino e uma boa parte do sul do Chile. Mas é apenas ao sul de El Bolsón e de uma linha imaginária que liga essa cidade à Península Valdés, na costa atlântica, que o governo oferece subsídios para empreendedores e habitantes. Uma espécie de estímulo para que a região se desenvolva economicamente e seja ocupada por mais pessoas. Entre esses subsídios, até o combustível é mais barato. Bom para nós, turistas motorizados! Principalmente agora que os trechos de estrada serão muito mais longos cortando essa vasta região quase desabitada.

Mapa da Patagônia, ocupando boa parte da Argentina e do Chile. Mas é apenas ao sul da linha vermelha onde está El Bolsón que o combustível passa a ser subsidiado pelo governo

Mapa da Patagônia, ocupando boa parte da Argentina e do Chile. Mas é apenas ao sul da linha vermelha onde está El Bolsón que o combustível passa a ser subsidiado pelo governo


Para nós que nascemos no final do séc. XX, estamos acostumados com o mapa da Argentina mostrando esse grande país, o segundo maior da América do Sul e um dos maiores do mundo em extensão geográfica. Até imaginamos que foi sempre assim. Intuitivamente, pensamos que desde tempos coloniais, ainda sob domínio espanhol, os países que hoje conhecemos já existissem ali, pelo menos em seus contornos geográficos. Mas a intuição está errada. A América espanhola tinha outras divisões: Colômbia e Venezuela de um lado e todo o resto de outro, formando o vice-reinado do Perú. Foi apenas na segunda metade do séc. XVIII que foi criado o vice-reinado do Prata, embrião não só de Argentina, mas também de Uruguay e Paraguay, além de partes da Bolívia e Chile.

Mapa francês de 1862 mostra a Patagônia como terra de ninguém, apesar de reinvidicada pela Argentina. A Terra do fogo e extremo sul tem a mesma cor das Falkland e parecem pertencer à inglaterra (imagem da Internet)

Mapa francês de 1862 mostra a Patagônia como terra de ninguém, apesar de reinvidicada pela Argentina. A Terra do fogo e extremo sul tem a mesma cor das Falkland e parecem pertencer à inglaterra (imagem da Internet)


Quando veio o processo de independência no início do séc. XIX, os países, ao menos em teoria, tomaram suas formas mais ou menos parecidas com o que vemos hoje. Mas na prática, não era assim. Toda a região patagônica, tanto no lado argentino como chileno, nunca havia sido ocupada de fato pelos espanhóis. Pela pouca atratividade econômica dessas terras, assim como por uma resistência ferrenha dos povos nativos, eles permaneceram virtualmente independentes ao longo de todo o período colonial. E assim continuaram também por boa parte do séc. XIX. Nosso “enorme” país vizinho, a Argentina, se compunha apenas das regiões vizinhas a Buenos Aires e do norte do país, região que se desenvolveu em épocas coloniais para fornecer alimentos à Potosí, na Bolívia, principal centro econômico da América espanhola ao longo de séculos. Toda a metade sul do país era território desconhecido e habitado por indígenas gigantes (os “patagones”) e hostis.

Antes do tratado de 1881 o Chile ainda reinvidicava o controle de boa parte da Patagônia, incluindo todo o cone sul do continente (imagem da Internet)

Antes do tratado de 1881 o Chile ainda reinvidicava o controle de boa parte da Patagônia, incluindo todo o cone sul do continente (imagem da Internet)


No papel, eram terras argentinas. Pelo menos, nos “papéis argentinos”. Para os chilenos, era território chileno, como mostram mapas históricos daquele país. O Chile se imaginava dono de toda a “patagônia oriental”, correspondente ao sul argentino de hoje, do Atlântico ao Pacífico. Só faltava combinar isso também com os europeus. Um mapa francês de 1862 mostra toda a Patagônia como terra de ninguém, embora o próprio mapa admita que a área fosse reivindicada pelos argentinos. A Terra do Fogo, nesse mesmo mapa, parece pertencer à Inglaterra ou ao Chile, talvez. Sinal claro de que, assim como temiam argentinos e chilenos naquela época, as potências europeias estavam sim interessadas no sul do nosso continente.

Vestido com roupas mapuches, o advogado e auto-proclamado imperador do Reino da Araucania e Patagônia, o francês Orélie Antoine de Tounens (imagem da Internet)

Vestido com roupas mapuches, o advogado e auto-proclamado imperador do Reino da Araucania e Patagônia, o francês Orélie Antoine de Tounens (imagem da Internet)


Tanto é assim que, em 1860, um advogado (e aparentemente louco) francês, Orélie Antoine de Tounens, já há alguns anos radicado no Chile, decidiu declarar o “Reino da Araucania e Patagonia” tendo ele como rei, claro! Ele se entendeu com alguns índios mapuches, vestiu-se como eles e se imaginou imperador. O seu país nunca foi reconhecido por nenhum outro, mas ele fez tanto barulho que acabou incomodando as autoridades chilenas que acabaram por prendê-lo, dois anos mais tarde, e um manicômio. Solto com a ajuda do cônsul francês, voltou a seu país para procurar apoio. Por duas vezes voltou a seu reino, tentando ressuscitá-lo. Acabou morrendo e deixou o trono para um amigo. Por mais incrível que possa parecer, até hoje os descendentes desse amigo, que montaram um “governo de exílio na França”, reivindicam o trono perdido.

Território do 'Reino da Araucania e Patagônia', proclamado pelo francês Orélie de Tounens em 1860 (imagem da Internet)

Território do "Reino da Araucania e Patagônia", proclamado pelo francês Orélie de Tounens em 1860 (imagem da Internet)


Por mais pitoresca que possa parecer essa história, ela ajudava a assustar os governos chileno e argentino da época. Daí a estratégia chilena de criar a cidade de Punta Arenas no sul do continente, a fim de consolidar suas pretensões territoriais. Foi o único povoamento que realmente se desenvolveu naquela parte remota do mundo naqueles tempos. Outra ideia chilena foi a de estimular a ocupação patagônica pelos índios mapuche, da Araucania (região no sul do Chile). Notavelmente guerreiros, eles foram o único povo capaz de resistir ao avanço do império inca a também aos colonizadores espanhóis. Agora seriam usados para legitimar as pretensões territoriais do Chile sobre a tal “patagônia oriental”.

Um grupo de índios mapuche posa para foto ao final do século XIX (imagem da Internet)

Um grupo de índios mapuche posa para foto ao final do século XIX (imagem da Internet)


Desde tempos imemoriais, essa região já era ocupada pelos índios tehuelches, um povo nômade e de grande estatura (o que levou a criação da lenda dos patagones, os “gigantes” avistados pelos primeiros exploradores europeus). Povo pacífico e que vivia da caça de guanacos e emas, não foram páreo para os aguerridos mapuches. Na primeira metade do séc. XIX, a patagônia central sofreu um rápido e muitas vezes violento processo de “araucanização”, enquanto os tehuelches que não eram assimilados eram empurrados mais para o sul. Mas os tehuelches não eram as únicas vítimas do avanço mapuche.

Bando de mapuches ataca povoado argentino na fronteira dos Pampas e da Patagônia (imagem da Internet)

Bando de mapuches ataca povoado argentino na fronteira dos Pampas e da Patagônia (imagem da Internet)


Nos pampas orientais, fronteira de ocupação argentina de então, criollos (miscigenação de espanhóis e indígenas) e os primeiros imigrantes europeus estabeleciam seus ranchos e povoados. Estes eram continuamente atacados por guerreiros mapuches em busca de gado e cavalos que eram revendidos no Chile. Aí, os mapuches adquiriam de comerciantes chilenos e ingleses armas para continuar sua guerra no leste. Muito comum também nesses ataques era a captura de crianças e mulheres que serviriam de esposas ou escravos dos guerreiros mapuches. São inúmeros os relatos escritos dessa época de europeus escravizados nas planícies patagônicas. Esses ataques indígenas na fronteira aumentaram muito de escala durante a Guerra do Paraguay, entre 1864 e 1870, o maior conflito armado já ocorrido nesse continente e que manteve as tropas argentinas ocupadas no norte do país.

Julio Roca, comandante das tropas argentinas na conquista da Patagônia. Mais tarde, seria duas vezes presidente do país (imagem da Internet)

Julio Roca, comandante das tropas argentinas na conquista da Patagônia. Mais tarde, seria duas vezes presidente do país (imagem da Internet)


Com o fim da guerra, políticos argentinos pressionavam para resolver de uma vez por todas os problemas na fronteira sul do país. Aos poucos e depois de muitos debates parlamentares, foi organizada uma expedição militar liderada pelo general Julio Rocca, futuro presidente do país por duas vezes. O primeiro alvo foi a região dos pampas orientais, rico em pastagens e ainda bem próximo do centro de poder. Na época, a campanha foi vista como uma batalha entre a civilização e a barbárie e o objetivo era a total submissão dos índios, senão a sua aniquilação. Afinal, diziam os políticos e jornais da época, a tentativa de assimilação feita durante décadas não dera nenhum resultado. Com mais armamentos e estratégia militar muito superior, as forças indígenas pouco puderam resistir, centenas de guerreiros mortos e milhares de mulheres e crianças capturadas. Sem os pampas, os indígenas perderam o seu melhor território, o único mais propício para a criação de gado e cavalos.

O cacique Pincén, conhecido como o ''terror dos fortes militares' (imagem da Internet)

O cacique Pincén, conhecido como o ""terror dos fortes militares" (imagem da Internet)


O passo seguinte seria a conquista de toda a Patagônia. Mas aí a dificuldade seria maior, pois o Chile também reivindicava aquela área. Mas uma excelente oportunidade histórica foi muito bem aproveitada pelos argentinos. O Chile se envolvia no final da década de 70 em outra guerra, a segunda mais sangrenta do continente. De um lado, os chilenos, do outro a aliança de peruanos e bolivianos. A chamada Guerra do Pacífico, entre 1879 e 1883 tinha por maior objetivo as quase inesgotáveis minas de cobre no norte do Atacama. O Chile venceu a guerra e, de quebra, privou a Bolívia de seu litoral e chegou a ocupar Lima, a capital peruana, por alguns anos. Mas enquanto a guerra corria na sua fronteira norte, sua fronteira leste, com a Argentina, ficou desguarnecida. Os chilenos temiam que os argentinos se juntassem à aliança de Perú e Bolívia e quiseram negociar com o vizinho antecipadamente. Os argentinos souberam aproveitar o momento e negociaram um tratado que fixava a fronteira entre os dois países ao longo da cordilheira dos Andes. Sem saída no momento, o Chile aceitou e a Argentina garantiu para si a posse da “patagônia oriental” chilena.

Expansão territorial argentina após a Guerra do Paraguay. Até então, o governo central controlava apenas a área em azul claro. A 'Conquista do Deserto' expandiu as fronteiras do país rumo ao sul do continente (imagem da Internet)

Expansão territorial argentina após a Guerra do Paraguay. Até então, o governo central controlava apenas a área em azul claro. A "Conquista do Deserto" expandiu as fronteiras do país rumo ao sul do continente (imagem da Internet)


Livres do Chile, nossos vizinhos partiram para a ocupação do território na campanha chamada de “Conquista do Deserto”. Os índios resistiram o quanto puderam, mas ao final da campanha boa parte tinha sido morta ou capturada. Poucas décadas depois, os tehuelches estavam extintos e os mapuches sobreviveram apenas no Chile. Ao mesmo tempo, em menos de uma década, a Argentina tinha praticamente duplicado seu território de fato. E assim chegamos, finalmente, ao final do séc. XIX, nas fronteiras dos países como conhecemos hoje, a Bolívia sem mar, o Chile uma longa e estreita faixa de terra entre os Andes e o Pacífico e a Argentina como segundo mais extenso país da América do Sul, um dos maiores do mundo. A Patagônia na qual mergulhamos a partir de hoje praticamente toda “hermana” e seus antigos habitantes, apenas fantasmas do passado.

Pequeno grupo de índios tehuelches em fotografia de 1897, depois da conquista do deserto. Algumas décadas mais tarde e eles estariam extintos. (imagem da Internet)

Pequeno grupo de índios tehuelches em fotografia de 1897, depois da conquista do deserto. Algumas décadas mais tarde e eles estariam extintos. (imagem da Internet)


Realmente, é difícil imaginar um fim tão triste para uma raça que por milhares de anos vagou livre e orgulhosa pelas infinitas planícies patagônicas. Os mais de dez mil prisioneiros foram forçados a caminhar até Buenos Aires, muitos morrendo na dura marcha. Na capital, homens e mulheres foram imediatamente separados. Não deveriam ter mais a chance de “se reproduzir”. Os pouco menos de dois mil guerreiros ainda vivos foram enviados para uma prisão em uma ilha no Rio da Prata de onde pouquíssimos conseguiriam sair vivos. As mulheres também foram separadas de seus filhos e enviadas para trabalharem como servas nas casas de famílias mais abastadas e de classe média da capital. As crianças aprenderam um novo idioma e esqueceram o antigo. Na sua maioria, também viveriam como servos. Alguns poucos grupos restantes ainda vagaram livres, por poucas décadas, no extremo sul do continente. Eram uma curiosidade histórica perseguida por estudiosos e sociólogos do início do séc. XX. Poucas vezes na história a civilização havia se imposto de forma tão rápida e efetiva sobre a barbárie...

Argentina, El Bolsón, história

Veja todas as fotos do dia!

A nossa viagem fica melhor ainda se você participar. Comente!

Post anterior Nossa aconchegante  pousada em El Bolsón, na Argentina

Pousadas

Post seguinte Admirando a beleza do Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Paisagens Patagônicas e Fly Fishing

Comentários (4)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 03/05/2018 | 19:12 por Mário Jorge Lailla Vargas

    Bem truculentos os argentinos. Na verdade genocidas como os ianques e ingleses.

  • 19/09/2015 | 16:35 por Elba

    Boa Tarde!
    Lindo esse texto. Estou conhecendo hoje o blog de vocês e vou acompanhar. Muito bom!!Parabéns!

  • 22/01/2015 | 15:27 por Sheila Moralles Mello

    Gente!!!! Muito bom a narrativa, coitados dos índios, por que a humanidade não consegue viver cada um no seu quadrado sem precisar ficar disputando poder?!

    Resposta:
    Oi Sheila

    Que bom que vc tenha gostado do post. espero que a espera tenha valido a pena, hehehe.

    Quando ao fim da história, é mesmo bem triste. Infelizmente, não é o único caso. Ao que parece, esse é mesmo o padrão através de toda a história humana. Quando duas culturas se encontram, a mais forte se impõe sobre a mais frágil que, muitas vezes, desaparece.

    Abraços

  • 19/01/2015 | 09:55 por Rubens Werdesheim

    Mandou bem Rodrigo . Super texto ! Obrigado

    Resposta:
    Olá Rubens

    Mais uma vez, muito generoso conosco!

    Eu é que agradeço o elogio e interesse. Adoro poder escrever sobre história.

    Um grande abraço

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet