0 Trilha Até o Refúgio San Martín - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Trilha Até o Refúgio San Martín - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Trilha Até o Refúgio San Martín

Argentina, Bariloche

Chegando ao lago Jakob e ao refúgio San Martín, região de Bariloche, na Argentina

Chegando ao lago Jakob e ao refúgio San Martín, região de Bariloche, na Argentina


Saímos pela manhã de Villa La Angostura para percorrer os 80 quilômetros de bom asfalto até Bariloche em menos de uma hora. Mas não paramos no centro da cidade dessa vez. Nosso destino era outro, um pouco mais adiante. Procurávamos pelo início da trilha que leva ao refúgio San Martín, na beira do lago Jakob, incrustado em meio às montanhas da região. Dois dias atrás, ainda em Bariloche, tínhamos nos armado de mapas e informações sobre como chegar lá. Agora, era hora de colocar a teoria em prática. Mas é claro que, como diz o ditado, “na prática, a teoria é outra!”. Traduzindo: não foi fácil nos embrenhar num sem número de estradas rurais até chegar à bendita chácara de onde parte a trilha. Especialmente numa terça-feira sem nenhum movimento nessas bandas, ninguém para perguntar. Então, erra daqui, acerta dali, mas finalmente chegamos ao ponto. Com uma hora de atraso em relação aos planos originais, mas chegamos! Fiona guardadinha, mochilas nas costas, animo a mil e pé na trilha!

Início da trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Início da trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Início da trilha para o Refúgio San Martín, região de Bariloche, na Argentina

Início da trilha para o Refúgio San Martín, região de Bariloche, na Argentina


Todos animados no início da trilha para o Refúgio San Martín, região de Bariloche, na Argentina

Todos animados no início da trilha para o Refúgio San Martín, região de Bariloche, na Argentina


Finalmente, estava cumprindo minha promessa. Promessa feita há mais de 20 anos, quando estive por aqui viajando num mochilão por Argentina e Chile e fiz essa belíssima caminhada. Para variar, com muita pressa. Ali ao lado do lago Jakob, a cinco horas de caminhada da estrada mais próxima, prometi um dia voltar até aquele lugar paradisíaco. Agora nos 1000dias, fazendo nosso roteiro pela Argentina e região de Bariloche, sempre falei para a Ana que faríamos essa caminhada e também ela estava muito curiosa com minha propaganda. Por fim, nos últimos três dias foi a vez de botar pilha na Rowen, ela também uma amante de caminhadas nas montanhas. Ou seja, ali estávamos os três em frente à placa que anunciava o início da trilha, todos muito ansiosos principalmente depois de muito rodarmos pelas estradas rurais da região.

Uma hora completada na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Uma hora completada na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Caminhando rumo ao refúgio San Martín, na região de Bariloche, na Argentina

Caminhando rumo ao refúgio San Martín, na região de Bariloche, na Argentina


Também em Janeiro de 92 eu cheguei aqui ansioso. Uma das poucas recomendações que recebi da minha irmã, que tinha viajado pelo país em meados da década de 80, era a de fazer essa trilha. Eu fazia o mochilão com um primo e um amigo e havíamos descido o Chile de Santiago até a região dos lagos e cruzado para cá para conhecer Bariloche e região. Daqui voltaríamos ao Chile para a ilha de Chiloé e depois, numa longa viagem de ônibus, seguirmos até o extremo sul do continente. Acontece que, justo quando cruzamos para a Argentina, meu primo recebeu a notícia de que havia sido aceito em um estágio de trabalho na Europa para início imediato. Teria de abortar a viagem e retornar ao Brasil. Na verdade, tinha mais uns dois dias por aqui. Tanta propaganda tinha feito minha irmã sobre esse tal refúgio San Martín que ele decidiu fazer um bate-volta até lá, 18 km para ir, outros 18 km para voltar e ainda o tempo gasto com transporte coletivo do centro de Bariloche para cá de manhã e a volta, de tarde. Naquele tempo ainda havia um ônibus que nos deixava aqui perto, coisa que não há mais hoje.

Cenário montanhoso que margeia o vale por onde caminhamos para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Cenário montanhoso que margeia o vale por onde caminhamos para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Cachoeira em uma das encostas ao lado da trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Cachoeira em uma das encostas ao lado da trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Atravessando bosque na trilha rumo ao Refúgio San Martín, na região de Bariloche, na Argentina

Atravessando bosque na trilha rumo ao Refúgio San Martín, na região de Bariloche, na Argentina


Nosso amigo resolveu acompanhá-lo nessa verdadeira corrida. Para meu primo, corrida mesmo, pois iria pegar o ônibus saindo de noite para o Brasil. Nosso orçamento passava longe de passagens aéreas naquele tempo de estudante mochileiro. Eu resolvi fazer o percurso com mais calma, programando uma noite para dormir lá em cima. Então os dois madrugaram naquele dia, para pegar o primeiro ônibus para cá. Eu vim com mais calma, já no meio da manhã. Fiz a caminhada sozinho, embora naquele dia houvesse mais gente na trilha. Acabei cruzando com os dois já bem próximo da longa e íngreme subida final, a pouco mais de uma hora do refúgio. Voltavam acelerados. Não só pelo tempo apertado, mas pelas moscas gigantes que são uma praga por aqui no verão e ficam nos atazanando. São alvos fáceis de nossos tapas, mas matar 100 delas cansa! Então, o remédio era acelerar. Nosso encontro, que também calhou de ser nossa despedida por mais de um ano, foi bem rápida. Depois disso, cheguei ao refúgio, encontrei um lugar para mim nos beliches, passeei até a Laguna tímpanos e voltei no dia seguinte para reencontrar nosso amigo e, juntos, mas sem o primo que embarcava para a Europa, terminamos nosso mochilão.

Ponte sobre o rio, importante ponto de referência na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Ponte sobre o rio, importante ponto de referência na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Atravessando ponte meio torta na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Atravessando ponte meio torta na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Pois bem, quase 22 anos depois, cá estava eu muito bem acompanhado da amada esposa e querida amiga para percorrer mais uma vez essa bela trilha. Quando estivemos no Club Andino dois dias atrás, eu estava com medo deles dizerem que essa trilha já era, que tivesse se deteriorado, ou coisa e tal. Que nada! Assim que reconheceu que eu estava me referindo à trilha do lago Jakob (ela é mais conhecida por esse nome), ele foi enfático: “Continua linda! Para mim, a melhor da região!”. E ainda previu que haveria muito pouca gente por aqui, por ser dia de semana e pelas dificuldades de transporte. Dito e feito, haviam apenas mais dois carros no estacionamento e, logo no início da trilha cruzamos com as pessoas voltando. Isso queria dizer que a trilha, o lago e o refúgio seriam nossos! Melhor, impossível!

Árvore centenátia em bosque na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Árvore centenátia em bosque na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Bambuzal seco na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Bambuzal seco na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Com a Rowan na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Com a Rowan na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


A trilha não é difícil. Saímos de uma altura próxima dos 800 metros e chegamos aos 1.600 metros. Essa ascensão de 800 metros está muito bem distribuída ao longo dos 18 km de extensão do caminho. Basicamente, seguimos por um mesmo vale quase todo o tempo, sempre ao lado de um rio de águas claras, puras e geladas. Ótimas para se beber!. Subimos uma pequena encosta aqui e ali, descemos novamente até o nível do rio, atravessamos bosques e campinas, sempre ladeados pelas altas montanhas que conformam o vale. Finalmente, já com mais de 80% do caminho feito, deixamos o rio e o vale para trás e para baixo para subir uma encosta bem íngreme. Mesmo aí, a trilha em ziguezague ajuda bastante. Lá no alto, cruzamos mais um rio, bem de frente a uma bela cachoeira de um lado e uma visão esplendorosa do vale lá embaixo do outro. Uma última subida, um lajeado de pedras e chegamos ao Jakob, o lago onde está o refúgio.

Três horas de trilha, descanso e lanche em um bosque na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Três horas de trilha, descanso e lanche em um bosque na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Três horas de trilha, descanso e lanche em um bosque na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Três horas de trilha, descanso e lanche em um bosque na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Bom, a placa que marca o início da trilha prevê um tempo de 6 horas de caminhada. Eu sabia que faríamos em menos. Principalmente por que queríamos chegar lá encima em tempo de seguir até a Laguna Témpanos, um pouco mais adiante. Então saímos animados e com passo firme, mas sempre prontos para parar e tirar fotos. O começo da trilha é meio empoeirado, mas tudo melhora quando chegamos à beira do rio e, a partir daí, não há mais do que reclamar, Ou estamos na sombra de bosques de pinheiros, ou estamos sob o sol, mas com uma vista magnífica do vale em que caminhamos. De tempos em tempos, uma paradinha no rio para beber água.

A bela paisagem da trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

A bela paisagem da trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Um dos trechos mais belos da trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Um dos trechos mais belos da trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Com a Rowan, meia hora antes de chegarmos ao Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Com a Rowan, meia hora antes de chegarmos ao Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Lá pelas tantas surge um paredão no final do vale. Eu já sei que o lago Jakob está lá encima, atrás dessa parede. Também começa a aparecer neve no alto das montanhas, o que torna a vista ainda mais bonita. Com ajuda de uma ponte bem capenga, passamos para o lado de lá do rio. Na minha memória, mais um pouco e chegaríamos em um bosque ideal para pararmos e fazermos o nosso lanche. Foi onde encontrei meu primo e meu amigo 22 anos atrás. Naquele dia, como eu já disse, as moscas gigantes fariam da nossa vida um inferno se parássemos mais de 30 segundos. Mas hoje, para nosso enorme alívio (eu já havia prevenido as meninas sobre essas malditas moscas!), elas não estavam lá. Então, paramos tranquilamente nesse bosque onde há até uma pequena clareira com direito a bancos (troncos caídos) para fazermos nosso lanche.

Ao final de uma encosta bem íngrime, chegamos a uma bela cachoeira já bem perto do Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Ao final de uma encosta bem íngrime, chegamos a uma bela cachoeira já bem perto do Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Pouco mais de 4 horas de caminhada, descanso ao lado de uma bela cachoeira na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Pouco mais de 4 horas de caminhada, descanso ao lado de uma bela cachoeira na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Cachoeira linda, mas de águas geladas, já bem próximos do Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Cachoeira linda, mas de águas geladas, já bem próximos do Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Descansados e reenergizados, estávamos prontos para enfrentar o maior obstáculo dessa trilha: a subida da encosta já bem próxima do paredão. De pouco em pouco fomos vencendo o enorme ziguezague estrategicamente sempre na sombra. Aos poucos, começamos a ouvir barulho de água caindo e, algumas voltas de ziguezague mais acima, chegamos a uma bela cachoeira. Passamos pelo rio numa bela e nova ponte de madeira com piso aramado, de uma lado a bela queda d’água, do outro um enorme desfiladeiro que nos leva de volta ao vale, uns 150 metros abaixo de nós. É o ponto ideal para mais um descanso, o último antes de chegarmos ao refúgio.

A Ana e a Rowan em ponte sobre desfiladeiro na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

A Ana e a Rowan em ponte sobre desfiladeiro na trilha para o Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Momento de descanso, já quase no final da trilha para o refúgio San Martín, na região de Bariloche, na Argentina

Momento de descanso, já quase no final da trilha para o refúgio San Martín, na região de Bariloche, na Argentina


Paisagem montanhosa já chegando no Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Paisagem montanhosa já chegando no Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Saímos da ponte e da trilha e fomos até a piscina formada pela cachoeira. A água é verde escura, linda e apetitosa. Mas é fria demais e nos desanima a dar um banho rápido. Quando muito, molhar as mãos, braços e rosto. Pose para fotos, de um lado e de outro. E um tempo de contemplação, também olhando para um lado e para o outro. Um dia, tenho de voltar aqui e ser bravo o suficiente para entrar nessa cachoeira!

Ao final de uma encosta bem íngrime, chegamos a uma bela cachoeira já bem perto do Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina

Ao final de uma encosta bem íngrime, chegamos a uma bela cachoeira já bem perto do Refúgio San Martín, no lago Jakob, na região de Bariloche, na Argentina


Coma Rowan na trilha para o refúgio San Martín, na região de Bariloche, na Argentina

Coma Rowan na trilha para o refúgio San Martín, na região de Bariloche, na Argentina


Felizes ao terminar a encosta mais íngrime da trilha para o refúgio San Martín, região de Bariloche, na Argentina

Felizes ao terminar a encosta mais íngrime da trilha para o refúgio San Martín, região de Bariloche, na Argentina


Bom, o tempo urge e seguimos em frente. Sempre agradecendo o dia longo que se tem por aqui. Mais uma última subida e chegamos no alto. Uma curva aqui, outra ali e aparece o lago iluminado pela bela luz do meio da tarde (eram cinco da tarde). Outra curva e chegamos a uma grande pedra que forma um mirante para essa bela paisagem. Pela primeira vez avistamos o refúgio, uns 200 metros adiante. Visual de perder o fôlego. A Ana e a Rowan concordam: valeu cada gota de suor para chegarmos aqui, cada minuto das últimas cinco horas de esforço. Quanto a mim, enfim cumpria minha promessa!

Chegando ao lago Jakob, onde está o Refúgio San Martín, na região de Bariloche, na Argentina

Chegando ao lago Jakob, onde está o Refúgio San Martín, na região de Bariloche, na Argentina

Argentina, Bariloche, trilha, cachoeira, Parque, Lago, Patagônia, Jakob

Veja todas as fotos do dia!

Participe da nossa viagem, comente!

Post anterior Paisagem florida da Ruta de Los 7 Lagos no Parque Nacional Nahuel Huapi, na Argentina

Flores Patagônicas

Post seguinte Aproveitando os últimos raios e calor do sol ao retornar ao lago Jakob, região de Bariloche, na Argentina

Nossa Casa na Montanha

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet