0 Toniná - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Toniná - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Toniná

México, Ocosingo, San Cristobal De Las Casas

Totem maya em toniná, em Ocosingo - Chiapas, no sul do México

Totem maya em toniná, em Ocosingo - Chiapas, no sul do México


Nem tudo eram flores no mundo dos mayas. Mesmo antes dos efeitos combinados da explosão populacional e das graves secas que levaram a civilização ao colapso no início do séc X da nossa era, não era ser fácil ser um maya. Quem nascia nas classes menos abastadas, levava uma vida de muito trabalho, ora ajudando a construir, no muque, uma nova pirâmide-mausoléu para o rei de plantão, ora deixando as colheitas e a família de lado para ajudar seu príncipe numa nova conquista militar. E tudo isso torcendo para que seu sacerdote estivesse acertando nos desígnios dos deuses, tanto na melhor hora de plantar como na melhor hora de guerrear.

Chegando às impressionantes ruínas de Toniná, em Ocosingo - Chiapas, no sul do México

Chegando às impressionantes ruínas de Toniná, em Ocosingo - Chiapas, no sul do México


É, vida de pobre nunca foi fácil em lugar algum. Mas, no caso dos mayas, o rei e os nobres também tinham seus problemas. Eram eles os principais “prêmios” nas constantes guerras entre as cidades vizinhas. A captura de um “peixe graúdo” era sempre muito celebrada no mundo maya. E o ponto alto dessa celebração era o sacrifício dessa captura em honra aos deuses, o que certamente trairia chuvas para melhores colheitas e novas vitórias militares, para novos sacrifícios aos deuses.

Explorando as ruínas mayas de Toniná, em Ocosingo - Chiapas, no sul do México

Explorando as ruínas mayas de Toniná, em Ocosingo - Chiapas, no sul do México


Os nobres e reis capturados em guerra eram despidos de suas armas, amarrados e forçados a se curvar frente aos seus captores. Depois, seguindo rituais próprios de cada cidade, teriam “árduos” momentos finais e, finalmente, seriam mortos, decepados, degolados, jogados em algum precipício ou o que seja, dependendo de quem fosse os vitoriosos.

Ruínas de Toniná, em Ocosingo - Chiapas, no sul do México

Ruínas de Toniná, em Ocosingo - Chiapas, no sul do México


Por algum motivo ainda não bem explicado, a sociedade e o mundo maya passaram por alguma transformação no final do séc VIII, quando a casta militar passou a ter ainda mais importância que a casta religiosa. Foi quando, aparentemente, as guerras (e os sacrifícios) passaram a ser mais recorrentes. Foi exatamente nessa época que ganhou proeminência a cidade maya de Toniná, cujas ruínas estão ao lado de Ocosingo.

Grifos mayas em Toniná, em Ocosingo - Chiapas, no sul do México

Grifos mayas em Toniná, em Ocosingo - Chiapas, no sul do México


Essa foi a principal rival política da mais famosa Palenque, onde estivemos ontem. Vários dos soberanos de Palenque foram capturados e vieram a morrer aqui, na praça central de Toniná, “homenageando” os deuses e sacerdotes da cidade. A cidade vivia o seu auge quando, junto com as outras grandes cidades do período, foi completamente abandonada ao longo de uma geração, em meados do séc X.

Admirando a mesma paisagem que os mayas admiravam há 1.200 anos, em Toniná, ao lado de  Ocosingo - Chiapas, no sul do México

Admirando a mesma paisagem que os mayas admiravam há 1.200 anos, em Toniná, ao lado de Ocosingo - Chiapas, no sul do México


Visitar Toniná hoje é glorioso. Suas ruínas são colossais, ainda mais altas que as de Palenque. E, ao contrário dessa, é bem pouco visitada por turistas. Assim, podemos ficar praticamente sozinhos neste imponente sítio arqueológico, subindo e descendo estreitas escadas que nos levam ao alto de templos ou percorrendo túneis labirínticos por baixo de antigos palácios. Lá do alto, a visão do vale que nos rodeia é grandiosa e não é à toa que os soberanos dessa cidade deveriam se sentir os reis do mundo, observando tudo e à todos lá de cima.

Sítio arqueológico de Toniná, em Ocosingo - Chiapas, no sul do México

Sítio arqueológico de Toniná, em Ocosingo - Chiapas, no sul do México


Como em Palenque, um museu no próprio sítio arqueológico nos brinda com muitas informações históricas e também com os principais achados na cidade, na forma de murais, utensílios domésticos, placas com os já familiares grifos mayas e toda a sorte de tesouros arqueológicos. Chama a atenção os desenhos com os reis e nobres inimigos capturados, geralmente ajoelhados e amarrados, em posição subserviente. Pouco antes de serem separados de suas cabeças...

Entrando no museu de Toniná, em Ocosingo - Chiapas, no sul do México

Entrando no museu de Toniná, em Ocosingo - Chiapas, no sul do México


Foi uma delícia a visita e caminhar por essas ruínas tão bem conservadas nos levou para este outro mundo, tão próximo e tão longínquo ao mesmo tempo. A organização da cidade é impressionante, assim como as habilidades arquitetônicas deste povo. Custa a acreditar que construíram isso tudo sem a ajuda de animais ou de ferramentas de metal. Trator e caminhão, então, nem pensar!

Uma das muitas peças encontradas em Toniná e exposta no museu do sítio (perto de Ocosingo - Chiapas, no sul do México)

Uma das muitas peças encontradas em Toniná e exposta no museu do sítio (perto de Ocosingo - Chiapas, no sul do México)


Após a visita, seguimos diretamente para San Cristobal de Las Casas, enfrentando mais duas horas de topes (lombadas) e curvas. Finalmente chegamos nessa bela e vibrante cidade, a mais bonita de Chiapas. Mas isso é assunto para outro post...

Crânios deliberadamente deformados desde criança, costume maya em Toniná, perto de Ocosingo - Chiapas, no sul do México

Crânios deliberadamente deformados desde criança, costume maya em Toniná, perto de Ocosingo - Chiapas, no sul do México

México, Ocosingo, San Cristobal De Las Casas, Chiapas, mayas, Toniná

Veja todas as fotos do dia!

Participe da nossa viagem, comente!

Post anterior O Templo das Inscrições visto do alto do Palácio, nas ruínas mayas de Palenque, em Chiapas, no sul do México

Palenque e as Cidades Mayas

Post seguinte Casario em San Cristobal de Las Casas, no sul do México

San Cristobal de Las Casas

Blog da Ana Admirando a mesma paisagem que os mayas admiravam há 1.200 anos, em Toniná, ao lado de  Ocosingo - Chiapas, no sul do México

A Admirável Toniná

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 20/01/2012 | 18:21 por Guto Junqueira

    Fala, Rô, beleza aí? Muito legal suas histórias com os mayas, sempre fico pensando num rei de uma cidade, bajulado por seus súditos, sendo capturado e humilhado pelo inimigo antes de sua execução. Olha, no meu blog coloquei minha descrição da subida ao Ojos com vídeo. Lembre-se que para subi-lo vc tem que tentar depois de novembro - antes disso a montanha está fechada. E se vc quiser subir o Orizaba, a mais alta montanha do México, posso colocar vc em contato com o Gera, meu amigo de viagem ao Atacama em 2009 e que amanhã está seguindo para o Ojos com o Dib. Ele andou morando no México, subiu o Orizaba e tem alguns contatos para isso. Abraço e aproveita esse país, beijo na Ana, Guto

    Resposta:
    Olá Guto

    Parabéns pelo Ojos! Muito jóia a sua descrição:

    http://www.revide.com.br/blog/gustavo-junqueira/post/rumo-cratera-do-vulcao-continuacao/

    Nós vamos tentar também, mas imagino que seja mais para o fim do verão, lá para Março. Será que dá?

    O Orizaba também está nos planos. Mas vai ser na nossa volta, entre Agosto e Setembro. Vc não se anima?

    Um grande abraço!

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet