0 De Volta ao Alaska, Terra de Ursos e Águias - Blog do Rodrigo - 1000 dias

De Volta ao Alaska, Terra de Ursos e Águias - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

De Volta ao Alaska, Terra de Ursos e Águias

Canadá, Whitehorse, Alaska, Haines

A magnífica paisagem na estrada entre Haines Junction, no Canadá e a fronteira com o Alaska

A magnífica paisagem na estrada entre Haines Junction, no Canadá e a fronteira com o Alaska


Paramos ontem no final da tarde na cidade de Haines Junction porque tínhamos marcado um encontro ali com nossos amigos viajantes colombianos. Acabamos por nos desencontrar, mas como já estava tarde, ficamos por ali mesmo, mais uma noite no Canadá. Bem, não encontramos os velhos amigos mas, em compensação, fizemos uma nova amiga hoje, pela manhã. A Karrie, uma legítima canadense da etnia Tutchone, interessada na Fiona, veio conversar conosco e a conversa rendeu uma boa meia hora de troca de informações. Nós, sobre a viagem, e ela, sobre a cultura e meio de vida local, principalmente a caça. Confesso que, ao conversar com ela, mudei um pouco meus conceitos. Ela apenas faz o que faziam seu pai, seu avô e uma centena de gerações anteriores. Caçam e aproveitam tudo o que é possível do animal, carne, ossos, pele, chifres, etc... Ela disse que é tudo para consumo próprio e de amigos. Comercializar carne de caça no Canadá é proibido. Um alce grande, com cerca de uma tonelada, chega a durar um ano entre geladeira e churrascos. A única crítica que faço é que o pai e o avô não caçavam com rifles modernos, que tem até mira telescópica. O animal não tem chance alguma contra essa tecnologia moderna. Além disso, com o uso dos veículos, eles chegam rapidamente a pontos onde antes era preciso uma semana de caminhadas para ir e voltar.

Nossa simpática amiga Karrie, da etnia Tutchone, em Haines Junction, no Yukon - Canadá

Nossa simpática amiga Karrie, da etnia Tutchone, em Haines Junction, no Yukon - Canadá


Enfim, se pensarmos bem, as vacas e galinhas que comemos também não tem nenhuma chance nos matadouros. São criadas para isso, certo. Mas também os alces e cervos daqui estão em reservas de caça onde, pelo menos em teoria, a população é “administrada” para ficar em equilíbrio e não correr o risco de extinção. É, eu nunca mataria ou sairia numa excursão de caça. Aliás, também não mataria uma vaca ou galinha num matadouro. Mas não tenho o menor pudor em me deliciar num churrasco. Aliás, muito pelo contrário... Acho pior mesmo aqueles que viajam para África ou Índia para dar uns tiros em leões, tigres ou elefantes e levar um tapete de troféu para casa. Isso sim, é o fim!

A magnífica paisagem na estrada entre Haines Junction, no Canadá e a fronteira com o Alaska

A magnífica paisagem na estrada entre Haines Junction, no Canadá e a fronteira com o Alaska


Bem, seguimos então para o Alaska numa estrada que atravessa paisagens belíssimas! Foi construída pelos americanos na 2ª Guerra mundial, pois tinham medo que os japoneses invadissem Haines. Então, a cidade passou a ser a única além de Skagway, no sudeste do Alaska, a ter acesso rodoviário. A diferença entre elas é que em Skagway chegam cruzeiros o tempo todo e a cidade já é construída para esse tipo de turismo, enquanto Haines retém ainda aquele charme de uma vila autêntica. Por ali, chega apenas um cruzeiro por semana, na temporada.

A magnífica paisagem na estrada entre Haines Junction, no Canadá e a fronteira com o Alaska

A magnífica paisagem na estrada entre Haines Junction, no Canadá e a fronteira com o Alaska


Pouco mais de uma hora e chegamos à fronteira. É a terceira vez que deixamos o Canadá e a décima-segunda que entramos nos EUA nesses 1000dias. Os caras da fronteira americana nem aguentam mais nos ver, hehehe. “Ihhh, lá vem aqueles malucos outra vez!”. Das 12 vezes, 5 foram com a Fiona, duas delas naquele folclórico dia que chegamos do México. Uma vez foi a pé, lá em Tijuana, naquele mesmo dia, e outras 6 de avião, duas das quais apenas em escala de voos, mas que temos de passar pela aduana do mesmo jeito. Justiça seja feita, sempre nos trataram muito bem e de forma bastante eficiente.

Nosso primeiro encontro com as majestosas 'Bald Eagles', em rio próximo à Haines, no sudeste do Alaska

Nosso primeiro encontro com as majestosas "Bald Eagles", em rio próximo à Haines, no sudeste do Alaska


Outra vez no Alaska e logo nos deparamos com o animal-símbolo da nação americana, a Bald Eagle, aquela águia linda com o corpo negro, mas a cabeça e calda brancas. Essa área e nesta época do ano é o melhor lugar para se avistar esse formoso animal. Eu não tinha ideia de quão bonita ela é, absolutamente majestosa ao voar e ao cantar. São dezenas delas, sempre na beira do rio, aproveitando-se dos salmões que estão subindo o curso d’água em que nasceram. Apesar de termos visto algumas bem de perto, estávamos desprevenidos e sem a máquina fotográfica. Quando a pegamos, já não tivemos tão boas chances. Enfim, ficamos maravilhados com essa ave, mas as melhores fotos vão ter de esperar. Teremos mais dois dias por aqui e tenho certeza que teremos mais uma chance!

Nosso primeiro encontro com as majestosas 'Bald Eagles', em rio próximo à Haines, no sudeste do Alaska

Nosso primeiro encontro com as majestosas "Bald Eagles", em rio próximo à Haines, no sudeste do Alaska


Chegamos à Haines e fomos diretamente a um restaurante em frente ao fiorde, uma vista grandiosa. O tempo estava meio chuvoso, e promete continuar assim pelos próximos dias. Mesmo assim, a visão é linda, o fiorde cercado por florestas verdes e montanhas nevadas. No restaurante, a especialidade é o salmão. Aproveitamos para aprender sobre todas as variedades do peixe, cada uma com o seu tempo certo de subir o rio. A temporada, então, dura vários meses, enquanto os peixes vão mudando. Quem faz a festa são os pescadores, as águias e, claro, os ursos!

Cartaz informativo sobre as diferentes espécies de salmão que frequenatm a área de Haines, no sudeste do Alaska

Cartaz informativo sobre as diferentes espécies de salmão que frequenatm a área de Haines, no sudeste do Alaska


Pois é, queríamos saber dos ursos! Logo nos explicaram que o local certo para encontrá-los era no lago Chilkat, a 12 milhas da cidade. Um pequeno canal liga o lago ao fiorde e por aí passam centenas de salmões. Todo fim de tarde, os ursos se reúnem por ali para banquetear. Enquanto não chegam, são os pescadores, com a técnica do fly fishing, é que ocupam o espaço.

A pequena e simpática Haines, no sudeste do Alaska

A pequena e simpática Haines, no sudeste do Alaska


Bom, já sabendo o mapa do tesouro, corremos para lá. Lugar maravilhoso, paisagem incrível! Mas chegamos cedo demais. Após umas duas voltas pelo local, voltamos para o centro para achar um hotel e nos instalar. Retornamos no fim da tarde, mas aí já estava escuro demais para fotos. Quer dizer, escuro demais para fotografias claras, mas não para fotografias escuras, hehehe!

Cão enfrenta as águas geladas de praia no fiorde de Haines, no sudeste do Alaska

Cão enfrenta as águas geladas de praia no fiorde de Haines, no sudeste do Alaska


Pescadores tentam o seu salmão antes do horário dos ursos, no lago Chilkat, próximo à Haines, no sudeste do Alaska

Pescadores tentam o seu salmão antes do horário dos ursos, no lago Chilkat, próximo à Haines, no sudeste do Alaska


O que importa mesmo é que os ursos estavam por lá! Vários! Grizzlies gordinhos, prontos para a longa soneca de inverno. Vimos muitos do outro lado do rio e a Ana fez milagre para fotografá-los. Depois, apareceu um enorme cruzando a estrada bem a nossa frente. Finalmente, um urso adolescente se refestelando num salmão na nossa margem do rio. Mas foi ficando cada vez mais escuro e mais difícil fotografar. Pior, escuro assim, nem tínhamos mais coragem de ficar do lado de fora da Fiona, principalmente do lado daquele bosque escuro onde eles vivem. Pescadores nos disseram que nunca houve um incidente por aqui, os ursos estão interessados demais nos salmões para se preocuparem conosco. Ok, tudo bem, mas quero pelo menos poder ver se eles estão ali por perto, hehehe!

Ursos começam a aparecer do outro lado do rio Chilkat, próximo à Haines, no sudeste do Alaska

Ursos começam a aparecer do outro lado do rio Chilkat, próximo à Haines, no sudeste do Alaska


Um enorme urso atravessa a estrada do lago Chilkat, próximo à Haines, no sudeste do Alaska

Um enorme urso atravessa a estrada do lago Chilkat, próximo à Haines, no sudeste do Alaska


Assim, voltamos para casa felizes de tê-los visto tão de perto, mas mais ainda por já saber onde encontrá-los. Com certeza, será nosso programa predileto nos próximos dois dias, enquanto esperamos pela partida do nosso ferry na tarde do dia 25.

Ursos pescam salmão no início da noite no lago Chilkat, próximo à Haines, no sudeste do Alaska

Ursos pescam salmão no início da noite no lago Chilkat, próximo à Haines, no sudeste do Alaska

Canadá, Whitehorse, Alaska, Haines, Bichos, Yukon, Haines Junction

Veja todas as fotos do dia!

Comentar não custa nada, clica aí vai!

Post anterior Admirando a magnífica paisagem do rio Yukon e Dawson City, no Yukon Territory, no Canadá

Beringia, Ursos Polares e a Ponte até a Ásia

Post seguinte Uma Bald Eagle voa sobre nossas cabeças, em Haines, no sudeste do Alaska

Entre Águias, Geleiras e Totens

Blog da Ana Um grande urso nada nas águas do rio Chilkat, em Haines, no sudeste do Alaska

Haines: entre Tinglíts, Ursos e Águias

Comentários (5)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 19/07/2016 | 08:18 por Nati

    Passei dois meses (setembro e outubro 2008) na região de Haines Junction. Rever estas fotos trousseram momentos memoravéis à esta goiâna que também gosta de percorrer o mundo.

  • 19/07/2016 | 08:18 por Nati

    Passei dois meses (setembro e outubro 2008) na região de Haines Junction. Rever estas fotos trousseram momentos memoravéis à esta goiâna que também gosta de percorrer o mundo.

  • 19/07/2016 | 08:18 por Nati

    Passei dois meses (setembro e outubro 2008) na região de Haines Junction. Rever estas fotos trousseram momentos memoravéis à esta goiâna que também gosta de percorrer o mundo.

  • 19/07/2016 | 08:17 por Nati

    Passei dois meses (setembro e outubro 2008) na região de Haines Junction. Rever estas fotos trousseram momentos memoravéis à esta goiâna que também gosta de percorrer o mundo.

  • 28/09/2012 | 14:29 por Virgilio

    Rodrigo e Ana, qual é a sensação de ver de perto um Urso pegando salmão? Deve ser muito emocionante.

    Resposta:
    Oi Virgilio

    É muito emocionante sim!

    Temos várias sensações, entre elas a do alívio. Pensamos: "É... antes ele do que eu!"

    Um grande abraço

    P.S Já viu as fotos do último post sobre ursos? Desse sim, chegamos pertinho!

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet