0 Botos Cor de Rosa - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Botos Cor de Rosa - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Botos Cor de Rosa

Brasil, Amazonas, Novo Airão

Boto Cor de Rosa, no Rio Negro em Novo Airão - AM

Boto Cor de Rosa, no Rio Negro em Novo Airão - AM


Ainda me lembro muito bem quando, no início da década de 80, foi anunciado que o famoso oceanólogo francês Jacques Cousteau viria ao Brasil, para uma grande viagem à bacia amazônica. Eu já era fã do velho lobo do mar desde que seus documentários começaram a passar na TV brasileira. Passaram-se mais alguns anos até que os documentários feitos em terras tupiniquins chegassem à nossa TV. A Globo os exibiu em horário nobre, em quatro grandes capítulos. Um dos pontos altos do belo documentário foi o encontro de Cousteau com um estranho golfinho de água doce, o elusivo Boto Cor de Rosa.

Boto Cor de Rosa submerso, no Rio Negro em Novo Airão - AM

Boto Cor de Rosa submerso, no Rio Negro em Novo Airão - AM


Foi a primeira vez que ouvi falar desse mamífero. Desde então, ele tem um lugar cativo na minha imaginação. De lá para cá, quase 30 anos se passaram. Já viajei muito desde então. Mas só tinha conseguido ver de perto o Boto Cinza, um primo menorzinho e mais comum do Boto Cor de Rosa. Este, só pela TV ou revistas. Até hoje...

Filmando o Boto Cor de Rosa, no Rio Negro em Novo Airão - AM

Filmando o Boto Cor de Rosa, no Rio Negro em Novo Airão - AM


A fantástica coincidência que nos fez encontrar o casal brasileiro do Bordas do Brasil bem no meio da Guiana rendeu à todos nós uma rica troca de informações. Entre elas, a existência do município de Novo Airão, que ignorávamos por completo. Além da proximidade do arquipélago de Anavilhanas e do Parque Nacional do Jaú, a grande atração da cidade é a possibilidade de interagir de perto com Botos Cor de Rosa. Na hora, não dei o devido valor, mas assim que cheguei a um lugar com internet e acessei o site deles e as fotos dos botos, mudamos o nosso roteiro. Novo Airão passou a ser prioridade.

Interagindo com o Boto Cor de Rosa, em Novo Airão - AM

Interagindo com o Boto Cor de Rosa, em Novo Airão - AM


E assim, hoje cedo, estávamos cruzando, sob muita chuva, o Rio Negro de balsa, bem ao lado da ponte quase pronta que vai facilitar a vida de muita gente. Quarenta minutos navegando nos levaram à margem sul do Rio negro, numa estreita língua de terra que separa este rio do Solimões, um pouco mais para baixo. Aí, cerca de 170 km de estrada bem conservada e vazia nos levaram até a simpática e tranquila Nova Airão. A velha e original Airão foi o primeiro povoamento português na região, mais antiga ainda que Manaus. Dela só sobraram ruínas e é mais uma das atrações turísticas para quem visita a Nova, onde acabávamos de chegar.

Interagindo com o Boto Cor de Rosa, em Novo Airão - AM

Interagindo com o Boto Cor de Rosa, em Novo Airão - AM


Ainda antes de irmos para nossa pretendida pousada, já paramos no Centro de Informações Turísticas para perguntar sobre os botos e também sobre Anavilhanas, o maior arquipélago fluvial do mundo. Decidimos que vamos visitá-lo amanhã. Hoje, era dia de botos! Com trinta anos de atraso, mas antes tarde do que nunca.

Boto Cor de Rosa, em Novo Airão - AM

Boto Cor de Rosa, em Novo Airão - AM


A gente se instalou na simpática pousada Bela Vista e seguimos à pé para o restaurante flutuante onde se pode alimentar botos que já estão acostumados com todo o ritual. Os turistas compram uns pedaços de peixe, aproximam-se mais ou menos da água, dependendo da coragem de cada um, a passam a alimentá-los. Antes que os puristas reclamem, por mais que sejam alimentados por turistas, que fora de fins de semana e feriados, mal aparecem, a maior parte da alimetação ainda vem da caça, e eles não estão esquecendo de como fazer isso por conta própria. Ao mesmo tempo, por causa dessa prática em Novo Airão, os botos, antes perseguidos pelos pescadores, por rasgarem suas redes, passaram a ser admirados no município, e protegidos por todos. A famosa win-win situation.

Brincando com o Boto Cor de Rosa, em Novo Airão - AM

Brincando com o Boto Cor de Rosa, em Novo Airão - AM


Bem, eu e a Ana passamos um bom tempo, só nos dois, ali com os botos. Felicidade pura! Muita admiração por esse animal tão gracioso e belo. Eles ganharam um belo lanche! Nós, inesquecíveis momentos e muitas fotos legais. Uma bela troca!

Admirando o Boto Cor de Rosa, em Novo Airão - AM

Admirando o Boto Cor de Rosa, em Novo Airão - AM




P.S Além dos botos, outro fato digno de nota foi nosso almoço. Ficamos quase até cinco da tarde no bar flutuante dos botos, conversando com pessoas e bebericando cerveja. Aí, neste horário, numa cidade deste tamanho, ficamos sem esperança de achar muita coisa para comer. A esperança é a última que morre e fomos caminhar no centro. Eis que encontramos o restaurante Leão da Amazônia, onde um grande evento acabava de terminar. Entre os presentes, os cônsuls do Japão e da Suiça, que vieram para a inauguração de uma associação de artesanato. Foi servido um belo banquete para esse pessoal. Quando chegamos, o buffet estava sendo retirado. O menu havia sido metade japonês e metade suiço. Mas o cônsul suiço tinha atacado a metade japonesa também, de modo que muito queijo tinha sobrado por lá. Enfim, quem diria, conseguimos uma bela entrada de queijos suiços com pães, seguido dos pratos principais, contra filet ou peixe. Tudo muito bem temperado pelo chef francês que há alguns anos se mudou para a cidade. Hmmmm! Que delícia! E que surpresa!!!

Pousada Bela Vista, em Novo Airão - AM

Pousada Bela Vista, em Novo Airão - AM

Brasil, Amazonas, Novo Airão, Nova Airão, Boto, Boto Cor de Rosa

Veja mais posts sobre Nova Airão

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior Visitando o mercado de peixes em Manaus - AM

Manaus e os Nossos Planos

Post seguinte Floresta submersa no arquipélago de Anavilhanas, região de Novo Airão - AM

Anavilhanas e a Boa Comida

Blog da Ana Interagindo com o Boto Cor de Rosa, em Novo Airão - AM

AMO BOTO!

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet