0 Monte Albán e os Zapotecas - Blog da Ana - 1000 dias

Monte Albán e os Zapotecas - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

Monte Albán e os Zapotecas

México, Oaxaca

Os 'danzantes', os painéis mais famosos de Monte Albán, ao lado de Oaxaca, no México

Os "danzantes", os painéis mais famosos de Monte Albán, ao lado de Oaxaca, no México


Capital dos antigo povo Zapoteca, Monte Albán é um imenso sítio arqueológico localizado a apenas 15km do centro de Oaxaca. Este povo reinou na região dos Vales Centrais do atual estado de Oaxaca entre os anos de 400a.C a 700d.C.

Uma das 'estelas' da antiga cidade de Monte Albán, ao lado de Oaxaca, no México

Uma das "estelas" da antiga cidade de Monte Albán, ao lado de Oaxaca, no México


Calcula-se que no seu auge a cidade abrigou em torno de 20 mil pessoas, que tinham como atividades básicas a agricultura de milho, feijão, frutas, fibras naturais, entre outros. A caça e a coleta de materiais para manufaturas de adereços, produção de cerâmicas, confecção de tecidos, tinturas para tecidos e pinturas murais e diferentes tipos de oferendas para os seus deuses.

Ruínas da cidade zapoteca de Monte Albán, ao lado de Oaxaca, no México

Ruínas da cidade zapoteca de Monte Albán, ao lado de Oaxaca, no México


O nome Monte Albán foi escolhido, pois em toda a região, encontramos o mesmo tipo de árvore com flores brancas. O sítio que foi descoberto pela quantidade de montículos de terra em formato piramidal e ainda está em processo de escavação.

A árvore que deu o nome às ruínas de Monte Albán, ao lado de Oaxaca, no México

A árvore que deu o nome às ruínas de Monte Albán, ao lado de Oaxaca, no México


Um complexo de templos grandiosos deixou algumas pistas sobre algumas das práticas religiosas, como o conjunto de esculturas chamado de “Los Danzantes”. Homens, provavelmente prisioneiros de guerra, que eram amarrados e castrados e seu sangue seria utilizado para cerimônias de fertilidade. Entre “los danzantes” encontram-se figuras curiosas, chamadas de nadadores, justamente pela semelhança com as posições de natação. Só não consegui descobrir se estes também seriam presos e sacrificados ou se seriam apenas uma representação ritualística.

Os 'danzantes', os painéis mais famosos de Monte Albán, ao lado de Oaxaca, no México

Os "danzantes", os painéis mais famosos de Monte Albán, ao lado de Oaxaca, no México


Começamos o tour pela Acrópolis Sul, de onde conseguimos ter uma bela vista de todo o sítio arqueológico. Passamos por um imenso pátio e um corredor entre as bases do que um dia foram imensas colunas de um corredor de acesso à Acropolis Norte, onde estão os principais templos.

Visão geral de Monte Albán, ruínas zapotecas ao lado de Oaxaca, no México

Visão geral de Monte Albán, ruínas zapotecas ao lado de Oaxaca, no México


Passamos por um relógio de sol que marcaria os períodos para plantio e colheita e seguimos por imensas avenidas que cruzam o complexo de sul a norte, ladeada por templos, monumentos funerários, entradas de tumbas, o palácio real e o jogo de pelota.

Placa informativa em Monte Albán, demonstrando que os zapotecas conheciam muito bem os movimentos celestes (ao lado de Oaxaca, no México)

Placa informativa em Monte Albán, demonstrando que os zapotecas conheciam muito bem os movimentos celestes (ao lado de Oaxaca, no México)


O Jogo de Pelota é um elemento comum entre as civilizações meso-americanas. Utilizado para definir questões políticas, territoriais e desavenças entre a população. É um pouco difícil entender como funcionava, mas aparentemente os 4 jogadores teriam que acertar a bola com os punhos, joelhos e os quadris, e o movimento da bola representava os astros sagrados, lua, sol e Vênus. Caso uma jogada fosse feita no sentido contrário, um sacrifício era feito em honra destas divindades.

Ilustração sobre o juego de pelota, em Monte Albán, ao lado de Oaxaca, no México

Ilustração sobre o juego de pelota, em Monte Albán, ao lado de Oaxaca, no México


Uma curiosidade bacana bem explorada no museu do sítio é a atividade comercial entre os zapotecas e teotihuacanos, a maior cidade neste período em todo o México. Encontraram-se evidências de comércio e troca cultural entre os dois povos, como influência na arquitetura de um dos templos mais recentes de Monte Albán, além de oferendas e inclusive um bairro Zapoteca dentro de Teotihuacan, que está a 70km ao norte da atual Cidade do México.

Ruínas da cidade zapoteca de Monte Albán, ao lado de Oaxaca, no México

Ruínas da cidade zapoteca de Monte Albán, ao lado de Oaxaca, no México


Este sítio teria abandonado em meados de 900d.C. no mesmo período em que as cidades Mayas teriam entrado em colapso por mudanças climáticas, imensos períodos de seca e fome. A história desse sítio, entretanto não acabaria por aqui. No período pós-clássico, em torno de 1.200d.C. surge um novo povo dominante nesta região, os Mixtecas. Eles chegaram a ocupar e utilizar as construções dos zapotecas, inclusive utilizando as mesmas tumbas. Os Mixtecas conviveram no mesmo período dos temidos Aztecas, que mais tarde viriam a conquistá-los.

Em plena praça central de Monte Albán, cidade zapoteca de 1.500 anos atrás (ao lado de Oaxaca, no México)

Em plena praça central de Monte Albán, cidade zapoteca de 1.500 anos atrás (ao lado de Oaxaca, no México)


Monte Albán é um sítio que vale a pena ser visitado se queremos ter uma ideia mais geral da riqueza e da mescla cultural que existia dentro da América Central, em um momento em que Zapotecas, Mayas e Teotihuacanos conviveram, viram seu auge e suas ruínas.

Cenário montanhoso da longa viagem entre Oaxaca e o litoral do Pacífico, no México

Cenário montanhoso da longa viagem entre Oaxaca e o litoral do Pacífico, no México


Nosso dia continuou com uma longa jornada atravessando os Vales Centrais e as montanhas em direção ao Pacífico. Cruzamos dezenas de vilarejos em uma estrada sinuosa, entre florestas de pinos. Vimos o começo de uma procissão em um destes vilarejos no alto da montanha e já durante a noite chegamos ao nosso destino, à praia de Zipolite.

Povoado em festa no nosso caminho entre Oaxaca e Zipolite, no litoral

Povoado em festa no nosso caminho entre Oaxaca e Zipolite, no litoral

México, Oaxaca, arqueologia, Monte Albán, zapotecas

Veja todas as fotos do dia!

Quer saber mais? Clique aqui e pergunte!

Post anterior Igreja de Santo Domingo, em Oaxaca, no México

Oaxaca: Cultura e Encanto

Post seguinte Fim de tarde em Zipolite, no litoral Pacífico do México

Liberdade em Zipolite

Blog do Rodrigo Visão geral de Monte Albán, ruínas zapotecas ao lado de Oaxaca, no México

Monte Albán, Zapotecas e a Tragédia dos Códices

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 22/04/2015 | 17:38 por Marina

    Olá! Sou estudante de arqueologia e estou fazendo uma pesquisa sobre os Zapotecas! Quero agradecer pela ajuda com as fotos! O site todo é um mimo! Abraço!

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet