0 Macapá à Oiapoque - Blog da Ana - 1000 dias

Macapá à Oiapoque - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

Macapá à Oiapoque

Brasil, Amapá, Macapá, Oiapoque

Além do asfalto, são 160 km de terra e barro na viagem entre Macapá e Oiapoque - AP

Além do asfalto, são 160 km de terra e barro na viagem entre Macapá e Oiapoque - AP


A distância de Macapá à Oiapoque é em torno de 560km, sendo 160 destes em estrada de terra esburacada e enlameada, neste período chuvoso. Todos nos assustaram bastante que alguns trechos seriam praticamente intrafegáveis e que mesmo com a tração 4x4 teríamos que pagar um trator para nos rebocar, serviço já oferecido na estrada. Pegamos chuva praticamente a viagem inteira, a estrada não possui postos de combustíveis, apenas um restaurante em uma bifurcação da estrada há 120km de Oiapoque.

Muito barro na viagem entre Macapá e Oiapoque - AP

Muito barro na viagem entre Macapá e Oiapoque - AP


Passaram por nós umas 20 Toyotas Hilux, a maioria há uns 70km/h, nem aí para os buracos. Nós queremos que a Fiona agüente firme os mais de 100mil km por toda a América, então nossa média foi de 40 ou 50km/h, quase 8 horas de viagem. A única coisa que realmente precisamos foi de muita paciência. A estrada está em construção, já foi feita uma terraplanagem, vimos o pessoal fazendo a topografia mesmo embaixo de chuva, mas ainda assim tem muitos buracos. O tempo para fazer os 160km no final vai depender da sua pressa e cuidado que quer ter com o carro.

Fazendo topografia para asfaltamento da estrada entre Macapá e Oiapoque - AP

Fazendo topografia para asfaltamento da estrada entre Macapá e Oiapoque - AP


O interior do Amapá possui diversas reservas indígenas e alguns parques nacionais para preservação da Floresta Equatorial. Passamos por um longo trecho de Reservas Indígenas Açuá e diversas aldeias à beira da estrada. Os índios estavam jogando futebol, pescando, criando gado, cortando lenha, crianças brincando na chuva, enfim, seguindo suas vidas já muito adaptadas a cultura do homem branco, como a maioria dos índios que vemos no sudeste e nordeste do Brasil. Este é o trecho de mata mais preservada, embora em alguns lotes ainda vejamos vestígios de queimadas e de desmatamento. Vai saber se são permitidos ou não.

Paisagem na viagem entre Macapá e Oiapoque - AP

Paisagem na viagem entre Macapá e Oiapoque - AP


No entanto, no primeiro trecho da estrada, ainda no asfalto, passamos por muitas fazendas. Trechos desmatados para pasto ainda sem nenhuma cabeça de gado e alguns com plantação dos malditos eucaliptos. Eu fiquei me perguntando, será que é desmatamento recente e ainda estão formando o pasto? Ou será que todos os bois foram vendidos? Tanta mata, tanta riqueza natural reduzida à capim! Impossível não ficar indignada, mas se estão seguindo a lei, será que devo ficar indignada? Duvido que esse desflorestamento à margem de uma BR seja criminoso, então será que devo também achar normal?

Mata queimada na viagem entre Macapá e Oiapoque - AP

Mata queimada na viagem entre Macapá e Oiapoque - AP


Entre tantas dúvidas e desconforto foi que me surgiu uma ideia, pode parecer esdrúxula, mas em longo prazo ela poderia funcionar. É um tema a ser discutido por antropólogos, teólogos e líderes religiosos: meio ambiente e religião. Os mandamentos e regras de cada religião surgiram por demandas naturais do ambiente de cada povo, são regras de convívio em sociedade, alimentação, higiene, etc. Não cabe a mim entrar em detalhes técnicos, até por que não sou especialista no tema, mas a fé move montanhas! Os 10 mandamentos e as principais regras de cada religião deveriam ser revisados para a inclusão de preceitos básicos para a preservação do meio ambiente e por conseqüência do ser humano. Duvido que Deus, ou os seus representantes mais próximos (Jesus, Maomé, Moisés, entre outros), não estejam preocupados com a situação atual do nosso mundo, vendo que seus filhos estão se encaminhando para um holocausto natural, e não pensem em fazer nada. Na prática o que ganharíamos com isso? Milhares de padres, pastores, rabinos, monges, pessoas do mais alto gabarito, com credibilidade na sua comunidade, ensinando e pregando para que as pessoas não cometessem mais este tipo de pecado ou delito contra a natureza. Ao longo dos tempos a religião funcionou muito bem para educar a sociedade, tirá-la das trevas e fazê-la muito mais digna, por que não aproveitar de sua experiência para este novo impasse? Enfim, pode ser uma grande viagem, mas eu ainda acho que poderia funcionar.

Plantação de Eucaliptos na viagem entre Macapá e Oiapoque - AP

Plantação de Eucaliptos na viagem entre Macapá e Oiapoque - AP


Final da tarde chegamos à Oiapoque, ainda com chuva, nos instalamos em um hotel às margens do Rio Oiapoque. A Guiana Francesa ali à nossa frente, do outro lado do rio. Amanhã será o grande dia, quando finalmente saberemos se o nosso plano A, de cruzar as Guianas, será possível ou não.

Chegando perto da fronteira! (na viagem entre Macapá e Oiapoque - AP)

Chegando perto da fronteira! (na viagem entre Macapá e Oiapoque - AP)

Brasil, Amapá, Macapá, Oiapoque,

Veja mais posts sobre

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior Na orla do rio Amazonas, em Macapá - AP

Tempo ao tempo

Post seguinte Monumento que marca o início do Brasil, em Oiapoque - AP

Aqui começa o Brasil!

Blog do Rodrigo Muitos igarapés e bela paisagem no trecho asfaltado da viagem entre Macapá e Oiapoque - AP

Viajando para Oiapoque

Comentários (16)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 07/08/2017 | 13:42 por adalberto campos

    estive nesse trecho agora em julho de 2017 mas vou de 2 em 2 anos ao oiapoque mas nada muda na estrada e muito precaria e a telecomunicção tambem precaria internet muito ruim precisam melhorar muito pra poder ser um ponto turistico porque tem potencial principalmente em clevelandia do norte.

  • 15/01/2017 | 17:13 por Edmilson

    Boa tarde, desde já agradeço a atenção, estou pretendendo conhecer as Guianas e vou de motocicleta. Qual a melhor epoca de passar pelo oiapoque , com menos lama e chuva? Muito obrigado

  • 17/08/2016 | 09:32 por Braz Antonio da Silva

    Eu já li sobre vocês e a FIONA, se é que sao os mesmo que fizeram FOZ DO IGUAÇU a ASSUNÇÃO, depois SUCRE na Bolivia e daí por diante. Minha questão é: vocês cruzaram do Oiapoque para a Guina Francesa sem prolemas? Penso em conhecer essa região em breve. Obrigado

  • 06/09/2015 | 17:50 por Federico Hechenleitner

    Hola Ana, te escribo desde Patagonia y confío en que podrás entender el español. Pudiste cruzar finalmente hasta Guyana Francesa?

    Y respecto a los Eucaliptus, te comento que soy Ingeniero Forestal y lamento mucho que también allá se esté reemplazando la vegetación nativa por estas exóticas que si bien entregan una alta rentabilidas económica,-para algunos-, generan grandes daños ambientales, -para todos-.

  • 22/06/2015 | 18:10 por Elton Castro

    Olá poderiam me informar qual empresa de onibus faz o trajeto de Macapa ao Oiapoque?

    Obrigado!

  • 26/05/2015 | 01:23 por savio gil avila

    Vergonha. É o que eu sinto ocasionalmente com a minha nacionalidade. É uma pena que tão pouco eu posso fazer para melhorar este país, a não ser votar o melhor possível. Depois de bilhões desaparecidos na Lava a Jato, de um Pré-sal que ainda não disse ao que veio, por uma merreca de poucos milhões fica uma população de um estado que tenho o orgulho de conhecer, carente de energia, combustível e dignidade. Isso me faz lembrar de um conto (fictício? real?) de Monteiro Lobato, este sim, um Nacionalista, em que um sujeito humilde enterra seu capital na empresa petrolífera de Lobato. E este, sem entender a grande soma investida em tão arriscado empreendimento, apesar de suas explicações sobre o perigo implícito, recebe a bela resposta: Quero ajudar o Brasil! O que diria Stefan Zweig se estivesse entre nós...

  • 07/11/2014 | 11:37 por José Domingos Calegario

    Acho que chamar eucalipto de maldito é uma burrice e falta de conhecimento total dos benefícios que este vegetal pode trazer para a conservação das nossas reservas naturais.
    Acho que é perde de tempo me estender mais sobre isso, já que quem escreveu acima não tem o menor conhecimento do assunto.

    Lamentável

    JDC

  • 10/08/2014 | 02:19 por Davi silva figueiredo

    olá boa noite sou de bauru sp
    estou procurando meu avo a relatos que ele se encontra ae em oiapoque ele é do maranhão e queria divulgar uma ultima foto dele que tenho para ve eu tinha uma chance de encontra-lo
    SEu nome é MIGUEL DE JESUS ALMEIDA FIGUEIREDO
    filho de raimundo e bibiana.

    Resposta:
    Está dado o recado Davi, espero que consiga encontrá-lo.
    Abs!

  • 09/01/2014 | 17:45 por Cezar

    Boa tarde! Epero encontrá-los bem e satisfeitos com a viagem de vocês. Onde estão agora?
    Pretendemos fazer essa viagem neste ano de 2014. somos 3 pessoas em motocicletas grandes, com autonomia próxima a 250 km. Sairemos de Minas Gerais e pegaremos um barco em Belém. Precisamos de dicas: 1)Tempo de viagem, custo de transporte de seu carro e passagem individual em barco, de Belém a Macapá; 2) Vimos, pelo Google, que existem pequenas cidades ao longo da estrada: elas não tem Postos de combustível? 3) Onde e como conseguiram vistos para entrarem na Guiana Francesa, Inglesa e Suriname? Agradeço sua resposta. Abraço e bom retorno. Cezar

    Resposta:
    Olá Cezar, desculpe a demora no retorno. Tivemos um problema no nosso sistema de comentários e eu não o havia recebido até hoje. Já fizeram a viagem? Sobre o visto, brasileiros só precisam de visto para a Guiana Francesa e deve ser tirado no consulado em São Paulo. Entre em contato se ainda precisar de mais detalhes. Abraços e boa viagem!

  • 21/09/2013 | 10:08 por miriam

    oi Ana, gostaria de saber como faço p chegar em Brazilândia , se tem alguma pousada por lá, qual a última cidade na divisa com a guiana francesa? obrigada pela atençao dispensada .abraços...

    Resposta:
    Olá Miriam, a última cidade é Oiapoque mesmo, na beira do rio que faz fronteira com San George de Oiapoque do lado francês. Agora, Brazilândia você me pegou, onde fica? Espero ter ajudado algo. Abs! Ana

  • 11/05/2013 | 20:30 por Pedro Pierre

    Tem onibus rodoviário que faz macapá ao oiapoque? Obrigado

    Resposta:
    Tem ônibus sim, guerreiro! Enfrenta a buraqueira toda. Abs!

  • 18/09/2012 | 12:27 por Toivi Masih

    Ola pessoal, estava pesquisando e achei o blog de vocës, muito show a trip de voces, na verdade eu estava pensando em fazer essa trip, macapa-Guina de bike, levando ai uns 10 dias..e ai ~e muita loucura...hehehehe, serã que encontro abrigo a cada 60-70km, abs...

    Resposta:
    Oi Toivi! É uma booooa pedalada! É bom ir preparado levando comida e barraca, pq as opções de hospedagem e alimentação são praticamente inexistentes. No caminho você vai passar por várias reservas indígenas e verá as casas na beira da estrada, eles podem pelo menos te fazer companhia.
    Boa aventura, depois volta aqui para nos contar!

  • 24/09/2011 | 11:28 por Marcelo

    Ei, Ana!
    Vc disse quue nao tem postos de combustiveis durante o trajeto macapa-oiapoque. e como vc abasteu o carro? foram de hilux também? Carro proprio ou alugado? Queria fazer esse trajeto, mas nao tenho hilux. só um gol g5 que axo que nao tem autonomia para chegar até lá.

    Resposta:
    Olá Marcelo! Desculpe a demora na resposta, a passagem pelo Equador está sendo intensa, ficamos dias off em Galápagos. Vamos às respostas:

    1) Levamos um galão de 30 litros de gasolina extra para abastecer no caminho, mas nem precisamos, abastecemos no último posto do asfalto e o restante a autonomia do carro deu conta.
    2) Carro próprio, Toyota Hilux, vulga Fiona.
    3) Dependendo da época do ano o Gol vai sofrer no lamaçal e nos buracos. Veja a previsão do tempo e saia beeeem cedo para ter tempo de chegar em algum lugar "civilizado" antes de escurecer. Qto ao combustível, não arrisque, leve um (ou 2) galão extra para garantir.

    Espero ter ajudado!
    Beijos e boa viagem!
    Ana

  • 12/05/2011 | 18:06 por Max

    Olá Ana, que aventura hein? pretendo ter essa mesma experiência em bréve, mas diga-me há que horas você saiu de Macapá? passaram por algum ônibus quebrado na estrada, principalmente no trecho sem asfalto?
    Obrigado pelas informações.

    Resposta:
    Olá Max! Aventura e das boas! Que bom que vc nos encontrou =) Nós saímos de Macapá as 9 da manhã e chegamos em Oiapoque estava escurescendo. Pegamos muita chuva, portanto o trecho sem asfalto foi penoso, bastante buraco e lama, beeeem demorado, mas não lembro de ter visto nenhum ônibus quebrado não, vimos pelo menos 2 na rota Oiapoque - Macapá, acelerados e desdenhando os buracos. Espero tê-lo ajudado! Boa viagem! Bjs

  • 09/03/2011 | 15:26 por px

    es impresionante como ha desaparecido la vegetacion nativa... por la costa hemos visto puros coco, coco, coco, palmera, palmera, palmera, eucaliptus, eucaliptus, eucaliptus, eucaliptus, eucaliptus, coco, palmera, coco, palmera, vacas, vacas... y algunas rtesevas para preservar lo poco de vegetacion nativa que queda... lo mas curioso que cerda de unas de esas reservas vimos unos cachorros felinos jugando entre los eucaliptus... ya medios adaptados a las plantaciones antrópicas... saludos!

    Resposta:
    Nem fale Pablo! Aqui ainda vemos vegetação nativa, mas aí na costa brasileiro realmente é desesperador! Cana e eucaliptos por tudo, eu passei muito mal vendo isso... o pior é que este desmatamento é antigo, do tempo do Brasil Colônia, principalmente aí no litoral do nordeste. Que cachorros felinos sao estes??? rsrsr! Beijos!

  • 07/03/2011 | 00:06 por Tatiana Queiroz

    Oi, Ana. Não acho que devemos achar normal um desmatamento pelo fato dele não ser ilegal. Infelizmente, muitas leis são feitas para satisfazer interesses de pequenos grupos. Gostei da ideia das religiões assumirem esse papel de proteção ao meio ambiente. Seria algo muito benéfico para todos. Bjs

    Resposta:
    Verdade Tati, eu não consigo achar normal, mas é complexo, pois as pessoas que estão desmatando não tem o mesmo sentimento... os que fazem isso por precisar de dinheiro para comer eu até posso tentaar relevar, o pior são os grandes que não estão preocupados. É aí que a religião poderia entrar, mexendo na consciência desse povo, além de ajudar difundir rapidamente a ideia. Quem sabe? rs! Beijos!

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet