0 Misiones Argentinas - Blog da Ana - 1000 dias

Misiones Argentinas - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

Misiones Argentinas

Argentina, San Ignacio Mini

Visitando as lindas ruínas jesuítas de San Ignacio Mini, na Argentina

Visitando as lindas ruínas jesuítas de San Ignacio Mini, na Argentina


A Província de Misiones na Argentina faz fronteira com o Paraguai e o Brasil, separada respectivamente pelo Rio Paraná e o Rio Iguaçú. Ela divide com o Brasil um dos destinos mais visitados do país e ajuda a criar a polêmica pergunta, qual é o lado mais bonito das Cataratas do Iguaçú, o brasileiro ou o argentino? É difícil realmente escolher, eu gosto muito dos dois e sinceramente acho que a melhor vista é do lado brasileiro, portanto das quedas d´água que estão do lado argentino. Quem sabe assim todos ficam felizes!


Rota das Missões Argentinas

Esta dúvida porém não existe quando o assunto são as missões jesuíticas brasileiras e argentinas. As ruínas dos 7 Povos das Missões no Brasil infelizmente foram muito depredados e o que restou não recebe a devida atenção e infraestrutura. Faltam placas informativas dentro da missão, guias treinados para receber os turistas ou mesmo informações mais detalhadas dentro do museu. Do outro lado, as missões argentinas surpreenderam no cuidado e atenção com o turista, que paga um pouco mais caro pela visita, mas recebe uma verdadeira aula sobre a história e vida dos missionários e indígenas que ali viveram. Cada uma das missões tem um charme diferente e conta uma parte da história que se passou por ali.

Para quem gosta de observar detalhes e gosta de arquitetura, a missão jesuíta de San Ignacio Mini, na Argentina, é imperdível!

Para quem gosta de observar detalhes e gosta de arquitetura, a missão jesuíta de San Ignacio Mini, na Argentina, é imperdível!


Nós cruzamos a fronteira do Brasil com a Argentina por Porto Xavier, a fronteira mais próxima de São Miguel. Depois de uma longa espera na cidade, cruzamos o Rio Uruguai em uma balsa* entre Porto Xavier e San Javier, na Argentina e seguimos direto para a Missão de Santa Ana. Dois dias foram suficientes para conhecermos as ruínas do lado argentino. A cidade de San Ignácio, a 60km de Posadas, é uma boa base para explorar rodas estas ruínas nos seus arredores.

Chegando à fronteira entre Brasil e Argentina, em Porto Xavier, no Rio Grande do Sul

Chegando à fronteira entre Brasil e Argentina, em Porto Xavier, no Rio Grande do Sul


*A balsa Porto Xavier funciona de hora em hora durante os dias de semana e apenas das 8 às 10h e das 16 às 18h aos sábados e domingos. Se você chegar lá em um sábado as 12h, como nós, e tiver que esperar, tem um restaurantinho por quilo quase em frente à Receita Federal que é muito gostoso e tem wifi.

Cruzando o rio Uruguai, entre Brasil e Argentina, em Porto Xavier, no Rio Grande do Sul

Cruzando o rio Uruguai, entre Brasil e Argentina, em Porto Xavier, no Rio Grande do Sul



Missão Santa Ana


Iluminação torna as ruínas da Missão de Santa Ana, próximo à San Ignacio Mini, na Argentina, ainda mais belas e instigantes

Iluminação torna as ruínas da Missão de Santa Ana, próximo à San Ignacio Mini, na Argentina, ainda mais belas e instigantes


A Reducción de Nuestra Señora de Santa Ana foi fundada em 1633 e tinha como principal atividade agrícola o cultivo do algodão, milho e erva mate, infusão tradicional da região muito apreciada pelos guaranis. Sua praça central é gigantesca e, seguindo o plano arquitetônico de todas as missões, está rodeado pelas casas dos indígenas, a casa dos padres missionários e a igreja, que ocupava a posição central, defronte à entrada principal da missão. Uma das descobertas mais recentes e únicas dentre as missões jesuíticas está um grande reservatório de água interligado por canais em toda a extensão da missão.

Ruínas da igreja da Missão de Santa Ana, próximo à San Ignacio Mini, na Argentina

Ruínas da igreja da Missão de Santa Ana, próximo à San Ignacio Mini, na Argentina


A decadência de Santa Ana começou 1767, quando os jesuítas foram expulsos dos domínios da coroa espanhola. As missões foram assumidas religiosamente por padres de outras ordens e administrativamente por civis espanholes sem a mínima ideia e aculturamento. Isso somado às guerras que se seguiram no período da independência paraguaia e argentina, levou ao total abandono nos idos de 1820.

As ruínas da Missão de Santa Ana, próximo à San Ignacio Mini, na Argentina

As ruínas da Missão de Santa Ana, próximo à San Ignacio Mini, na Argentina


Ainda assim ela guarda cenários excêntricos como o cemitério moderno construído sobre o antigo cemitério indígena. Considerado um solo sagrado pelos colonizadores que chegaram após o seu abandono, o cemitério possui lápides e mausoléus que datam até a década de 80, quando foi proibida a utilização para novos enterros. Até hoje os túmulos são visitados pelos familiares dos felizardos que ali descansam.

O assustador cemitério da Missão de Santa Ana, próximo à San Ignacio Mini, na Argentina

O assustador cemitério da Missão de Santa Ana, próximo à San Ignacio Mini, na Argentina


Ainda que menos restaurada que sua vizinha San Ignácio Miní, a Missão de Santa Ana é muito interessante e até mais emocionante do ponto de vista exploratório. Um dos principais diferenciais desta visita foi o nosso guia Yoyo, turismólogo apaixonado pelo seu trabalho e profundo conhecedor da história e da vida das missões. Ele nos deu uma aula sobre este encontro de culturas, a espanhola e a guarani, que resultou em um trabalho tão rico e curioso. Santa Ana foi considerada Patrimônio Histórico da Humanidade pela UNESCO desde 1984, junto com as suas vizinhas.

Em belo fim de tarde, caminhando com nosso excelente guia nas ruínas da Missão de Santa Ana, próximo à San Ignacio Mini, na Argentina

Em belo fim de tarde, caminhando com nosso excelente guia nas ruínas da Missão de Santa Ana, próximo à San Ignacio Mini, na Argentina



A Erva Mate
Uma curiosidade é que a erva mate é retirada de uma árvore alta e acreditava-se que só crescia em meio à mata e sombra das grandes árvores. Porém os jesuítas, muito observadores, aprenderam o segredo da semeadura de suas duras sementes, que precisam de uma preparação especial antes do seu plantio. Este segredo foi perdido com o tempo e apenas no início do século XX o mate voltou a ser cultivado.

Com um mapa, nosso guia na Missão de Santa Ana nos dá uma verdadeira aula sobre a história das Missões Jesuítas (próximo à San Ignacio Mini, na Argentina)

Com um mapa, nosso guia na Missão de Santa Ana nos dá uma verdadeira aula sobre a história das Missões Jesuítas (próximo à San Ignacio Mini, na Argentina)



Missão de San Ignácio Mini


San Ignacio Mini, a mais bem conservada e restaurada missão jesuíta na Argentina

San Ignacio Mini, a mais bem conservada e restaurada missão jesuíta na Argentina


A Missão de San Ignácio Miní é a mais famosa de todas as missões argentinas. Fundada próxima ao Rio Paranapanema no antigo estado de La Guayrá, atual estado do Paraná, a redução foi transferida mais de uma vez, fugindo dos ataques dos bandeirantes paulistas e mamelucos. Ela foi instalada em definitivo na localidade atual 1696, com cerca de 3 mil indígenas.

San Ignacio Mini, a mais bem conservada e restaurada missão jesuíta na Argentina

San Ignacio Mini, a mais bem conservada e restaurada missão jesuíta na Argentina


A mais famosa é também a mais conservada e restaurada de todas as missões, o que facilita muito a nossa compreensão do estilo de vida e do dia a dia dos missioneiros. Novamente aqui a igreja está na posição central da praça principal, ao lado direito está o claustro dos padres missionários e ao lado esquerdo o cemitério. Ao redor da praça estão as casas dos moradores, cada tribo subdivididas em bairros e com seu cacique participando do conselho de caciques, na administração local. Do lado esquerdo, além da escola estão também as oficinas de carpintaria, música e outras atividades ensinadas pelos padres aos guaranis, que também mantinham a horta comunal nos fundos da missão.

Painel informativo na Missão jesuíta de San Ignacio Mini, na Argentina

Painel informativo na Missão jesuíta de San Ignacio Mini, na Argentina


O que mais impressiona nas ruínas de San Ignácio é o elaborado trabalho de entalhe feito nas colunas, portas e janelas da igreja e do claustro. A combinação de elementos católicos com as referências e criatividade dos guaranis deu origem a um novo estilo artístico.

Para quem gosta de observar detalhes e gosta de arquitetura, a missão jesuíta de San Ignacio Mini, na Argentina, é imperdível!

Para quem gosta de observar detalhes e gosta de arquitetura, a missão jesuíta de San Ignacio Mini, na Argentina, é imperdível!


Para quem gosta de observar detalhes e gosta de arquitetura, a missão jesuíta de San Ignacio Mini, na Argentina, é imperdível!

Para quem gosta de observar detalhes e gosta de arquitetura, a missão jesuíta de San Ignacio Mini, na Argentina, é imperdível!


A estrutura turística de San Ignácio é perfeita, um museu bem completo com imagens, histórias, peças arqueológicas que remontam a vida dos guaranis na missão, assim como um interessante comparativo de músicas guaranis, missionais e as músicas missionais interpretadas por guaranis. Lindo! No trajeto não temos um guia nos acompanhando, mas todo o caminho está bem sinalizado e possui mesas com informações e textos gravados em um sistema de som que pode ser ouvido conforme avançamos.

Lendo um dos muitos painéis informativos espalhados pelas ruínas de San Ignacio Mini, na Argentina

Lendo um dos muitos painéis informativos espalhados pelas ruínas de San Ignacio Mini, na Argentina


À noite o show de som e imagem é um espetáculo à parte. Imagens projetadas em cortinas de água, em árvores e nas paredes das missões contam a vida e a história de San Ignácio Miní, com um simpático personagem indígena como narrador principal. Durante a narrativa vamos acompanhando a vida de um pequeno guarani que se encontra com os jesuítas na floresta. A história é muito bem contada e nos envolve junto da magia das imagens em 3D projetadas enquanto caminhamos pela missão. Um espetáculo com uma concepção artística contemporânea, que soube aliar o antigo e o moderno de forma criativa e de muito bom gosto!

Imagens são projetadas nas ruínas da missão de San Ignacio Mini, na Argentina, durante o ótimo show de sons e luzes

Imagens são projetadas nas ruínas da missão de San Ignacio Mini, na Argentina, durante o ótimo show de sons e luzes


Hologramas criam verdadeiros fantasmas no excelente show de luzes e sons na missão de San Ignacio Mini, na Argentina

Hologramas criam verdadeiros fantasmas no excelente show de luzes e sons na missão de San Ignacio Mini, na Argentina



Missão de Loreto


Uma das missões menos restauradas a Reducción de Nuestra Señora de Loreto, assim como San Ignácio, também foi fundada em terras brasileiras e depois transferida para o oeste do Rio Uruguai. Essa missão chegou a abrigar mais de 7 mil indígenas e foi muito forte na produção do algodão e da erva-mate, tendo um papel de destaque entre as missões vizinhas.

A mata cobre boa parte da Missão de Santa Ana, próximo à San Ignacio Mini, na Argentina

A mata cobre boa parte da Missão de Santa Ana, próximo à San Ignacio Mini, na Argentina


Em Loreto temos a real sensação de como os arqueólogos se sentem ao descobrir novas ruínas! Praticamente todas encobertas pela vegetação e com o trabalho de restauração em estágio inicial, aqui o acompanhamento de um guia se faz necessário e enriquece muito a visita. De forma rápida e objetiva nossa guia percorreu a missão explicando o que cada pedra caída ou montículo de terra significava, nos ajudando a visualizar, em nossa mente, como foi esta antiga missão.

As ruínas da Missão de Santa Ana, próximo à San Ignacio Mini, na Argentina

As ruínas da Missão de Santa Ana, próximo à San Ignacio Mini, na Argentina


Loreto recebe todos os anos os peregrinos de Nuestra Señora de Loreto de Pirapó que vem visitar a capela sagrada que fica a 1 quilometro do complexo principal de ruínas.

As ruínas jesuítas de San Ignacio Mini, na Argentina

As ruínas jesuítas de San Ignacio Mini, na Argentina


Ao todo calcula-se que foram construídas em toda a região mais de 30 missões, cada uma abrigando de 1 mil a 7 mil indígenas. O ideal dos padres jesuítas de criar uma sociedade semidemocrática e tendo os ensinamentos religiosos como os pilares da sua educação foi ousado demais para a época. Um lugar onde indígenas teriam os mesmos direitos que homens brancos e onde seus líderes participavam das decisões políticas e econômicas, ensinando-os os modos de vista e costumes europeus, era praticamente uma utopia se tornando realidade. No seu auge as missões eram verdadeiras cidades autônomas, organizadas e que, além de pagar seus impostos à coroa, deviam satisfações apenas ao Papa, obtendo um status de estado independente. A Guerra Guaranítica criou um sentimento de unidade entre os guaranis missioneiros e foi quando tentou-se a criação deste estado, mas infelizmente as forças espanholas e portuguesas foram mais fortes e destruíram por completo uma das únicas chances de uma nação indígena na América.

Quadro mostra como era rezado o Padre Nosso na língua guarani (em San Ignacio Mini, na Argentina)

Quadro mostra como era rezado o Padre Nosso na língua guarani (em San Ignacio Mini, na Argentina)

Argentina, San Ignacio Mini, arqueologia, história, Missões, Jesuítas, Santa Ana, San Ignacio Miní, Loreto, Nuestra Señora de Loreto de Pirapó

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior Show noturno de luzes e sons em São Miguel das Missões, no Rio Grande do Sul

Os 7 Povos das Missões

Post seguinte A longa estrada em direção à Fiambalá e ao Paso san Francisco, na Argentina

Cruzando a Argentina

Blog do Rodrigo Chegando à fronteira entre Brasil e Argentina, em Porto Xavier, no Rio Grande do Sul

De Volta ao Exterior, Hidrografia e Multas

Comentários (4)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 01/12/2014 | 14:57 por Ana Lívia

    Boa tarde, muito bom encontrar o seu post. Sobre o show de luzes e música você sabe me dizer se acontece todos os dias e qual o horário? Não encontro essa informação em nenhum lugar, incrível. Estou pensando em ir de carro de Foz do Iguaçu pra lá, alguma dica? Obrigada, abs.

  • 29/09/2014 | 17:38 por raquel leal

    Oieeeeeeeeeeee... poderia me ajudar?
    Consegue me explicar como faço p ir de foz?
    estarei la em dez/2014 e gostaria de ajuda, com relação a $ usado, meio de transporte essas coisas.
    estou indo sozinha, e falo o portugues (brasileiro) somente...

    é seguro?

    agradeço desde já

    Resposta:
    Oi Raquel! Argentina é como o Brasil, seguro se sabe por onde andar, é só ter noção e não ficar sozinha na rua a noite em lugares pouco movimentados. Você pode encontrar tours já organizados que saem de Foz do Iguaçú ou se quiser algo mais independente atravesse a fronteira para Puerto Iguazu e de lá pegue o ônibus para San Ignacio Mini, onde tem infra-estrutura e a mais linda das missões argentinas. De lá para ir às outras missões você teria que alugar um carro ou ver se encontraria algum esquema turístico para te levar em todas elas. O dinheiro lá é o peso argentino, ideal é fazer câmbio com dólares (se fizer no blue, que é o cambio negro, fica muito mais econômico, pergunte como/onde fazer no seu hotel) e falando com calma o portugues eles entendem... mas aproveite para aprender algumas palavras e frases em espanhol até lá, sempre ajuda! =) Beijos e boa viagem!

  • 13/07/2014 | 11:15 por Priscilla

    Bom dia!
    Achei o máximo!
    Em outubro eu e meu marido vamos conhecer as Cataratas do Iguaçu e não queria restringir o passeio somente às compras no Paraguai.
    Super animei em conhecer as maravilhas desse roteiro que vocês mostraram por aqui. Valeu :)

    Resposta:
    Vale muito esta estivada Priscilla! Boa viagem!

  • 12/10/2013 | 18:56 por Rubens Werdesheim

    Realmente o roteiro das missões é imperdível .

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet