0 Yellowstone e os Super Vulcões - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Yellowstone e os Super Vulcões - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Yellowstone e os Super Vulcões

Estados Unidos, Wyoming, Yellowstone National Park, Montana, West Yellowstone

Admirados com a beleza hipnótica da Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Admirados com a beleza hipnótica da Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


A humanidade está há muito pouco tempo sobre a Terra. A nossa espécie tem uns 250 mil anos de idade. Comparando com a idade geológica do planeta, isso é o mesmo que nada, cerca de 0,06% do tempo total. Se pensarmos, então, apenas no período em que conhecemos a nossa história, cerca de 5 mil anos, aí é que percebemos o quanto somos novos por aqui.

Grand Prismatic Pool escondida por seus próprios vapores, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Grand Prismatic Pool escondida por seus próprios vapores, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Isso quer dizer que, enquanto espécie, não vivenciamos quase nada do que pode se passar no nosso planeta. A criação de grandes cadeias de montanhas, a separação e colisão de continentes, mudanças radicais climáticas, colisões com outros corpos celestes, tudo isso só conhecemos por registros geológicos e teorias criadas por cientistas, e não como testemunhas.

A fabulosa Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

A fabulosa Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Pois bem, um dos principais eventos geológicos na Terra são as erupções vulcânicas. Ao mesmo tempo em que destroem tudo por perto, são elas também que constroem novas ilhas, novas planícies, novas penínsulas. É a maneira do planeta se renovar. Esse é um evento bem normal na história do planeta, ocorre o tempo todo e até nós, humanos, presenciamos isso no decorrer de nossas ínfimas vidas.

A fabulosa Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

A fabulosa Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Mas existem as erupções e as “super erupções”. Essas sim são raras, porém colossais e devastadoras. Nada que tenhamos visto por aqui nos últimos 50 mil anos chegou perto do que poderíamos classificar como uma super erupção. Pinatubo, Krakatoa, Santa Helena, Vesúvio, todos eles tiveram suas erupções, mas as proporções são realmente outras. Para se ter uma ideia, a força de um super vulcão é mais de 1000 (Mil!) vezes maior do que a desses vulcões que conhecemos.

Enorme piscina de água azul e fervente, na área da Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Enorme piscina de água azul e fervente, na área da Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


A única vez que a humanidade viu algo próximo foi há 70 mil anos, quando o vulcão do Lake Toba, em Sumatra, explodiu. O resultado foi a quase extinção total da espécie humana. Das muitas dezenas de milhares de indivíduos que existiam então, na África e talvez Ásia, sobraram apenas poucas dezenas de pessoas. Provavelmente, em apenas um grupo, que durante anos sobreviveu a invernos mais fortes, luminosidade solar prejudicada por espessas nuvens e escassez de alimentos. Esse é o evento conhecido como “gargalho genético” e o anônimo líder desse grupo, que conseguiu evitar a extinção da nossa raça, é a pessoa mais importante que já existiu na nossa história pois, sem ele, não teríamos sequer existido, gregos, romanos, egípcios, judeus, índios, chineses ou quem quer que seja...

Terraços de calcita na área da Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Terraços de calcita na área da Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Toda essa história para contar que o parque de Yellowstone está localizado sobre o mais bem estudado super vulcão do planeta. Registros nas rochas mostram que ele entrou em (super) erupção, pela primeira vez, há 2,1 milhões de anos. Desde então, outras duas mega erupções, a intervalos mais ou menos regulares de 650 mil anos. Não demora muito para fazermos a conta e percebermos que está na hora de mais uma. Mas, será que vai mesmo? A quantidade de gêiseres e fontes termais por aqui nos indica que há algo muito vivo abaixo de nós. Cientistas afirmam que sim, que ele explodirá novamente. Pode ser daqui a seis meses, 60 anos ou 60 mil anos. É tudo uma questão de “quando”, e não de “se”.

Visitando a Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Visitando a Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


A explosão mandaria um bom pedaço dos Estados Unidos pelos ares. O que sobrasse, ficaria um bom tempo sem ver a luz do sol. O evento não seria catastrófico, mas cataclísmico. Tudo para, umas poucas centenas de anos depois (uma piscada geológica), a natureza “reconstruir” paisagens tão maravilhosas como as que vimos hoje, aqui no parque. Se, para essa renovação, tiverem de morrer algumas centenas de milhares de pessoas, o vulcão não dá, sinceramente, a menor bola.

As cores sempre vivas da Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

As cores sempre vivas da Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Bom, a gente tratou de aproveitar esse breve período em que ele cochila para conhecer o cenário maravilhoso que ele possibilitou que exista, exatamente sobre suas ventas. Começamos pela incrível e hipnótica Grand Prismatic Pool. Tínhamos estado lá ontem de tarde, mas hoje subimos um morro vizinho, de onde se tem a melhor vista do lago mágico. Lá de baixo, os vapores que ela mesmo emite praticamente a cobrem. Mas de cima, podemos ver sobre eles. O cenário é espetacular! Não parece real, mas algo saído do cinema para mostrar uma paisagem alienígena. Mas, ela é tão real como eu e você. Que coisa incrível!

Sapphire Pool, na área da Grand Prismatic, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Sapphire Pool, na área da Grand Prismatic, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Descemos e fomos vê-la de perto novamente. Apesar do lago ficar mesmo escondido entre os vapores, tudo o que está a sua volta não fica. Os líquidos que vazam da Prismatic Pool criam grandes terraços de calcita e alimentam um sem números de seres microscópicos, que se alimentam das substâncias químicas trazidas das entranhas da terra. São esses pequenos micróbios que pintam a paisagem com cores fortes e vivas, amarelo, laranja, vermelho, marrom, verde, azul, um verdadeiro arco-íris.

Mais uma cachoeira de águas geladas no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Mais uma cachoeira de águas geladas no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Além disso, outras piscinas, menores mas não menos bonitas, pontuam a área. Passarelas nos levam através de todo esse cenário e painéis explicativos nos ensinam o que se passa por lá. Uma verdadeira aula prática de geologia e biologia.

Fontes de águas termais se encontram com o enorme Yellowstone Lake, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Fontes de águas termais se encontram com o enorme Yellowstone Lake, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Maravilhosa piscina transparente e azulada, de água fervente, ao lado do Yellowstone Lake, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Maravilhosa piscina transparente e azulada, de água fervente, ao lado do Yellowstone Lake, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Partimos então para explorar outras áreas do parque, que ainda não havíamos visto ontem. No caminho, pelas estradas, basta ver carros parados e já sabemos do que se trata: grandes animais na pista ou perto dela. Hoje tivemos a oportunidade de ver veados, elks, bisões, águias e até um coiote, bem de longe.

Maravilhosa piscina transparente e esverdeada, de água fervente, ao lado do Yellowstone Lake, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Maravilhosa piscina transparente e esverdeada, de água fervente, ao lado do Yellowstone Lake, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Tão próximas e tão distintas (as duas fervem!), próximas oa Yellowstone Lake, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Tão próximas e tão distintas (as duas fervem!), próximas oa Yellowstone Lake, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


A vegetação do parque se divide entre florestas de pinheiros e savanas, grandes campos abertos. Tudo entrecortado por rios, formam um cartão postal a cada curva. As florestas são a melhor pista de como o ecossistema daqui é dinâmico. Várias delas foram queimadas por incêndios, dentro do processo natural de renovação, e novas árvores, ainda pequenas, crescem por entre os troncos mortos da antiga geração.

A águia reina soberana nos céus do Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

A águia reina soberana nos céus do Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Um furtivo coiote no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Um furtivo coiote no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


É nas savanas que se pode ver com mais facilidade a fauna do parque. O mais incrível são as grandes manadas de bisões. Vê-los ali nos ajuda a imaginar como eram as grandes planícies americanas antes da chegada do homem branco. Era a visão que tinham os antigos “moradores”, os índios, que por 100 séculos conviveram em equilíbrio com os bisões, lobos e ursos.

Um veado passeia tranquilamente pelas estradas movimentadas do Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Um veado passeia tranquilamente pelas estradas movimentadas do Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Por falar nesses grandes predadores, ainda não foi hoje o “grande encontro”. Mas a esperança é a última que morre! Os lobos, por sinal, haviam sido extintos por aqui, devido à incansável caça dos rancheiros, preocupados com seus rebanhos. O animal foi reintroduzido há pouco mais de uma década e, rapidamente, se adaptou ao seu antigo ambiente, para alegria de turistas e ecologistas e tristeza de rancheiros, veados, bisões e elks, que achavam que tinham se livrado de seus inimigos para sempre. Que nada! Em Yellowstone, o “para sempre” nunca é para sempre!

O bisão selvagem, um dos símbolos do Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

O bisão selvagem, um dos símbolos do Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Passamos também por outras cachoeiras, fontes termais, um dos maiores lagos de altitude do mundo, o Lake Yellowstone e vários conjuntos de piscinas coloridas e termais. Ao final, já estão até virando corriqueiras para nós: “Olha! Uma piscina verde transparente maravilhosa ali!” – um de nós exclama. “Outra? Que preguiça...” – o outro responde. Hehehe

Manada de bisões no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Manada de bisões no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Até a relva, com suas cores fortes,  é linda no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Até a relva, com suas cores fortes, é linda no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Já era o final da tarde quando chegamos a outro dos cenários que faz de Yellowstone um lugar tão conhecido no mundo: o fantástico “Grand Canyon of Yellowstone”. Foi aí que aprendi a razão do nome da região. O nome do parque vem do rio, esse que forma o Grand Canyon (não confundir com aquele do rio Colorado!!!). E o nome do rio vem exatamente desse trecho, onde o canyon foi cavado sobre um solo amarelo. Não é “amarelado”, é amarelo mesmo!

Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Os americanos fizeram estradas e trilhas que nos levam a diversos mirantes sobre o canyon. Sem dúvida, foi um dos mais belos cenários que já vi na minha vida. O canyon é bem fundo, mas de 300 metros de profundidade, inteiramente cavado desde a última era glacial, há 15 mil anos. É incrível imaginar que tudo tenha sido feito em tão pouco tempo, mas o solo vulcânico, rico em sulfatos (por isso é amarelo), não resistiu à força das águas. Duas enormes cachoeiras, a Lower Falls e a Upper Falls complementam o cenário perfeito.

Parece um quadro, mas é o inacreditável Grand Canyon de Yellowstone, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Parece um quadro, mas é o inacreditável Grand Canyon de Yellowstone, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


Ao mesmo tempo em que aproveitávamos o horário com a luz mais bonita do dia, corríamos contra o tempo para ver o máximo possível, antes que escurecesse. Foi assim que descemos em disparada as dezenas de degraus até o ponto onde a Lower Falls desaba no vazio, e aceleramos a Fiona até o mirante que tem inspirado pintores e fotógrafos por várias gerações.

As impressionantes Lower Falls do Grand Canyon de Yellowstone, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

As impressionantes Lower Falls do Grand Canyon de Yellowstone, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos


O nosso dia de hoje foi simplesmente fantástico. Chegamos a ficar até sem fôlego, tanto o corpo como a alma. A natureza realmente caprichou por aqui. E pensar que tudo isso, algum dia, vai se evaporar na explosão de uma super vulcão. O mesmo que destruiu o que havia aqui antes, mas lançou as bases para a nova paisagem que hoje vemos por aqui. Como será que era antes? Como será que ficará depois? Quem pode dizer, com tantas erupções e glaciações nos separando do passado e do futuro... Na dúvida, o melhor mesmo é aproveitar o presente. E que presente!

As impressionantes Lower Falls do Grand Canyon de Yellowstone, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

As impressionantes Lower Falls do Grand Canyon de Yellowstone, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Estados Unidos, Wyoming, Yellowstone National Park, Montana, West Yellowstone, Parque, Bichos, vulcão

Veja todas as fotos do dia!

A nossa viagem fica melhor ainda se você participar. Comente!

Post anterior Maravilhoso entardecer na área da Grand Prismatic Pool, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Chegando ao Parque do Zé Colmeia

Post seguinte Bisões, símbolo do Yellowstone National Park, no Wyoming, nos Estados Unidos

O Último Dia em Yellowstone

Blog da Ana Fontes de águas termais se encontram com o enorme Yellowstone Lake, no Yellowstone National Park, em Wyoming, nos Estados Unidos

Yellowstone Lake e West Thumb

Comentários (3)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 13/02/2015 | 22:31 por Bia

    Que oportunidade incrível, Rodrigo! Belas imagens! Sensacional! Aplausos para o Criador do universo em que fazemos parte! Bom demais se achegar um pouquinho a tudo isso com você! Meu carinho.

    Resposta:
    Obrigado Bia


    Que linda é nossa América e para nós, além de viajar, é um prazer dividir tudo isso com que nos lê.

    Abs

  • 06/09/2012 | 11:52 por Van

    Caraaaaaaaaaaaca!!! É mesmo impressionante as fotos do vulcao, da piscina transparente de água fervente e de toda a paisagem deste Yellowstone!!!

    Resposta:
    Oi Van!

    Yellowstone é mesmo um lugar especial. Parece outro mundo! Só é uma pena não poder dar um mergulho nas piscinas... Mas a temperatura é perto de 90 graus!

    Abs

  • 05/09/2012 | 12:32 por Marcelo Carneiro

    Eu já acredito que estamos a bem menos tempo na Terra - fugindo um pouco da teoria da evolução.

    Mas com certeza a Terra está aí muuuuito antes de nós.

    Resposta:
    Fala Marcelo

    Independente das teorias, a nossa Terra é surpreendente!!! Yellowstone é mesmo um sonho, uma pintura!

    Abs!!!

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet