0 O Sol Brilha no País Sem Generais - Blog do Rodrigo - 1000 dias

O Sol Brilha no País Sem Generais - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

O Sol Brilha no País Sem Generais

Costa Rica, Zancudo

Pôr-do-sol maravilhoso na praia de Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica

Pôr-do-sol maravilhoso na praia de Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica


A Costa Rica teve uma história muito parecida com as dos outros países centro-americanos, pelo menos até meados do séc XX quando uma importante mudança constitucional a tornou um oásis em meio a um continente envolto numa sucessão de sangrentos golpes, guerras e revoluções.

Dia de sol em Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica

Dia de sol em Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica


Quando os espanhóis aqui chegaram, ainda no tempo de Colombo, cerca de 400 mil índios habitavam o que é hoje o território da Costa Rica. Um século mais tarde, após as guerras de conquista, a ocupação de seu território e completa desorganização do seu antigo meio de vida e a devastação pelas doenças trazidas da Europa, esse número tinha se reduzido para 20 mil. Outro século se passou e seus últimos territórios foram ocupados, sobrando apenas 5 mil indígenas. Enfim, o mesmo padrão de destruição de todas os antigos povos americanos.

Lavando o pé depois de passeio na praia de Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica

Lavando o pé depois de passeio na praia de Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica


Mais um século e chegamos à época da independência. A América Central nunca foi um território de grande importância no mundo colonial espanhol, espremida entre as "jóias da corôa", o México e os vice-reinados do Peru e de Nova Granada (Colômbia e Venezuela). Assim, a independência foi sem guerras ou batalhas. Inicialmente, os países que hoje formam a região tentaram se agrupar numa grande república chamada Confederação Centro-Americana, com exceção do Panamá, que se juntou ao ideal bolivariano de uma grande nação na América do Sul. Os dois sonhos tiveram vida curta e logo se esfacelaram no conjunto de países que hoje conhecemos.

Belo fim de tarde na praia de Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica

Belo fim de tarde na praia de Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica


A sequência da história foi bem parecida para todos: uma sucessão de golpes militares e curta vida de governos civis, a sociedade sempre dividida entre "liberais" e "conservadores", quase sempre representando os interesses da classe dominante dividida. As repúblicas centro-americanas certamente sofreram mais diretamente que as nações sulamericanas as influências e interesses da grande potência que crescia um pouco mais ao norte, talvez pela menor distância, talvez pela menor força econômica e política. Por aqui, uma simples companhia, a United Fruit Company, derrubava e criava novos regimes e presidentes da noite para o dia. O principal produto da companhia? Banana! Enfim, não é à tôa que se criou o jargão "República de Bananas". Ela realmente existiu!

Fiona acomodada entre os coqueiros de Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica

Fiona acomodada entre os coqueiros de Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica


Aqui na Costa Rica não era diferente. Até que, em meados da década de 40, após uma tentativa de golpe (mais uma) e guerra civil particularmente sangrentas, uma constituinte decidiu, entre outras coisas, além de dar direitos políticos à mulheres, negros, indígenas e minorias étnicas, acabar com o exército e forças armadas. Isso mesmo, a Costa Rica optou por ser um país sem generais, almirantes ou brigadeiros. Coincidência ou não, o país experimentou desde então, o maior período de democracia contínua dentre todos os países da região, estes sim ainda "guardados" por seus respectivos exércitos.

Belo fim de tarde na praia de Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica

Belo fim de tarde na praia de Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica


O maior desafio à essa política veio na década de 80 quando seu vizinho, a Nicarágua, se afundava em guerra civil, os "contras" tentando derrubar o governo esquerdista dos sandinistas (difícil saber para quem torcer...). Ainda em plena época da Guerra Fria, o governo americano pressionava o país para que bases dos tais "contras" operassem livremente no norte do país. Tempos difíceis para a Costa Rica, sabiamente administrados por Oscar Arias, que não só conseguiu desmantelar as tais bases como organizar uma grande negociação que resultou no fim da guerra no país vizinho. A Costa Rica pôde continuar um país desmilitarizado e sem exércitos e seu presidente foi laureado com um Nobel da Paz.

Conversando pelo Skype com a família (viva a tecnologia!) em Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica

Conversando pelo Skype com a família (viva a tecnologia!) em Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica


Pois bem, nessa Costa Rica estamos hoje. No país onde o sol brilha figurativamente há quase 60 anos, hoje ele brilhou literalmente. Eu e a Ana passamos um delicioso dia na praia, correndo, nadando, repousando e nos instruíndo sobre o país. No final da tarde, com um belíssimo pôr-do-sol sobre o Oceano Pacífico, confortavelmente instalados sob o teto de sapé do bar-restaurante da pousada, refrescados por uma deliciosa e incessante brisa trazida pelo mar, pude conversar longamente com meus pais e irmão, através do skype. Pode ser difícil chegar aqui de carro, mas a internet e a tecnologia wifi chegaram. Tecnologia que consegue, num só lugar, juntar os melhores aspectos da civilização e do paraíso "selvagem". Um paraíso onde o sol brilha já há bastante tempo.

Socializando no bar da pousada beira-mar em Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica

Socializando no bar da pousada beira-mar em Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica

Costa Rica, Zancudo, Praia

Veja todas as fotos do dia!

A nossa viagem fica melhor ainda se você participar. Comente!

Post anterior Orla de coqueiros na praia de Zancudo, no litoral Pacífico da Costa Rica

Agora sim, na Costa Rica!

Post seguinte Baía de Dominicalito, no litoral da Costa Rica

Da Praia Para a Montanha

Blog da Ana O vasto Oceano Pacífico em Zancudo, no litoral da Costa Rica

Zancudo, Sol y Mar

Comentários (3)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 09/12/2011 | 14:28 por TACA Regional

    Nós estamos contentes você está desfrutando na Costa Rica! Obrigado por compartilhar sua experiência com o mundo. Pura Vida!
    SANSA Regional team :)
    @TACARegional

    Resposta:
    Nós também estamos contentes de estar desfrutando a Costa Rica!

    Natureza incrível, ou como disseram, "pura vida"!

    Abs

  • 09/12/2011 | 02:22 por Marcos

    Hoje acordei com uma vontade danada de voltar a praia do Bonete na Ilha Bela! Digitei no google, pra atualizar, já que andei os últimos 10 anos por outras paragens! Um link me trouxe ate esta página! Grata surpresa!Comecei a navegar no site na parte da tarde e agora 2:20hs da manhã, ainda não me cansei de ler os relatos e ver (rever) fotos de lugares onde tb já estive e tantos outros ainda onde quero estar!
    Sei bem como é esse comichão de sair por ai!
    Tenham dias de paz!
    Sorte Sempre!

    Resposta:
    Olá Marcos!

    Nós simplesmente ADORAMOS o Bonete e ficamos lá muito mais do que tínhamos planejado. Lugar maravilhoso.

    É muito legal receber comentários como o seu. Viajar pelas américas é fácil. Difícil é chegar de noite cansado ou acordar cedo e perder horas de sono para manter o blog atualizado e poder compartilhar fotos e experiências com as pessoas que também gostam de viajar. É um esforço que é recompensado quando recebemos mensagens como a sua. Isso nos anima a continuar relatando o incrível pedaço da vida que estamos atravessando.

    Valeu mesmo!

  • 06/12/2011 | 12:33 por Guto Junqueira

    Fala, Rô! Belo pedaço de paraíso, já estava meio constrangido de contar aos amigos que você e a Ana tinham ficado tão à vontade em Boquete ... E o Parque dos Dinossauros, vc vai visitar? Faltam 25 dias para o Ojos, abraço, Guto

    Resposta:
    Oi Guto!!!

    Hehehe, agora já deixamos a grande Boquete para trás. Aqui na Costa Rica, principalmente no litoral, já pensei várias vezes no livro e no filme e sempre procuro um dinossauro, pequeno que seja, entre as folhagens. Mas até agora, nada...

    Também estou contando os dias para o Ojos e para saber das aventuras do irmão e do primo!

    Grande abraço

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet