0 No Ponto Mais Alto do Caribe - Blog do Rodrigo - 1000 dias

No Ponto Mais Alto do Caribe - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

No Ponto Mais Alto do Caribe

República Dominicana, Pico Duarte, Jarabacoa

Com nossos amigos franceses no cume do Pico Duarte, na  República Dominicana, o ponto mais alto de todo o Caribe

Com nossos amigos franceses no cume do Pico Duarte, na República Dominicana, o ponto mais alto de todo o Caribe


O dia 27 foi de deslocamentos, mas ainda conseguimos chegar a tempo de, no final da tarde, acertar toda a estrutura de nossa caminhada no dia seguinte ao ponto culminante do Caribe: o Pico Duarte, na República Dominicana. Saímos cedinho de Cap-Haitiens, ainda no Haiti, em direção à Santiago, a segunda maior cidade da República Dominicana. Viagem tranquila e confortável, com direito a um café da manhã que foi um macarrão apimentado. Nossos estômagos e cérebros começam a se acostumar com essa esquisitice de comer macarrão logo de manhã. Passamos sem problemas pela fronteira, mudamos o “canal” de francês para espanhol e chegamos à Santiago. Aí, descemos do nosso ônibus internacional e, meia hora mais tarde, já estávamos em outro em direção à La Vega. A ideia era pegar um terceiro ônibus para a cidade de Jarabacoa, uma espécie de Campos do Jordão daqui, mas as passagens já estavam esgotadas e teríamos de esperar mais de duas horas até o próximo. Sem tempo a perder, pagamos um táxi mesmo e, 30 minutos mais tarde chegávamos a cidade mais alta do país, cercada de montanhas, rios e cachoeiras.

Macarrão bem temperado, nosso café da manhã no ônibus de Cap-Haitien (Haiti) para Santiago (Rep. Dominicana)

Macarrão bem temperado, nosso café da manhã no ônibus de Cap-Haitien (Haiti) para Santiago (Rep. Dominicana)




Nosso caminho de ônibus de Cap-Haitien (Haiti) para Santiago (Rep. Dominicana). Daí, outro ônibus para La Vega (C) e um taxi para Jarabacoa (D). Finalmente, uma carona para Cienega (E), onde começa a trilha para subir o Pico Duarte

Uma dessas montanhas é o Pico Duarte e foi ele que nos fez vir até aqui. Trata-se da mais alta montanha do Caribe, superando os 3.080 metros de altitude. Mais alto do que qualquer montanha no nosso gigantesco Brasil! Desde que iniciamos os 1000dias, sabíamos que, um dia, chegaríamos aqui. Esse dia chegou e agora, só faltava arrumar um esquema para subi-lo. A montanha fica no interior de um parque nacional e só se entra lá acompanhado de um guia. Além disso, para quem pretende fazer a caminhada até o pico, se insiste muito para que se leve uma mula. A ideia é que, caso algo passe lá encima, é muito mais fácil e barato trazer uma pessoa para baixo com a mula do que organizar um resgate. Desse modo, praticamente todo mundo sobe com a mula, chamada carinhosamente de “amulância”. Também recomenda-se muito uma segunda mula, para carregar o peso para o alto. Mochilas, barraca, sacos de dormir, comida, tudo isso vai no lombo dela. Os visitantes carregam sua máquinas fotográficas, alguma água e só.

Arrumando as mulas para a subida do Pico Duarte, na  República Dominicana

Arrumando as mulas para a subida do Pico Duarte, na República Dominicana


Último descanso antes do início da trilha do Pico Duarte, na  República Dominicana

Último descanso antes do início da trilha do Pico Duarte, na República Dominicana


Isso tudo já tínhamos lido nos livros e, assim que chegamos à Jarabacoa, procuramos uma pessoa para nos ajudar a organizar tudo. Acabamos encontrando o Ramón, vulgo Moche, que nos explicou detalhadamente como se dá o passeio. Acertamos um preço com ele e ele providenciou as mulas, o guia, nossa comida e sacos de dormir. Para nós, restou simplesmente o trabalho de acordar bem cedo no dia seguinte (ontem) e de caminhar montanha acima.

Mapa de ascensão do Pico Duarte, na  República Dominicana

Mapa de ascensão do Pico Duarte, na República Dominicana


Ainda com o dia escuro, o Moche nos apanhou no nosso hotel em Jarabacoa e seguimos para Cienega, a pequena vila que fica ainda mais alta nas montanhas e onde está a entrada do Parque Nacional. Aí, fomos recebidos com um café da manhã e pelas mulas e guia que nos ajudariam nesse empreitada. Eram cerca de 8 da manhã quando pusemos o pé na trilha.

Descanso na trilha do Pico Duarte, na  República Dominicana

Descanso na trilha do Pico Duarte, na República Dominicana


Encruzilhada na trilha do Pico Duarte, na  República Dominicana

Encruzilhada na trilha do Pico Duarte, na República Dominicana


São cerca de 25 quilômetros de caminhada da entrada do parque até o cume do Pico Duarte. Quase dois quilômetros de desnível, dos 1.100 metros de Cienega até os 3.087 metros do cume. Considerando que há vários sobes e desces no caminho, na verdade são bem mais de dois mil metros que subimos. Para quem começa cedo como estávamos começando, a programação mais comum é chegar até o refúgio que existe num lugar chamado “La Compartición”, a 2.450 metros, e dormir por aí. Na manhã seguinte, com o dia nascendo, acelerar até o pico para aproveitar as primeiras horas da manhã, quando a chance de bom tempo é maior. Depois da conquista, para baixo, com toda a ajuda da gravidade, até a entrada do parque.

Muita névoa na subida do Pico Duarte, na  República Dominicana

Muita névoa na subida do Pico Duarte, na República Dominicana


Muita névoa na subida do Pico Duarte, na  República Dominicana

Muita névoa na subida do Pico Duarte, na República Dominicana


Na verdade, as maiores agências que organizam excursões até o pico até o fazem com um dia a mais. Não começam tão cedo e a primeira noite é passada ainda em Los Tablones, pouco abaixo dos 1.300 metros. Mas nós, como sempre com pressa, começando cedo, com duas mulas e um guia para nossa ajudar, estávamos mais do que resolvidos em fazer em apenas dois dias e uma noite lá encima.

Refúgio para os alpinistas que sobem o Pico Duarte, na República Dominicana

Refúgio para os alpinistas que sobem o Pico Duarte, na República Dominicana


Refúgio para os alpinistas que sobem o Pico Duarte, na República Dominicana

Refúgio para os alpinistas que sobem o Pico Duarte, na República Dominicana


E lá fomos nós, quase sem peso, montanha acima. Passos largos, aproveitando o início da triha que sobe apenas suavemente, sempre ao lado de um rio caudaloso. O nosso guia vinha uns minutos atrás, tranquilão, montado em uma mula e trazendo a outra. O caminho é muito fácil de ser seguido, com apenas uma bifurcação, mas que está muito bem sinalizada.

Último trecho para chegar ao cume do Pico Duarte, na República Dominicana

Último trecho para chegar ao cume do Pico Duarte, na República Dominicana


O cume da montanha mais alta do Caribe, o Pico Duarte, na República Dominicana

O cume da montanha mais alta do Caribe, o Pico Duarte, na República Dominicana


Quando finalmente começamos a subir de verdade, deixando o rio para trás, encontramos um casal de franceses que tínhamos procurado bastante ontem, lá em Jarabacoa. Na nossa procura por guias, ontem, ficamos sabendo que havia esse casal procurando também. Tentamos achá-los, para dividir os custos, mas não conseguimos. Agora, lá estavam eles, o Jean e a Martine, também com seu guia e suas mulas. Casal muito interessante, proveniente da região dos Alpes, amantes da natureza e das caminhadas. Estão na faixa dos 50 e poucos anos, mas caminham muito bem. Também, com o “quintal” que têm em sua casa...

Neblina cobre a floresta no alto do Pico Duarte, na República Dominicana

Neblina cobre a floresta no alto do Pico Duarte, na República Dominicana


A 3.080 metros de altitude, em meio à neblina, junto com o Duarte, no alto da montanha mais alta do Caribe, na República Dominicana

A 3.080 metros de altitude, em meio à neblina, junto com o Duarte, no alto da montanha mais alta do Caribe, na República Dominicana


Acabamos por nos juntar, os quatro, enquanto os dois guias (e as quatro mulas) seguiam juntos um pouco atrás. Ela falava inglês, mas apenas arranhava o espanhol. Ele, só no francês mesmo. De modo que, mesmo de volta à república Dominicana, tratei de prtaicar o francês novamente.

No refúgio no fim de tarde, esquentando-se na fogueira (trilha do Pico Duarte, na  República Dominicana)

No refúgio no fim de tarde, esquentando-se na fogueira (trilha do Pico Duarte, na República Dominicana)


Cozinhando nosso jantar no refúgio em Compartición, pouco abaixo do Pico Duarte, na República Dominicana

Cozinhando nosso jantar no refúgio em Compartición, pouco abaixo do Pico Duarte, na República Dominicana


A caminhada que havia se iniciado com uma chuva fina, agora era entre as nuvens, as florestas cobertas por uma névoa que lhes emprestava um ar fantasmagórico. Ficamos em a paisagem distante, mas o ambiente próximo era fabuloso. Além disso, a ausência de sol facilitava bastante a subida, a altitude subindo para cima dos 2 mil metros.

Fogueira noturna, no refúgio um pouco abaixo do Pico Duarte, na  República Dominicana. O pé que aparece na frente é o do Rodrigo, tentando esquentá-lo ao fogo!

Fogueira noturna, no refúgio um pouco abaixo do Pico Duarte, na República Dominicana. O pé que aparece na frente é o do Rodrigo, tentando esquentá-lo ao fogo!


Com tanta conversa interessante, as etapas foram passando rapidamente. Houve a esperada parada do lanche, cruzamos com muita gente descendo (muitos dominicanos tinham aproveitado o feriado para caminhar nas montanhas) e finalmente o tempo começou a se abrir, revelando um mar de montanhas à nossa volta.

O dia nasce um pouco antes de chegarmos ao cume do Pico Duarte, na  República Dominicana

O dia nasce um pouco antes de chegarmos ao cume do Pico Duarte, na República Dominicana


A caminho do cume do Pico Duarte, na  República Dominicana, com o dia nascendo

A caminho do cume do Pico Duarte, na República Dominicana, com o dia nascendo


Depois de chegarmos quase aos 2.700 metros, a mais longa descida da trilha (pelo menos na parte da ascensão!) até o refúgio em La Compartición. Era um pouco depois das duas quando lá chegamos. O refúgio, que havia estado bem cheio na noite anterior, agora só estava com um grupo de 10 pessoas, amigos que haviam subido até o cume durante o dia e resolveram dormir por lá mais uma noite, para voltar no dia seguinte. Conversei rapidamente com eles e descobri que não havia mais ninguém lá no alto. Além do mais, disseram-me que, caminhando rápido, eram pouco mais de uma hora até o cume do Pico Duarte.

A bela visão que se tem quase ao chegar ao cume do Pico Duarte, na  República Dominicana

A bela visão que se tem quase ao chegar ao cume do Pico Duarte, na República Dominicana


As montanhas que cercam o Pico Duarte, na  República Dominicana

As montanhas que cercam o Pico Duarte, na República Dominicana


Foi o bastante para tomar minha decisão. Esperei um pouco por lá, esperando que a Ana e o casal de franceses chegassem, aproveitando para recuperar o fôlego. A Ana ficou meio na dúvida se atacaria o pico hoje também, mas achou melhor ficar no acampamento mesmo. Eu parti em ritmo acelerado para cima, cerca de cinco quilômetros e 600 metros de ganho de altitude.

Junto com o Duarte, no cume da montanha que leva o seu nome, na República Dominicana

Junto com o Duarte, no cume da montanha que leva o seu nome, na República Dominicana


Levei apenas uma jaqueta para chuva e a máquina fotográfica, além de uma garrafa d’água enchida em uma das fontes puras e deliciosas ao lado do acampamento. Foi só na metade do caminho que lembrei que deveria ter trazido algo para comer também. Ao menos, uma barra energética. Mas, enfim, não tinha levado e era melhor não pensar na fome. Se bem que não era exatamente fome que eu sentia, mas a minha energia acabando, o final da “bateria”.

No ponto mais alto do Caribe, o Pico Duarte, com 3.080 metrtos, na República Dominicana

No ponto mais alto do Caribe, o Pico Duarte, com 3.080 metrtos, na República Dominicana


Segui no orgulho, bem menos resistente que havia imaginado, mas em 55 minutos estava lá encima, no ponto mais alto do Caribe. Eu e a estátua do Duarte, o herói da independência dominicana dos haitianos, 170 anos atrás. Uma densa neblina nos envolvia e por bem poucos momentos ela se abriu para eu poder ver algo da paisagem. Mas não era atrás de vista que eu estava, mas da sensação de estar ali, solo, naquele lugar tão especial. Foi muito legal!

Vista do alto do Pico Duarte, na República Dominicana

Vista do alto do Pico Duarte, na República Dominicana


Vista do alto do Pico Duarte, na República Dominicana

Vista do alto do Pico Duarte, na República Dominicana


Junte a emoção e a falta de energia e eu resolvi sentar um pouco no pedestal do grande Duarte. Dois minutos depois, eu já sonhava profundamente. Sonhos especiais, muita natureza, alturas e liberdade. Bem combinado com o lugar que estava. Vinte minutos depois, acordei no susto, sem saber exatamente onde estava. Foram uns dois minutos pensando, tentando organizar os pensamentos e ideias e separá-los dos sonhos. Por fim, me achei no tempo e no espaço e vi que estava mais do que na hora de voltar, para não caminhar no escuro. Disse um até logo ao cume a à estátua e desci para o refúgio.

No alto do Pico Duarte, na República Dominicana

No alto do Pico Duarte, na República Dominicana


Lá cheguei recebido de braços abertos por todos, impressionados com a façanha. É que a Ana já tinha feito a maior propaganda, esposa coruja! Melhor foi a enorme fogueira que tinham armado, a fonte de calor que eu tanto ansiava, em meio ao frio que começava a apertar. Para completar, comida quentinha que os guias tinham preparado. Todos já tinham comido, mas a Ana providenciou um prato para mim. Ali, na frente da fogueira, comida saborosa e quentinha, ótima companhia, não precisava de mais nada!

Umidade presa nas teias de aranha parecem flores! (trilha do Pico Duarte, na República Dominicana)

Umidade presa nas teias de aranha parecem flores! (trilha do Pico Duarte, na República Dominicana)


Com nossos amigos franceses, voltando do cume do Pico Duarte, na República Dominicana

Com nossos amigos franceses, voltando do cume do Pico Duarte, na República Dominicana


Não fomos dormir tarde, já que o plano era madrugar para ir ao pico, nós quatro e um dos guias. O outro ficaria no refúgio, para nos aguardar com um café da manhã caprichado. No escuro ainda, todos com lanternas na cabeça, começamos a caminhar. O céu agora estava limpo e brilhava uma bela lua. Tão forte que quase já não precisávamos das lanternas.

Mulas descansam na área do refúgio do Pico Duarte, na República Dominicana

Mulas descansam na área do refúgio do Pico Duarte, na República Dominicana


Planta na trilha do Pico Duarte, na República Dominicana

Planta na trilha do Pico Duarte, na República Dominicana


Agora que eu já sabia o caminho e na companhia da esposa e amigos, muita conversa para esquentar e distrair, foi infinitamente mais fácil que no dia anterior. Com o sol nascendo, chegávamos no Vale de Lílis, último ponto de parada, 100 metros abaixo do pico. Quinze minutos depois, estávamos todos no teto do Caribe, o Duarte feliz por me rever. O céu estava azul e finalmente pude ver a incrível natureza que cerca a montanha, dezenas de quilômetros para todos os lados. Dizem que, em dias excepcionais, dá até para ver o mar, ao norte, e o Haiti, a leste.. Hoje não dava para ver tão longe, mas mesmo assim, estava magnífico!

Descendo a trilha do Pico Duarte, na República Dominicana

Descendo a trilha do Pico Duarte, na República Dominicana


Voltamos para o refúgio, nos esbaldamos no café da manhã e ganhamos força para a subida que nos esperava, o “reverso” daquela maior descida do trecho de ascensão. Chegando lá encima, só nos restava descer. A próxima parada foi a do lanche, no meio do caminho. Daí para baixo, desgarrei-me do grupo, descendo quase correndo, pura diversão na trilha cheia de curvas e pedras.

Encontro com tropa de mulas na trilha do Pico Duarte, na República Dominicana

Encontro com tropa de mulas na trilha do Pico Duarte, na República Dominicana


Os quase vinte quilômetros de descida passaram muito mais rapidamente que na subida (claro!) e cheguei á entrada do parque, onde logo procurei um boteco para uma merecida Presidente (a cerveja nacional da Rep. Dominicana). Uma hora depois chegava a Ana e , um pouco depois, os franceses. Antes mesmo da cerveja, eles foram direto para um mergulho nas águas geladas do rio. Eu também não resisti e logo chegaram mais cervejas, trazidas pelos nossos guias. Um final de outo para dois suados e deliciosos dias de trekking.

Um rio refrescante na trilha do Pico Duarte, na República Dominicana

Um rio refrescante na trilha do Pico Duarte, na República Dominicana


Os franceses partiram em seu carro alugado enquanto nós fomos levados de volta à Jarabacoa pelo Monche. Amanhã, é nossa vez de alugar um carro para, nos próximos dias, explorar o litoral norte do país. Chega de montanhas, vamos às praias!

Depois da trilha, um merecido e gelado banho em um rio no final da descida do Pico Duarte, na República Dominicana

Depois da trilha, um merecido e gelado banho em um rio no final da descida do Pico Duarte, na República Dominicana

República Dominicana, Pico Duarte, Jarabacoa, trilha, Parque, montanha

Veja todas as fotos do dia!

Participe da nossa viagem, comente!

Post anterior A fantástica Paradise Beach, perto de Labadee, na costa norte do Haiti

A Incrível Paradise Beach

Post seguinte Caminhando na maravilhosa Playa Rincón, perto de La Galera, na península de Samaná, na costa norte da República Dominicana

Das Montanhas às Praias

Blog da Ana Com nossos amigos franceses no cume do Pico Duarte, na  República Dominicana, o ponto mais alto de todo o Caribe

No topo do Caribe!

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 22/05/2013 | 09:21 por samuel baker mororo aragao

    Estou encantado com essa parte do caribe, Hispaniola!!que maravilha sua natureza, cultura e seu povo, que mesmo passando por intemperes, como as ocorridas no Haiti, mostra-se confiantes na restauração de seu turismo e por cosequinte melhora de seu padrão de vida! PARABÉNS PELAS MATÉRIAS e fotos maravilhosas!.

    Resposta:
    Olá Samuel

    Legal que vc esteja gostando! Para nós, é sempre gratificante receber elogios assim! Muito obrigado!

    O Haiti foi mesmo um lugar muito especial na nossa viagem. Tanto pelas belezas naturais como pelo contato com seu povo.Inesquecível!

    E ter estado no cume do Pico Duarte, ponto mais alto de todo o Caribe, foi a realização de um sonho que já tinha mais de 3 anos!

    Um grande abraço

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet