1 Mais um Caiaque Polar - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Mais um Caiaque Polar - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Mais um Caiaque Polar

Antártida, Half Moon Island

Sob os olhos atentos do guia no zodiac, nosso grupo rema ao lado de um bloco de gelo em Half Moon Island, na Antártida (foto de Marla Barker)

Sob os olhos atentos do guia no zodiac, nosso grupo rema ao lado de um bloco de gelo em Half Moon Island, na Antártida (foto de Marla Barker)


Depois da longa volta na antiga cratera vulcânica de Deception Island enquanto almoçávamos e nos divertíamos, o Sea Spirit rumou para o norte outra vez, seguindo a cadeia de ilhas que forma o arquipélago de Shetlands do Sul. Essa foi a primeira região da Antártida a ser descoberta, ainda em 1819. Um ano depois e já eram centenas de navios, quase todos atrás dos lobos marinhos, uma caça e comércio que fez a fortuna de aventureiros naquela época. Os animais quase foram extintos, os aventureiros se foram e um novo continente havia sido descoberto!

Mais uma vez os caiaques na água, dessa vez em Half Moon Island, na Antártida

Mais uma vez os caiaques na água, dessa vez em Half Moon Island, na Antártida


Hora de mais um caiaque, dessa vez em Half Moon Island, na Antártida

Hora de mais um caiaque, dessa vez em Half Moon Island, na Antártida


Nosso destino era uma pequena ilha chamada Half Moon Bay, muito popular entre os navios turísticos que visitam a Antártida nos meses de verão. O Sea Spirit é apenas o primeiro dessa temporada, mas muitos seguirão. A ilha é pequena e já tem uma trilha demarcada que leva os turistas a uma colônia de pinguins chinstrap. No caminho, ainda se pode ver pinguins gentoo e, com sorte, alguma espécie de foca antártica, como a crabeater ou a weddell.

De volta às águas geladas antárticas, dessa vez em Half Moon Island

De volta às águas geladas antárticas, dessa vez em Half Moon Island


Desde o caiaque observando um dos rochedos da pequena Half Moon Island, na Antártida

Desde o caiaque observando um dos rochedos da pequena Half Moon Island, na Antártida


Para nós, do seleto grupo do caiaque, foi mais uma chance de remar. Já era mais de 6 da tarde, mas o dia aqui escurece bem tarde e teríamos chance não só de remar como de percorrer a pequena trilha na ilha. Então, enquanto os outros passageiros seguiam diretamente para terra firme, nós fomos para a água. Como sempre, muito bem vestidos para enfrentar as baixas temperaturas, a saia de borracha para vedar nossa caiaque, luvas, gorros e câmeras!

Um bloco de gelo se equilibra sobre uma rocha no mar ao redor Half Moon Island, na Antártida

Um bloco de gelo se equilibra sobre uma rocha no mar ao redor Half Moon Island, na Antártida


A segunda sessão de caiaque do nosso grupo hoje, dessa vez em Half Moon Island, na Antártida

A segunda sessão de caiaque do nosso grupo hoje, dessa vez em Half Moon Island, na Antártida


Quando vamos fazer caiaque, eu e a Ana sempre levamos duas câmeras: a pequena e prática canon, que compramos agora no Chile, e a GolPro, que já nos acompanha faz tempo. Cada um fica com uma delas e, conforme for, vamos trocando durante o caiaque.. A GolPro vai amarrada na cabeça, filmando. De vez em quando, tiramos alguma foto. Mas as filmagens são melhores que as fotos. Com a canon, precisamos tomar mais cuidado. Vai dentro de um saco plástico pendurado no pescoço. Para fotografar, é preciso parar, tirar a máquina lá de dentro, fazer as fotos e guardar tudo de volta para, só então voltar a remar. Com o frio e a água gelada do mar vindo de todos os lados, mais as luvas, não é muito fácil. Enfim, com paciência vai.

De volta às águas geladas antárticas, dessa vez em Half Moon Island. Tudo devidamente registrado com uma GoPro!

De volta às águas geladas antárticas, dessa vez em Half Moon Island. Tudo devidamente registrado com uma GoPro!


Caiaque em Half Moon Island, na Antártida

Caiaque em Half Moon Island, na Antártida


Além das nossas fotos, contamos também com as fotos tiradas pelo guia que dirige o zodiac. Ele está sempre por perto e, de pé no barco, tem ângulos e uma estabilidade que nós não temos. Além dele, em dias como hoje quando remamos perto da costa onde estão os outros passageiros, também temos a chance de ser fotografados por eles. Cansados de pinguins e focas, muitas vezes eles se voltam para nós, fotogênicos que somos em meio a esta paisagem polar em nossos barcos de cores fortes. Depois, se as fotos saírem boas e eles estiverem de bom humor, até ganhamos essas fotos de presente!

Nosso grupo rema ao lado das encostas de Half Moon Island, na Antártida

Nosso grupo rema ao lado das encostas de Half Moon Island, na Antártida


Nosso grupo rema ao lado das encostas de Half Moon Island, na Antártida

Nosso grupo rema ao lado das encostas de Half Moon Island, na Antártida


Essa tarde, o mais interessante foi remar ao redor dos blocos de gelo, quase pequenos icebergs que disputavam o espaço do mar conosco. Depois de tanto tempo nesses mares polares, já estamos ficando acostumados com eles. É como se fossem troncos boiando em mares tropicais.

Remando ao redor de um bloco de gelo no mar ao lado de Half Moon Island, na Antártida

Remando ao redor de um bloco de gelo no mar ao lado de Half Moon Island, na Antártida


Contornando pequeno iceberg em Half Moon Island, na Antártida

Contornando pequeno iceberg em Half Moon Island, na Antártida


Quando não tão gigantescos, podemos nos aproximar sem medo que ele se vire. Poder ver de perto e tocar nesse gelo que caiu sob forma de neve há milhares de anos no topo de alguma montanha, foi compactado até virar gelo, escorreu lentamente em uma geleira até o mar onde se tornou um iceberg para, finalmente, derreter novamente, é emocionante. De alguma forma, ele nos liga a épocas e eras muito distantes e a um mundo diferente do nosso.

Chegando perto de um bloco de gelo em Half Moon Island, na Antártida (foto de Brian Myers)

Chegando perto de um bloco de gelo em Half Moon Island, na Antártida (foto de Brian Myers)


Além desse contato com o gelo, também é diferente ver os pinguins da água. Quando eles nos veem por aqui, parece que nos respeitam mais, seres aquáticos como eles. Com sorte, vemos algum nadando também, principalmente em águas transparentes como essa. No caiaque de hoje, podíamos ver o fundo do mar cheio de pedras abaixo de nós. E olha que nem mais havia sol para iluminar, tampado pelas nuvens. Essa transparência toda era um estímulo para um mergulho, mas bastava botar a mão na água para desistir da ideia. Congelaríamos em minutos, literalmente!

Água gelada, mas transparente, em Half Moon Island, na Antártida

Água gelada, mas transparente, em Half Moon Island, na Antártida


Enfim, muitas fotos e icebergs depois, remamos para terra firme. Quase oito da noite, tínhamos mais uma hora para nossas explorações terrestres...

Remando ao lado de uma encosta gelada cheia de pinguins chinstrap, em Half Moon Island, na Antártida

Remando ao lado de uma encosta gelada cheia de pinguins chinstrap, em Half Moon Island, na Antártida

Antártida, Half Moon Island, caiaque

Veja todas as fotos do dia!

Comentar não custa nada, clica aí vai!

Post anterior A neozelandesa Cheli, nossa líder de expedição, no almoço festivo de chapéus criativos no deck do Sea Spirit, na baía de Deception Island, na Antártida

Almoço Festivo Dentro de um Vulcão

Post seguinte O visual gelado de Half Moon Island, na Antártida

Fim de Tarde na Antártida

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet