0 Finalmente, Descendo a Cunha-Parati - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Finalmente, Descendo a Cunha-Parati - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Finalmente, Descendo a Cunha-Parati

Brasil, Rio De Janeiro, Parati

Paisagem da estrada Cunha-Parati - RJ

Paisagem da estrada Cunha-Parati - RJ


Desde que fui estudar em Campinas que frequento habitualmente o litoral norte paulista, incluindo as cariocas Parati e Ilha Grande. Como sempre gostei de estradas, gosto herdado do pai e do avô, procurava variar de estradas e caminhos, mesmo quando o destino fosse o mesmo. Para quem conhece esse belo trecho do litoral brasileiro, sabe que o caminho é seguir pela Dutra ou Ayrton Senna, que correm no Vale do Paraíba, paralelas ao litoral e descer numa das várias estradas que as conectam com a Rio-Santos, lá embaixo. Partindo de São Paulo, essas conexões são a Imigrantes, a Anchieta. a Mogi-Bertioga, a Tamoios, a descida de Taubaté, a descida por Cunha e a descida por Barra Mansa.

Pois bem, aos poucos fui conhecendo cada uma dessas alternativas. Todas, exceto uma, a mítica descida por Cunha. Essa estrada, afamada por sua beleza, corta o Parque Nacional da Serra da Bocaina e nesse trecho do parque ela é de terra. Quer dizer, terra no período de seca. No verão ela é de lama, paus, pedras, deslizamentos e precipícios. Para aumentar ainda mais a minha curiosidade sobre a estrada, foi nela que, há cerca de 25 anos meu irmão rodou seu carro, já meio impaciente com a estrada de terra que não terminava mais. Fora o trampo de achar um guincho, nada de sério ocorreu.

Totem da Estrada Real entre Cunha e Parati - RJ

Totem da Estrada Real entre Cunha e Parati - RJ


Mas, já é daquela época que tenho essa estrada na cabeça. Mas, a sua precariedade, mais o fato de sempre estar com um carro baixo e a raridade das vezes que fui tão ao norte nesse litoral me impediram de conhecê-la até hoje. Mais recentemente, a estrada manteve-se fechada por um bom tempo, depois da chuvarada do final de 2009.

Agora, desde o início dessa jornada, estava decidido a conhecê-la, de uma vez por todas. Apesar de ter ouvido que ela ainda estaria interditada, uma rápida pesquisa pela internet me mostrou que não, que estava precária mas aberta. Nos blogs, muitos conselhos para não tentar, mas alguns recados dizendo que não, que dava para passar sim.

Ponto de parada entre Cunha e Parati - RJ

Ponto de parada entre Cunha e Parati - RJ


Bom, eu e a Ana decidimos tentar. Ainda mais que faz parte da Estrada Real. Mais de 300 km depois de deixarmos Tiradentes, chegamos à Cunha. Lá, a última chance de desistir. Mas, ao conversar no posto de gasolina, o cara olhou bem a Fiona e disse: "Ihhhh, passa fácil! Vive passando gente de Fusca e Brasília por aí!" He he he, tinha de ser! Depois dessa, a Fiona, que já estava cabreira com minhas dúvidas, nem quis mais conversa...

Queimada na Serra da Bocaina - RJ

Queimada na Serra da Bocaina - RJ


E assim foi. Viemos devagarzinho, curtindo a vista, a Fiona tirando de letra os trechos mais chatos. Carro baixo realmente sofre. Mas para a Fiona, foi mamão com açúcar. Pena que, além da cachoeiras e da mata, pudemos "admirar" também uma enorme queimada no Parque.Triste de ver... E assim chegamos à Parati, junto com o início da Festa de Sta. Rita. Mesmo assim, a cidade está bem tranquila. Charmosa como sempre. Já estava quase escuro quando chegamos. Mal posso esperar para ver a cidade de dia e a magnífica baía que a rodeia.

Quanto à estrada Cunha-Parati, uma pendência a menos na minha vida!

Missa em Parati - RJ

Missa em Parati - RJ

Brasil, Rio De Janeiro, Parati, Parque, Cunha, Serra da Bocaina, Estrada, Estrada Real

Veja todas as fotos do dia!

Gostou? Comente! Não gostou? Critique!

Post anterior Ponte de Pedra, no Parque Estadual da Serra do Ibitipoca - MG

Homenagem à Ibitipoca

Post seguinte Parati - RJ, vista de longe

Pela Baía de Parati

Blog da Ana Totem da Estrada Real entre Cunha e Parati - RJ

Estrada Real - Cunha - Parati

Comentários (2)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 19/10/2015 | 16:11 por anildo lage

    boa tarde pessoal, sou de minas passei nessa estrada em novembro do ano passado, e tive dificuldade para chegar em paraty,esse ano quero ir novamente a estrada está em boas condições?posso ir sem medo? adorei o verde e as paisagens do local.

    desde já agradeço.

  • 31/07/2013 | 22:41 por LUCIA HELENA

    Resolvi conhecer Paraty,no avião li que a estrada Cunha até Paraty estava pronta. Qdo chegeui na divisa dos estados do RJ e SP, lvamos um susto, era lama e o carro só fazia patinar. Acreditei que era só um trecho e seguimos em frente, descobrimos que não dava mais para voltar o jeito era seguir em frente, estava até disposta pois havia tomado um vinho no retaurante do chamado caminho do ouro, onde era pesado o ouro para chegar até Paraty. Em fim, foram horas de desfiladeiro abaixo até chegar em Paraty. Pra voltar foi outro susto, subimos a sera de Ubatuba até Taubaté. Nunca maisssssss. chega de aventura.

    Resposta:
    Oi Lucia

    Pois é... essa Estrada é sempre uma incognita: pode estar boa, logo depois de ter sido "arrumada", ou em péssimo estado, após uma chuvarada. É sempre bom checar antes com uma das pousadas da região. Um carro grande e tracionado também pode ajudar bastante, como é a nossa Fiona.

    Como atravessa um parquet, não pode ser asfaltada, o que acaba por proteger a região da especulação imobiliária. Mas, bem que poderiam cuidar melhor dela...

    Um abraço

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet