0 Encontro Familiar - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Encontro Familiar - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Encontro Familiar

Brasil, Santa Catarina, São Francisco do Sul

A Ana mata a saudade do pai em visita ao forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

A Ana mata a saudade do pai em visita ao forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


Durante nossos 1000dias, tivemos alguns momentos especiais para nós quando éramos acompanhados por amigos ou familiares. Não importa se no exterior ou aqui no Brasil, a companhia era sempre muito benvinda, invariavelmente dando nova dinâmica à viagem e tornando-a bem mais rica e interessante. E entre essas companhias, destacam-se nossos pais. Foi assim quando a Patrícia, mãe da Ana, viajou conosco pelo Paraná e parte do Paraguai. E foi assim também quando meus pais vieram passar um tempo conosco, no Uruguai e no Rio Grande do Sul. Quem faltava neste grupo era o Mário, pai da Ana. Desde sempre a gente ficava apertando ele para que passasse alguns dias conosco, que viesse nos encontrar em algum lugar. E agora, finalmente, já no 2º tempo da prorrogação da nossa expedição, combinamos de nos encontrar na estrada.

Reencontro da Ana com o seu pai na Prainha de São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

Reencontro da Ana com o seu pai na Prainha de São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


A Ana caminha com o pai na Prainha, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

A Ana caminha com o pai na Prainha, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


O local escolhido foi em São Francisco do Sul, última cidade do litoral norte catarinense antes de chegarmos ao Paraná. Aí, na simpática Prainha, ou Praia da Saudade, uma irmã dele, a Tia Made, tem uma casa de veraneio. Assim, depois de termos passado pela casa do tio Walter em Florianópolis e pela casa da tia Walkiria em Bombinhas, foi a vez da tia Made na popular São Chico, ou São Francisco do Sul. De tio em tio, fomos economizando um bom dinheiro em hotéis. É a vantagem de já se estar perto de casa e da família!


Mapa da ilha de São Francisco do Sul e suas praias. Nós ficamos hospedados na Prainha, na ponta nordeste, e também caminhamos pela Praia Grande, Enseada e Ubatuba, além de visitar o forte no extremo norte da ilha

Mapa da ilha de São Francisco do Sul e suas praias. Nós ficamos hospedados na Prainha, na ponta nordeste, e também caminhamos pela Praia Grande, Enseada e Ubatuba, além de visitar o forte no extremo norte da ilha


Então, lá viemos nós lá de Balneário Camboriú para a ilha de São Francisco, uma das maiores do litoral brasileiro. Na verdade, além de algumas ilhas amazônicas cujas áreas dependem da maré e do nível dos rios, a ilha de São Francisco do Sul só perde em tamanho para a ilha de São Luís (onde está a capital do Maranhão – 1.410 km2) e para a Ilha de Santa Catarina (Florianópolis – 523 km2). Com seus 493 km2, deixa para trás ilhas famosas do nosso litoral como Tinharé (onde está a maravilhosa Morro de São Paulo, na Bahia – 400 km2), Ilhabela (348 km2), Ilha Grande (193 km2), Ilha Comprida (188 km2), Itaparica (146 km2), Santo Amaro (onde está Guarujá, em São Paulo – 143 km2), Vitória (a capital capixaba – 43, km2) e, claro, a pequena Fernando de Noronha (23 km2).

Com o sogro, no costão de pedras que separa a Prainha da Praia Grande, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

Com o sogro, no costão de pedras que separa a Prainha da Praia Grande, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


A Ana e seu pai, o Mário, observando a Prainha no final de tarde, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

A Ana e seu pai, o Mário, observando a Prainha no final de tarde, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


Na ilha está a cidade de mesmo nome, uma das mais antigas do Brasil. Nós ainda vamos visitá-la, mas nesses primeiros dias por aqui, na honrosa companhia do Mário, resolvemos focar mais nas praias e belezas naturais. As principais praias são Ubatuba e Enseada, praticamente uma praia só e onde está um bairro que é, na verdade, quase uma cidade autônoma e autossuficiente. Muita gente vem para a ilha e nunca sai desse bairro, sem nem passar pelo centro histórico da cidade. Eu, por exemplo, já havia estado aqui duas vezes com a Ana e ainda não conhecia São Francisco do Sul e seu casario histórico. Deixei essa honra para os 1000dias!

Visitando o forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

Visitando o forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


Acertando a pontaria no forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

Acertando a pontaria no forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


Bem perto da Enseada está a Prainha, um dos locais preferidos de jovens e surfistas, já que ela está voltada para mar aberto. Justamente aí ficamos hospedados e só tínhamos de caminhar um quarteirão para colocar os pés na areia ou encontrar bons restaurantes. Melhor, impossível! Ainda mais na companhia do sogro querido. Nós chegamos á cidade na noite do dia 28 e o Mário, na manhã seguinte, ontem. Esse dia 29 foi aproveitado inteiramente por aí, na Prainha e na vizinha Praia Grande, também voltada para o oceano e local de rebentação mais forte. Entre as praias, um costão de pedras por onde se pode caminhar tranquilamente. É o local perfeito para se acompanhar o entardecer ou ter uma visão melhor das duas praias e também dos surfistas enfrentando as ondas.

O Mário, pai da Ana, caminha pelo forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

O Mário, pai da Ana, caminha pelo forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


Visitando o forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

Visitando o forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


Hoje o dia já foi de passeio. Fomos de carro até a praia Capri, que fica voltada para noroeste, onde está a baía de Babitonga. Adoro esse nome! Na língua indígena, quer dizer “morcego”. A baía tem águas tranquilas e é nela que está o importante porto de São Francisco do Sul. Mas o nosso destino não era a praia, mas o morro que e delimita.

Aproveitando a vista que se tem do alto do forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

Aproveitando a vista que se tem do alto do forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


A bela vista que se tem do alto do forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

A bela vista que se tem do alto do forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


Aí está o forte Marechal Luz, que foi uma das posições defensivas mais importantes da costa brasileira. Os portugueses já haviam percebido isso desde o início do séc. XVIII, montando aí uma primeira bateria de artilharia. As instalações foram crescendo até que, no contexto da 1ª Guerra Mundial, foi inaugurado um grande forte na base do morro, enquanto diversas peças de artilharia mais potentes foram instaladas na sua parte mais elevada. Com o passar do século e a evolução das técnicas e armamentos de guerra os fortes foram perdendo o seu valor militar e o Marechal Luz acabou sendo desativado em 1976.

A praia do Forte, visto do alto do forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

A praia do Forte, visto do alto do forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


Banhistas caminham na ponta de areia da praia do Forte em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

Banhistas caminham na ponta de areia da praia do Forte em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


Mas ao invés de simplesmente abandoná-lo, os militares o transformaram em uma colônia de férias para famílias de militares que continua funcionando até hoje. Mesmo assim, toda a área está aberta para visitação e se tornou um dos principais atrativos turísticos da ilha. Além do interesse em ver peças de artilharia ainda montadas e de visitar o pequeno museu ali existente, o atrativo maior está em apreciar a bela vista lá de cima. Foi o que fizemos hoje.

A Ana mata a saudade do pai em visita ao forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

A Ana mata a saudade do pai em visita ao forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


Cargueiros fazem fila para entrar no porto de São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

Cargueiros fazem fila para entrar no porto de São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


Depois de pagar a taxa de entrada é possível seguir por uma estrada bem conservada até o alto. Lá, caminhamos entre os canhões, lemos um pouco e nos informamos sobre técnicas de tiro no museu e subimos a escadaria que leva até o ponto mais alto do morro. Quanto mais alto, mais bela a vista. O mar aberto para um lado, a Babitonga para o outro. Lá embaixo, banhistas se divertem na ponta de areia da praia do forte. Depois de uma hora agradável lá encima, ainda fomos almoçar no restaurante da colônia de férias. Depois,sem pressa, de volta para casa mais um passeio na praia e uma pizza para fechar o dia e jogar conversa fora.

Praias de Enseada e Ubatuba, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

Praias de Enseada e Ubatuba, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


A praia da Enseada, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

A praia da Enseada, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina


No dia 31, pela manhã, a despedida. O Mário, de volta para Curitiba. Em breve estaremos lá. Mas enquanto esse breve não chega, ainda temos alguns dias de explorações. A começar pelo próprio centro histórico de São Francisco. Depois, um pit stop em Joinville, a maior cidade de Santa Catarina. Por fim, de volta ao nosso Paraná para, ainda antes de subir a serra e voltar ao ponto de partida, passar alguns dias aos pés da Serra do Mar. A saudade da companhia do sogro começou logo, enquanto fotografávamos Ubatuba e a Enseada. Seu bom humor e observações perspicazes vão fazer falta...

Caminhando na praia de Enseada, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

Caminhando na praia de Enseada, em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina

Brasil, Santa Catarina, São Francisco do Sul, Praia

Veja todas as fotos do dia!

Participe da nossa viagem, comente!

Post anterior A praia central e super urbanizada de Balneário Camboriú, litoral de Santa Catarina

A Metrópole do Litoral

Post seguinte A bela Igreja Matriz de São Francisco do Sul, litoral norte de Santa Catarina

São Chico e Joinville

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet