0 Choque de Realidade - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Choque de Realidade - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Choque de Realidade

Haiti, Cabaret

O movimentado mercado de Cabaret, antiga Duvalierville, ao norte de Port-au-Prince, no Haiti

O movimentado mercado de Cabaret, antiga Duvalierville, ao norte de Port-au-Prince, no Haiti


Depois da manhã de paz e tranquilidade na praia paradisíaca do Hotel Obama, rumávamos de volta à Port-au-Prince, juntos com a Lana e o Eric no carro chamado por ele. A Lana é uma cozinheira de mão cheia, pratos exóticos aprendidos em suas viagens pelo mundo que agora fazem sucesso no hotel do casal em Pétion-Ville, bairro onde ficam os turistas que viajam à capital haitiana. Sabendo que passaríamos ao lado do mercado na cidade de Cabaret, ela insistiu que parássemos por lá para nos abastecer de ingredientes para suas deliciosas receitas.

O movimentado mercado de Cabaret, cidade ao norte de Port-au-Prince, no Haiti

O movimentado mercado de Cabaret, cidade ao norte de Port-au-Prince, no Haiti


Um taptap nas ruas de Cabaret, cidade ao norte de Port-au-Prince, no Haiti

Um taptap nas ruas de Cabaret, cidade ao norte de Port-au-Prince, no Haiti


Cabaret é a antiga Duvalierville, e retomou seu nome original depois que Baby Doc, a segunda geração da família tirana, fugiu do país, em 1986. O pai, o notório e sanguinário Papa Doc, havia mudado o nome da cidade em sua homenagem, logo depois de uma visita à Cabaret no ano de 1962. Prometeu diversos investimentos e uma nova era de progresso, o que obviamente nunca aconteceu, mudou o nome de alguns edifícios e avenidas para o de sua esposa e o nome da cidade para o seu, na maior cara de pau. Quer dizer, ele era mesmo ególatra, mas não tanto como seu colega ditador da vizinha República Dominicana, que havia sido assassinado no ano anterior. Trujillo não havia se contentado com uma cidade pequena. Não! Ele tinha mudado o nome da capital do país para auto homenagear-se. Algo que nem Stálin havia pensado em fazer. Felizmente, ditadores como Strossner, Trujillo, Duvalier e Lenin se vão e as cidades retomam seus nomes originais.

O movimentado mercado de Cabaret, antiga Duvalierville, ao norte de Port-au-Prince, no Haiti

O movimentado mercado de Cabaret, antiga Duvalierville, ao norte de Port-au-Prince, no Haiti


Mais tarde, buscando informações na internet sobre a cidade, li artigos escritos por jornais americanos logo depois da fuga de Baby Doc e da volta do nome da cidade para o original. Foi triste ver as entrevistas dadas em 86, as pessoas esperançosas de um tempo melhor e mais próspero, com o fim da ditadura. Mal sabiam as agruras e dificuldades que os esperavam pelos próximo 25 anos, ou seja, até hoje.

O movimentado mercado de Cabaret, antiga Duvalierville, ao norte de Port-au-Prince, no Haiti

O movimentado mercado de Cabaret, antiga Duvalierville, ao norte de Port-au-Prince, no Haiti


Bem, foi por essa Cabaret de hoje que passamos, seu mercado de rua completamente lotado, ali do lado da estrada. “Quem compra tanta coisa?”, é tudo o que me vem à cabeça quando vejo esses movimentados mercados haitianos. Foi o nosso carro encostar no acostamento que fomos cercados por dezenas de ávidos vendedores, todos curiosos com aquele carro cheio de pessoas brancas que ali estava.

Uma elegante vendedora no mercado de Cabaret, cidade ao norte de Port-au-Prince, no Haiti

Uma elegante vendedora no mercado de Cabaret, cidade ao norte de Port-au-Prince, no Haiti


O Eric, no banco de passageiros, logo abriu sua janela e mandou ver no seu creolle fluente, para surpresa dos vendedores (na verdade, vendedoras, já que as mulheres formavam a grande maioria). Recobradas da surpresa inicial, elas logo partiram para o “ataque”, tentando enfiar todos os tipos de produto. AO mesmo tempo, a Lana, que não fala uma palavra da língua local, notava algo mais que queria comprar e pedia ao Eric que providenciasse. Bombardeado por todos os lados, ele passou a lista de compras ao motorista e pediu que ele descesse e se virasse. Eu e a Ana, de camarote, no banco de trás, observando toda a cena que se desenrolava em frente aos nossos olhos, o gostinho de Haiti finalmente chegando às nossas bocas.

Detalhes de haitianos no mercado de Cabaret, antiga Duvalierville, ao norte de Port-au-Prince, no Haiti

Detalhes de haitianos no mercado de Cabaret, antiga Duvalierville, ao norte de Port-au-Prince, no Haiti


O motorista desceu e se perdeu naquele mar de gente. Eu respirei fundo, peguei a nossa máquina fotográfica e saí do carro. Era onde eu queria estar, no meio daquela gente e bagunça toda, o único branquinho no meio daquela África americana. Mais curiosos do que eu com eles, eram eles comigo.

Detalhes de haitianos no mercado de Cabaret, antiga Duvalierville, ao norte de Port-au-Prince, no Haiti

Detalhes de haitianos no mercado de Cabaret, antiga Duvalierville, ao norte de Port-au-Prince, no Haiti


Fotos para lá e para cá, situação intensa, quase inebriante, imagens, sons e cheiros cercando-me por todos os lados. Lá estava eu em meus devaneios quando alguém me toca nas costas. Era o motorista e nós já estávamos prontos para partir. Voltamos para o carro e seguimos em frente, eu saboreando aqueles cinco minutos de Haiti que tinha acabado de vivenciar. A experiência tinha valido o dia!

Um taptap, forma mais comum de transporte no país (no mercado de Cabaret, antiga Duvalierville, ao norte de Port-au-Prince, no Haiti)

Um taptap, forma mais comum de transporte no país (no mercado de Cabaret, antiga Duvalierville, ao norte de Port-au-Prince, no Haiti)

Haiti, Cabaret,

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior A linda praia de Obama, perto de Cabaret, antiga Duvalierville, no litoral central do Haiti

Praia Haitiana e Churrasco Brasileiro

Post seguinte Arte nas ruas de Pétion-Ville, bairro mais chique de Port-au-Prince, no Haiti

Pétion-Ville e o Le Perroquet

Blog da Ana As favelas de Pétion-Ville, no subúrbio da capital Port-au-Prince, no Haiti

Pétion-Ville

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 12/05/2013 | 23:05 por Leidiane Ramos de Azevedo

    Mais uma vez elogiar as escritas. Parabéns Rodrigo!

    Resposta:
    Muito obrigado Leidiane!

    Um abraço e espero que continue gostando

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet