0 Chegando aos Llanos - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Chegando aos Llanos - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Chegando aos Llanos

Venezuela, Los Llanos

Capivaras vivem às milhares no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Capivaras vivem às milhares no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Os “llanos” são uma grande planície no sudoeste da Venezuela que é alagada sazonalmente durante as cheias do rio Orinoco e de seus principais afluentes. É uma área de fauna abundante, com centenas de espécies de pássaros, répteis e mamíferos que se aproveitam da rica vegetação que se renova a cada ano. Qualquer semelhança com o nosso Pantanal não é mera coincidência, já que os ecossistemas são extremamente parecidos.

Chegando às planícies alagadas da região dos llanos, na Venezuela

Chegando às planícies alagadas da região dos llanos, na Venezuela


A criação de gado é muito comum na região dos llanos, na Venezuela

A criação de gado é muito comum na região dos llanos, na Venezuela


Aliás, exatamente como o nosso Pantanal, a região se especializou na criação de gado, que também se adapta bem a esse tipo de terreno. Mas o potencial dessa incrível beleza da paisagem e, principalmente da fauna, não passaram desapercebidas dos fazendeiros locais e, na década de 90, popularizou-se o turismo em fazendas para se vivenciar um pouco dessa natureza exuberante.

Época de florada na região dos llanos, na Venezuela

Época de florada na região dos llanos, na Venezuela


Uma infinidade de espécies de aves vive na região dos llanos, na Venezuela

Uma infinidade de espécies de aves vive na região dos llanos, na Venezuela


As grandes fazendas na região são conhecidas por “Hatos” e vários desses hatos se transformaram em destinos turísticos procurados por viajantes de todo o mundo que vinham para cá para passar vários dias. Pagavam em dólares por pacotes completos que incluíam todas as refeições, a estadia e os passeios em jipes e barcos. A mais famosa e tradicional dessas fazendas era o Hato Piñero e nós, viajando ainda com o livro-guia que tínhamos comprado para nossa viagem de 2007, tínhamos escolhido ela para conhecer os llanos. Mas o livro estava desatualizado...

Época de florada na região dos llanos, na Venezuela

Época de florada na região dos llanos, na Venezuela


Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Além de empreendimentos turísticos, esses hatos também eram grandes fazendas produtoras. Todo o setor passou por uma profunda crise nesses últimos cinco anos de regime chavista. Seja por oposição ao governo, seja pela dificuldade em produzir em um país com regras, preços e câmbio instáveis e desfavoráveis, principalmente porque todos os insumos são importados, a produção de alimentos declinou bastante. O setor passou a ser o novo alvo do presidente, que ameaçou com a nacionalização das terras, promessa que realmente cumpriu. Uma a um, todos os hatos foram expropriados. A consequência: fim da atividade turística e um declínio ainda maior da produção de alimentos.

Um vistoso lagarto logo na entrada do Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Um vistoso lagarto logo na entrada do Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Um enorme jacaré no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Um enorme jacaré no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Foi dessa situação que começamos a nos inteirar, ainda em Mérida. Felizmente, não chegamos a viajar as centenas de quilômetros até o Hato Piñero para dar de cara com uma porta fechada. O estranho é que seu site de internet continua a funcionar, com seus preços em dólares e tudo. Mas, como a própria fazenda, aparentemente está inativo já há alguns anos.


O google não sabe traçar a rota, mas na foto por satélite, podemos observar o Hato El Cedral (C). Saímos de Barinas (A) e depois seguiremos por San Fernado de Apure (D), a capital dos llanos

O que descobrimos também foi que um último Hato ainda estava funcionando, o El Cedral, o que acabou por definir nosso caminho para cruzar o país pela rota sul, onde está a fazenda. Normalmente, esses hatos requerem reserva antecipada, feita e paga em Caracas, mas como estamos em um período de vacas magras para o turismo em geral no país, fomos aconselhados a seguir diretamente para lá.

Um jacaré muito bem alimentado no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Um jacaré muito bem alimentado no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Cegonha no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Cegonha no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Assim fizemos. Dormimos ontem em Barinas, já na metade do caminho, e hoje seguimos diretamente para a fazenda, onde chegamos no meio da tarde. Na entrada, demos de cara com soldados da Guarda Nacional, a mesma situação de todos os outros hatos “nacionalizados”. Mas esse aqui, como haviam nos dito, está mesmo funcionando. Porém, rnão estão mesmo acostumados com turistas chegando sem avisar. Telefona daqui, telefona dali e fomos autorizados a entrar. Viva, teríamos nossa chance de conhecer os llanos!

Criação de jacarés no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Criação de jacarés no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Criação de jacarés no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Criação de jacarés no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Os poucos quilômetros de estrada de terra que levam do portão da fazenda até a sede do Hato já foram uma bela amostra do que iríamos encontrar por ali, em termos de paisagem e vida animal. Capivaras, jacarés, iguanas, tartarugas e várias espécies de pássaros. Um verdadeiro show de natureza!

Uma pequena tartaruga no criadouro do Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Uma pequena tartaruga no criadouro do Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Uma serpente no criadouro do Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Uma serpente no criadouro do Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Chegando à sede, fomos acomodados e nos explicaram como funciona o turismo por ali. Toda manhã e toda a tarde um caminhão sai com os turistas presentes para poder ver os animais. Um guia acompanha e vai explicando tudo. Como nós chegamos no final da tarde, teríamos de esperar até o passeio de amanhã de manhã. A vantagem é que, para o passeio de amanhã, só estamos nós dois, enquanto que no passeio de hoje havia um grupo de venezuelanos.

Uma enorme sucuri no serpentário do Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Uma enorme sucuri no serpentário do Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


A Ana tenta socializar com uma sucuri no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

A Ana tenta socializar com uma sucuri no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Já que não podíamos mais fazer um passeio hoje, o gerente do hato nos levou até o criadouro de animais, logo atrás da sede da fazenda. Lá, encontramos filhotes de tartarugas e jacarés que, quando mais velhos, serão soltos nos rios e lagos do hato El Cedral. Mas o que mais nos chamou a atenção, sem dúvida, foram as sucuris do serpentário. Uma delas, com mais de cinco metros, repousava tranquilamente perto da grade, permitindo até mesmo que a tocássemos, ela dentro e nós do lado de fora, claro! Deu até um arrepio de pensar em encontrar um animal desses, solto, nos terrenos alagadiços dos llanos.

O nosso jantar na primeira noite no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

O nosso jantar na primeira noite no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Preparando nosso jantar no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Preparando nosso jantar no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Depois da visita, fomos descansar na piscina da sede enquanto que, ali do lado, preparavam um churrasco que seria o nosso jantar de hoje. Foi quando aconteceu a coisa mais incrível do dia. Uma grande tempestade se aproximava, pintando o céu com um lindo tom de cinza. Antes da chuva, chegou uma forte ventania. Foi quando centenas de pássaros, grandes e pequenos, brancos e negros, das mais variadas espécies, aproveitaram para fazer suas revoadas e “brincar” com vento.

Uma tempestade se aproxima do Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Uma tempestade se aproxima do Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Centenas de pássaros de variadas espécies aproveitam a ventania trazida por uma tempestade para fazer suas revoadas, no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Centenas de pássaros de variadas espécies aproveitam a ventania trazida por uma tempestade para fazer suas revoadas, no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Que coisa mais incrível! Jamais nos esqueceremos dessa cena. Ficamos ali, dentro da piscina, maravilhados com o show que acontecia sobre nossas cabeças. Aquela mescla de cores e sons em meio às acrobacias aéreas. As árvores ao redor da piscina também se encheram de aves que se empoleiravam para passar a noite, muitas vezes várias espécies em uma mesma árvore e até, em um mesmo galho. Que abundância de vida e de energia!

Da piscina, maravilhada, a Ana acompanha as revoadas de pássaros sobre nossas cabeças, no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Da piscina, maravilhada, a Ana acompanha as revoadas de pássaros sobre nossas cabeças, no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Centenas de pássaros de variadas espécies aproveitam a ventania trazida por uma tempestade para fazer suas revoadas, no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Centenas de pássaros de variadas espécies aproveitam a ventania trazida por uma tempestade para fazer suas revoadas, no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela


Amanhã, então, já temos compromisso: bem cedinho, sol raiando, um passeio particular de caminhão pelas maravilhas do Hato El Cedral

Centenas de pássaros de variadas espécies aproveitam a ventania trazida por uma tempestade para fazer suas revoadas, no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Centenas de pássaros de variadas espécies aproveitam a ventania trazida por uma tempestade para fazer suas revoadas, no Hato El Cedral, na região dos llanos, na Venezuela

Venezuela, Los Llanos, Bichos, Hato El Cedral

Veja todas as fotos do dia!

Participe da nossa viagem, comente!

Post anterior A bela paisagem do Parque Nacional Laguna Negra, perto de Apartaderos, na região de Mérida, nos Andes venezuelanos

Caminhada Solo

Post seguinte Puxando uma sucuri pelo rabo no Hato El Cedral, na região dos llanos venezuelanos, perto da cidade de Mantecal

Animal Planet

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet