0 Caribe com Chuva - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Caribe com Chuva - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Caribe com Chuva

Barbados, Dover, Speightstown

Conhecendo River Bay, na costa nordeste de Barbados

Conhecendo River Bay, na costa nordeste de Barbados


Barbados é a única ilha do arquipélago caribenho que nunca “trocou de mãos” no período colonial. Portugueses e espanhóis passaram por aqui no séc XVI, mas nenhum deles se animou a ocupar a ilha. Ao contrário, o que fizeram foi “desocupá-la”, escravizando os índios que aqui viviam e enviando-os para outros lugares. Assim, quando os ingleses chegaram no início do século seguinte, não encontraram ninguém por aqui. Talvez por ser a única ilha fora do longo eixo norte-sul do arquipélago, Barbados teve uma vida tranquila, quando comparada com os vizinhos. Sem guerras, a independência veio na segunda metade do séc XX, mas a ilha continua ligada ao Commonwealth britânico e a Rainha Elizabeth II é a chefe simbólica de Estado.

Chuva no nosso restaurante em Speightstown, no oeste de Barbados

Chuva no nosso restaurante em Speightstown, no oeste de Barbados


Também na formação a ilha difere dos vizinhos. Nada de vulcões por aqui! A ilha é feita de coral! Quer dizer, com uma ajudazinha também das placas tectônicas. Bem na fronteira das placas da América do Sul e do Caribe, a ilha se levanta 25 mm a cada 1000 anos. Parece pouco? Bom, em um milhão de anos já serão 25 metros. Em 10 milhões, 250 metros! Nesse tempo todo, incontáveis gerações de corais vão se formando e agregando mais terreno para a ilha. Os que já ficaram de fora d’água faz tempo viraram calcário que, com ajuda da chuva, forma as belas cavernas que são uma das atrações turísticas de Barbados.

Mesmo com chuva, o mar do caribe é lindo! (em Speightstown, no oeste de Barbados)

Mesmo com chuva, o mar do caribe é lindo! (em Speightstown, no oeste de Barbados)


Por fim, mais um diferencial, Barbados está fora da rota principal de furacões. Mas isso não impede que, em intervalos grandes de tempo, um furacão perdido passe por aqui e faça um estrago tremendo. Felizmente, não foi o que ocorreu hoje, quando só tivemos uma chuva fina e chata, que teimava em cair. Com poucos dias para conhecer a ilha, não podíamos nos dar o luxo de esperar a chuva passar e fomos passear assim mesmo.

Com chuva, socializando com um pescador na costa norte de Barbados

Com chuva, socializando com um pescador na costa norte de Barbados


À bordo do nosso carro, não é difícil atravessar a ilha. São pouco mais de 30 km de comprimento e uns 20 km de largura. Estradas estreitas, mas com pouco movimento, mão inglesa. Depois de atravessar a capital Bridgetown, com 90 mil habitantes (um terço da população do país), seguimos pela costa oeste, onde se concentram os hotéis de luxo espalhados pelas belas praias. A primeira parada foi em Speightstown, a segunda maior cidade da ilha, com menos de 5 mil habitantes. Aí almoçamos comida típica num restaurante que avançava sobre o mar. Mesmo com chuva, esse mar é lindo!

Floresta na região de St Nicholas Abbey, em Barbados

Floresta na região de St Nicholas Abbey, em Barbados


Alimentados de marlin, seguimos até o extremo norte da ilha, onde belas falésias se erguem sobre o mar. Ignorando a chuva e a altura de mais de 20 metros até o mar, um pescador solitário se divertia por ali. Ele nos explicou que o problema seria o vento, e não a chuva. Sem o vento, mar tranquilo, a pescaria era boa. Quanto à distância do mar, não importava! Sua linha tinha 500 pés (150 metros)!

A mais antiga Plantation da ilha, St Nicholas Abbey, em Barbados

A mais antiga Plantation da ilha, St Nicholas Abbey, em Barbados


A gente seguiu pelo litoral, no nosso sentido horário, até a bela River Bay, onde um dos maiores rio de Barbados encontra o mar. Local muito bonito, mas nossa companheira chuva só permitiu umas fotos rápidas e seguimos nosso caminho. Dessa vez, abandonamos o litoral e rumamos para o interior. No alto das montanhas, a quase 300 metros de altitude, chegamos á mais antiga e tradicional Plantation de Barbados, a St. Nicholas Abbey, com sua mansão pomposa. Como outras ilhas do caribe, Barbados foi logo tomada pela Cana-de-Açúcar, cultivada com muita mão-de-obra escrava em grandes propriedades chamadas “Plantations”. Da cana nasceu um dos mais conhecidos produtos de Barbados, o rum. O país é famoso por suas destilarias e lojas dessa bebida e nós ainda vamos visitar uma delas.

Morgan Lewis Mill, o último moinho em funcionamento em Barbados e todo o leste do Caribe

Morgan Lewis Mill, o último moinho em funcionamento em Barbados e todo o leste do Caribe


Daí voltamos para casa, ainda passando em igrejas centenárias e no último e pitoresco moinho de vento em funcionamento em todo o leste do Caribe. Finalmente, bem no final da tarde, já de volta ao nosso hotel em Dover, a chuva cedeu e tivemos um pôr-do-sol. A torcida é que ele aguente até amanhã, para podermos ver as praias um pouco mais de “perto”...

Fim de tarde visto do quarto do nosso hotel em Dover, praia na costa sul de Barbados

Fim de tarde visto do quarto do nosso hotel em Dover, praia na costa sul de Barbados

Barbados, Dover, Speightstown, Praia, história

Veja todas as fotos do dia!

A nossa viagem fica melhor ainda se você participar. Comente!

Post anterior Dia de sol na praia tipicamente caribenha de Dover, na costa sul de Barbados, no Caribe

Por Todo o Caribe

Post seguinte Degustação de rum na destilaria Mount Gay, a mais tradicional de Barbados, na capital Bridgetown

O Rum, a Capital e os Brasileiros

Blog da Ana Placa informativa em estrada no norte de Barbados

Barbados de Norte a Sul!

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 01/06/2012 | 16:49 por Rosa

    Oi Ana, hoje por coincidência, fizemos este trajeto, cm exceção de Speighstown que tínhamos ido semana passada, ainda com sol. St Nicholas Abbey e realmente um charme.
    Bjs

    Resposta:
    Oi Rosa

    Nós tb gostamos muito de St. Nicholas. Só faltou o sol...

    O almoço em frente ao mar tb foi ótimo!

    Abs

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet