0 A Baía de Guaratuba e Nossa Última Balsa - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A Baía de Guaratuba e Nossa Última Balsa - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

A Baía de Guaratuba e Nossa Última Balsa

Brasil, Paraná, Guaratuba

Balsa leva veículos através da baía de Guaratuba, no litoral do Paraná

Balsa leva veículos através da baía de Guaratuba, no litoral do Paraná


Nós resolvemos passar os últimos dias dos nossos 1000dias na costa paranaense e nas cidades históricas da região. Por isso, ao pegarmos a estrada desde Joinville, em Santa Catarina, não viemos para o Paraná pela rodovia principal, a BR-376, que sobe a serra e segue diretamente para Curitiba. Em seu lugar, optamos pela pequena estrada de Garuva, que permanece na planície litorânea e segue para a cidade de Guaratuba, o maior balneário praiano do Paraná.

Nosso roteiro entre Joinville (SC) e Antonina, passando de balsa pela Baía de Guaratuba, no Paraná

Nosso roteiro entre Joinville (SC) e Antonina, passando de balsa pela Baía de Guaratuba, no Paraná


Foto de satélite da Baía de Guaratuba, a segunda maior do Paraná, entre os municípios de Guaratuba e Matinhos. Como ainda não há ponte, o remédio é fazer a travessia de balsa

Foto de satélite da Baía de Guaratuba, a segunda maior do Paraná, entre os municípios de Guaratuba e Matinhos. Como ainda não há ponte, o remédio é fazer a travessia de balsa


Depois de tantos dias explorando o maravilhoso litoral catarinense, as cidades praianas do nosso Paraná não são assim, atrativas. Na verdade, boa parte do litoral do estado é ocupado por duas grandes baías. Paranaguá, mais ao norte (a chamada “Baía de Antonina” está dentro da Baía de Paranaguá) e a Baía de Guaratuba, ao sul. As duas baías são lindas, bastante entrecortadas e de natureza exuberante, mas praticamente sem praias. Para quem procura essas extensões de areia, elas se encontram exatamente entre as duas baías, divididas nas cidades de Matinhos e Pontal do Paraná. Na verdade, é tudo praticamente uma praia só, litoral parecido com aquele do Rio Grande do Sul. Essa longa praia é dividida entre os chamados “balneários”, bairros que se desenvolveram em frente à praia.

Chegando a Guaratuba, no litoral do Paraná

Chegando a Guaratuba, no litoral do Paraná


Chegando a Guaratuba, no litoral do Paraná

Chegando a Guaratuba, no litoral do Paraná


Pescador em praia de Guaratuba, no litoral do Paraná

Pescador em praia de Guaratuba, no litoral do Paraná


Vendedor de coco em praia de Guaratuba, no litoral do Paraná

Vendedor de coco em praia de Guaratuba, no litoral do Paraná


Quem foge á regra é exatamente Guaratuba, localizada ao sul da baía de mesmo nome. Para quem quer chegar aí usando apenas estradas, só se for por Santa Catarina. Exatamente pelo caminho que viemos, a estrada de Garuva. A ligação de Guaratuba com o resto do litoral paranaense (e do estado!) é através de uma balsa que leva os carros sobre as águas da baía. É uma travessia bem agradável e cênica. O problema maior não está na balsa, mas na espera da longa fila que se forma para acessá-la nos meses de verão. Por isso, a construção de uma ponte é uma demanda antiga dos paranaenses, mas nenhum governo foi ainda capaz ou teve vontade política para realizá-la.

Balsa entre Guaratuba e Matinhos, no litoral do Paraná

Balsa entre Guaratuba e Matinhos, no litoral do Paraná


Balsa entre Guaratuba e Matinhos, no litoral do Paraná

Balsa entre Guaratuba e Matinhos, no litoral do Paraná


A última balsa da Fiona durante a expedição 1000dias, atravessando a baía de Guaratuba em direção a Matinhos, no litoral do Paraná

A última balsa da Fiona durante a expedição 1000dias, atravessando a baía de Guaratuba em direção a Matinhos, no litoral do Paraná


Para nós que estamos viajando por aqui fora da temporada, foi tudo muito tranquilo. Passamos rapidamente por Guaratuba e suas praias e fizemos nossos registros fotográficos. Depois, diretamente para a balsa. Uns quinze minutos de espera e já estávamos navegando em direção a Matinhos. A Ana já tinha estado nessa balsa outras vezes, mas para mim foi a primeira vez. Confesso ter ficado impressionado com a beleza da natureza ao redor, as montanhas verdes e inclinadas da Serra do Mar cobertas pela Mata Atlântica delineando o contorno da baía. Pois é, não ficamos impressionados com as praias, mas a beleza natural mais do que compensou!

Um belo pier na baía de Guaratuba, litoral do Paraná

Um belo pier na baía de Guaratuba, litoral do Paraná


A natureza exuberante da Baía de Guaratuba, no litoral do Paraná

A natureza exuberante da Baía de Guaratuba, no litoral do Paraná


Atravessando, de balsa, a bela Baía de Guaratuba, no litoral do Paraná

Atravessando, de balsa, a bela Baía de Guaratuba, no litoral do Paraná


Do lado de lá, em Matinhos, já pegamos a estrada rapidamente. Nosso objetivo era chegar a dois tesouros históricos dessa região, as cidades de Morretes e Antonina. Depois dessas cidades, em uns poucos dias, aí sim seguiremos para a joia da rainha dessa parte do litoral brasileiro, a Ilha do Mel. Para quem acha que o litoral paranaense não vale a pena, certamente não conhece esse pedaço de paraíso. Localizada bem na boca da Baía de Paranaguá, não deve nada para as praias mais bonitas do litoral catarinense, paulista, carioca ou nordestino. Tudo bem que minha opinião pode ser meio enviesada, afinal foi lá que escolhemos casar e foi também de onde começamos nossos 1000dias. Enfim, volto a falar de lá quando chegarmos (regressarmos) à ilha em poucos dias. Nesse post, quero mesmo é falar das balsas!

Atravessando, de balsa, a bela Baía de Guaratuba, no litoral do Paraná

Atravessando, de balsa, a bela Baía de Guaratuba, no litoral do Paraná


Atravessando de balsa a baía de Guaratuba e chegando a Matinhos, no litoral do Paraná

Atravessando de balsa a baía de Guaratuba e chegando a Matinhos, no litoral do Paraná


Atravessando de balsa a baía de Guaratuba e chegando a Matinhos, no litoral do Paraná

Atravessando de balsa a baía de Guaratuba e chegando a Matinhos, no litoral do Paraná


Pois é, estando tão próximos do final dos 1000dias, tudo é motivo para nos emocionar. Hoje, por exemplo, para cruzar essa bela baía de Guaratuba, pegamos a última balsa dessa nossa jornada pelas Américas. Do Alaska à Patagônia, essas travessias de barco sobre rios, lagos e mares sempre foram momentos marcantes da nossa viagem. Na maioria das vezes, essas balsas eram a única opção que tínhamos para continuar viagem, o único caminho para seguir em frente, a única maneira de se chegar a algum lugar que, sem elas, seriam inatingíveis para quem viaja de e com o carro.

A primeira balsa da Fiona: Cananéia-Ilha Comprida

A primeira balsa da Fiona: Cananéia-Ilha Comprida


Atravessando de balsa para Ilha Bela - SP

Atravessando de balsa para Ilha Bela - SP


Fiona apertada entre outros carros no ferry-boat para Salvador - BA

Fiona apertada entre outros carros no ferry-boat para Salvador - BA


A Fiona aguarda a balsa chegar, em Porto de Pedras - AL

A Fiona aguarda a balsa chegar, em Porto de Pedras - AL


Mas, além de caminho, elas eram um atrativo em si. É um momento para respirarmos, descermos da Fiona e socializarmos com outras pessoas, com outros viajantes. Na maioria das vezes, em meio a um cenário deslumbrante e grandioso, em algum rio amazônico, algum lago chileno ou praia nordestina. Foi assim que passamos pelo Amazonas três vezes, além de outros rios emblemáticos como o Xingu ou o São Francisco. Foi assim que atravessamos fiordes no Alaska e no Chile. Foi assim que navegamos no Titicaca ou no lago Nicarágua.

Atravessando o Velho Chico de balsa, em Penedo - AL

Atravessando o Velho Chico de balsa, em Penedo - AL


Cruzando o rio Sibaúma numa pequena balsa, no caminho entre a praia do Sagi e a Praia da Pipa - RN

Cruzando o rio Sibaúma numa pequena balsa, no caminho entre a praia do Sagi e a Praia da Pipa - RN


Nossa travessia de balsa entre Oiapoque, no Brasil e Saint Georges, na Guiana Francesa

Nossa travessia de balsa entre Oiapoque, no Brasil e Saint Georges, na Guiana Francesa


Balsa entre Suriname e Guiana, cruzando o rio Correntyne

Balsa entre Suriname e Guiana, cruzando o rio Correntyne


Estou falando aqui das balsas, os barcos em que a Fiona viajava embarcada também, e não das nossas viagens “solitárias” no mar, como quando fomos à Antártida ou viajamos em Galápagos, ou ainda entre diversas das ilhas caribenhas. Nessas oportunidades, a Fiona nos esperava em algum estacionamento do continente, temporariamente abandonada. Não, estou falando de quando ela também estava no barco, fazia parte da nossa aventura.

Embarcando a Fiona para a travessia do rio Essequibo, na Guiana

Embarcando a Fiona para a travessia do rio Essequibo, na Guiana


De manhã, com as 'cortinas' abertas, no barco Manaus-Santarém

De manhã, com as "cortinas" abertas, no barco Manaus-Santarém


Balsa sobre o Rio Xingu, na Transamazônica - PA

Balsa sobre o Rio Xingu, na Transamazônica - PA


Quer dizer, na verdade, houve três ocasiões em que ela viajou de barco sem a nossa companhia. Duas vezes quando cruzamos de Américas, do Sul para a Central e no caminho de volta. Nesses casos, a Fiona embarcava não em uma balsa, mas num verdadeiro navio transatlântico, desses que carregam centenas de contêineres Mesmo que quiséssemos, não éramos admitidos nesse barco. Então, o máximo que podíamos fazer era levá-la até o porto e buscá-la do lado de lá. A outra vez foi na nossa primeira travessia do rio Amazonas, indo de Belém para Macapá. Três dias de viagem contornando a Ilha do Marajó em uma balsa sem cobertura, optamos pelo conforto de voar.

Travessia entre Filadelfia - TO e Carolina - MA

Travessia entre Filadelfia - TO e Carolina - MA


Embarcados no ferry sobre o Rio Magdalena, em Mompós - Colômbia

Embarcados no ferry sobre o Rio Magdalena, em Mompós - Colômbia


Finalmente, prontos para embarcar em Cartagena, na Colômbia

Finalmente, prontos para embarcar em Cartagena, na Colômbia


Fiona abordando o ferry Che Guevara, à caminho da Isla Ometepe, no lago Nicarágua

Fiona abordando o ferry Che Guevara, à caminho da Isla Ometepe, no lago Nicarágua


Mas todas as outras dezenas de vezes, estávamos os três juntos, sim. A mais longa dessas travessias foi quando viemos do Alaska para a Colúmbia Britânica, no Canadá, pela Inside Passage. Visual grandioso, a gente passando frio e se embasbacando lá no convés e a Fiona protegida no porão do navio. Na outra grande travessia, já foi diferente. Estávamos todos no convés do barco amazônico que nos levou de Manaus a Santarém, entre redes amarradas no convés e a brisa fresca que entrava pela proa.

Fiona e companheiros aguardam para embarcar no ferry-boat entre Mazatlán e La Paz, na Baja California - México

Fiona e companheiros aguardam para embarcar no ferry-boat entre Mazatlán e La Paz, na Baja California - México


Fiona pronta para a viagem pela Inside Passage, entre Juneau e Sitka, no sudeste do Alaska

Fiona pronta para a viagem pela Inside Passage, entre Juneau e Sitka, no sudeste do Alaska


Embarcando no ferry de Victoria para Vancouver, na British Columbia, no Canadá

Embarcando no ferry de Victoria para Vancouver, na British Columbia, no Canadá


A Fiona é o último carro a conseguir entrar no ferry da Isla Mujeres para Cancún, no litoral sul do México, do lado do Caribe

A Fiona é o último carro a conseguir entrar no ferry da Isla Mujeres para Cancún, no litoral sul do México, do lado do Caribe


Outras passagens também foram memoráveis, como aquelas da Carretera Austral, no Chile, cruzar duas vezes o Estreito de Magalhães no extremo sul do continente, navegar no mais alto lago navegável do mundo entre Peru e Bolívia ou enfrentar os lagos formados pelo rio Magdalena, no interior da Colômbia na terra que inspirou Gabriel Garcia Marques. Como esquecer também as pequenas balsas em praias do Nordeste que mal acomodavam a Fiona sobre elas? Era quase preciso se equilibrar sobre a pequena jangada!

A Fiona e seu companheiro de conteiner na viagem para a Colômbia (no porto de Colón, no Panamá)

A Fiona e seu companheiro de conteiner na viagem para a Colômbia (no porto de Colón, no Panamá)


Embarcando a Fiona para cruzar o rio Amazonas, em Manaus. Do outro lado está a estrada para Porto Velho

Embarcando a Fiona para cruzar o rio Amazonas, em Manaus. Do outro lado está a estrada para Porto Velho


De balsa, cruzando o rio que separa Rondônia do Acre, a caminho de Rio Branco

De balsa, cruzando o rio que separa Rondônia do Acre, a caminho de Rio Branco


A Fiona entra na pequena balsa para atravessar o lago Titicaca, entre Copacabana e La Paz, na Bolívia

A Fiona entra na pequena balsa para atravessar o lago Titicaca, entre Copacabana e La Paz, na Bolívia


Enfim... são muitas histórias e momentos marcantes para nós. E hoje, passamos pela nossa última balsa. De agora em diante, pelo menos para a Fiona (nós ainda vamos para a Ilha do Mel!), é só terra firme! Mas eu aproveito a oportunidade para publicar, ao longo desse post, uma coleção de fotos com diversas dessas passagens sobre rios, lagos e baías nesses quatro anos de viagem. As legendas das fotos são as originais e relê-las nos faz viajar pela América novamente, nos relembra do quão longe chegamos e do tanto de coisas que vimos e experimentamos.

A Fiona preparada para fazer a travessia de rio entre Bolívia e Brasil, em Guayaramerin, no lado boliviano

A Fiona preparada para fazer a travessia de rio entre Bolívia e Brasil, em Guayaramerin, no lado boliviano


Travessia de balsa sobre o rio Paraguai, na estrada-parque do Pantanal Sul, na região de Corumbá, no Mato Grosso do Sul

Travessia de balsa sobre o rio Paraguai, na estrada-parque do Pantanal Sul, na região de Corumbá, no Mato Grosso do Sul


A Fiona no ferry que nos leva de Punta Arenas à Terra do Fogo, no sul do Chile

A Fiona no ferry que nos leva de Punta Arenas à Terra do Fogo, no sul do Chile


A Fiona se aperta na balsa de Puerto Yungay em direção ao final da Carretera Austral, em Villa O'Higgins, no sul do Chile

A Fiona se aperta na balsa de Puerto Yungay em direção ao final da Carretera Austral, em Villa O'Higgins, no sul do Chile


As fotos estão em ordem cronológica, exceto pelas primeiras, que são as fotos do dia de hoje, quando cruzamos a Baía de Guaratuba. Então, viaje conosco também pelos confins do continente…

Preparando-se para embarcar em balsa para cruzar a Caleta Gonzalo, no parque Pumalín, trecho da Carretera Austral no sul do Chile

Preparando-se para embarcar em balsa para cruzar a Caleta Gonzalo, no parque Pumalín, trecho da Carretera Austral no sul do Chile


Entrando na balsa entre o Farol de Santa Marta e Laguna, no sul de Santa Catarina

Entrando na balsa entre o Farol de Santa Marta e Laguna, no sul de Santa Catarina

Brasil, Paraná, Guaratuba, viagem

Veja todas as fotos do dia!

Gostou? Comente! Não gostou? Critique!

Post anterior Deixando Santa catarina e voltando definitivamente ao Paraná. A última fronteira da expedição 1000dias

Nossa Última Fronteira

Post seguinte Um delicioso mergulho no Salto do Saci, na região de Antonina, litoral do Paraná

Salto do Saci, a Última Cachoeira

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 24/08/2017 | 14:16 por Sheila Mello

    Me emocionei! Leio o blog desde o primeiro post, tô enrolando pra ler esse final porque já tô com saudade hahahaha...já tah na hora de ter 1000dias na Europa pra eu ter o que ler aqui rsrsrs

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet