0 Chica da Silva e Milho Verde - Blog da Ana - 1000 dias

Chica da Silva e Milho Verde - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

Chica da Silva e Milho Verde

Brasil, Minas Gerais, Diamantina

O que Chica da Silva e um milho verde têm em comum? A princípio nada, a não ser o fato de termos hoje visitado ambos: a antiga Casa da Chica da Silva, em Diamantina e Milho Verde, cidadezinha que fica a 42 quilômetros, repleta de rios e cachoeiras.

Fachada da casa de Chica da Silva em Diamantina - MG

Fachada da casa de Chica da Silva em Diamantina - MG


Mas vamos olhar este assunto com mais atenção. Chica da Silva era uma escrava que recebeu de presente sua carta de alforria do seu primeiro Sinhô. Delegado, rico, poderoso e branco, obviamente. Com ele Chica da Silva teve dois filhos e já provou de luxos que faziam qualquer outro negro penar de inveja. Independente e muito inteligente Chica, já alforriada, queria uma casa própria e estava aprendendo a ler e escrever com o Padre de Diamantina. Foi quando conheceu seu segundo Sinhô, Fiscal da Receita da Coroa Portuguesa que chegou à Diamantina para cuidar dos impostos sobre a mineração de diamantes. Este homem ficou louco pela bela mulata! A presenteou com uma belíssima casa que levou 5 anos para ser construída. Amantes em polvorosos, apaixonados e dedicados tiveram uma vida de casados e mais três filhas, afrontando toda a sociedade da época.

Casa de Chica da Silva, em Diamantina - MG

Casa de Chica da Silva, em Diamantina - MG


Chica da Silva tinha seu cabelo raspado para usar a cor de cabelo que a conviesse. Seu armário já havia perdido as contas de quantos vestidos e sapatos ele guardava. Tratada como rainha por seus escravos e mucamas, era o diabo com quem lhe afrontasse ou tentasse de qualquer forma desviar a atenção de seu amado. Mandou arrancar os dentes de uma bela e sorridente escrava que sorriu na hora errada e mandou enterrar viva a escrava que, ouviram dizer, teria se assanhado com o seu Sinhô. Usava diamantes, tomava espumantes e tinha ao seu dispor mesa farta onde, mesmo sem companhia, afogava suas mágoas quando em viagem seu marido estava. Dizem que foi macumba que o fez apaixonar, fato é que nos últimos nove anos viveram separados, e ainda assim perdidamente apaixonados.

Chica da Silva, em Diamantina - MG

Chica da Silva, em Diamantina - MG


A Casa da Chica da Silva ainda está lá em Diamantina e hoje abriga um museu em sua memória. Uma exposição de um poeta e pintor mineiro, Marcial Queiroz, conta em forma de poesia várias das faces desta personagem. Então vocês me perguntam, onde fica Milho Verde nesta história toda? Conversando com o responsável pela casa, quisemos saber se a Chica era má como a exposição contava. Infelizmente a resposta foi sim, má, principalmente com os escravos e mucamas que mandava açoitar no tronco, quando não era coisa pior. E onde teria nascido Chica da Silva? Há controvérsias, alguns dizem que foi no porão do atual Museu de Diamantes, que antes era uma senzala. Outros dizem que sua cidade natal é Milho Verde, pois sua mãe estaria atravessando de Santo Antônio do Itambé para a cidade de Diamantina e o parto teria acontecido no meio do caminho na cidade de Milho Verde.

Placa indicativa em Diamantina - MG

Placa indicativa em Diamantina - MG

Brasil, Minas Gerais, Diamantina,

Veja mais posts sobre

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior Bandeira em Inhaí - MG

Diamantes e JKs

Post seguinte Início da caminhada ao Pico do Itambé, na região de Capivari - MG

Pico do Itambé

Blog do Rodrigo Chica da Silva, em Diamantina - MG

Da Casa da Chica ao Armazém

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet