0 Um Mágico Encontro na Floresta - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Um Mágico Encontro na Floresta - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Um Mágico Encontro na Floresta

Estados Unidos, Washington State, Olympic National Park

Um grande Elk macho se alimenta na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Um grande Elk macho se alimenta na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos


Tempo chuvoso pela manhã, ficamos na dúvida se começávamos o dia pela mata ou pela praia. Depois de pouco pensar, decidimos pela mata, afinal, a floresta mais úmida do continente combina com chuva mesmo. E ainda dávamos uma chance para o tempo melhorar um pouco até chegarmos à praia, todas atrações do Olympic National Park, aqui no extremo noroeste dos Estados Unidos.

Chegando à floresta temperada úmida de Hoh, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Chegando à floresta temperada úmida de Hoh, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos


A Hoh Temperate Rainforest, ou floresta temperada (de climas frios) úmida de Hoh é uma das maiores atrações do parque e, durante a temporada, está sempre lotada de turistas, ao menos nas proximidades do centro de visitantes. Não era o caso, hoje, e poucos foram os felizardos que cruzamos por lá.

A magnífica Hoh Forest, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

A magnífica Hoh Forest, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos


Como eu já disse, chovia. Nada mais comum para um lugar que recebe, em média, cerca de 4 metros de chuva por ano. Para se ter uma ideia, isso é o dobro da média de uma das cidades mais chuvosas do Brasil, a querida “Ubachuva”. Mas era uma chuva fraca, quase uma garoa. Protegidos pelas árvores e densa folhagem da mata, ela não nos atrapalhava em nada.

A floresta de Hoh é tão úmida que galhos e troncos estão sempre cobertos de musgos, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

A floresta de Hoh é tão úmida que galhos e troncos estão sempre cobertos de musgos, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos


A floresta é maravilhosa, como tantas outras que temos visto nessa viagem. Mas aqui, com tanta umidade, a mata tem uma peculiaridade: quase todos os troncos e galhos são cobertos por musgos e líquens, um verdadeiro tapete verde que deixa tudo aveludado. Até parece que as árvores estão vestidas para o frio, hehehe.

A magnífica Hoh Forest, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

A magnífica Hoh Forest, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos


Fomos “recebidos” por uma daquelas gigantes, umas das maiores e mais velhas árvores da floresta, uma Sitka Spruce de mais de 70 metros de altura. Ela fica ali, tão silenciosa e tão soberana, vendo os séculos passarem. Quase virou lenha no início do século passado, quando a península começou a ser explorada pelo homem branco. Em pouco tempo, muitas gigantes centenárias foram ao chão, assim como boa parte da fauna quase foi extinta. Felizmente, alguns conservacionistas conseguiram convencer o governo a criar um parque nacional por ali, antes que fosse tarde demais. Hoje, pelas fotos de satélite, nem é preciso desenhar os limites do parque, pois a diferença entre as áreas exploradas e as protegidas é visível a olho nu. É impressionante o poder destrutivo da nossa espécie...

Admirando a gigantesca Sitka Spruce de 600 anos e 70 metros de altura, na Hoh Forest, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Admirando a gigantesca Sitka Spruce de 600 anos e 70 metros de altura, na Hoh Forest, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos


Mas nem só de machadadas cai uma gigante. Uma forte ventania pode ter o mesmo efeito. Assim, logo ali do lado outra gigante repousa, deitada. Provavelmente, há muitas décadas. Podemos caminhar por toda a extensão do tronco e, aí sim, podemos confirmar que essas árvores chegam aos 80 metros de altura. Caída, uma verdadeira floresta cresceu sobre o seu tronco. Ela tem nutrientes armazenados capazes de sustentar gerações de árvores menores. É lindo demais!

Orientações para o caso de encontrarmos um puma na Hoh Forest, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Orientações para o caso de encontrarmos um puma na Hoh Forest, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos


Depois dessas boas vindas, fomos fazer alguma trilha pela floresta. Logo no início do caminho, o aviso sobre os pumas e de como proceder se encontrarmos um. São raros aqui por perto, mas estão por aí. Depois de tantos ursos, os pumas não parecem tão ameaçadores, mas é sempre bom saber as dicas desse raro encontro.

Primeira visão da manada de Elks, na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Primeira visão da manada de Elks, na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos


Puma, talvez não encontrássemos, mas logo dois turistas que terminavam a trilha que estávamos apenas começando nos alertaram. “Há uma grande manada de elks andando por aí”. “Elks” são uma espécie de veado, parecidos com as renas do Papai Noel. Existiam aos milhares na região, mas foram caçados quase até a extinção. A criação do parque e programas de acompanhamento os salvaram e hoje eles já são bem mais comuns na área do parque, Só aqui, pois basta colocarem uma pata para fora dos limites que já se tornam alvos dos caçadores.

Aproximando-se dos Elks na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Aproximando-se dos Elks na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos


Eles não costumam ficar tão perto do centro de visitantes, onde começam as trilhas. Mas hoje, aparentemente, um grande grupo estava por aqui, talvez por estarmos fora de temporada. Eu e a Ana partimos ansiosos e, pouco à frente, outro grupo de pessoas nos alertou sobre eles. Aceleramos o passo, mais ansiosos ainda. Mas a ansiedade foi sendo substituída pela decepção enquanto percorríamos a trilha circular de um quilômetro e nada encontrávamos. Só vimos um turista percorrendo a trilha em sentido contrário, também procurando pela manada, cara meio desanimada.

Uma das muitas Elks fêmeas na manada que encontramos na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Uma das muitas Elks fêmeas na manada que encontramos na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos


Completamos a volta e nada! Partimos para uma segunda volta, quem sabe? Fomos até o trecho mais “suspeito” e nada, além da bela floresta, claro. Quem sabe em outra trilha, talvez? Os animais estão sempre se movimentando... Foi aí que, quando já iniciávamos a volta, a Ana viu uns galhos se movendo estranhamente. Fixou os olhos e mandou que eu ficasse quieto. Não eram galhos, mas chifres! Lá estava a manada!

Uma das muitas Elks fêmeas na manada que encontramos na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Uma das muitas Elks fêmeas na manada que encontramos na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos


A partir daí, a sorte começou a sorrir para nós! Ficamos um tempo por ali, a tirar fotos e admirar aqueles incríveis animais. Mas eles estavam bem longe e não podíamos sair da trilha. Voltamos ao ponto inicial e pegamos outra trilha, na direção em que os animais caminhavam. Bingo! Não demorou muito e encontramos o mesmo grupo, agora já bem mais perto de nós. Novas fotos, nova contemplação! Até eles sumirem na mata outra vez. Voltamos e resolvemos arriscar pegar uma terceira trilha...

Uma das muitas Elks fêmeas na manada que encontramos na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Uma das muitas Elks fêmeas na manada que encontramos na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos


Foi o auge! Agora, cruzamos com eles cara a cara. Mantendo a devida distância, ficamos ali, maravilhados. Que experiência, cruzar esses animais, tão de perto, em meio à floresta. Que bom é ver, com os próprios olhos, que outras espécies dividem o mesmo planeta conosco. Não estamos sós! Eles nos olham nos olhos. Imagino que avaliam o perigo. Algumas fêmeas são mais assustadiças. Ao machos, cheios de pose, certamente sabem que são bem mais forte do que nós. E realmente são. Acidentes acontecem e temos de guardar distância, perceber os sinais de que os bichos estão incomodados. Mas, com minha esposa tão lindaa perto, que animal se assustaria, hehehe!

Cara a cara com um Elk na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Cara a cara com um Elk na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos


Assim, apenas a floresta foi testemunha desse incrível e pacífico encontro. Saímos de lá leves, felizes e com uma exultação contida, além de muitas fotos na máquina. Um verdadeiro presente do destino Um momento mágico e inesquecível nesses 1000dias de viagem pela América.

Emocionante encontro com Elks na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Emocionante encontro com Elks na Hoh Forest, uma das mais úmidas do mundo, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Estados Unidos, Washington State, Olympic National Park, trilha, Parque, Bichos

Veja todas as fotos do dia!

Diz aí se você gostou, diz!

Post anterior Visitando a bela 2a Beach, em La Push, pequena localidade indígena no litoral do Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Olympic National Park e a Nova York do Oeste

Post seguinte Relembrando as técnicas de escalada em rocha em um bolder na Ruby Beach, no Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Tsunamis, Escaladas e a Melhor Música do Mundo

Blog da Ana A beleza selvagem da 2a Beach, em La Push, pequena localidade indígena no litoral do Olympic National Park, no estado de Washington, oeste dos Estados Unidos

Olympic National Park

Comentários (3)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 13/01/2014 | 16:45 por Carolina Lavigne

    Oii,gostei muito muito das fotos e também das viagens rs(Acabei viajando junto). Eu gostaria realmente saber se perto de algumas dessas florestas existem casas ou penas cidades, até mesmo dentro delas. Bom se possível me dizer, estou curiosa.
    estão de parabéns e que venham mais viagens, continuarem acompanhando o blog. Beijos e obrigada!

    Resposta:
    Olá Carolina

    Que legal que tenha gostado! Para nós, foi uma experiência maravilhosa ter estado lá!

    Essas florestas que aparecem no post fazem parte de um Parque Nacional e não há casas dentro dele. Mas ali, bem pertinho, for a da area do parquet, mas ainda com florestas, é possível encontrar casas sim, de fazenderos ou casas de campo. Há pequenas cidades também, com um estilo bem rural.

    A viagem continuous por muito tempo, por todo o continente. Espero que tenha podido acompanhar!

    Um grande abraço

  • 01/11/2012 | 13:53 por PATRICIA BORBA

    Nossa, nem acreditei quando vi o blog de vocês, que coragem!!!
    Que floresta linda, nem comecei a ler o blog e ja estou ficando viciada nas aventuras, pois alem das fotas maravilhosas, vocês escrevem muito bem!
    Estou planejando uma viagem com meu namorado pra Buizos, mas, inspirada no blog ano que vem pretendo ir mais longe!
    Parabéns!!! Com certeza continuarei acompanhando!
    Abraços

    Resposta:
    Olá Patricia

    Legal que vc tenha gostado e que, de alguma forma, possamos inspirá-la. Búzios é linda, um lugar muito especial mesmo. Mas existem muitos lugares mais além também, para serem descobertos e curtidos

    Sempre que puder, continue viajando conosco!

    Abraços

  • 28/10/2012 | 21:11 por Lurdes

    pura emoção,muito linnnnnnnndo estes animais ,a natureza intacta ,um abraço

    Resposta:
    Oi Lurdes

    Foi mesmo muito emocionante. faz a gente pensar nosso lugar nesse planeta. Que bom que tivemos essa chance! Tudo parecia tão "no seu lugar", tão natural .... foi emocionante!

    Abs

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet