0 Rumo às Alturas - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Rumo às Alturas - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Rumo às Alturas

Chile, San Pedro de Atacama

Caminhada no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Caminhada no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile


O Atacama é um paraíso para os amantes da natureza e aventura. Oferece todo tipo de programas, de caminhadas no deserto à visitas a lagoas e geisers, de escaladas em montanhas e vulcões à explorações de vales e cavernas, de pedaladas em 4 mil metros de altitude à sandboarding em dunas gigantescas.

Caminhada acima dos 5 mil metros no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Caminhada acima dos 5 mil metros no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile


Hoje eu e a Ana resolvemos investir nas montanhas. São várias as possibilidades de trekking em montanhas na região de San Pedro, a mais famosa a subida do imponente Licancabur. Esse é aquele clássico vulcão de filmes ou desenhos animados, com a forma cônica e o cume branco de neve. Sua altura beira os 6 mil metros e a trilha mais acessível é a partir do lado Boliviano, já que o vulcão fica na fronteira dos dois países.

Caminhando com o Cristobal na magnífica região do Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Caminhando com o Cristobal na magnífica região do Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile


O que nos ajudou a decidir qual montanha tentar subir foi a duração do trekking. Queríamos um que pudéssemos subir e descer no mesmo dia. Com isso, o Licancabur ficou de fora, assim como outras montanhas e acabamos escolhendo o Cerro Toco, outro vulcão extinto que chega aos 5.600 metros de altitude. Contratamos o simpático e falante Cristóbal como guia, um chileno que também já trabalhou muito tempo na região de Torres del Paine, no extremo sul do Chile.

Caminhando com o Cristobal na magnífica região do Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Caminhando com o Cristobal na magnífica região do Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile


Em condições normais de temperatura e pressão o carro (a Fiona!) nos leva até 5.300 metros de altura. De lá, em cerca de duas horas, vamos ziguezagueando montanha acima, caminhando lentamente até o cume. Estávamos super ansiosos para ver como a nossa Fiona se comportaria acima dos 5 mil metros, seu novo recorde.

Aos 5.300 metros, ao lado das antigas minas de Enxofre no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Aos 5.300 metros, ao lado das antigas minas de Enxofre no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile


Então, carregando água, frutas e chocolates, encontramos com o Cristóbal logo cedo e partimos para a longa "ladeira" de quase 30 km que nos leva da altitude de 2.400 metros de San Pedro para os 4.500 metros lá de cima, no caminho para o Paso de Jama. Lá chegando, na hora de deixar o asfalto para trás e pegar a trilha para a montanha, percebemos a enorme quantidade de neve espalhada pela base do Cerro Toco. Com jeito, fomos driblando a neve e o gelo, às vezes passando pelo lado, às vezes passando por cima deles. A Fiona e o motorista já estão ficando profissionais em lidar com água na forma sólida! Mesmo assim, chegou um ponto em que a Fiona não passaria, muito gelo à frente, nós ainda bem longe de onde começaria a trilha para se seguir à pé.

Um dos três cumes do Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Um dos três cumes do Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile


Orientados pelo Cristóbal, resolvemos tentar caminhos alternativos, por outros lados da montanha. Voltamos para o asfalto e fomos circundando o Cerro Toco, analisando as possibilidades. Enfim, decidimos por uma rota e lá foi a Fiona novamente enfrentando um terreno descampado, por entre pedras e gelo. Com muita paciência, conseguimos chegar numa pequena estrada de acesso às antigas minas de enxofre e por ela seguimos, de novo encima de neve e gelo. Tanto insistimos que o carro acabou atolado sobre neve. Aí, foi a vez de usar a pá que sempre carregamos no porta-malas. Deu trabalho, mas a Fiona consegiu avançar mais um pouco e conseguimos chegar aos 4.800 metros, recorde dela mas ainda longe dos simbólicos 5 mil metros.

Descendo o Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Descendo o Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile


Daí começou nossa caminhada, sem esperanças de chegar ao distante pico, mas dispostos a aproveitar a beleza da região e esticar um pouco as pernas. Para cima e avante, como diria o superhomem! Fomos subindo e fotografando, enfrentando um vento que ficava cada vez mais forte e frio conforme subíamos. O esforço era recompensado pela beleza do local, que também aumentava com a altura.

Descendo o Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Descendo o Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile


Nós dois, já acostumados com a altitude, caminhávamos bem. Até a metade do caminho o Cristóbal seguia na frente, buscando o melhor rumo num terreno em que não havia trilhas enquanto eu seguia com a Ana, fotografando e filmando. Na segunda metade a Ana ficou com o Cristóbal enquanto eu tomei a frente, já determinando um ponto no alto de uma crista, que nos brindaria com uma bela vista para o "outro lado", como nosso objetivo final.

Muita neve no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Muita neve no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile


Lá pelas tantas percebi que os dois tinham ficado para trás. O vento cada vez mais gelado não fazia esperar uma boa idéia e, já estando tão perto da tal crista, continuava subindo devagar. Cem metros atrás, a Ana foi se enraivecendo de eu não esperá-la no meio do caminho, mesmo tendo o Cristóbal ao seu lado. Eu cheguei lá encima, nos 5.300 metros de altitude e fui recompensado com a visão maravilhosa das antigas minas da montanha, um terreno ainda hoje amarelo-alaranjado, cenário de outro mundo. Cinco minutos mais tarde chegaram os dois. Antes de mais nada, a Ana me passou uma bela descompostura em altos brados, superando até a força do vento. Fiquei impressionado com a energia que ela ainda tinha, mesmo depois da caminhada de duas horas e ascensão de 500 metros, o que naquela altitude não é para qualquer um!

Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile


Passado e descontada a raiva, também ela passou a admirar a paisagem magnífica. Ali do nosso lado, estava um dos três picos do Cerro Toco, justamente o mais baixo deles, quase 250 metros mais alto do que nós. Mas a gente já estava satisfeito de até onde tínhamos ido. Além disso, o vento e o frio nos castigavam e era hora de voltar. A descida foi bem mais fácil e demorou metade do tempo para chegarmos à Fiona, mesmo com as muitas paradas para fotos. Chegamos os dois inteiraços, enquanto o Cristóbal tinha dor de cabeça pela altitude.

Chegando de volta à Fiona, após caminhada no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Chegando de volta à Fiona, após caminhada no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile


A Fiona enfrentou mais uma vez o gelo e a neve, dessa vez seguindo pelos trilhos que ela já tinha cavado na subida e logo chegamos ao asfalto. De lá, foi um pulo até a ladeira de 30 km com a incrível visão da planície desértica dois quilômetros abaixo de nós.

Dirigindo entre o gelo e o abismo, no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Dirigindo entre o gelo e o abismo, no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile


Foi uma ótima experiência de montanhas e de altitude para nós. A visão daquela paisagem lá de cima, do Licancabur ao nosso lado e das centenas de quilômetros de visibilidade que se tem nessa altura são inesquecíveis. Para mim, foi o primeiro retorno aos 5 mil metros desde que subi o Aconcágua há mais de dez anos. Foi extremamente reconfortante me sentir bem lá encima novamente! Além disso, a performance da minha amada esposa me surpreendeu e agora tenho certeza que, num bom dia, subimos os dois o Aconcágua ou, melhor ainda, o Ojos del Salado, a segunda maior montanha do continente, que eu ainda não conheço. Ela que nos espere, no final do ano que vem! Até lá, eu e a Ana vamos aprender a deixar tudo combinadinho antes das nossas subidas para que não haja mais desencontros como o de hoje.

Aos 5.300 metros, ao lado das antigas minas de Enxofre no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Aos 5.300 metros, ao lado das antigas minas de Enxofre no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Chile, San Pedro de Atacama,

Veja todas as fotos do dia!

Diz aí se você gostou, diz!

Post anterior Maravilhoso pôr-do-sol na Laguna Chaxa, no deserto do Atacama - Chile

Fim de Tarde Cinematográfico

Post seguinte Observando as diversas camadas geológicas à mostra em paredes do Vale da Morte, no Deserto do Atacama - norte do Chile

No Vale da Morte

Blog da Ana O deserto do Atacama no Vale da Morte, no Deserto do Atacama - norte do Chile

A Cordilheira de Sal

Comentários (3)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 23/01/2015 | 14:49 por Liana

    Oi, Rodrigo! Gostaria de saber se você lembra onde contratou o guia Cristobal... Já me falaram muito bem dele, mas ainda não recebi resposta por e-mail.
    Obrigada!

    Resposta:
    Oi Liana

    Infelizmente, não tenho o contato dele. Mas se ele ainda continua por lá, todas as agências de turismo em San Pedro devem conhecê-lo e colocarão vc em contato com ele.

    Realmente, nós gostamos muito de seu trabalho e também o indicamos!

    Abraços e espero que consiga encontrá-lo!

  • 31/08/2011 | 10:58 por Caio Alcantara

    Queridos Rodrigo e Ana
    Tem sido um prazer acompanhar os seus Blogs com os relatos da viagem de voçês.
    As fotos são lindas os textos fluentes e claros, alem do conteúdo didático com aulas de geografia,história e tambem de sociologia com os depoimentos além da valorização do nosso continente para o turismo principalmente o ecológico,pois penso não haver nada igual no mundo sendo que a grande vantagem para nós é poder interagir com as pessoas locais o que faz a diferença.
    No inicio de Novembro vou pegar um navio em Valparaiso circundar o Cabo Horn e passando pelas Malvinas,Buenos Aires e Motevideu,voltar ao Rio. Estou muito animado em principalmente em conhecer com a parte Sul do Chile como a Região dos Lagos e a Patagonia
    No mais um forte abraço para vocês e uma exelente continuação de viagem
    Caio e Heike

    Resposta:
    Olá, tios queridos!
    Quanta honra tê-los como leitores! E que bom que gostam dos nossos textos e fotos e do nosso estilo literário, hehehe. Só espero que não liguem para os inevitáveis erros de português!

    Muito jóia essa viagem de vcs! Nós também faremos algo parecido, perto do final dos 1000dias. Queremos pegar um navio em Punta Arenas para botar os pés na Antártida. Depois, Georgia do Sul e Malvinas. Tomara que dê certo!

    Abraços e muitas saudades do Rodrigo e da Ana

  • 24/08/2011 | 22:58 por Luis

    Legal Rodrigo!!
    Mande esta dica do cerro Toco para o meu e-mail. Em outubro a neve será menor. Dá pra ir de carro baixo e não traçado?
    Abraço.

    Resposta:
    Oi Luís
    Sem neve, dá para ir sim de carro baixo, com todo o cuidado. Pelo menos até o ponto onde conseguimos ir de carro. Para frente, já não sei.
    É muito mais barato contratar um guia diretamente do que ir com uma agência. O nosso guia, eu recomendo.
    É possível também ir sozinho, quando não houver mais neve. A estrada chega até lá perto. Mas vai precisar conversar bastante com alguém (guia) que lhe passe os detalhes das entradas. O carro consegue chegar até 5.300. Depois, são mais 300 metrso de subida. Só tome cuidado com frio, para que o carro possa "pegar" na volta. Carro a álcool, nem pensar, hehehe.
    Abs

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet