0 O Apogeu do Império Inca - Blog do Rodrigo - 1000 dias

O Apogeu do Império Inca - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

O Apogeu do Império Inca

Peru, Cusco

Fim de tarde glorioso nas ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru

Fim de tarde glorioso nas ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru


Por volta do ano de 1400, enquanto cristãos ainda lutavam para expulsar os mulçumanos da Península Ibérica, numa guerra que já durava cinco séculos, o noroeste da América do Sul tinha um complicado mapa político. Essa região onde floresceram as primeiras e as mais avançadas civilizações desse continente estava toda dividida em pequenos reinos e áreas de influência. Certamente, o mais poderoso desses reinos era o Chimu, localizado onde hoje é o Equador. Entre os reinos de menor significância, estava um centrado na cidade de Cusco, no coração do altiplano peruano. Os nobres desse reino formavam uma rígida casta social conhecida como “Incas”. Séculos mais tarde, os conquistadores espanhóis generalizariam erroneamente esse nome para todo aquele povo e a civilização, destinada a se tornar a mais poderosa de todo o mundo pré-colombiano, para sempre ficou conhecida como civilização Inca.

As ruínas da antiga fortaleza de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru

As ruínas da antiga fortaleza de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru


Os incas haviam se estabelecido na região de Cusco há pouco menos de dois séculos e, desde então, vivam em constante guerra com seus vizinhos, sem nunca adquirir grande importância. Governados por uma monarquia autocrática e um imperador que mais se confundia com um deus, o atual governante já era o oitavo da dinastia e se chamava Viracocha. Tudo caminhava para que ele fosse sucedido pelo seu filho mais velho e os incas pareciam para sempre condenados ao anonimato e insignificância histórica. Foi quando um evento mudou para sempre a sua história.

Com o Gustavo, visitando as ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru

Com o Gustavo, visitando as ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru


Cusco estava sitiada pelos arquirrivais dos incas, os Chancas. Tudo parecia perdido e Viracocha e seu filho mais velho deram no pé, querendo salvar a própria pele. Coube então a outro filho do imperador, o jovem Pachacuti, liderar o exército do reino, salvar a cidade e dar uma tremenda sova nos Chancas. Viracocha reconheceu o valor do filho mais novo e tratou de mudar a linha sucessória, nomeando-o seu sucessor. Foi o grande feito de sua vida, pois Pachacuti estava destinado a ser o mais importante dos Incas, levando o obscuro reino a tornar-se o mais vasto império da Terra quando morreu, algumas décadas mais tarde.

A 'Pegada do Jaguar', nas ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru

A "Pegada do Jaguar", nas ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru


Os enormes monolitos das ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru

Os enormes monolitos das ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru


Pachacuti não só levou uma vida de conquistas, levando o império até o Pacífico, no oeste, até Bolívia, no leste, e até o Equador, no norte, como reorganizou a cidade de Cusco, transformando-a numa verdadeira capital imperial e construindo seus mais importantes marcos arquitetônicos, como palácios e templos, aqueles que ainda hoje estão de pé na cidade. Ele também institucionalizou a tradição de dar o comando do exército ao filho eleito como sucessor, para que ele já fosse aprendendo (e sendo testado!) como líder militar.

O casal 1000dias assediado por fotógrafos durante visita às ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru

O casal 1000dias assediado por fotógrafos durante visita às ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru


Pois seu filho não o decepcionou! Topa Inca, ainda com o pai em vida, derrotou e anexou o poderoso reino de Chimu, o único que ainda fazia frente aos Incas. Depois, já como imperador, no ano de 1480, criou uma grande frota que teria chegado às Ilhas Galápagos e, possivelmente, à Ilha de Páscoa. Mas foi no reinado de seu filho e sucessor, Huayna Capac, que o Tahuantinsuyu, como o império inca era conhecido em sua própria língua, chegou ao apogeu. Começava no norte da Argentina e do Chile e se estendia até o sul da Colômbia. Sua área de influência ia ainda mais além, descendo os Andes e entrando na Amazônia, chegando ao Acre e, muitos dizem, ao Pantanal! Não é a toa que os índios contatados pelos portugueses lá no Paraná, no início do séc. XVI, sabiam da existência de um rico e vasto império nas “montanhas ocidentais”.

A bela vista que se tem de Cusco do alto das ruínas de Saqsaywamán, no Peru

A bela vista que se tem de Cusco do alto das ruínas de Saqsaywamán, no Peru


A bela vista que se tem de Cusco do alto das ruínas de Saqsaywamán, no Peru

A bela vista que se tem de Cusco do alto das ruínas de Saqsaywamán, no Peru


O vasto império estava muito bem organizado, ligado por uma incrível rede de estradas que cortavam planícies, planaltos e montanhas. Tudo indicava que mais um século de glórias se seguiria, quem sabe o império chegando à América central, no norte, a ao Brasil, no leste. Mas um acontecimento completamente inesperado e imprevisível colocaria fim a essa expansão, de maneira abrupta e trágica. Ainda mais rápido do que havia se formado e crescido, o império se desfaleceria. Um inimigo cruel e impiedoso se aproximava, vindo do outro lado do Oceano. Seu nome: varíola. Seu portador: os conquistadores espanhóis.

O incrível encaixe das construções incas nas ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru

O incrível encaixe das construções incas nas ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru


Há três décadas Colombo já havia chegado ao Caribe. Há vinte anos, os europeus já tinham feito seus primeiros contados no norte da América do sul. No México, Cortez havia subjugado o Império Asteca há apenas 8 anos, botando de joelhos um reino com quase 20 milhões de habitantes. Alheio a tudo isso, Huayna Capac levava seu império até a Colômbia, junto com seu filho e provável sucessor. Ali, além de novas glórias militares, eles se encontraram com uma estranha e misteriosa peste que estava matando milhares de pessoas, muito antes que qualquer tribo sul-americana fosse atingida pelas espadas espanholas. Era a varíola, que não fazia distinção entre pobres e ricos, mulheres ou homens, simples agricultores ou poderosos imperadores. Huayna e seu filho preferido caíram doentes. No seu leito de morte, sabendo também que seu primogênito não sobreviveria, Huayna ainda teve a chance de escolher, entre os mais de cem filhos, um outro sucessor. Era costume entre os Incas ter muitas mulheres oficiais, além de dezenas de concubinas. Quanto mais filhos, melhor. Ter mais de cem deles era comum, entre imperadores e nobres poderosos. Huayna acabou dividindo seu império em dois, entre um filho “oficial”, Huascar, que ficaria com Cusco e as províncias do sul, e um filho com uma concubina, Atahualpa, que ficaria com Quito, a segunda cidade mais importante do império, e as províncias do norte. Essa divisão, somada com a impressionante mortandade causada pela varíola, marcaria o fim dessa gloriosa civilização.

Turistas visitam, no fim da tarde, as ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru

Turistas visitam, no fim da tarde, as ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru


Como os espanhóis sabiamente se aproveitaram disso, é um assunto que vou tratar nos próximos posts, enquanto conhecemos algumas das ruínas deixadas pelos incas, em Cusco e no Valle Sagrado. Ontem e hoje, por exemplo, visitamos duas das mais famosas ruínas dos tempos do maior de todos os Incas, o grande Pachacuti: a fortaleza de Sacsayhuaman e o Palácio de Qorikancha.

O Gustavo aproveita um escorregador natural nas ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru

O Gustavo aproveita um escorregador natural nas ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru


Com um nome tão complicado, Sacsayhuaman acabou ganhando um apelido dos turistas que o visitam: “sexy woman”. Desse modo, fica muito mais fácil lembrarmos do nome. Nossos amigos holandeses, por exemplo, logo disseram que estavam acampados perto do “sexy woman”, quando nos escreveram para ensinar como chegar até lá. Foi para a tal “mulher sexy” que fomos com o Gustavo, depois da visita ao acampamento dos overlanders, ontem de tarde.

Descansando em um dos muitos tronos reais nas ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru

Descansando em um dos muitos tronos reais nas ruínas de Saqsaywamán, em Cusco, no Peru


Na verdade. Sacsayhuaman não foi uma criação de Pachacuti, pois templos e construções já existiam por lá antes mesmo dos Incas chegarem à região de Cusco no séc. XII. O beleza do local, num platô com vista para todo o vale onde hoje está a cidade já inspirava os primeiros habitantes há alguns milênios. Mas foi Pachacuti que expandiu suas fortificações e construções, transformando-a na grande fortaleza que conhecemos hoje.

O Gustavo fotografa o pátio interno do Templo Mayor Inca, o Qorikancha, em Cusco, no Peru

O Gustavo fotografa o pátio interno do Templo Mayor Inca, o Qorikancha, em Cusco, no Peru


Uma visita a este local está em todos os roteiros de quem visita Cusco. Com efeito, lá estive há 23 anos, uma das lembranças mais fortes que tinha daquela época. Daquela vez, fomos em um tour, pois Sacsayhuaman está longe demais para se ir a pé. Agora, com a Fiona, ficou mais fácil e chegamos no finalzinho da tarde, com os outros turistas já indo embora. Contratamos uma guia ali mesmo e, por uma hora, caminhamos pela fortaleza, ela nos dando as informações históricas e técnicas. O que mais impressiona é o tamanho das pedras usadas nas construções. Como foram levadas até lá encima por um povo que não utilizava a roda e nem tinha animais de carga continua um mistério. Assim como o é a precisão com que essas pesadas pedras foram cortadas e encaixadas entre si. Não é a toa que há tanta gente que ainda acredita na ajuda de seres extraterrestres para fazer isso. Pessoalmente, acredito que acabamos por desmerecer essas engenhosas antigas civilizações ao dar os créditos aos ETs, e não a elas, por essas incríveis construções.

Pátio interno do Templo Mayor Inca, o Qorikancha, em Cusco, no Peru

Pátio interno do Templo Mayor Inca, o Qorikancha, em Cusco, no Peru


Por fim, foi exatamente em Sacsayhuaman que se deram algumas das mais sangrentas batalhas entre incas e espanhóis, o local onde europeus sofreram grandes baixas e os incas aprenderam que seus rivais não eram invencíveis. Foi durante o famoso “Cerco de Cusco”, em que o irmão de Pizarro foi morto. Mas também foram mortos milhares de guerreiros incas que, durante dias, tiveram seus corpos comidos por aves de rapina. O nome complicado da fortaleza vem daí: “local onde se alimentam os falcões”. Alimentavam-se de pessoas mortas...

Jardins do palácio Qorikancha, em Cusco, no Peru

Jardins do palácio Qorikancha, em Cusco, no Peru


Hoje em dia, aí são feitos os festivais que comemoram o solstício de inverno, numa grande festa de cores e tradições incas. Para quem não chega justo nessa época, o maior atrativo é mesmo o encaixe das enormes pedras. Parecem coladas umas às outras e nem uma faca pode entrar entre elas. É mesmo incrível...

Foto em parede do Templo Mayor, no mesmo lugar de 23 anos atrás, em Cusco, no Peru

Foto em parede do Templo Mayor, no mesmo lugar de 23 anos atrás, em Cusco, no Peru


A mesma técnica perfeita de encaixe pode ser observada no Qorikancha, o Templo Mayor do Incas, onde estivemos hoje. Esse sim, obra de Pachacuti, desde a sua fundação. Aqui, a técnica perfeita de construção nos mostrou mais um segredo: são a prova de terremotos! E a prova disso veio num grande tremor de terra na década de 50.

Caminhando pelo Qorikancha, ou Templo Mayor Inca, em Cusco, no Peru

Caminhando pelo Qorikancha, ou Templo Mayor Inca, em Cusco, no Peru


Quando os espanhóis conquistaram a cidade, muitas das construções incas foram destruídas ou desmontadas, e suas pedras usadas para a construção de ruas, praças e grandes mansões dos conquistadores. Outras, foram simplesmente cobertas por construções espanholas, como foi o caso do Qorikancha, usado como base para uma igreja dominicana. E lá permaneceu praticamente esquecido por quase 400 anos quando um grande terremoto botou a baixo boa parte das edificações coloniais da cidade. Mas o que ruiu, eram apenas as construções espanholas. As construções incas continuaram de pé, praticamente intactas.

Caminhando pelo Qorikancha, ou Templo Mayor Inca, em Cusco, no Peru

Caminhando pelo Qorikancha, ou Templo Mayor Inca, em Cusco, no Peru


Esse acabou sendo o lado bom do grande terremoto. Foi como se a cidade se desnudasse e um grande tesouro arqueológico reapareceu. Certamente, o de maior destaque foi o Qorikancha, que hoje podemos todos visitar, um dos maiores atrativos de Cusco, reminiscência de um período de glórias que só conhecíamos pelos relatos espanhóis daquela época. Também ele faz parte das visitas “obrigatórias” para quem vem à Cusco.

Relíquia Inca no Qorikancha, ou Templo Mayor, em Cusco, no Peru

Relíquia Inca no Qorikancha, ou Templo Mayor, em Cusco, no Peru


Mas a cidade oferece muito mais, e nem tudo são ruínas. Praças, ruas charmosas e vizinhanças envolventes. Assuntos para o próximo post...

Visita ao Qorikancha, ou Templo Mayor, em Cusco, no Peru

Visita ao Qorikancha, ou Templo Mayor, em Cusco, no Peru

Peru, Cusco, história, Inca

Veja todas as fotos do dia!

Participe da nossa viagem, comente!

Post anterior Recebendo o Gustavo no aeroporto de Cusco, no Peru

Reencontros e Overlanders

Post seguinte Com o Gustavo, caminhando em rua do centro de Cusco, no Peru

Pelas Charmosas Ruas de Cusco

Blog da Ana Hábeis artesãs praticam o tear em pátio interno de museu em Cusco, no Peru

Cusco em um Dia

Comentários (5)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 23/09/2013 | 09:29 por Rubens Werdesheim

    Vamos em frente . Que tudo continue dando certo por aí.

    abs

    Resposta:
    Vamos que vamos, Rubens!

    Grande abraço

  • 20/09/2013 | 07:44 por Rubens Werdesheim

    Da discussão nasce a luz!!Rodrigo , li recentemente que os Waiâpi ( estive com eles em 1980 mas não verifiquei nada , era muito moleque), falam quechua ! A terra dos Waiâpi fica no Amapá ! Seria mais uma prova da extensão do Império Inca na pátria amada ,em busca de ouro.veja :http://www.portal.netium.com.br/parime/Parime_Portugues.htm. Que tudo continue dando certo por aí .

    Resposta:
    Oi Rubens

    Muito joia esse artigo, até mais do que o outro, para falar a verdade. Todo ele se baseia no artigo original, que vc me enviou na outra mensagem. Confesso que, ao ler aquele outro, fiquei meio cético quando li a segunda parte do artigo, toda aquela história de uma conspiração internacional para roubar o ouro e esconder a história. Tendo sempre a duvidar de teorias conspiratórias, embora me interesse (e muitas vezes me divirta) com elas. Mas acho sempre difícil acreditar que uma pessoa esteja certa contra toda a comunidade de historiadores e estudiosos. Enfim, alguma vez, pode sim acontecer.

    Quando à língua quechua no Amapá, não duvido nada que seja verdadeiro. Mas, acho que não é do tempo dos incas, mas muito anterior. A língua quechua tem milhares de anos (os incas, como civilização, tem apenas algumas centenas!) e esses povos se espalharam por toda a América do Sul. Tenho um cunhado antropólogo que já me mostrou como as mais variadas línguas são encontradas espalhadas por toda a América do Sul, uma verdadeira salada. Isso remonta à antigas migrações, muito antes que qualquer pessoa tenha ouvido falar dos incas. Com o tempo, as línguas evoluíram, mas sus raízes conjuntas são facilmente indentificáveis.

    Por fim, não acredito que o Império inca tenha se estendido até o Amapá (ou Roraima), mas tenho certeza que rotas comerciais ligavam essas regiões, ao menos de forma difusa. Por exemplo, os índios do Paraná informaram aos portugueses sobre a existência de um rico e poderoso imperio (os incas) nas grandes montanhas do oeste (os andes). Eles sabiam! Algum tipo de comunicação havia. O mesmo, estou seguro, se passava com os indígenas do Amapá.

    Enfim, assunto interessantíssimo e, como vc mesmo disse, ainda muito controverso! Ainda bem que arqueólogos como esse chileno estão lá para tentar encontrar mais pistas. Se elas estão mesmo lá, esses estudiosos vão encontrá-las!

    Um grande abraço

  • 19/09/2013 | 21:10 por Rubens Werdesheim

    Os quechuas são vários povos que falam quechua e se denominam tambem quechuas Às vezes e quechua tambem é uma língua.Aliás conheço várias outras culturas nas quais esse pandemônio de definições e identidades se mesclam , se confundem e deixam qualquer um louco.Eu mesmo pertenço a uma .Mas deixa prá lá...sem polêmicas !

    Resposta:
    Oi Rubens

    Polêmicas podem ser muito saudáveis, hehehe.

    Sabia que eu aprendi uma expressão em Quechua? Ē "Buenos dias!". Isso mesmo, igual em espanhol. Como eles não tinham essa expressão na sua língua, acabaram adotando a expressão de seus conquistadores, literalmente, sem traduzi.la. Talvez por isso, ficou mais fácil para mim aprender, hehehe

    Um grande abraço para o grande amigo

  • 03/09/2013 | 08:04 por Rubens Werdesheim

    Super aula de história e pela riqueza de detalhes percebemos o quanto vcs gostam de Cusco.É engraçado como o fato dos Incas serem uma casta de imperadores e não um povo é pouco abordado.Poucos sabem disso . Por um lado eclipsa a origem dos povos subjugados, Quechuas e outros do Peru ,Aymarás ( Bolívia), talvez Guaranis( Paraguai , Brasil Argentina) assim como os do Ecuador e Chile . O outro lado é que o nome "Inca" vende muito .

    Resposta:
    Oi Rubens

    Nós gostamos mesmo de Cusco e da história inca. Acho incrível e fico tentando imaginar como teria sido se os europeus nunca tivessem aparecido por aqui. Será que incas e astecas teriam se encontrado?

    Então, na verdade, Quechua é uma língua e não um povo. Os incas, por exemplo, falavam Quechua

    Um abraço

  • 31/08/2013 | 13:56 por cecilia

    Fotos e historias surpreendentes e que aulas !!!!!!!!!!!!! bjssss á vcssss

    Resposta:
    Oi Cecilia

    Legal que tenha gostado! É sempre um estímulo para continuarmos!

    Abs

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet