0 No Fim do Caminho Tinha Uma Pedra - Blog do Rodrigo - 1000 dias

No Fim do Caminho Tinha Uma Pedra - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

No Fim do Caminho Tinha Uma Pedra

Brasil, São Paulo, Petar

Colocando o estepe na Fiona, no PETAR

Colocando o estepe na Fiona, no PETAR


A Fiona foi batizada hoje. Ou melhor, ela nos batizou. Ao chegar no início da trilha para a Temimina, após muitos quilômetros de terra, valetas e pedras, percebemos o pneu furado. Pela quantidade de ar saindo do pneu, deve ter sido logo ali, uma pedra mais cortante, um azar inesperado. Da mesma maneira que a marinha inglesa aprendeu que não há navios inafundáveis após o naufrágio do Rhone (ver posts das Ilhas Virgens Britânicas), nós acabamos de aprender que não há pneus infuráveis. E olha que eu estava quase achando isto, pneus enormes a lameiros que eu tinha comprado. Pois é, furadinho da silva, logo na primeira trilha de terra de verdade que nós pegamos. Vivendo e aprendendo, foi um excelente aprendizado prático para nós.

Medindo a pressão do pneu furado da Fiona, no PETAR

Medindo a pressão do pneu furado da Fiona, no PETAR


A primeira providência foi testar o nosso compressor de ar, ainda virgem na embalagem. Funcionou! Depois, o nosso kit para conserto de pneus, também na embalagem. Aí, o erro: fiquei com medo de não saber usar direito e acabar estragando ainda mais o pneu. Ponderei com a Ana e o Edson que nós deveríamos seguir para a caverna e, quando voltássemos, de tarde, a gente encheria o pneu com o compressor e seguiríamos até um borracheiro. Eles concordaram comigo.

Fiona com o pneu no chão, no PETAR

Fiona com o pneu no chão, no PETAR


Ótima idéia na teoria, mas não na prática. Quando voltamos o pneu estava no chão, como era de se esperar. Todo faceiro, já fui logo colocando o compressor. Mas, naquele estado, com o peso do carro encima dele, o compressor não vencia. O ar que entrava saía pela lateral do pneu. Por mais que insistíssemos, nem uma mísera libra de ar ficava lá dentro.

Fiona sem o pneu furado, no PETAR

Fiona sem o pneu furado, no PETAR


Pneu furado da Fiona, no PETAR

Pneu furado da Fiona, no PETAR


Aí, não teve remédio. Forramos o chão e o barro embaixo da Fiona de folhas de bananeira, eu entrei lá embaixo e, pelejando muito, tiramos a tranca do estepe e ele próprio lá de baixo, levantamos a Fiona com o macaco e trocamos o gigantesco e pesado pneu. Amarramos o pneu furado no teto do carro, sobre uma nova cama de folhas de bananeiras e seguimos para o borracheiro. Uma hora de aula prática sobre como trocar o pneu desse carro teve valor inestimável. Fácil, não é. Mas com jeitinho, vai. Ainda mais com a valorosa ajuda da esposa multitarefa e do guia companheiro. E aprendemos também a hora certa de usar o compressor.

Pneu furado no teto da Fiona, no PETAR. O Edson deu a maior mão para gente!

Pneu furado no teto da Fiona, no PETAR. O Edson deu a maior mão para gente!


Pneu consertado, lições aprendidas, voltamos já de noite para a pousada. Após um banho quente e devorado um jantar, seguimos para uma festa em volta de uma fogueira, com nossos novos amigos paulistanos, companheiros de pousada. Foi bem legal para relaxar, mesmo tendo que ficar ouvindo toda sorte de músicas sertaneja. O fato dela ser ao vivo e aquela fogueira ali na frente contribuíram bastante para que se pudesse aguentá-las. Bom, falo isso por mim porque a maioria absoluta das pessoas em volta da fogueira, uma molecada de São Paulo, estava adorando.

Pneu furado no teto da Fiona, no PETAR. O Edson deu a maior mão para gente!

Pneu furado no teto da Fiona, no PETAR. O Edson deu a maior mão para gente!


E assim, embalados pela fogueira sertaneja e pelas lembranças de um dia que teve caverna, onça e pneu furado, só fomos dormir perto das duas. E dormimos o sono dos justos.

Pneu furado no teto da Fiona, no PETAR. O Edson deu a maior mão para gente!

Pneu furado no teto da Fiona, no PETAR. O Edson deu a maior mão para gente!

Brasil, São Paulo, Petar, Fiona, Parque

Veja todas as fotos do dia!

A nossa viagem fica melhor ainda se você participar. Comente!

Post anterior Entrada da caverna Temimina, no PETAR

Temimina

Post seguinte O famoso 'Chuveirão', na Caverna Teminina - PETAR. Foto do Jura, da Parque Aventuras

Mais Fotos de Cavernas

Blog da Ana Entrada da caverna Temimina, no PETAR

Temimina, Núcleo Caboclo

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet