0 Mais Estradas, Animais e Imagens Patagônicas - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Mais Estradas, Animais e Imagens Patagônicas - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Mais Estradas, Animais e Imagens Patagônicas

Argentina, Cueva de Las Manos, El Chaltén

Uma típica estrada patagônica, a caminho de El Chaltén, na Argentina

Uma típica estrada patagônica, a caminho de El Chaltén, na Argentina


Além da inesquecível visita à Cueva de Las Manos, ainda tínhamos na programação de hoje outros 500 quilômetros de estrada, entre asfalto e rípio, desde a estância onde dormimos até a cidade de El Chaltén. Essa é a principal entrada ao Parque Nacional Los Glaciares, onde está a famosa montanha Fitz Roy e, muito provavelmente, as mais belas paisagens da patagônia argentina.

A Fiona enfrenta mais uma estrada de rípio no nossa caminho para El Chaltén, na patagônia argentina

A Fiona enfrenta mais uma estrada de rípio no nossa caminho para El Chaltén, na patagônia argentina


A Fiona enfrenta mais uma estrada de rípio no nossa caminho para El Chaltén, na patagônia argentina

A Fiona enfrenta mais uma estrada de rípio no nossa caminho para El Chaltén, na patagônia argentina


Dirigindo essas vastas distâncias em um lugar tão pouco populado (quase não há cidades!), só precisamos estra atentos às condições do carro. Ficar sem meio de transporte no meio de alguma estrada de rípio, longe de tudo e de todos, em um lugar onde as temperaturas noturnas facilmente chegam abaixo de zero, não deve ser nada agradável. Felizmente, estamos viajando com a Fiona e nossa confiança nela é total. Aliás, ela hoje completou 160 mil quilômetros de idade! Parabéns, Fiona querida!


Antes de chegar a El Chaltén, na Argentina, a Fiona completa 160 mil quilômetros de estradas!

Antes de chegar a El Chaltén, na Argentina, a Fiona completa 160 mil quilômetros de estradas!


Só precisamos mesmo é ficar de olho no combustível! Postos de combustível também são mercadoria rara aqui no sul da patagônia. Então, é preciso um pouco de planejamento e nunca perder a oportunidade de encher o tanque. Hoje, por exemplo, só tínhamos duas oportunidades e tratamos de aproveitá-las! Primeiro, num lugarejo chamado Bajo Caracoles, 60 quilômetros ao sul de onde reencontramos a ruta 40, vindos da estância. E por último, em Três Lagos, 350 km ao sul de Bajo Caracoles e 130 km antes do destino final, em El Chaltén. E olha que nos disseram que não há postos de combustível em Chaltén, então precisamos estar com combustível suficiente para regressarmos a Três Lagos. Diesel, aqui na Patagônia, é sempre o simples, de qualidade duvidosa. Mas como não há opção, nem pagando mais, é ele mesmo que colocamos.

Paisagens e o céu típico da patagônia, no nosso caminho para El Chaltén, na Argentina

Paisagens e o céu típico da patagônia, no nosso caminho para El Chaltén, na Argentina


Trecho de paisagem bem rochosona no  caminho para El Chaltén, na patagônia argentina

Trecho de paisagem bem rochosona no caminho para El Chaltén, na patagônia argentina


Enfim, tudo planejado e executado direitinho, nossas atenções podiam ser direcionadas a coisas muito mais agradáveis, como a beleza do caminho. Mesmo já estando acostumados com a vastidão das paisagens patagônicas, continuamos a nos impressionar com o que vemos da janela da Fiona. Realmente, um mundão infinito, estradas desertas cruzando paisagens desertas, um horizonte que nunca chega, retas que nunca terminam.

A caminho de El Chaltén, uma placa muito comum nas estradas patagônicas!

A caminho de El Chaltén, uma placa muito comum nas estradas patagônicas!


Outra vez, nosso grande e fiel companheiro é o vento. Sem obstáculos nessa paisagem quase plana, ele corre sem parar. Placas nos advertem dos trechos mais críticos e a Fiona, pesadona, faz o melhor que pode para nos deixar grudados no chão. Carros menores, motos e bicicletas devem passar por emoções bem mais fortes do que nós, com certeza!

Chegando ao lago Cardiel, no caminho para El Chaltén, na patagônia argentina

Chegando ao lago Cardiel, no caminho para El Chaltén, na patagônia argentina


As águas azuis do lago Cardiel, no caminho para El Chaltén, na patagônia argentina

As águas azuis do lago Cardiel, no caminho para El Chaltén, na patagônia argentina


Além da alternância constante entre asfalto e rípio, também se alterna o tipo de paisagem, algumas vezes mais rochosa, outras com um solo mais arenoso que permite o crescimento de mais vegetação. Árvores, quase não há, o vento não permitiria. E hoje, ao nos aproximarmos dos Andes novamente, voltaram a aparecer os lagos. São enormes e a cor da água, verde leitosa, não deixa dúvidas sobre sua fonte: o gelo que derrete no alto das montanhas.

Paisagens e o céu típico da patagônia, no nosso caminho para El Chaltén, na Argentina

Paisagens e o céu típico da patagônia, no nosso caminho para El Chaltén, na Argentina


A arrebatadora patagônia, caminho para El Chaltén, na Argentina

A arrebatadora patagônia, caminho para El Chaltén, na Argentina


De novo, o que mais chama a nossa atenção é o enorme céu desse lugar. A paisagem, de alguma maneira, se repete, mas o céu não. As nuvens estão em constante movimento e as cores são mais nítidas e fortes. Muitas vezes, a sensação é que estamos dentro de algum quadro ou pintura. Ou então, de algum grande outdoor.

Um grupo de guanacos, no caminho para El Chaltén, na patagônia argentina

Um grupo de guanacos, no caminho para El Chaltén, na patagônia argentina


Um grupo de cavalos e outro de guanacos se encontram nos campos da região da Cueva de Las Manos, no sul da patagônia, na Argentina

Um grupo de cavalos e outro de guanacos se encontram nos campos da região da Cueva de Las Manos, no sul da patagônia, na Argentina


Outro ponto alto da nossa viagem de hoje foram os encontros com os animais. É muito mais comum vê-los do que a outras pessoas ou carros. Os guanacos, por exemplo, são senhores totais dessa paisagem, correndo graciosamente pelas planícies. Já estão por aqui há algumas dezenas de milhares de anos e, até por isso, conhecem bem os caminhos. Recentemente, pelo menos para eles, começaram a aparecer coisas estranhas no seu mundo. Estradas e cercas. Mas eles não parecem ligar muito para essas novidades não. Ao contrário, quase as ignoram. Cruzam as estradas como se elas não estivessem ali. As cercas também, são apenas um pequeno obstáculo. É incrível a facilidade com que saltam esses obstáculos de até 1,6 metros.

Encontro com ñandus (as nossas emas!) na região da Cueva de Las Manos, no sul da patagônia, na Argentina

Encontro com ñandus (as nossas emas!) na região da Cueva de Las Manos, no sul da patagônia, na Argentina


Encontro com ñandus (as nossas emas!) na região da Cueva de Las Manos, no sul da patagônia, na Argentina

Encontro com ñandus (as nossas emas!) na região da Cueva de Las Manos, no sul da patagônia, na Argentina


Outros que também conhecem essas paisagens de longa data, na escala dos milênios, são os ñandus, ou choiques (as nossas emas). Quando mais para sul, maiores eles tem ficado, quase do tamanho dos primos avestruzes. Também correm de um lado para o outro e ignoram as estradas. Mas não tem tanta facilidade com as cercas como os guanacos. Algumas vezes passam por baixo, outras se arriscam por cima, outras se embananam, mas sempre dão um jeito.

Cavalos correm pelos campos no nosso caminho para a Cueva de Las Manos, no sul da patagônia, na Argentina

Cavalos correm pelos campos no nosso caminho para a Cueva de Las Manos, no sul da patagônia, na Argentina


Cavalos bebem água tranquilamente nos campos da região da Cueva de Las Manos, no sul da patagônia, na Argentina

Cavalos bebem água tranquilamente nos campos da região da Cueva de Las Manos, no sul da patagônia, na Argentina


Um terceiro animal que também combina muito com as planícies infinitas da patagônia são os cavalos. Mas, diferentemente de guanacos e choiques, eles são recém chegados. Pouco mais de duzentos anos, talvez. Mas se adaptaram bem. Um dos animais que melhor representam o espírito de liberdade, não poderiam estar em melhor lugar. Foi interessante ver e fotografar o encontro de um grande grupo de cavalos com uma manada de guanacos. Eles não se misturaram. Existe ali uma mescla de respeito e curiosidade. Mas é cada um em seu quadrado. Fico imaginando que os guanacos, depois de mais de dois séculos de convivência, já não mais se assustem...

No caminho da Cueva de Las Manos, no sul da patagônia, na Argentina, uma rara visão de dois condores voando juntos

No caminho da Cueva de Las Manos, no sul da patagônia, na Argentina, uma rara visão de dois condores voando juntos


Encontro com um simpático tatu, no caminho para El Chaltén, na patagônia argentina

Encontro com um simpático tatu, no caminho para El Chaltén, na patagônia argentina


Também no céu os animais deram o ar de sua graça. Tivemos a sorte de observar um raro voo de dois condores juntos. Enormes, como quase tudo aqui na patagônia. Graciosos, como os cavalos galopando ou os guanacos pulando cercas. Será que era um casal? Sempre associei esses enormes pássaros às montanhas, mas aqui eles também parecem muito bem adaptados à planície. De qualquer maneira, os Andes estão por perto...

Encontro com um simpático tatu, no caminho para El Chaltén, na patagônia argentina

Encontro com um simpático tatu, no caminho para El Chaltén, na patagônia argentina


Encontro com um simpático tatu, no caminho para El Chaltén, na patagônia argentina

Encontro com um simpático tatu, no caminho para El Chaltén, na patagônia argentina


Por fim, um encontro fortuito com outro animal, muito comum por toda a América do Sul. Mas nós nunca tínhamos tido a chance de ver um tão de perto e nunca pensamos que isso ocorreria aqui, tão perto do fim do mundo. Estou falando do simpático tatu, um bicho que parece saído diretamente da pré-história. Aparentemente, são mais destemidos que seus parentes brasileiros e esse até se deixou fotografar bem de perto, ao invés de correr para se esconder. Foi joia! Seria uma vergonha terminar esses 1000dias sem fotografar um mísero tatu, hehehe. Enfim, uma coisa a menos na nossa lista de coisas por ver e fazer. O próximo item da lista é o que muitos consideram ser a mais bela montanha do mundo: o Fitz Roy. E não vai demorar! No final da tarde, depois da longa e movimentada jornada, chegamos à El Chaltén!

Chegando a El Chaltén, na patagônia argentina

Chegando a El Chaltén, na patagônia argentina

Argentina, Cueva de Las Manos, El Chaltén, Bichos, Estrada, Patagônia, Três Lagos, Bajo Caracoles

Veja todas as fotos do dia!

Diz aí se você gostou, diz!

Post anterior Mãos esquerdas (a grande maioria) e direitas pintadas em um dos tetos da Cueva de Las Manos, no sul da patagônia, na Argentina

O Passado Mais Que Presente

Post seguinte A linda paisagem ao redor de El Chaltén, ao lado do Parque Nacional Los Glaciares, na Argentina

Chaltén, Fitz Roy, Los Glaciares e o Campo de Gelo Sul

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet