0 Fim de Tarde Cinematográfico - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Fim de Tarde Cinematográfico - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Fim de Tarde Cinematográfico

Chile, San Pedro de Atacama

Maravilhoso pôr-do-sol na Laguna Chaxa, no deserto do Atacama - Chile

Maravilhoso pôr-do-sol na Laguna Chaxa, no deserto do Atacama - Chile


Começamos o dia em ritmo lento. A primeira tarefa foi mudar de pousada. Uma de nossas mais tediosas rotinas desses 1000dias é exatamente isso, desarrumar e arrumar mochilas, carregá-las e descarregá-las da Fiona, ocupar e desocupar quartos. Quando chegamos em algum lugar onde pretendemos ficar mais tempo é um paraíso. O nosso quarto passa a ser o nosso lar. Infelizmente, aqui em San Pedro, onde pretendemos ficar por uns 4-5 dias, isso não ocorreu, já que tivemos de mudar de pousada pela dificuldade de encontrar vagas, ocupadas por chilenos gozando de seu fim de semana esticado pelo feriado. Bom, paciência...

Ruínas Tulor, no deserto do Atacama - Chile

Ruínas Tulor, no deserto do Atacama - Chile


Mudamos para nossa pousada mais simples, de banheiro coletivo e sem garagem e fomos passear mais um pouco na movimentada San Pedro, depois de trabalhar um pouco na internet. Pelas ruas ouve-se de todas as línguas, especialmente nos horários entre-tours, no meio do dia ou de noite. Durante as manhãs e as tardes, San Pedro fica vazia, ao contrário das vans que partem lotadas em todas as direções. Os franceses dominam (depois dos chilenos, claro!), mas também é bem fácil encontrar brasileiros. A maioria vem de avião, mas tem também aqueles que vem de moto ou de carro.

Reconstrução de moradia Tulor, no deserto do Atacama - Chile

Reconstrução de moradia Tulor, no deserto do Atacama - Chile


Reconstrução de moradia Tulor, no deserto do Atacama - Chile

Reconstrução de moradia Tulor, no deserto do Atacama - Chile


O Atacama, junto com a Patagônia, é o principal destino dos raros brasileiros que viajam para o exterior em seus próprios veículos. Com uma boa esticada, são cerca de três dias de viagem até aqui. Não é tão longe e, se o caminho for bem escolhido, as paisagens são altamente recompensadoras. É uma coisa que todos deveriam pensar em fazer. Mas, por algum motivo misterioso para mim, brasileiros não gostam de viajar de carro mais de 500 km. Principalmente para o "perigoso" mundo das estradas fora de nossas fronteiras. Enfim, dos poucos que saem, muitos vem para cá. Pudemos comprovar isso pela quantidade de adesivos de expedições brasieliras que encontramos nas cidades entre o Brasil e Atacama e também nos Pasos de Jama e San Francisco.

Vulcões vistos pela janela e pelo retrovisor da Fiona no deserto do Atacama - Chile

Vulcões vistos pela janela e pelo retrovisor da Fiona no deserto do Atacama - Chile


Depois do café da manhã misturado com almoço partimos para as atrações do dia. A primeira foram as ruínas de Tulor, bem próximas da cidade. Como quase todas as atrações famosas do Atacama, tem de se pagar ingresso. Essa é especialmente cara pelo que oferece, mas não deixa de ser interessante. Antigas casas geminadas, há muito tomadas pelo deserto. Seu povo as abandonou há séculos, junto com o rio que tomou outro curso. As condições quase estéreis do deserto contribuíram para a sua conservação e hoje só podemos tentar imaginar como era a vida neste local quando havia um rio ali por perto. Hoje, cercadas por quilômetros de areia por todos os lados, elas parecem não fazer muito sentido. Na verdade, o sentido começa a aparecer quando entramos numa das duas casas reconstruídas no mesmo adobe original. O frescor interno contrasta com o calor do deserto e nos mostra que não seria impossível morar por lá. Resta saber de onde viria a comida...

O salar do Atacama, no deserto do Atacama - Chile

O salar do Atacama, no deserto do Atacama - Chile


A próxima atração foi a lagoa Chaxa, em pleno Salar do Atacama, a pouco mais de 40 km de San Pedro. O salar é bem diferente daqueles que vimos na puna Argentina. Aqui, ele é bem rugoso, terreno nada apropriado para veículos, a não ser que você tenha um tanque de guerra que se movimente sobre esteiras. Através da rápida evaporação, a água que aflora do solo, vinda por canais subterrâneos diretamente das montanhas dos Andes, forma cristais e colunas de sais com até 70 cm de altura. Mas a água também forma grandes e rasas lagoas, verdadeiros oásis dentro do deserto. Uma dessas lagoas é a Chaxa, atração obrigatória para quem visita a região.

Laguna Chaxa, no deserto do Atacama - Chile

Laguna Chaxa, no deserto do Atacama - Chile


Flamingos na Laguna Chaxa, no deserto do Atacama - Chile

Flamingos na Laguna Chaxa, no deserto do Atacama - Chile


Nas lágoas há um pequeno crustáceo, um tipo de camarão, que faz a alegria de várias espécies de pássaros. Os mais belos entre eles são os flamingos que, de tanto comer camarão, acabam ficando rosas. Na Chaxa podemos ver centenas deles, aparentemente indiferentes à presença humana, mantida à boa distância por força de lei. Todos ficamos ali, a mais de cem metros dos principais grupos de flamingos, torcendo para que os mais corajosos se aproximem um pouco mais. E isso acontece, claro, para delírio dos turistas, todos com suas câmeras fotográficas mais ou menos potentes esperando capturar aquele momento especial, de um sobrevôo ou de um mergulho.

Vulcões refletidos na Laguna Chaxa, no deserto do Atacama - Chile

Vulcões refletidos na Laguna Chaxa, no deserto do Atacama - Chile


Flamingo sobrevoa a Laguna Chaxa, no deserto do Atacama - Chile

Flamingo sobrevoa a Laguna Chaxa, no deserto do Atacama - Chile


Por si só, esse cenário já seria inesquecível. Mas é muito mais do que isso. No horizonte, uma sequência interminável de vulcões e montanhas nevadas nos observam. A escala de tempo e de espaço dessas "criaturas" nos lembram da nossa pequeneza e insignificância. Estão ali há dezenas de milhões de anos. Seu tamanho descomunal engana completamente nossas impressões de distância. Parecem estar a 20 minutos de carro, mas alguns chegam a estar a 400 km de distância em linha reta! Parecem que podem ser escalados numa subida de final de tarde, mas muitos deles estão 4 km acima de nós, que já nos encontramos acima dos 2 mil metros. Realmente, é um horizonte alucinante, inesquecível para quem teve a chance de observá-lo.

Turistas observam pôr-do-sol na Laguna Chaxa, no deserto do Atacama - Chile

Turistas observam pôr-do-sol na Laguna Chaxa, no deserto do Atacama - Chile


Por fim, para quem vai na hora certa (é claro que as vans chegam neste horário!), ainda tem o impressionante e magnífico pôr-do-sol. Com o reflexo na lagoa, as luzes do final de tarde são maravilhosas. Coisa para nunca mais se esquecer! Gostei mais do que o pôr-do-sol visto da duna, ontem. Milhares de fotos tiradas pelas centenas de máquinas presentes. Cada "click" mais do que merecido! Fizemos os nossos também, claro! E aí, na hora de ir embora, dirigindo de volta à estrada principal, seguindo em direção aos Andes e àquele horizonte que relatei um pouco antes, eis que uma bola prateada parece nascer por detrás dos vulcões e montanhas. É a lua cheia, esplendorosa. Agora, é a vez dela lembrar aos mesmos vulcões e montanhas que são eles os insignificantes na escala de tempo e espaço. Nós, então... Mas, é a nós que cabe a honra de admirar esse espetáculo inesquecível: a lua nascendo por detrás de um vulcão nevado que desponta quilômetros acima de um dos mais belos desertos da Terra, um deserto que, entre outras coisas, possui lagoas habitadas por multidões de flamingos. Que mundo mágico vivemos...

Lua cheia nasce no deserto do Atacama - Chile

Lua cheia nasce no deserto do Atacama - Chile

Chile, San Pedro de Atacama,

Veja todas as fotos do dia!

A nossa viagem fica melhor ainda se você participar. Comente!

Post anterior Magnífica lua cheia no Valle de la Luna, em San Pedro de Atacama - Chile

Sol e Lua no Atacama

Post seguinte Caminhada no Cerro Toco, na região de San Pedro de Atacama, no Chile

Rumo às Alturas

Blog da Ana Flamingo na Laguna Chaxa, no deserto do Atacama - Chile

Laguna de Chaxa

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 01/11/2012 | 21:26 por imoveis web

    Achei teu site muito bom Rodrigão.

    Seus roteiros são inusitados.

    Resposta:
    Olá Fernando

    Legal que vc tenha gostado!

    Os roteiros, qualquer dica de algum lugar "inusitado", pode enviar!

    Abs

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet