0 Diminuindo Um Pouco o Ritmo - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Diminuindo Um Pouco o Ritmo - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Diminuindo Um Pouco o Ritmo

Chile, Pucón, Argentina, Junín de Los Andes

Pessoas nadam no delicioso rio de águas limpas e transparentes que corta a cidade de Junín de Los Andes, na Argentina

Pessoas nadam no delicioso rio de águas limpas e transparentes que corta a cidade de Junín de Los Andes, na Argentina


Depois da nossa bem sucedida subida do vulcão Villarrica, no dia 14, a noite foi de grande comemoração. Jantar farto e muito vinho, conversas que se estenderam pela madrugada. O resultado foi que, no dia seguinte, o Haroldo quase perdeu seu avião de volta a Santiago e ao Brasil. Mas foi só o susto, e no final deu tudo certo. Despachado o Haroldo, precisávamos, então, cuidar da Ana.

A oftaumologista da Ana em Villarrica, perto de Pucón, no Chile

A oftaumologista da Ana em Villarrica, perto de Pucón, no Chile


Já há algum tempo que ela vem sentindo dor de cabeça quando viajamos. Dificuldade de focar a vista, tonturas, náuseas. É só entrar no carro e andar uns poucos quilômetros e começa a reclamar. Ela estava segura de que o problema vinha dos olhos, das lentes de contato. Então, fomos em busca de uma oftalmologista em Villarrica. Essa cidade está a 25 km de Pucón, na direção oeste, no outro extremo do lago Villarrica. Tem o dobro da população de Pucón e, como centro comercial, é muito mais importante. Encontramos um centro médico e marcamos a consulta para a hora seguinte. Depois de atendida, almoçamos por ali mesmo, em um café. Foi quando, através do Santo Skype, ela conseguiu conversar com sua oftalmologista em Curitiba. A Ana encomendou novas lentes com ela, já com as medições feitas na consulta em Villarrica. Além disso, foi recomendado que, para descansar os olhos, ela fizesse compressas de camomila e que deixasse de usar lentes por algum tempo. As lentes novas demoram uma semana para ficarem prontas e serão entregues para nós no Ceará.



Ceará? Pois é, lá mesmo! Ainda não tinha falado disso, mas nós temos esse compromisso já há algum tempo. Meus irmãos e família organizaram um encontro para celebrar o aniversário de nossa mãe, dia 29 de Janeiro, em um hotel no litoral do Ceará. Muito longe para irmos de Fiona, principalmente estando aqui no sul do continente, então a solução para não faltarmos nessa festa imperdível foi voar. Em Outubro do ano passado, debruçados sobre mapas e fazendo cálculos e mais cálculos dos nossos planos de viagem, pesquisando preços e rotas de avião, decidimos que o melhor lugar para estarmos nessa data seria na capital do Chile, Santiago. Compramos passagens aéreas para o dia 26 de Janeiro, retornando em 1º de Fevereiro, Santiago-Fortaleza, passando por Guarulhos na ida e por Brasília na volta. Com a recente união da TAM e da LAN, até que os preços estão bem razoáveis nas viagens aéreas entre os dois países.

Ainda no lado chileno da fronteira, região de Pucón, a caminho de Junín de Los Andes, na Argentina. Ao fundo, o Lanin

Ainda no lado chileno da fronteira, região de Pucón, a caminho de Junín de Los Andes, na Argentina. Ao fundo, o Lanin


Pois bem! Então, depois do nosso encontro marcado com o Haroldo aqui em Pucón, nossa próxima data de referência passa a ser Santiago, até o dia 26 de Janeiro, daqui a 10 dias. Esse é um tempo mais do que suficiente para ver essa parte do país entre a Região dos Lagos e a capital, num percurso de aproximadamente 800 quilômetros. Não é a área mais turística do Chile, mas há sim alguns parques nacionais e praias para explorarmos. Além disso, queremos rever nossos amigos chilenos Pablo e Andrea, que moram nessa rota. Aliás, é na casa da mãe do Pablo que pretendemos deixar a Fiona enquanto nos aventuramos no calor cearense. Exatamente como fizemos quando voamos para a Ilha de Páscoa e também deixamos o carro por lá.

Fim de tarde na Argentina, a caminho de Junín de Los Andes, passando ao lado do monte Lanin, o mais alto dessa região

Fim de tarde na Argentina, a caminho de Junín de Los Andes, passando ao lado do monte Lanin, o mais alto dessa região


Fim de tarde na Argentina, a caminho de Junín de Los Andes

Fim de tarde na Argentina, a caminho de Junín de Los Andes


Então, aproveitando esse tempo de folga que temos, coisa raríssima nesses 1000dias de viagem, resolvemos fazer um detour e dar um pulinho na Argentina, aqui do lado. Quando exploramos a região de Bariloche, quase 50 dias atrás, só fomos até San Martín de Los Andes. Restou outra cidade turística, um pouco mais ao norte e muito procurada pelos amantes de pesca de mosca (fly fishing), Junín de Los Andes. Nós não somos pescadores, mas uma outra atração da cidade chamou muito nossa atenção: o vulcão Lanín. Ainda vou falar muito dele nos próximos posts, mas o fato é que ele é a mais alta montanha da região, uma espécie de irmão mais velho do Villarrica, e é também a montanha mais popular da Argentina (vivendo e aprendendo!). Além disso, apaixonado que somos pelo país, estávamos com saudades dos hermanos e de seus cortes de carne. Não demorou muito para somarmos dois com dois e decidirmos ir para lá. Dois cruzamentos de fronteira (um para ir e outro para voltar) a mais, depois dos mais de 100 que já fizemos nesse continente, não fariam mal a ninguém.

Quadros no restaurante Hueney, em Junín de Los Andes, na Argentina, mostram as diveras moscas que servem de iscas. Fly fishing é muito popular por aqui

Quadros no restaurante Hueney, em Junín de Los Andes, na Argentina, mostram as diveras moscas que servem de iscas. Fly fishing é muito popular por aqui


Quadros no restaurante Hueney, em Junín de Los Andes, na Argentina, mostram as diveras moscas que servem de iscas. Fly fishing é muito popular por aqui

Quadros no restaurante Hueney, em Junín de Los Andes, na Argentina, mostram as diveras moscas que servem de iscas. Fly fishing é muito popular por aqui


Resolvido isso e remediado a questão dos olhos da Ana, voltamos de Villarrica para Pucón e, de lá, rumo à fronteira com a Argentina. Viagem linda, atravessando o Parque Nacional Villarica, do lado chileno, e entrando no Parque Nacional Lanín, do lado argentino. O magnífico vulcão é sempre uma referência no horizonte, com seu belo formato de pirâmide e o cume completamente tomado de gelo e neve. Ele fica bem na fronteira dos dois países, mas as duas rotas para ascendê-lo ficam em território argentino. Aliás, ao lado do lago Tromen, no nosso caminho para Junín de Los Andes, passamos na portaria do parque que dá acesso à rota norte, a mais popular para se chegar ao cume dessa montanha.

No restaurante em Junín de Los Andes, na Argentina, um uqadro compara os cortes de carne argentinos e brasileiros

No restaurante em Junín de Los Andes, na Argentina, um uqadro compara os cortes de carne argentinos e brasileiros


Um rio de águas cristalinas corta a simpática Junín de Los Andes, na Argentina

Um rio de águas cristalinas corta a simpática Junín de Los Andes, na Argentina


Mas o Lanín teria de esperar mais alguns dias. Seguimos diretamente para Junín, encontramos uma bela pousada perto do rio que corta a cidade e, já caminhando, para o restaurante Hueney, o mais popular da região. Ali, nos esbaldamos com carne de cervo e salada, enquanto acompanhávamos o movimento de amantes da pesca no restaurante. As paredes do Hueney são decoradas com fotos ligadas a esse tema, não só de rios e lagos da região, mas também de diversos tipos de iscas para a pesca, as tais “moscas” que dão nome à técnica de pescaria. Além disso, a Ana também encontrou (a adorou!) um quadro que mostrava e comparava o nome dos cortes de carne argentinos e brasileiros, quase que um “guia rápido de churrasco argentino para brasileiros”.

Um rio de águas cristalinas corta a simpática Junín de Los Andes, na Argentina

Um rio de águas cristalinas corta a simpática Junín de Los Andes, na Argentina


Pessoas nadam no delicioso rio de águas limpas e transparentes que corta a cidade de Junín de Los Andes, na Argentina

Pessoas nadam no delicioso rio de águas limpas e transparentes que corta a cidade de Junín de Los Andes, na Argentina


O dia de hoje foi ainda mais tranquilo. De obrigações, apenas marcamos com uma agência o tour para o Lanín. Vou falar mais disso nos posts seguintes, mas é um programa de dois dias. No primeiro, chegamos até o campo base da montanha, já acima dos 2 mil metros de altitude, depois de uma longa caminhada. No dia seguinte, de madrugada, atacamos o cume que fica acima dos 3.700 metros e retornamos à cidade. Hoje, além de marcar o passeio, tivemos também que testar equipamentos, como botas, grampões e capacetes. Bom, fora isso, algo que nos tomou pouco mais de duas horas entre idas e vindas, o rsto do tempo foi dedicado ao ócio e lazer.

Pessoas nadam no delicioso rio de águas limpas e transparentes que corta a cidade de Junín de Los Andes, na Argentina

Pessoas nadam no delicioso rio de águas limpas e transparentes que corta a cidade de Junín de Los Andes, na Argentina


Um rio de águas cristalinas corta a simpática Junín de Los Andes, na Argentina

Um rio de águas cristalinas corta a simpática Junín de Los Andes, na Argentina


A cidade é cortada por um rio, aquele de onde nossa pousada está bem próxima. A área ao redor do rio é um parque e a água que corre ali é absolutamente limpa e cristalina. Enfim, é a praia de Junín de Los Andes, onde todo mundo se encontra. O rio nem é tão frio e ficar tomando sol e fazendo piquenique nas suas margens gramadas é uma delícia. De tempos em tempos, damos um mergulho para refrescar. O melhor é caminhar rio acima e se jogar nele, deixando que a correnteza nos traga de volta. Foi o dia perfeito para relaxarmos e nos prepararmos para o grande esforço que virá em seguida. Para finalizar e também em homenagem aos milhares de pescadores que vêm para cá todas as temporadas, voltamos ao restaurante Hueney e nos refestelamos com trutas frescas. Uma boa noite de sono e tudo pronto para a aventura que começa amanhã!

Fim de tarde na Argentina, a caminho de Junín de Los Andes, passando ao lado do monte Lanin, o mais alto dessa região

Fim de tarde na Argentina, a caminho de Junín de Los Andes, passando ao lado do monte Lanin, o mais alto dessa região

Chile, Pucón, Argentina, Junín de Los Andes, Rio, Montanha, vulcão, Lanin

Veja todas as fotos do dia!

Diz aí se você gostou, diz!

Post anterior No topo do vulcão Villarrica, a 2.850 metros de altitude, na região de Pucón, no sul do Chile

Subindo e Descendo o Villarrica - 2a Parte

Post seguinte O campo base das expedições que sobem o vulcão Lanín, na região de Junín de Los Andes, na Argentina. A tenda vermelha é do exército argentino

Lanín: Rumo ao Campo Base

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet