0 Chegando à Choquequirao - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Chegando à Choquequirao - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Chegando à Choquequirao

Peru, Choquequirao

Maravilhado com a natureza grandiosa que circunda Choquequirao, no Peru

Maravilhado com a natureza grandiosa que circunda Choquequirao, no Peru


Acordamos preparados psicologicamente para a pirambeira que nos aguardava do outro lado do rio. Ali, do lado do rio Apurimac, estávamos a 1.600 metros de altitude. Do lado de lá, a trilha sobe ininterruptamente até os 3 mil metros, um ziguezague sem fim que vai nos proporcionado vistas cada vez mais bonitas da paisagem grandiosa que nos cerca. Um pouco antes da metade da subida há algumas fazendas e restaurantes simples, até onde eu deveria subir ontem em busca das mulas. Felizmente, consegui resolver tudo lá embaixo mesmo. Mas, se escapei ontem, hoje não tinha remédio. Afinal, Choquequirao fica lá no alto e para lá vamos!

Nosso acampamento ao lado do rio Apurimac, a caminho das ruínas de Choquequirao, no Peru

Nosso acampamento ao lado do rio Apurimac, a caminho das ruínas de Choquequirao, no Peru


Num pequeno teleférico, a Ana cruza o rio Apurimac, na trilha para Choquequirao, no Peru

Num pequeno teleférico, a Ana cruza o rio Apurimac, na trilha para Choquequirao, no Peru


Logo cedinho chegou nosso arriero do lado de lá. Com a ajuda do arriero do lado de cá, embalaram toda a bagagem, passaram ela pelo teleférico e arrumaram as mulas do lado de lá. Ao mesmo tempo, nós passamos pelo rio também. Entramos num pequeno carrinho suspenso e a gravidade nos leva até a metade do caminho. Depois, algum simpático do lado oposto do rio nos puxa pela corda. A Ana passou primeiro, junto com umas mercadorias e depois, até ajudou a nos puxar. Já do lado de lá, enquanto as mulas sentiam o peso da nossa bagagem, já colocamos o pé na trilha.

Com o Gustavo, atravessando de teleférico o rio Apurimac, a caminho das ruínas de Choquequirao, no Peru

Com o Gustavo, atravessando de teleférico o rio Apurimac, a caminho das ruínas de Choquequirao, no Peru


Cruzando o rio Apurimac, a caminho de Choquequirao, no Peru

Cruzando o rio Apurimac, a caminho de Choquequirao, no Peru


O segredo, aqui, é começar o mais cedo possível, para poder subir na sombra. Depois, com o sol, a tarefa fica vinte vezes mais difícil. Nós começamos juntos, mas logo eu me distanciei, seguindo diretamente até o acampamento na metade do caminho. Aí esperei até que chegasse o arriero com as mulas. Ele me disse que estava tudo bem com os dois e eu segui viagem morro acima, outra sequência de ziguezagues. A gente não consegue ver o fim, mas consegue acompanhar a nossa subida olhando o outro lado do vale, por onde descemos ontem. Fixamos algum ponto de referência mais alto e vamos acompanhando enquanto nós o ultrapassamos e ele vai ficando para baixo. Enfim, é um jogo psicológico e, quanto mais conseguimos pensar em outras coisas, mais rápido passa o esforço. Por fim, o sol começou a bater na trilha e tudo ficou mais difícil. Mas aí, já estava quase lá no alto e foram apenas mais uns 15 minutos. Quando menos eu esperava, depois de uma curva, atrás de mais uma lombada, lá estava a placa anunciando que havia chegado em Marampata, o nome da pequena vila que serve de acampamento. Um banquinho na sombra, um mirante com uma vista sensacional e o ar puro das montanhas, o lugar perfeito para parar e esperar a Ana e o Gustavo. Para completar, lá estava Choquequirao, uns cinco quilômetros adiante e praticamente na mesma altura em que eu estava.

A trilha serpenteia monranha acima, do outro lado do rio Apurimac, na trilha de Choquequirao, no Peru

A trilha serpenteia monranha acima, do outro lado do rio Apurimac, na trilha de Choquequirao, no Peru


Ao longe, uma grande cachoeira embeleza a paisagem da trilha para Choquequirao, no Peru

Ao longe, uma grande cachoeira embeleza a paisagem da trilha para Choquequirao, no Peru


Meia hora depois chegou o arriero, que já seguiu com nossas mulas até a entrada do parque arqueológico. Outra meia hora e apareceram a Ana e o Gustavo, ele bem baqueado da subida. O sol tinha apertado no final e o ziguezague não terminava nunca, reclamou. Mas quinze minutos de descanso naquele oásis o revitalizaram e pouco depois, retomamos o caminho. Não demorou muito e chegamos à portaria, onde passamos por uma pequena burocracia. O guarda nos disse que éramos os primeiros de hoje e que apenas um casal estava lá dentro. O acampamento que dormiríamos fica em um dos terraços agrícolas das ruínas e estávamos a apenas 45 minutos de lá! A visão das ruínas já era estupenda deste posto de controle. Como não poderia deixar de ser, inúmeros terraços agrícolas construídos nas encostas íngremes, quase na beira do precipício, ficando a parte principal das ruínas no platô formado no alto das montanhas. O local onde ficam as barracas fica no meio do caminho entre esses terraços mais baixos e os templos acima.

Chegando ao acampamento de Marampata, a 2.900 metros de altitude, pouco antes de Choquequirao, no Peru

Chegando ao acampamento de Marampata, a 2.900 metros de altitude, pouco antes de Choquequirao, no Peru


Ao final da interminável subida, o Gustavo está meio baqueado, na trilha para as ruínas de Choquequirao, no Peru

Ao final da interminável subida, o Gustavo está meio baqueado, na trilha para as ruínas de Choquequirao, no Peru


Com toda a calma do mundo, fizemos a última parte da caminhada. Apesar do ponto inicial (posto de controle) e final (acampamento) estarem na mesma altitude, isso não quer dizer que não descemos e subimos um bocado entre eles. Mas nada que se compare com a subida da manhã. Chegamos e, logo depois, vieram as mulas. Armamos nossas barracas e ficamos curtindo o visual das nossas barracas, defronte a um vale 1.500 metros mais baixo do que nós, montanhas cobertas de neve de um lado e outras mais baixas do outro. Era de tirar o fôlego!

Na trilha para as ruínas de Choquequirao, no Peru, finalmente o final da subida de 1.400 metros de altitude

Na trilha para as ruínas de Choquequirao, no Peru, finalmente o final da subida de 1.400 metros de altitude


Trilha para Choquequirao, no Peru, já na metade do 2o dia

Trilha para Choquequirao, no Peru, já na metade do 2o dia


Por falar em fôlego, depois de um tempo de descanso, animamo-nos para subir até as ruínas principais, aquelas que estão fazendo a fama desse lugar crescer e ser chamado de “a nova Machu Picchu”. Queríamos ir antes que chegasse mais gente e assim foi. Escolhemos um caminho mais longo, que passou primeiro por outro setor de ruínas secundárias. Depois, diretamente para o coração de Choquequirao, a praça que já está no alto do platô.

Trecho final da trilha para Choquequirao, no Peru

Trecho final da trilha para Choquequirao, no Peru


Os primeiros terraços agrícolas de Choquequirao, no Peru, sempre em encostas íngrimes

Os primeiros terraços agrícolas de Choquequirao, no Peru, sempre em encostas íngrimes


Difícil descrever a emoção de lá chegarmos, depois de tantas horas de esforço árduo. Como é que construíram tudo aquilo aqui em cima? Todas aquelas pedras? Quem as carregou? A gente costuma se esquecer, mas não haviam mulas, cavalos ou bois por aqui. Lhamas não carregam pedras! Não usavam a roda! Então, veio tudo nas costas, mesmo. É incrível! Mais incrível ainda é a vista que se tem lá de cima. Acho que tinham fixação por lugares altos e inacessíveis. Agora, quando já está tudo pronto, aí não dá para reclamar, aquela vista toda, um mundo infinito à nossa volta e uma casinha confortável para podermos nos abrigar. Espetacular!

Chegando na praça central de Choquequirao, no Peru

Chegando na praça central de Choquequirao, no Peru


As ruínas incas de Choquequirao, no Peru

As ruínas incas de Choquequirao, no Peru


Não é tão grande como Macchu Picchu, mas dizem que ainda falta muito para ser escavado. As paisagens ao redor são comparáveis sim, mas achei aqui mais alto e mais impressionante. As praças de Machu Picchu são mais amplas e há mais construções para se ver. Enfim, acho que são bem comparáveis, mas tem essa “pequena” diferença...

Explorando as ruínas de Choquequirao, no Peru

Explorando as ruínas de Choquequirao, no Peru


As ruínas incas de Choquequirao, no Peru

As ruínas incas de Choquequirao, no Peru


Chegamos aqui e não havia absolutamente ninguém! As ruínas eram nossas! Depois de uma hora de explorações, chegou um outro grupo, umas oito pessoas. Mas as ruínas são grandes o bastante para cada um explorá-la de um lado. Aqui também podemos ir aonde queremos, já que está tudo aberto. Em Machu Picchu, as praças foram fechadas e temos de seguir um circuito. Qualquer pisadinha do lado de lá da cerca e aparece um guarda apitando. Aqui, é o nosso bom senso que manda. Enquanto o tal teleférico não ficar pronto, funciona. Quando milhares de pessoas passarem a chegar, não tem jeito: regras tem de ser impostas pela preservação das ruínas. É o que acontece em Machu Picchu, onde chegam 2.500 pessoas por dia. Tem de organizar.

As incríveis ruínas de Choquequirao, no Peru

As incríveis ruínas de Choquequirao, no Peru


Maravilhado com a natureza grandiosa que circunda Choquequirao, no Peru

Maravilhado com a natureza grandiosa que circunda Choquequirao, no Peru


É claro que temos que pagar um preço por essa tranquilidade toda. E o preço são os dois dias de caminhada até aqui (e outros dois de volta!). A única alternativa é alugar uma mula para vencer a subida no lombo dela, o que também não é muito confortável. Nada que se compare com os trens com ar condicionado que levam os turistas à Machu Picchu.

Placa indicativa nas ruínas de Choquequirao, no Peru

Placa indicativa nas ruínas de Choquequirao, no Peru


Completamente a sós, observando as ruínas de Choquequirao, no Peru

Completamente a sós, observando as ruínas de Choquequirao, no Peru


Bem, nós exploramos as ruínas principais de alto a baixo, o fim da tarde se aproximando. Eu resolvi aproveitar os últimos minutos de luz direta do sol para descer do outro lado das ruínas, de onde vinha o sol. Quase uns duzentos metros abaixo das ruínas principais, desse outro lado, estão vários terraços agrícolas, uma vez mais dependurados em precipícios. Mas tem uma coisa que os torna especiais em todo o mundo inca. É o único lugar onde foram encontrados pictografias de lhamas, pedras brancas colocadas nos muros de pedra dos terraços formando o desenho dos animais. Sem ter planejado isso, acabei chegando lá exatamente no melhor horário do dia para observá-las, quando o sol está incidindo sobre elas de frente, com aquela luz mágica do final do dia. Um verdadeiro presente inesperado.

Passeando nas ruínas incas de Choquequirao, no Peru

Passeando nas ruínas incas de Choquequirao, no Peru


Merecido descanso nas ruínas da cidade inca de Choquequirao, no Peru

Merecido descanso nas ruínas da cidade inca de Choquequirao, no Peru


Voltei ao topo da montanha e lá, nós três, em plena praça central de Choquequirao, paisagem sublime para todos os lados, sol se pondo atrás das montanhas, resolvemos que era chegada a hora. A hora da celebração por termos chegado em lugar tão especial. Foi para isso que carregamos uma deliciosa garrafa de vinho até lá encima. Com todas as honras, nós a abrimos e brindamos. Aos incas, à natureza e à oportunidade de estramos no lugar certo, na hora certa. E os deuses ainda nos brindaram com um céu aberto e uma temperatura agradável. De longe, os outros poucos turistas que ali se encontravam nos olhavam com uma cara de: “como foi que não pensamos nisso também?”. É, em Machu Picchu, não teríamos tido essa chance...

As famosas e fabulosas pictografias de lhamas, nas paredes de Choquequirao, no Peru

As famosas e fabulosas pictografias de lhamas, nas paredes de Choquequirao, no Peru


As famosas e fabulosas pictografias de lhamas, nas paredes de Choquequirao, no Peru

As famosas e fabulosas pictografias de lhamas, nas paredes de Choquequirao, no Peru


Vinho tomado e todos os brindes feitos, hora de voltar às barracas. Já bem escuro, com a ajuda de nossas lanternas, cruzamos outro setor de ruínas incas, que no escuro ficaram ainda mais mágicas e misteriosas. Depois, 15 minutos de trilha até o acampamento. Muita gente havia chegado, umas quinze pessoas talvez, mas deixaram para seguir até as ruínas amanhã cedo. É um grupo grande, sem guias, que está seguindo até Machu Picchu. Nós, meio com dor no coração, seguimos no sentido contrário, pois a tentação de continuar era grande. Alguma outra vez, quem sabe... Já recebemos muito mais do que esperávamos aqui de Choquequirao e só podemos agradecer por isso. E descansar também, pois 30 km de trilhas nos esperam.

Um mágico fim de tarde nas ruínas incas de Choquequirao, no Peru

Um mágico fim de tarde nas ruínas incas de Choquequirao, no Peru


1000dias nas ruínas incas de Choquequirao, no Peru

1000dias nas ruínas incas de Choquequirao, no Peru

Peru, Choquequirao, trilha, Parque, arqueologia, trekking, Inca, Choquequirao

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior Com o Gustavo, nas primeiras horas da longa caminhada para Choquequirao, no Peru

Choquequirao - 1o Dia

Post seguinte Um esplendoroso fim de tarde no nosso acampamento na volta das ruínas de Choquequirao, no Peru

A Volta de Choquequirao

Comentários (2)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 18/09/2013 | 11:20 por Luís

    Aí Rodrigo e Ana! Quanto tempo...Cara, tive a felicidade de entrar no blog e me deparei com esta trilha. Esta semana a Folha de São Paulo publicou sobre o Choquequirão. O lado B de Machu Picchu. Ainda tem muito o descobrir por lá! Vcs foram em Pachacamac?
    Estamos indo pro Peru dia 26 de outubro e voltaremos dia 17 de novembro. Já peguei umas dicas com vcs na primeira passagem, agora se pude, me mande mais algumas. Pegaremos um carro em Lima para rodar pelo país. Tem alguma dica? Vou ficar de olho nos posts do peru.Grande abraço para vcs!!!

    Resposta:
    Oi Luis

    Vc estava sumido mesmo! Que bom que deu notícias, já estava ficando preocupado, hehehe

    Então, não conheci Pachacamac não, apenas de nome. O Peru é um país incrível, principalmente para quem gosta de história e arqueologia. E eles estão descobrindo e desenvolvendo coisas novas o tempo todo. Estivemos em muitas ruínas dessa vez e metade delas simplesmente não existia da última vez que estive lá (d bem, já fazia uns 20 nos...)

    Então, vcs vão ter 20 dias. Dá para ver muita coisa, mas também vão deixar de ver um monte. Para eu te sugerir alguma coisa ou roteiro, ficaria mais fácil eu saber o que vcs já conhecem por lá. De qq maneira, já tem bastante coisa no nosso site, das duas vezes que passamos no país nessa viagem. Ainda faltam uns posts, da região do Titicaca, mas vou postá-los em breve

    Um grande abraço

    P.S Já mado uma dica: Vá à Choquequirao ANTES que ela seja invadida por turistas!!!

  • 17/09/2013 | 15:34 por cecilia

    M aravilhosas descrição ,fotos , lugares fantásticos, é demais ...... bjss á vcss

    Resposta:
    Oi Cecilia

    Legal que vc tenha gostado! Choquequirao é mesmo incrível!

    Beijo para vc

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet