0 Paisagens Patagônicas e Fly Fishing - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Paisagens Patagônicas e Fly Fishing - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Paisagens Patagônicas e Fly Fishing

Argentina, Trevelín

Admirando a beleza do Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Admirando a beleza do Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Deixamos El Bolsón no meio da manhã. A partir de agora, o sul é nosso norte! Por enquanto, o recorde de latitude sul da Fiona ainda é na pequena Los Altares, bem no centro da patagônia, a meio caminho entre a Península Valdés e El Bolsón, duas semanas atrás (veja esse post com o mapa aqui). Mas agora, com o nariz apontado para o sul, logo vamos pulverizar essa marca. Não vai demorar muito e chegaremos à Punta Arenas e Ushuaia, no extremo sul do continente. Mas antes, passaremos pelos principais atrativos da Patagônia andina argentina, como aparece no roteiro abaixo. Ele mostra nosso caminho até El Calafate, onde está a famosa geleira de Perito Moreno. De lá, seguiremos ao Chile antes de viajarmos à Terra do Fogo



Toda grande jornada começa com um primeiro passo! E o nosso primeiro passo foi dado hoje, num pequeno roteiro de menos de 200 quilômetros até a pequena cidade de Trevelin. Essa é uma daquelas cidades de origem galesa, mas nós estávamos interessados mesmo era no caminho até lá. Afinal, boa parte dele foi feito dentro do Parque Nacional Los Alerces, numa sequência linda de lagos e florestas. O caminho mais rápido teria sido pelo asfalto da famosa Ruta 40. Mas nós preferimos o rípio da estrada provincial 71, exatamente porque é ela que nos leva para o parque.

Estrada de rípio em direção ao Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Estrada de rípio em direção ao Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina




O parque que atravessamos hoje e onde fizemos uma deliciosa caminhada foi criado para justamente proteger a espécie de árvore que dá nome à reserva, os Alerces. Sem dúvida, seus bosques formam uma das grandes atrações do parque, mas há também muitas outras plantas, além de uma rica fauna a ser vista e admirada. Tanto que vou falar disso, flora e fauna, em um post separado. Nesse, vou falar apenas da caminhada que ali fizemos, das pessoas que conhecemos e do esporte mais admirado por essas bandas: a pesca de mosca. Além disso, claro, ainda mais em se tratando de um parque na patagônia andina, há sempre a beleza natural da região com seus lagos, rios, glaciares e montanhas.

Chegando ao Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Chegando ao Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Placa mostra o mapa do Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Placa mostra o mapa do Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Basicamente, a estrada nos leva através de uma sequência de lagos, como o Rivadavia, o Menéndez, o Verde e o Futalaufquen, cada um mais belo do que o outro. Assim como a maioria dos lagos andinos, todos esses têm origem glacial. Há 15 mil anos gigantescas geleiras desciam das montanhas ao redor abrindo seu caminho no relevo. Com o fim da era glacial as geleiras retrocederam, deixando em seu lugar diversos lagos que continuam a ser alimentados pela água que desce das montanhas, gelo e neve invernal derretidos com o calor da primavera e verão. O que sobrou de uma dessas antigas geleiras ainda pode ser admirado no parque: o glaciar de Torrecilhas, pendurado nas encostas da montanha de mesmo nome, a mais alta da região com 2.253 metros de altitude.

Praia do Lago Menendez, observando o glaciar Torrecillas, no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Praia do Lago Menendez, observando o glaciar Torrecillas, no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


O majestoso glaciar Torrecillas, no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

O majestoso glaciar Torrecillas, no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Essa sequência de lagos é toda ligada por rios cristalinos e gelados, alguns mais tranquilos, outros cheios de corredeiras. Salmões e trutas abundam por ali e fazem a festa dos pescadores, principalmente nos lagos e nos remansos de rio. Esse espetáculo das águas, que variam sua cor de um verde esmeralda até um azul profundo, mas sempre transparentes, é também um prazer para os olhos de quem passa por perto, seja de algum mirante na estrada, seja de alguma praia de lago, seja em alguma curva nas poucas trilhas que cortam a região.

A paisagem grandiosa do Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

A paisagem grandiosa do Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Belíssimo rio de águas geladas e transparentes no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Belíssimo rio de águas geladas e transparentes no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Um rio cheio de corredeiras que une os lagos no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Um rio cheio de corredeiras que une os lagos no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Vindos do norte, o primeiro lago no nosso caminho, após termos entrado no parque, foi o Rivadavia. Quando chegamos lá perto, a surpresa: seu acesso estava fechado por um “surto de ratos”! Ratos??? Isso mesmo! E olha que, dessa vez, a culpa não é nossa, dos humanos. Não, trata-se de um fenômeno natural, que ocorre a cada poucas décadas e se repete ao longo de toda a patagônia andina por onde cresce uma espécie de bambu. Vou falar disso no próximo post, mas os ratos tem a ver com o ciclo de vida dessa planta.

Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Típica paisagem patagônica no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Típica paisagem patagônica no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Bom, já que os ratos não deixavam, seguimos até o próximo lago, agora já atravessando as belas florestas de pinheiros que caracterizam grande parte do parque. Finalmente, chegamos a um estacionamento de acesso ao Lago Verde onde pudemos deixar a Fiona e esticar as pernas. Ainda ali no alto, uma das mais belas vistas do parque, a região entre os lagos Verde e Menéndes, os rios quase mágicos de tão belos que ligam esses dois lagos e as montanhas do parque parcialmente cobertas por florestas. É hora de respirar fundo e de ter certeza: “Sim, estamos mesmo na patagônia!”.

Chegando ao Lago Verde, um dos muitos existentes no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Chegando ao Lago Verde, um dos muitos existentes no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Ponte que cruza o rio que une o Lago Verde ao Lago Futlaufquen, no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Ponte que cruza o rio que une o Lago Verde ao Lago Futlaufquen, no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Uma ponte de madeira para pedestres cruza o rio e dá acesso a uma espécie de ilha entre os dois lagos. É aí que fazemos uma caminhada de poucos quilômetros que nos leva de um lago a outro, de um rio a outro e através da rica vegetação. Placas explicativas vão nos ensinando sobre os animais que aí vivem e, principalmente, sobre as diversas espécies de árvores encontradas na reserva, o principal tesouro do parque.

Belíssimo rio de águas geladas e transparentes no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Belíssimo rio de águas geladas e transparentes no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


As águas esverdeadas de remanso de rio no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

As águas esverdeadas de remanso de rio no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Antes da metade do caminho da trilha, encontramos e conhecemos três outros caminhantes, um pai e suas duas filhas também explorando o parque. Eram o Jeffrey, a Benna e a Miriam, que trabalha no Wall Street Journal. São americanos de Oregon, na costa oeste, e o Jeffrey trabalha como guia de natureza por lá. Juntos, caminhamos o resto da trilha, companhia muito agradável e ótima oportunidade para desenferrujar o inglês a aprender um pouco sobre um dos hobbies preferidos do Jeffrey: a pesca de mosca.

A Benna, o Jeffrey e a Miriam (a direita), pai e filhas, nossos amigos americanos durante caminhada pelo Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

A Benna, o Jeffrey e a Miriam (a direita), pai e filhas, nossos amigos americanos durante caminhada pelo Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Jeffery Gottfried, americano guia no Oregon e amante da pesca de mosca, maravilhado com as belezas do Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Jeffery Gottfried, americano guia no Oregon e amante da pesca de mosca, maravilhado com as belezas do Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Aliás, estávamos juntos com eles quando encontramos um segundo grupo de pessoas, argentinos dessa vez. Eram pescadores de mosca e se preparavam para partir em um passeio de barco no lago Menéndez, justamente para fazer o que mais gostam: pescar! Apesar das dificuldades da língua, foi uma ótima oportunidade para o Jeffrey trocar informações sobre técnicas e tipos de mosca utilizados aqui no patagônia. Afinal, ele só é um especialista nos peixes lá do hemisfério norte.

Encontro com pescadores de mosca (fly fish) no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Encontro com pescadores de mosca (fly fish) no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Pescadores partem para a pesca no lago Menendez, no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Pescadores partem para a pesca no lago Menendez, no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Enquanto os pescadores argentinos saíam para seu passeio e posavam alegres para fotos, o Jeffrey nos mostrou orgulhoso sua coleção de moscas, as iscas utilizadas nesse tipo de pesca. Ao contrário da pesca tradicional, em que espetamos uma minhoca no anzol, jogamos na água e ficamos tranquilamente esperando que algum peixe venha morder a isca, a pesca de mosca, ou “fly fishing” em inglês, é muito mais dinâmica. Os peixes pescados nesse tipo de pescaria tem suas preferências, cada espécie gosta mais de um tipo de mosca. Então, a primeira coisa a fazer é descobrir a preferência dos peixes e depois, manufaturar, fazer moscas de mentira que enganem e atraiam os peixes para a “armadilha”.

Pescaria de Mosca no lago Menendez no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Pescaria de Mosca no lago Menendez no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Orgulhoso, um pescador nos mostra suas iscas de mosca no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Orgulhoso, um pescador nos mostra suas iscas de mosca no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Além disso, não basta jogar a isca e ficar lá, esperando. Os peixes atacam as moscas assim que elas caem na água. É muito rápido. Se nenhum peixe morder a isca logo que ela caia na água, não adiante deixar ela ali, boiando ou mergulhando. Não é esse o instinto do peixe. Seus reflexos o atraem para moscas entrando na água e não para moscas paradas dentro d’água. Se não deu certo logo de início, o pescador recolhe a isca e a atira novamente. Por isso é importante jogar a isca bem próxima do peixe, para que ele já possa atacá-la logo que ela cai na água. Essa é a razão dos pescadores de mosca terem varas com longas linhas que eles rodopiam para poder atirar mais longe, bem para o meio do remanso onde devem estar os peixes. Não devem caminhar até lá, para não assustá-los e, ao mesmo tempo, é justo ali que devem atirar a isca. Vimos muito isso no Alaska e agora aqui, na patagônia. São dois dos melhores lugares do mundo para esse tipo de pesca.

Para a alegria dos fotógrafos, cores fortes e vivas no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Para a alegria dos fotógrafos, cores fortes e vivas no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Um rio cheio de corredeiras que une os lagos no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Um rio cheio de corredeiras que une os lagos no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Sem dúvida, é bonito de se ver. Não somos muito fãs de pescaria (e muito menos de caça!), mas quem gosta, gosta mesmo! Tanto que chegam a competir com ursos (!!!) por espaço nos rios do Alaska (veja nosso post quando estivemos por lá) ou então, investem alguns milhares de dólares em viagens para lugares propícios à prática, mesmo que seja em outros continentes, como é o caso da patagônia para os americanos ou canadenses, origem de boa parte dos turistas não nacionais que frequentam o Parque Nacional Los Alerces. Por falar nisso, apesar de ser uma área protegida, o parque permite sim esse tipo de pesca. Mas apenas essa, durante a temporada e com a obrigação de conseguir uma permissão especial da sede do parque.

Rio de águas verdes e transparentes no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Rio de águas verdes e transparentes no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Placa de aviso de que apenas a pescaria de mosca é permitida (é preciso uma licença!) no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Placa de aviso de que apenas a pescaria de mosca é permitida (é preciso uma licença!) no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Bom, quase ao final da caminhada, chegamos à praia do lago Menéndes de onde se pode admirar o glaciar Torrecillas e de onde partem os barcos que levam turistas à floresta de Alerces nas encostas daquela montanha. Boa parte da área do parque está inacessível para quem apenas caminha. Por razões de segurança (evitar incêndios!), somente poucas trilhas foram criadas e são mesmo os barcos que cruzam os lagos que são o principal, senão o único meio de acesso à várias das atrações turísticas da reserva. E dentre os diversos passeios de barco, esse que cruza o lago Menéndes rumo ao bosque de Alerces é o mais popular. Mas para nós, isso não era uma opção. O longo passeio parte apenas pela manhã e nós tínhamos de seguir viagem. É o sul que nos chama, hehehe!

Estrutura para barcos e pesca no lago Menendez, no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Estrutura para barcos e pesca no lago Menendez, no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Caminhando no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Caminhando no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina


Chegamos de volta à ponte de onde iniciamos a trilha, não sem antes passar em outros mirantes para aproveitar a belíssima paisagem. Despedimo-nos de nossos novos amigos e seguimos viagem, agora de carro, pelas estradas do parque. Os americanos tinham vindo do sul e já nos deram as dicas do que ver pela frente. Passamos pelo lago Azul e pela pequena vila de Futalaufquen, local idílico e muito procurado pelos frequentadores do parque. Mas não tínhamos mais tempo para percorrer mais trilhas e decidimos seguir viagem até Trevelin, deixando esse belo parque para trás. Amanhã será um dia de estradas, perto de 600 km entre asfalto e muito rípio e precisamos sair cedo. Seguimos felizes pelo que nos espera, mas ficou mesmo faltando o passeio de barco até o bosque dos Alerces. Vamos deixando, espalhados pelas Américas, ótimos motivos para novas viagens!

Fim de tarde belíssimo no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Fim de tarde belíssimo no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Argentina, Trevelín, trilha, Rio, Parque, Lago, Patagônia, Parque Nacional Los Alerces, pesca de mosca

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior Tropas argentinas se preparam para mais uma batalha na Conquista do Deserto, nome dado à guerra conttra os indígenas pelo controle da Patagônia (imagem da Internet)

A Patagônia e a Conquista do Deserto

Post seguinte A bela cor avermelhada dos arrayanes, árvore muito comum no Parque Nacional Los Alerces, ao norte de Trevelin, na patagônia argentina

Alerces e Arrayanes, Pumas e Ratos

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet