0 Caatinga Medicinal - Blog da Ana - 1000 dias

Caatinga Medicinal - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

Caatinga Medicinal

Brasil, Pernambuco, Buique (P.N da Serra do Catimbau)

Mandacaru no Parque Nacional da Serra do Catimbau, em Buique - PE

Mandacaru no Parque Nacional da Serra do Catimbau, em Buique - PE


A visão que a maioria de nós “sulistas” temos do sertão nordestino é no mínimo ignorante. Uma cultura riquíssima até então conhecida por mim apenas através das músicas de Luiz Gonzaga e dos filmes brasileiros. A maioria destes filmes é muito caricato, como quase todos os seus semelhantes brasileiros ou “roliudianos”. Eles até mostram parte da cultura e história da região, mas contextualizadas em diferentes épocas e histórias. Por isso mesmo, antes de formarmos uma opinião normalmente vamos nos informar. Recorremos aos jornais impressos ou televisivos e é aí que caímos na grande furada de acreditar que o sertão é um lugar seco, sem vida e miserável, de uma população sem estudo e que vive apenas da bolsa família.

A chuva faz a alegria das crianças na Serra da Capivara, próximo à São Raimundo Nonato - PI

A chuva faz a alegria das crianças na Serra da Capivara, próximo à São Raimundo Nonato - PI


As reportagens geralmente abordam as questões mais críticas do sertão e que não são a maioria, pelo menos não agora. “Tiram uma foto do pedacinho mais seco da caatinga, arrumam um gado morto e pronto, parece que é tudo uma desgraça”, comentou o nosso guia, nascido e criado no Cariri Paraibano.

Lagarto no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE

Lagarto no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE


Quanto mais eu ando pelo sertão, mais me apaixono e ao mesmo tempo mais me envergonho de não saber disso tudo antes. Homens e mulheres fortes, guerreiros e orgulhosos de sua terra e sua cultura. Uma terra seca, sim, mas que se adaptou a isso e possui uma riqueza imensa tanto na sua fauna, quanto na flora. Criação de bode e boi, palma para alimentar o gado, e várias outras culturas, como o milho, feijão, etc. Água em abundância no subsolo, para o inverno, açudes cheios no período de trovoadas, como chamam o período chuvoso entre dezembro e fevereiro. Se a chuva cai antes é a chuva “desgraçada”, pois veio na época errada e pode atrapalhar o ciclo já formado pela natureza. As plantas e sementes secas que alimentam o gado na época de seca irão apodrecer e adoecer os animais. Nós, com a nossa visão míope de que bom é como nós vivemos no sul, não entendemos que no fim, tudo está encaixadinho, como deve ser!

Papagaio no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE

Papagaio no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE


A fauna do sertão abriga espécies como o Tatuí, pequeno tatu, Teiú ou Tejú, grande lagarto (também conhecido como um pequeno jacaré), Lacraias, Camaleão, Lagartixas e cobras diversas, assim como várias espécies de pássaros, dentre elas os jacús, siriemas e emas.

Siriema na caatinga, região de Cabaceiras - PB

Siriema na caatinga, região de Cabaceiras - PB


A caatinga é uma vegetação extremamente adaptada à falta de água, por isso a maioria de suas plantas possui folhas modificadas, os espinhos, que ajudam a reter o máximo de água no caule. Algumas árvores parecem murchas, secas, mas a folha encolhida é uma defesa natural da planta para diminuir a perda de umidade. A barriguda também guarda no seu tronco e raízes toda a água de que irá precisar. Tudo isso nós aprendemos na escola, o que me impressionou mesmo foi a imensa quantidade de plantas medicinais encontradas nesta mata “tão seca e sem vida.”

Caatinga seca na região de Cabaceiras - PB

Caatinga seca na região de Cabaceiras - PB


Na Serra do Catimbau tivemos a sorte de encontrar o Márcio, nosso guia para as trilhas e profundo conhecedor das plantas da caatinga. Cada pedaço de pau, cactos ou flor tem uma serventia e Márcio sabia nos explicar qual é. Primeiro, qualquer cacto que víamos, achávamos que era o famoso “mandacaru”, mas aqui no Catimbau encontramos pelo menos 6 tipos diferentes de cactos: o próprio mandacaru, o faxeiro, quipá, palmatória, coroa de frade e caixacubri.

Pequeno cactus na área de exploração de bentonita na região de Cabaceiras - PB

Pequeno cactus na área de exploração de bentonita na região de Cabaceiras - PB


Mandacaru – cacto com caules mais verdes, em gomos, se cortado tem formato de estrela e espinhos mais separados. Rico em água é uma opção para alimentar os animais.

Facheiro no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE

Facheiro no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE


Faxeiro – quem não conhece achará parecido com o mandacaru, mas seu caule não tem os gomos, é arredondado, tom marrom-esverdeado e com maior quantidade de espinhos. O líquido do caule do faxeiro é ótimo cicatrizante e desinfecção de cortes e feridas.

Seiva de Facheiro (cicatrizante) no Raso da Catarina, região de Paulo Afonso - BA

Seiva de Facheiro (cicatrizante) no Raso da Catarina, região de Paulo Afonso - BA


Palma ou Palmatória – cactos mais baixo, arbustivo, possui seu caule mais arredondado e chato. Preferido para a alimentação do gado e de fácil adaptação para o plantio.

Flor da Palmatoria no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE

Flor da Palmatoria no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE


Palmatória no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE

Palmatória no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE


Coroa de Frade – nosso conhecido da Serra da Capivara e outros sertões, o coroa de frade possui um fruto pequenininho apreciado pelos passarinhos, é rosado e seu gosto é parecido com kiwi. O miolo do coroa de frade era utilizado pelos antigos para fazer um doce para as crianças que funciona como vermífugo.

Coroa de Frade, na Serra da Capivara, próximo à São Raimundo Nonato - PI

Coroa de Frade, na Serra da Capivara, próximo à São Raimundo Nonato - PI


Xique-Xique – Cacto mediano, mais alto que a palmatória, menor que um faxeiro ou mandacaru, possui espinhos grandes e bem pontiagudos. É apreciado como alimento pelos bodes e utilizado pelos beija-flores como base para seu ninho.

Pé de Caixacobri, espécie endêmica da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE

Pé de Caixacobri, espécie endêmica da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE


Caixacubri – Cacto endêmico da Serra do Catimbau, é parecido com o xique-xique, se diferenciando pelo miolo preto de onde nascem os espinhos. Bodes e beija-flores também o freqüentam para habitá-lo ou devorá-lo.

Malva no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE

Malva no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE


Além dos cactos, encontramos outras plantas como a Baraúna, utilizada como anti-febril, a quixabeira, para dissolver sangue pisado e a Malva, flor utilizada para os males de garganta e mucosa bucal (já devem ter ouvido falar no malvatricin, anti-séptico bucal preferido os dentistas).

Pinhão-Brabo, na Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE

Pinhão-Brabo, na Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE


Fiquei impressionada com o Pinhão Brabo, arbusto parecido com um pé de café e florzinhas vermelhas, seu caule é poderoso no combate a picadas de cobra. Os antigos aprenderam isso observando o teiú, lagarto que chega a 1,5m de comprimento e voraz caçador de cobras. Nos embates com jararacas e cascavéis se ele toma uma picada, vai até o pé do pinhão-brabo, abocanha seu caule e volta para a briga.

Seiva cicatrizante do Pinhão Bravo, em passeio na caatinga na região de Cabaceiras - PB

Seiva cicatrizante do Pinhão Bravo, em passeio na caatinga na região de Cabaceiras - PB


Foi aí que perceberam que a planta o salvava do veneno da cobra. Certa vez um homem da região foi picado por uma cascavel, sabendo que não chegaria a tempo ao hospital ou unidade de saúde, desandou a comer pinhão-brabo, desesperadamente. Conseguiu ainda caminhar até o asfalto onde foi encontrado desmaiado. O levaram para o hospital e aplicaram o soro anti-ofídico. O médico explicou que a planta não serve como soro, mas retarda o efeito do veneno e se ingerida em grande quantidade também é tóxica.

Seiva cicatrizante do Pinhão Bravo, em passeio na caatinga na região de Cabaceiras - PB

Seiva cicatrizante do Pinhão Bravo, em passeio na caatinga na região de Cabaceiras - PB


Entre as plantas utilizada na culinária estão a Baunilha, planta de onde é retirado o extrato de baunilha, ela parece uma trepadeira. Incó, fruto comestível, o Uricuri, palmeira de onde se aproveitam o palmito e o coquinho para cocada e óleo.

Fruto no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE

Fruto no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE


Até o Amargoso, frutinha parecida com a lixia, só que alaranjada por dentro e meio amarga, porém deve ser ingerida com parcimônia, pois suas folhas e, dependendo da quantidade, até as frutas são abortivas. No desespero, sem comida no meio do sertão, pode-se recorrer à macambira, bromélia bem espinhenta que possui um miolo altamente protéico e comestível.

Macambira no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE

Macambira no P.N da Serra do Catimbau, próximo à Buique - PE


Fechamos com o caruá, como exemplo de planta fibrosa utilizada para a confecção de cestos e até roupas pelos índios da região.

Caule e folhas espinhosas de Urtiga no Lajedo Manoel de Souza, na região de Cabaceiras - PB

Caule e folhas espinhosas de Urtiga no Lajedo Manoel de Souza, na região de Cabaceiras - PB


Depois dessa aula que o Márcio nos deu, citando apenas algumas das centenas de espécies da caatinga, impossível não olhar para este bioma com outros olhos. Olhos curiosos e apaixonados pela adaptabilidade e perfeição da natureza.

Pôr-do-sol na caatinga, região de Cabaceiras - PB

Pôr-do-sol na caatinga, região de Cabaceiras - PB

Brasil, Pernambuco, Buique (P.N da Serra do Catimbau), cactos, plantas medicinais, caatinga, sertão, Cariri

Veja todas as fotos do dia!

A nossa viagem fica melhor ainda se você participar. Comente!

Post anterior Celebrando o reveillon no Lajedo do Pai Mateus, bem abaixo da Pedra do Capacete, em Cabaceiras - PB

Feliz 2011!

Post seguinte Lagoa formada por um rio temporário ao lado do Saco de Lã, na região de Cabaceiras - PB

Matacões, Rituais e a Pré-história

Blog do Rodrigo O Djair nos dá aula de geologia no Lajedo Sítio Bravo, na região de Cabaceiras - PB

Lições de Geologia e Arqueologia

Comentários (20)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 22/11/2017 | 16:59 por Pintadense2

    Parabéns por divulgar e incentivar a preservação do ambiente natural, em particular a caatinga nordestina. Nasci bem no meio desse bioma tão importante quanto os outros. Quando adolescente em minhas andanças no meio da caatinga, tive o privilégio de saborear e matar a fome com frutas como o umbu, a pitanga, a jabuticaba, a fruta do incó manso (capparis ico), além de deliciosas polpas de ouricuri e arri e suas amêndoas, ricas em carboidratos, vitaminas, proteínas, fibras e ômega-3. Obviamente que na amêndoa do ouricuri existem outros óleos. Por isso conseguia saciar a fome momentânea consumindo frutas e amêndoas. Hoje tenho um pequeno sítio com 12 tarefas de caatinga, coleto sementes e faço mudas de angico vermelho, pau-ferro, incó manso, aroeira, trapiá.
    Um abraço!

  • 19/10/2016 | 12:01 por Robério

    Muito bom











  • 19/10/2016 | 11:45 por Robério

    Muito bom











  • 19/10/2016 | 11:44 por Robério

    Muito bom











  • 19/10/2016 | 11:44 por Robério

    Muito bom











  • 11/03/2016 | 20:24 por Lu Silva

    Olá! Muito bom o texto, mas o que aparece como Pinhão Brabo, na verdade, me pareceu mais o nosso velho quiabento.

  • 07/12/2015 | 14:32 por Daniel_aragao

    Olá tudo bem? Fiquei curioso em relação ao Pinhão Brabo, poderia citar o nome cientifico da planta. Moro no Ceará e já encontrei em muitas trilhas arvores com seiva da mesma coloração, porém fica dificil identificar pela fato da falta de folhas e flores devido a seca.

    Muito obrigado, aguardo seu retorno.

  • 07/12/2015 | 14:32 por Daniel_aragao

    Olá tudo bem? Fiquei curioso em relação ao Pinhão Brabo, poderia citar o nome cientifico da planta. Moro no Ceará e já encontrei em muitas trilhas arvores com seiva da mesma coloração, porém fica dificil identificar pela fato da falta de folhas e flores devido a seca.

    Muito obrigado, aguardo seu retorno.

  • 07/12/2015 | 14:29 por Daniel

    Olá tudo bem? Fiquei curioso em relação ao Pinhão Brabo, poderia citar o nome cientifico da planta. Moro no Ceará e já encontrei em muitas trilhas arvores com seiva da mesma coloração, porém fica dificil identificar pela fato da falta de folhas e flores devido a seca.

    Muito obrigado, aguardo seu retorno.

  • 25/09/2015 | 18:25 por Chico Santos

    Artigo sensacional,eu que sou Nordestino e sertanejo conheço muitas plantas medicinais,infelizmente às pessoas em sua maioria perderam esse conhecimento maravilhoso e fundamental para a sobrevivência do povo local.Meus parabéns e obrigado pela divulgação da nossa flora.....

  • 25/09/2015 | 18:25 por Chico Santos

    Artigo sensacional,eu que sou Nordestino e sertanejo conheço muitas plantas medicinais,infelizmente às pessoas em sua maioria perderam esse conhecimento maravilhoso e fundamental para a sobrevivência do povo local.Meus parabéns e obrigado pela divulgação da nossa flora.....

  • 25/09/2015 | 18:24 por Chico Santos

    Artigo sensacional,eu que sou Nordestino e sertanejo conheço muitas plantas medicinais,infelizmente às pessoas em sua maioria perderam esse conhecimento maravilhoso e fundamental para a sobrevivência do povo local.Meus parabéns e obrigado pela divulgação da nossa flora.....

  • 26/03/2015 | 17:00 por Waldecy Alves Feitosa

    Adoro a caatinga, é linda para quem sabe apreciar a sua beleza e muito rica em alimentos, só nas grande secas que os animais passam fome. Nasci no sertão da Bahia no povoado de Santa Rosa de Lima município de Jaguarari, naquele pedacinho de chão tem tantas frutas exóticas que nunca as vi nem na internet,por exemplo uma fruta que lá chamamos de BRUTO já vi muitas parecidas, mais não é igual.

  • 11/10/2013 | 13:21 por genildo

    Adorei essas imagens, minha terra querida..

  • 05/09/2013 | 13:42 por julie

    muit bom arrasouuuu

    Resposta:
    obrigaduuuu!

  • 24/06/2013 | 13:45 por Edilma Alves

    Oi adorei o seu trabalho irá me ajudar bastante no meu mestrado em Ciências Naturais.
    Parabéns é de gente como você que precisamos para divulgar as belezas da nossa caatinga.

    Resposta:
    Obrigada Edilma! Não sou uma mestra, mas amo a natureza e vou trabalhar para ajudar a conservá-la! Beijos!

  • 10/06/2013 | 13:05 por Daniel

    Ola, Ana, fiquei impressionado com sua materias sobre a caatinga. Gostaria que vc, se pudesse, claro, me ajudar a identificar uma planta que me foi apresentada como groselha, mas sei que nao é. Fiquei sabendo que é tipica do nordeste. É uma planta de caule vermelho, folhas palmiformes, alcanca ate 2,5 metros e da um fruto vermelho multifacetado. Olha, tambem tenho alguns blogs sobre vida selvagem e outros temas. Se puder da uma olhada: wwwnaturezapura123.blogspot.com, wwworquideasfloresdivinas.blogspot.com , wwwespeleologiaradical.blogspot.com , wwwplantasquecuram.blogspot.com e wwwpoemasesentimentos.blogspot.com . Olha, mais uma vez, amei o conteudo do seu blog. Parabens!

    Resposta:
    Olá Daniel! Que bom que você gostou do blog, obrigada! Então, eu acho que não conheço essa planta, não me lembro dela, pelo menos... tem alguma foto? Vou conferir seus blogs com certeza, já adorei os temas! Beijos!

  • 30/04/2013 | 12:54 por Niluza

    Olá

    Fiquei impressionada com a Caatinga do nosso nordeste, infelizmente a midia passa uma idéia errada, acho que focam mais a questão dos nordestinos que a terra nada oferece e portanto imigram para outros Estados. Depois de assistir uma matéria na TV BRASIL que passa aqui onde atualmente moramos desde que imigramos para outro país no Continente Europeu, concordo com a sociologa da regiao quando diz que é egito do nordeste. Tem tanta beleza e riqueza...ainda por ser descoberta. Falta é uma politica séria que a indústria instituida por politicos mal carater se enriquece a custa de um povo e uma cultura oprimida. Bom...gostava se possivel de uma ajudinha vossa, tenho curiosidade em saber sobre a questão medicinal ou crendices populares do " pau preto" da Caatinga. Agradeço imenso se puderes me ajudar neste sentido. Parabéns pelo blogue e se permitir divulgarei no meu face, pois muito interessante as fotos e a narrativa muito clara e envolvente. Um grande Abraço

    Resposta:
    Olá Niluza!
    Eu concordo plenamente com você e com a socióloga (embora ainda não conheça o Egito). O nosso sertão nordestino é lindo, apaixonante, tem uma cultura e riqueza natural imensa! Os políticos e a mídia deveriam rever seus conceitos e trabalhar para essa terra e esta gente maravilhosa poder crescer mantendo seu legado cultural e ganhando com o turismo. Enfim... quanto ao pau preto, infelizmente eu não tenho muitas informações, sei que é uma madeira ótima, dura e de longa durabilidade, sei também que é medicinal, mas não sei exatamente para que serve, procurei aqui na internet e não achei. Essa vou ficar te devendo.
    Um abraço e se descobrir me conta!
    Bjs

  • 13/12/2011 | 16:05 por Gustavo MIranda

    Moro no sertão do Seridó, no Rio Grande do norte e sou apaixonado pelas nossas tradições em gerais. Sou um fotógrafo amador e bonsaísta. Inclusive estou trabalhando em várias espécies de bonsai a partir de plantas de nossa amada Caatinga, como por exemplo: Pinhão Bravo e Algaroba.
    Valeu!

    Resposta:
    Eu me apaixonei pelo sertão Gustavo, lindíssima sua terra, sua gente, suas histórias e lendas. Nos mande fotos dos seus bonsais eu publico aqui! ADORO! =) Beijos

  • 13/01/2011 | 11:43 por paulo de carvalho lima

    essa vegetação é realmente muito rica.
    vale a pena conhecer os segredos que se esconde em meio a essa vegetação.

    Resposta:
    Realmente Paulo, e em cada incursão à caatinga aprendemos mais sobre ela. E isso não deve ser nem a metade do que ela oferece! Bjs!

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet