0 A Nova Montserrat - Blog da Ana - 1000 dias

A Nova Montserrat - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

A Nova Montserrat

Montserrat, Little Bay, Plymouth

Vulcão fumegante visto do observatório em Montserrat, no Caribe

Vulcão fumegante visto do observatório em Montserrat, no Caribe


Esta foi a nossa primeira visão da ilha de Montserrat. A luz da lua lhe dava um certo ar de mistério e sua história recente adicionava ainda um quê de tristeza. O escuro não nos deixava ver suas cores, víamos apenas sua forma e sabíamos que ali vive um dos vulcões mais ativos do planeta.


Sempre que comentamos com alguém que estávamos indo a Montserrat, todos se assustavam, “Vocês não têm medo do vulcão?”. Os comentários eram de que a ilha já não possuía mais infraestrutura e que tudo havia se transformado desde a grande erupção. Até então eu não dava muita trela para essas preocupações. Se há gente morando lá, nós conseguiremos visitar a ilha. É o medo e o imaginário deste povo que pinta algo pior. Já passamos por diversos lugares que sofreram desastres naturais, furacões, terremotos, inclusive erupções e todos, mal ou bem se reergueram, reconstruíram e estão ativos economicamente.

Restos de uma casa no caminho de um fluxo piroclástico, em Montserrat, no Caribe

Restos de uma casa no caminho de um fluxo piroclástico, em Montserrat, no Caribe


Chegamos à ilha perto das 21h e George (pronuncia-se Djódjí), o taxista que agendamos em Antigua, demorou um pouco para chegar. Enquanto esperávamos no porto começamos a tentar entender a ilha, seu mapa e funcionamento. Hoje Montserrat não possui uma grande cidade ou capital, o que encontramos são vilas ou aglomerados de casas. Little Bay é onde está sendo construído o novo centro administrativo da ilha, que ficará pronto em dois ou três anos.

Sombra e sossego para uma boa leitura, em Montserrat, no Caribe

Sombra e sossego para uma boa leitura, em Montserrat, no Caribe


Plymouth, sua antiga capital foi destruída pela erupção do Soufriere Hills Volcano. A população da ilha nesta época era de aproximadamente 13 mil habitantes, a capital era uma das mais ricas das West Indies, com 3 ou 4 bancos e uma especial discrição, tornando-se o paraíso particular de poderosos e bilionários de todo o mundo. George Martin chegou a operar uma gravadora de discos aqui, a Air Studios, onde gigantes como Rolling Stones, Sting e Elton John gravaram sucessos. Quem é ligado em música já ouviu falar do Music for Montserrat, um concerto organizado por George Martin para angariar fundos para a reconstrução da ilha. O show, que virou CD, reuniu artistas de peso como Paul McCartney, Eric Clapton, Mark Knopfler, Jimmy Buffett, Phil Collins, Carl Perkins, Sting e Elton John.

As marcas de um fluxo piroclástico no vulcão de Montserrat, no Caribe

As marcas de um fluxo piroclástico no vulcão de Montserrat, no Caribe


A primeira erupção foi em 1995, seguida por uma ainda maior em 1997. Nesta última, 19 pessoas morreram. Aos poucos a cidade foi sendo enterrada por consecutivos fluxos piroclásticos, que cobriram Plymouth com mais de 12m de cinzas e lama vulcânica, destruindo o porto e toda a cidade. A última grande erupção em 11 de fevereiro de 2010 lançou cinzas até as ilhas vizinhas de Guadalupe e Antigua e enterrou definitivamente o aeroporto, que já estava interditado. Destruição de um lado e criação do outro. Criação? Sim, na última erupção uma nova praia surgiu na costa nordeste da ilha. Sem um nome oficial, a “New Beach” como é chamada, é uma bela praia de areias negras, que na realidade é composta por pura cinza vulcânica. Impressionados com o poder da natureza, caminhamos por uma das praias mais jovens do mundo (se não a mais jovem), com vista para o Oceano Atlântico e o aeroporto destruído.

Caminhando pela praia de cinzas em Montserrat, no Caribe

Caminhando pela praia de cinzas em Montserrat, no Caribe


Praia nova em Montserrat, no Caribe, feita de cinzas de vulcão

Praia nova em Montserrat, no Caribe, feita de cinzas de vulcão


O fluxo piroclástico deixou apenas a torre de observação do antigo aeroporto à vista, perto de Plymouth, em Montserrat, no Caribe

O fluxo piroclástico deixou apenas a torre de observação do antigo aeroporto à vista, perto de Plymouth, em Montserrat, no Caribe


Assim que o Soufriere entrou em atividade, vulcanólogos vieram de todas as partes e determinaram as áreas de segurança na ilha, dividindo-a em três principais áreas:

- Exclusion Zone (Zona de Exclusão) – ao norte da ilha nos arredores do Soufriere Hills Volcano, incluindo as ruínas da cidade de Plymouth. Lá é terminantemente proibida a entrada. Apenas alguns funcionários de uma empresa exportadora de areia tem permissão especial para esta área.

Chegando à área proibida da ilha de Montserrat, no Caribe

Chegando à área proibida da ilha de Montserrat, no Caribe


A impactante visão apocalíptica da antiga capital, Plymouth, destruída pelo grande vulcão de Montserrat, no Caribe

A impactante visão apocalíptica da antiga capital, Plymouth, destruída pelo grande vulcão de Montserrat, no Caribe


- Day Light Zone - uma área em que todos podem circular durante o dia e onde entramos para ir até o mirante de Plymouth. A primeira vista que temos da cidade é desoladora. Vemos o vulcão, imponente e poderoso e o rastro de lama e cinzas que corre sobre as ruínas da cidade e do porto. Uma vista chocante.

A impactante visão apocalíptica da antiga capital, Plymouth, destruída pelo grande vulcão de Montserrat, no Caribe

A impactante visão apocalíptica da antiga capital, Plymouth, destruída pelo grande vulcão de Montserrat, no Caribe


Visitando o mirante de onde se pode observar o vulcão e a antiga capital, Plymouth, destruída nas erupções dos últimos 15 anos, em Montserrat, no Caribe

Visitando o mirante de onde se pode observar o vulcão e a antiga capital, Plymouth, destruída nas erupções dos últimos 15 anos, em Montserrat, no Caribe


- Safe Area – a área segura está no sul da ilha, distante do vulcão. Nessa região encontramos montanhas verdejantes, fontes de água mineral, rios, praias, fauna e flora ricas e peculiares à ilha de Montserrat, como o mountain chicken frog. Um sapo endêmico da ilha que está ameaçado de extinção, não por ser o prato típico da culinária local, mas por um fungo trazido pelo seu primo tree frog, espécie invasora na ilha.

As águas claras do porto de Montserrat, no Caribe

As águas claras do porto de Montserrat, no Caribe


O sul da ilha é a casa dos 4 mil habitantes que permaneceram depois que o vulcão entrou em atividade. Várias pessoas com as quais conversamos dizem que não foram muito afetadas pelo desastre, pois já moravam na área segura. Suas casas, família e estilo de vida não foram muito alterados. A economia da ilha, porém, foi transformada radicalmente. Um lugar ativo e movimentado se tornou, em um curto espaço de tempo, a ilha mais tranquila e vagarosa do Caribe.

Baía de águas limpas e tranquilas, ótima para mergulho, na costa de Montserrat, no Caribe

Baía de águas limpas e tranquilas, ótima para mergulho, na costa de Montserrat, no Caribe


Caminhando pela praia de Little Bay até o porto onde está o barco de mergulho, em Montserrat, no Caribe

Caminhando pela praia de Little Bay até o porto onde está o barco de mergulho, em Montserrat, no Caribe


Após a erupção em torno de 8 mil pessoas deixaram a ilha, a maioria migrou para a terra mãe, Inglaterra. Grande parte da população que permaneceu na ilha trabalha para o governo, que paga os melhores salários. Os trabalhos mais braçais são feitos pelos imigrantes de países vizinhos: haitianos, jamaicanos e guianeses na sua maioria, além de uma parcela de indianos e chineses nos negócios locais.

Nos admiradores em restaurante no interior de Montserrat, no Caribe

Nos admiradores em restaurante no interior de Montserrat, no Caribe


Uma ilha pacífica, tranquila, onde todos se conhecem e sabem onde trabalha, o que faz ou deixa de fazer e ainda assim não são intrometidos e fuxiqueiros. “Você pode fazer o que quiser e ninguém irá te incomodar”, nos disse um canadense que vive na ilha há três anos. Ao mesmo tempo vemos um lugar parado no tempo. O que me espantava era como um lugar com apenas 4 mil habitantes, após 15 anos, ainda não mostrava sinais claros de reestruturação econômica.

Conforme fomos entrando na vida e na história da ilha algumas respostas foram surgindo. Montserrat é um território pertencente à Coroa Inglesa, que após o imenso desastre, aparentemente não teve interesse em ajudar a reconstruir a ilha. Corre à boca pequena que se a população estivesse abaixo de 1.800 pessoas, eles iriam fechá-la, mas ela nunca ficou abaixo dos 3.000 habitantes. Outro fator chave foi o (des)preparo dos que ficaram. Os montserratians mais preparados para administrar empresas e o estado, política e economicamente deixaram a ilha após a erupção. Hoje um dos esforços das empresas que estão lá é atrair novamente estes montserrarians para as suas posições gerenciais. Poucas famílias retém grande parte do dinheiro e do poder e trabalham para manter os seus interesses e não com uma visão desenvolvimentista da sua ilha. Essa visão de curto prazo não favorece a chegada de investidores estrangeiros que poderiam estar ajudando neste processo de retomada.

Num belo dia de sol, saindo de  carro do nossa hotel em Montserrat, no Caribe

Num belo dia de sol, saindo de carro do nossa hotel em Montserrat, no Caribe


É uma experiência intensa conhecer um lugar que passou por uma profunda transformação tão recente e tendo como causa um desastre natural. O mundo real desse povo é tão diferente e tão isolado que fica difícil prever o que vai acontecer no futuro. Besteira querer adivinhar, qualquer futuro fica insignificante na escala geológica de uma ilha viva e que está apenas começando.

Nossa primeira visão do fumegante vulcão de Montserrat, no Caribe

Nossa primeira visão do fumegante vulcão de Montserrat, no Caribe

Montserrat, Little Bay, Plymouth, ilha, Caribbean, vulcão, Caribe, Island hopping

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior Visual inesquecível da praia de Half Moon Bay, na costa sudeste de Antígua, no Caribe

Antigua em 32 horas

Post seguinte Gigantescas esponjas negras são muito comuns em Pot of Gold, em Montserrat, no Caribe

Dive in Montserrat

Blog do Rodrigo Início do segundo dia de mergulho em Montserrat, no Caribe (Yellow Monkey)

Montserrat: o Mar

Comentários (5)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 06/11/2013 | 11:39 por Rafael Hanemann

    olá Ana/ Rodrigo! entre abril/ maio 2014 estarei fazendo uma trip, com meu pai, por St Marteen x Anguilla x St Barth x Saba x St Eustatius x St Kitts, onde ficarei 3 noites em cada ilha e gostaria MUITO de inserir Montserrat. seria o ponto-chave da viagem. mas a dificuldade em planejamento (ferry-boat... vôos...) partindo de St Kitts, ou até mesmo Nevis, é enorme, tornando quase impossível efetuar alguma reserva (estava pensando em ficar no Essence Guest House, em Old Town/ Old Road Bay) e até mesmo data de retorno do vôo principal... (SXM x GRU)... se tiverem alguma novidade recente sobre translados/ transporte aéreo ou marítimo nesse trecho, agradeço muito! um abraço e tudo de bom pra vocês.

  • 17/06/2013 | 10:07 por Paulo Pereira

    Resumo excelente duma ilha que foge ao cânone habitual. Longe daquelas imagens de lugares paradisíacos, personifica o poder imenso da natureza, capaz de modificar um local, num instante. Mesmo assim, belo lugar Montserrat. Águas cristalinas, bom sítio para mergulho e um povo hospitaleiro.Gostei de "conhecer".

    Resposta:
    Sem dúvida Paulo, Montserrat não é o Caribe habitual, mas sim o Caribe no seu âmago! Assim nasceram quase todas as ilhas dessa imensa cordilheira submarina, é belíssimo ver a natureza trabalhando. Abs!

  • 02/05/2013 | 13:21 por GIL

    tEM UM PAX QUERENDO IR P LÁ. VC RECOMENDA? E O VÔO É A PARTIR DE SAO/MIA/ ANTIGUA/MONTSERRAT?

    [GRATA, BJ

    Resposta:
    Se ele é quer ir para lá pela curiosidade da ilha que foi devastada e como ela está se reconstruindo, sim. Se ele é mergulhador, também recomendo. A ilha é super tranquila, são pouco mais de 2 mil habitantes e pouca infra, mas o povo é bem receptivo. Agora se ele está com a imagem de uma ilha caribenha com praias e mais praias de areia branca e infraestrutura turística completa, com restaurantes e hotéis bacanas... aí ele pode se decepcionar. Montserrat é linda, mas é para os mais curiosos que buscam algo inusitado. Ajudei?

  • 22/06/2012 | 13:46 por Deusa

    Por acaso conheci seu Blog, e viajei sem sair do lugar, lugares lindo bucólicos como uma pintura da natureza, parabéns pelas fotos e os comentários de muito bom gosto.

    Resposta:
    Olá Deusa! Bem vinda ao blog e espero viajarmos juntas por muitos outras paisagens e culturas! Beijos!

  • 16/06/2012 | 00:05 por Martin

    Hey Guys it would be great to add you’re site to OverlandSphere.com, please let us know or register directly on the site. Safe Travels

    Resposta:
    Hi Martin! We answered you by email, but we are not shure if you received it. Tks for the invitation, see you there, on overlandshpere.com =)

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet