0 Um Dia em Port Stanley - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Um Dia em Port Stanley - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Um Dia em Port Stanley

Falkland, Port Stanley

Chegando a Port Stanley, a capital de Falkland

Chegando a Port Stanley, a capital de Falkland


Os habitantes de Falkland são chamados de “kelpers”. O nome vem de um tipo de alga, “kelp”, que é muito abundante ao redor da ilha. Uma boa parte dos moradores da ilha está envolvida com a principal atividade econômica de Falkland, que é a criação de ovelhas. São quase 700 mil delas em um arquipélago onde vivem menos de 3 mil pessoas. E uma parte importante da alimentação desse enorme rebanho é justamente o kelp, que os poucos humanos disponíveis vão coletar no mar. Daí a denominação, kelpers!

Chegando a Port Stanley, capital de Falkland (foto de John Pairaudeau)

Chegando a Port Stanley, capital de Falkland (foto de John Pairaudeau)


O Sea Spirit ancorado em Port Stanley, a capital de Falkland

O Sea Spirit ancorado em Port Stanley, a capital de Falkland


Pois bem, para os kelpers, o arquipélago está dividido em duas partes. E eles não estão se referindo às ilhas East e West Falkland. Não! Para eles, existe o “town” e o “camp”. “Town” é a capital, e única cidade de verdade em Falkland, Port Stanley. E “camp” é o resto. Todo o resto. Então, até agora, nós conhecemos o “camp”. Carcass Island e Steeple Jason fazem parte do “camp”. As outras pequenas ilhas, toda a West Falkland e boa parte da East Falkland, dos quais não vimos nada, também são o “camp”. Quando muito, vimos de longe, das janelas e do convés do Sea Spirit. Mas agora, o que queríamos mesmo era ver a outra metade do país, o “town”.

Caminhando do porto até Port Stanley, a capital de Falkland

Caminhando do porto até Port Stanley, a capital de Falkland


Caminhando do porto até Port Stanley, a capital de Falkland

Caminhando do porto até Port Stanley, a capital de Falkland


E assim foi. Nosso dia de hoje foi devotado à exploração da capital, do “town”, de Port Stanley, com seus pouco mais de 2 mil habitantes. Logo de manhã nosso barco já estava ancorado lá, nossa única chance nessas três semanas de poder sair do Sea Spirit sem estar vestindo as botas de borracha ou nossa roupa de caiaque. Tiramos nossos tênis do fundo da mala, bem felizes e estávamos prontos. Hoje, nem de guia precisaríamos. Nossa liberdade de volta, desde que respeitássemos os horários, claro!

Memorial Wood  (Bosque da Memória), em Port Stanley, a capital de Falkland

Memorial Wood (Bosque da Memória), em Port Stanley, a capital de Falkland


Caminhando no Memorial Wood  (Bosque da Memória), em honra oas mortos na guerra de 82, em Port Stanley, a capital de Falkland

Caminhando no Memorial Wood (Bosque da Memória), em honra oas mortos na guerra de 82, em Port Stanley, a capital de Falkland


Na verdade, três de nossos simpáticos guias estariam sim, a nossa disposição, liderando grupos “temáticos” pela cidade. Um para falar de história, outro dos pássaros e a terceira das baleias. Eram tours facultativos e nós, eu e a Ana, optamos pela exploração seguindo nosso próprio nariz. Como disse, era nossa única chance nessas 3 semanas.

Ave se esquenta ao sol em pier em Port Stanley, a capital de Falkland

Ave se esquenta ao sol em pier em Port Stanley, a capital de Falkland


Pássaros Rock Shags em Port Stanley, capital de Falkland (foto de Ken Haley)

Pássaros Rock Shags em Port Stanley, capital de Falkland (foto de Ken Haley)


O porto está a pouco mais de 2 km do centro da cidade. Microônibus poderiam nos levar e trazer de volta, a cada meia hora. Para quem quisesse, podia seguir a pé. Umas dez pessoas optaram pelo exercício, assim como nós. Alguns, com o espírito ainda mais livre, ao chegar à estrada, viraram para o outro lado. Preferiram ir até uma península, uma baía e à famosa praia de “Gipsy Cove” do que seguir para “town”. Nós não, queríamos era um pouco de urbanidade mesmo.

Cemitério em Port Stanley, a capital de Falkland

Cemitério em Port Stanley, a capital de Falkland


Braço de mar em frente a Port Stanley, a capital de Falkland

Braço de mar em frente a Port Stanley, a capital de Falkland


Port Stanley virou a capital de Falkland em 1845, principalmente pelo fato de ser um bom porto. Afinal, a principal atividade econômica de Falkland naquele tempo era a reparação de navios. Para chegar à costa oeste dos Estados Unidos, a principal rota passava pelo sul da América e não eram poucos os navios que necessitavam de reparos após a passagem pela perigosa “Passagem de Drake”. Falkland, estando “logo ali”, soube aproveitar-se desse mercado, facilitado pelas excelentes condições de Port Stanley, de calado mais profundo.

A arquitetura de Port Stanley, capital de Falkland (foto de John Pairaudeau)

A arquitetura de Port Stanley, capital de Falkland (foto de John Pairaudeau)


Arquitetura de Port Stanley, capital de Falkland (foto de Susan Pairaudeau)

Arquitetura de Port Stanley, capital de Falkland (foto de Susan Pairaudeau)


A bonança continuou até que os navios a vapor, muito mais resistentes, se popularizassem. O golpe final nessa indústria veio no início do séc. XX, com a abertura do Canal do Panamá. Agora, os navios não necessitavam mais enfrentar os rigores da Drake Passage e Port Stanley ficou a “ver navios”. Isso abriu espaço para o crescimento de outra indústria nas ilhas, a criação de ovelhas, principal força econômica do arquipélago até hoje.

Depois da caminhada, quase chegando ao centro de Port Stanley, a capital de Falkland

Depois da caminhada, quase chegando ao centro de Port Stanley, a capital de Falkland


Arquitetura britânica em Port Stanley, a capital de Falkland

Arquitetura britânica em Port Stanley, a capital de Falkland


A cidade, como sua própria população indica, é bem pequena e pode ser percorrida a pé em poucas horas. Entre as principais atrações, alguns poucos museus, igrejas, o belo visual da rua em frente ao mar, os vários monumentos que relembram a guerra de 82, naufrágios de antigos barcos que podem ser avistados no mar e os quatro pubs que existem no centro da cidade.

O efeito do vento no crscimento de uma árvore, em Port Stanley, a capital de Falkland

O efeito do vento no crscimento de uma árvore, em Port Stanley, a capital de Falkland


O belo visual da rua costeira de Port Stanley, a capital de Falkland

O belo visual da rua costeira de Port Stanley, a capital de Falkland


Nós começamos nossa visita por alguns dos memoriais de guerra, como uma floresta que foi plantada onde cada árvore homenageia um dos mortos britânicos naquele conflito. Vou falar desse assunto no próximo post, mas vistamos também o cemitério que tem uma linda vista para o braço de mar em frente à cidade.

Catedral anglicana de Port Stanley, a capital de Falkland

Catedral anglicana de Port Stanley, a capital de Falkland


Interior da catedral anglicana de Port Stanley, a capital de Falkland

Interior da catedral anglicana de Port Stanley, a capital de Falkland


Os ossos de baleia azul e a catedral anglicana, uma das cenas clássicas de Port Stanley, a capital de Falkland

Os ossos de baleia azul e a catedral anglicana, uma das cenas clássicas de Port Stanley, a capital de Falkland


Em seguida, fomos a um dos mais vistosos prédios de Port Stanley, a Catedral Anglicana. Com mais de 130 anos de existência, ela é a catedral mais ao sul do mundo, elegante por fora e com uma tranquilidade inspiradora em seu interior. Bem em frente a ela, um dos principais cartões postais da cidade: um monumento feito apenas com os ossos de mandíbula do maior animal que já existiu em nosso planeta, a baleia azul. Usando 4 desses ossos, foi feito um grande arco, convite irresistível à fotografias de turistas. Esse maravilhoso animal era abundante na região, mas foi caçado quase até a extinção nos séc. XIX e XX. Os ossos ali dispostos, em frente a uma igreja, servem para nos lembrar da estupidez de nossa raça que levou tantas outras espécies a extinção total. Quando chegarmos à Geórgia do Sul, certamente vou falar mais dessa perseguição implacável feita às baleias aqui nos mares do sul...

Cartão postal de Port Stanley, a capital de Falkland, os enormes ossos de maxilar de baleias azul, a maior criatura do planeta

Cartão postal de Port Stanley, a capital de Falkland, os enormes ossos de maxilar de baleias azul, a maior criatura do planeta


A Kim salta entre ossos de maxilar de uma baleia azul, em Port Stanley, capital de Falkland (foto de Jeff Orlowski)

A Kim salta entre ossos de maxilar de uma baleia azul, em Port Stanley, capital de Falkland (foto de Jeff Orlowski)


Mas, falando em baleias, há um pequeno museu em homenagem a elas. Antes de chegar lá, ainda passamos no correio da cidade para enviar alguns postais para casa, uma espécie de prova definitiva que passamos nesse lugar tão isolado do mundo. Acho que já fazia alguns anos que eu não enviava postais, prática tão comum entre os viajantes de até pouco tempo atrás. A internet, facebook e Skype mudaram nossos hábitos, mas achamos que, aqui de Port Stanley, no meio do oceano, a ocasião valia a pena!

A prova de que Port Stanley, a capital de Falkland, ainda é inglesa

A prova de que Port Stanley, a capital de Falkland, ainda é inglesa


Visita ao correio de Port Stanley, a capital de Falkland, para enviar alguns postais como prova de que lá estivemos!

Visita ao correio de Port Stanley, a capital de Falkland, para enviar alguns postais como prova de que lá estivemos!


O pequeno museu mostra o esqueleto de algumas espécies de baleias, mas o que mais chama a atenção na exposição é um canhão que lançava arpões. Apenas aquele canhão teria matado mais de 20 mil baleias! Hoje, a máquina de matar serve a melhores propósitos. Ao seu lado, um cartaz pede que se proíba a caça às baleias. Deveria vir com tradução em japonês.

Visita a um pequeno museu de baleias, em Port Stanley, a capital de Falkland

Visita a um pequeno museu de baleias, em Port Stanley, a capital de Falkland


Um arpão assassino, exposto em museu de baleias em Port Stanley, a capital de Falkland

Um arpão assassino, exposto em museu de baleias em Port Stanley, a capital de Falkland


Pequeno museu sobre baleias, em Port Stanley, a capital de Falkland

Pequeno museu sobre baleias, em Port Stanley, a capital de Falkland


Nesse ponto da nossa visita encontramos o Jeff e passamos a caminhar juntos. O Jeff trabalha com cinema e um dos filmes que ajudou a filmar, o espetacular “Chasing Ice”, é parte do Festival de Cinema que está ocorrendo a bordo do Sea Spirit. É mais um assunto a que preciso dedicar um post, mas como trata de aquecimento global, acho que vou esperar chegarmos à Antártida. Enfim, caminhávamos juntos quando ocorreu o fenômeno mais natural possível para os kelpers, mas que chama bastante a atenção de visitantes como nós!

Junto com o Jeff, protegendo-se da neve repentina em Port Stanley, a capital de Falkland

Junto com o Jeff, protegendo-se da neve repentina em Port Stanley, a capital de Falkland


De repente, uma forte nevasca em Port Stanley, a capital de Falkland

De repente, uma forte nevasca em Port Stanley, a capital de Falkland


O clima da ilha e especialmente aqui em Port Stanley muda rapidamente, várias vezes ao dia. Mesmo para padrões britânicos, que moram naquela ilha conhecida pelo seu clima instável, as Falkland assustam. Do sol à chuva ao frio ao fim do vento à neve ao céu azul, tudo assim, sem vírgulas e em poucos minutos. Assim, caminhávamos tranquilamente num fim de manhã onde o azul do céu parecia que iria vencer as nuvens quando, de repente, estávamos procurando abrigo atrás de um carro contra o vento e a forte neve que caía. Nossa primeira neve nessa viagem. Mesmo o Jeff, que acabou de passar por lugares como Islândia, Groelândia e Alaska (trabalhando naquele filme que citei acima), se impressionou. Quem não pareceu dar muita bola foram uns cavalos que assistiram toda a cena, eles mesmos pouco se importando com a neve que caía. Afinal, já sabiam que algum tempo depois viria o sol. Cavalos kelpers!

Com o Jeff, caminhando em terreno nevado em Port Stanley, a capital de Falkland

Com o Jeff, caminhando em terreno nevado em Port Stanley, a capital de Falkland


Cavalos parecem estar acostumados à subita queda de neve em Port Stanley, a capital de Falkland

Cavalos parecem estar acostumados à subita queda de neve em Port Stanley, a capital de Falkland


Pois é, o tempo melhorou mesmo e pudemos continuar nossa caminhada. Primeiro, de volta à rua litorânea, um dos visuais mais belos da cidade. E depois para o museu histórico, que eu queria muito visitar. Aí passei mais de hora, primeiro lendo tudo o que havia sobre os warrahs, os lobos extintos de Falkland, assunto sobre o qual tenho estranha obsessão. E depois, sobre a guerra de 82 que, como disse, tratarei no próximo post.

O Museu Histórico de Port Stanley, a capital de Falkland

O Museu Histórico de Port Stanley, a capital de Falkland


Representação do extinto Warrah, ou Falkland Wolv, no museu histórico de Port Stanley, a capital de Falkland

Representação do extinto Warrah, ou Falkland Wolv, no museu histórico de Port Stanley, a capital de Falkland


Depois do museu, só nos faltava fazer uma coisa que já vínhamos sonhando faz tempo, antes mesmo de entrarmos nesse navio em Buenos Aires. Queríamos passar algum tempo num legítimo pub inglês aqui em Port Stanley, cidade de coração e alma britânica. Então, de volta ao centro e para dentro do pub. Lá já estavam outros passageiros, todos preferindo o conforto do bar que o ar frio lá de fora. Tratamos logo de pedir uma legítima Guinness para brindarmos nossa passagem por lugar tão distante. Uma verdadeira benção, poder estar no meio do Atlântico Sul e, ao mesmo tempo, tomar uma Guinness. Muito joia mesmo! Agora, mais do que nunca, estamos certos de que vamos conhecer e viajar por todos os países das Américas. Até mesmo pelas isoladas, praticamente perdidas e esquecidas Falkland e Geórgia do Sul. Merece até outra Guinness!!!

Um dos pubs de Port Stanley, a capital de Falkland

Um dos pubs de Port Stanley, a capital de Falkland


Interior de um pub em Port Stanley, a capital de Falkland

Interior de um pub em Port Stanley, a capital de Falkland


Celebrando com uma Guinness em um pub a nossa visita a Port Stanley, a capital de Falkland

Celebrando com uma Guinness em um pub a nossa visita a Port Stanley, a capital de Falkland


E assim, de Guinness em Guinness, já era hora do último micro-ônibus de volta ao porto e ao Sea Spirit. Fomos os últimos a chegar, já no segundo tempo da prorrogação. Mas valeu muita a pena a correria e as cervejas. Que ótimo foi ter estado na instável Port Stanley, um pedacinho da Inglaterra aqui nos mares do sul. Saímos ao convés para um último adeus à cidade e a este arquipélago. Pela primeira vez nessa viagem, pisamos em gelo no convés, uma rápida chuva de granizo. Pois é, não poderia faltar em um típico dia nessa cidade. Depois das despedidas formais, de volta ao calor do nosso navio e ao conforto do nosso bar. Mais uma cerveja para comemorar, agora ao início da nossa viagem à Geórgia do Sul e a mais dois dias em alto mar!

Zarpando de Port Stanley, a capital de Falkland

Zarpando de Port Stanley, a capital de Falkland


Neve no convés do Sea Spirit em Port Stanley, capital de Falkland

Neve no convés do Sea Spirit em Port Stanley, capital de Falkland

Falkland, Port Stanley, cidade

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior Caminhando em Carcass Island, no noroeste das Ilhas Malvinas

Caminhadas com Quitutes

Post seguinte Propaganda pró-britânica em Port Stanley, a capital de Falkland

A Guerra das Malvinas e as Falkland de Hoje

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet