0 San Ignacio e a Inacreditável ATM Cave - Blog do Rodrigo - 1000 dias

San Ignacio e a Inacreditável ATM Cave - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

San Ignacio e a Inacreditável ATM Cave

Belize, San Ignacio-BEL

Entrando na ATM Cave, na região de San Ignacio, em Belize (foto da internet)

Entrando na ATM Cave, na região de San Ignacio, em Belize (foto da internet)


No início da década de 90, um explorador resolveu entrar em uma caverna misteriosa na região de San Ignacio, conhecida localmente como Xibalba. A boca da caverna já era conhecida há muito tempo, mas ninguém se animava a entrar naquele buraco nadando pelo rio que saía dele. Apesar de suas águas limpas, era muito escuro lá dentro. Mal sabia o tal explorador que ele estava para fazer uma das maiores descobertas arqueológicas recentes na América Central.

Espeleotemas na ATM Cave, na região de San Ignacio, em Belize (foto da internet)

Espeleotemas na ATM Cave, na região de San Ignacio, em Belize (foto da internet)


Depois de uns 300 metros caminhando pelo rio, já na escuridão total, passando por passagens estreitas por entre enormes rochas e lindas formações de espeleotemas, uma passagem levava a uma parte mais alta da caverna, longe do rio. Ali, a passagem se abria em um grande salão, intensamente decorado e, para surpresa do explorador, algumas dessas formações pareciam moldadas por algum escultor, formando imagens de animais e figuras humanas. A sua dúvida sobre se aquilo era mesmo natural ou não terminou quando ele começou a ver, no chão, centenas de resquícios arqueológicos, como cerâmicas e potes de aparência maya. E isso não era tudo! Um pouco mais adiante, começaram a aparecer ossos e esqueletos inteiros, calcificados pela ação do tempo. Eram claramente vítimas de antigos sacrifícios realizados ali mesmo. Os ossos pareciam de cristal!

Uma das caveiras de pessoas sacrificadas na ATM Cave, na região de San Ignacio, em Belize (foto da internet)

Uma das caveiras de pessoas sacrificadas na ATM Cave, na região de San Ignacio, em Belize (foto da internet)


Após essa maravilhosa descoberta, a caverna ganhou um novo nome: “Cave of Crystal Sepulchre”, ou “Actun Tunichil Muknal”, no dialeto maya falado na região. As iniciais formam o nome mais conhecido atualmente, simplesmente ATM Cave.

Potes e vasilhas mayas na ATM Cave, na região de San Ignacio, em Belize (foto da internet)

Potes e vasilhas mayas na ATM Cave, na região de San Ignacio, em Belize (foto da internet)


Os arqueólogos resolveram manter todos os artefatos e ossos no exato lugar em que foram encontrados e o governo de Belize decidiu abrir a caverna ao turismo, como forma de arrecadar dinheiro para sua melhor conservação. Hoje, a ATM Cave é uma das grandes atrações da região e do país, atraindo centenas de turistas que se maravilham com o que veem lá dentro. Além da incrível beleza cênica da caverna e da sensação de aventura de se caminhar e nadar por um rio embaixo da terra, ainda temos essa chance maravilhosa de ver esse verdadeiro tesouro arqueológico em seu local de origem, e não no ar condicionado de algum museu. É impressionante!

Câmeras fotográficas só seguem até aqui, no início da trilha para a ATM Cave, região de San Ignacio, em Belize

Câmeras fotográficas só seguem até aqui, no início da trilha para a ATM Cave, região de San Ignacio, em Belize


Mas, nem tudo é perfeito. Apesar do número controlado de pessoas que podem entrar lá diariamente, sempre acompanhados por guias, alguns turistas, no afã de conseguir os melhores ângulos e fotos, derrubaram suas máquinas fotográficas sobre os achados arqueológicos, inclusive encima de um crâneo, quebrando-o. Como medida de segurança, desde o meio de 2012, máquinas fotográficas são proibidas por lá e nós não pudemos tirar fotos do que vimos. Algumas teriam sido fantásticas... Enfim, tudo o que se pode fazer é buscar fotos na internet, de quando era permitido levar câmeras para lá. São algumas dessas fotos que ilustram esse post.

No final da trilha da ATM Cave, região de San Ignacio, em Belize, com nosso guia e o casal de um indiano e uma chinesa, nossos companheiros de tour

No final da trilha da ATM Cave, região de San Ignacio, em Belize, com nosso guia e o casal de um indiano e uma chinesa, nossos companheiros de tour


Nós fomos de carro até o início da trilha de uma hora pela mata que leva á boca da caverna. No início da trilha, nos reunimos com o resto do grupo, entre eles um simpático e interessante casal formado por um indiano e uma chinesa, que vivem hoje nos Estados Unidos, Naquele casal, 2,5 bilhões de pessoas representadas, mais de um terço da população mundial, hehehe. Esses dois povos geralmente não se batem, mas o casal se dava muito bem, apesar do indiano ficar sempre chateando sua esposa chinesa. Foi muito legal a companhia!

Observando antigos potes mayas, no mesmo local onde foram encontrados, na ATM Cave, na região de San Ignacio, em Belize (foto da internet)

Observando antigos potes mayas, no mesmo local onde foram encontrados, na ATM Cave, na região de San Ignacio, em Belize (foto da internet)


Enfim, o guia nos levou através da selva e atravessando três vezes o mesmo rio com água na cintura até chegarmos á entrada da ATM. Ali, luzes na cabeça, entramos todos com água no pescoço. Quase uma hora seguindo rio acima entre passagens apertadas ou mais largas, cruzando os diversos outros grupos que encontrávamos e chegamos á parte seca da caverna, onde todos tiram seus sapatos e caminham apenas com meias e em trechos marcados por fitas. Tudo para proteger esse tesouro arqueológico que agora, víamos com os próprios olhos.

Esqueleto de mulher sacrificada na ATM Cave, na região de San Ignacio, em Belize (foto da internet)

Esqueleto de mulher sacrificada na ATM Cave, na região de San Ignacio, em Belize (foto da internet)


O guia nos explicou que cavernas eram um local sagrado para os mayas, entradas para o Inframundo, onde viviam vários de seus deuses, inclusive um dos mais importantes, Chac, o deus da chuva. Com suas tochas, os sacerdotes mayas se aventuravam até aqui, para prestar suas homenagens e render seus sacrifícios, sempre para tentar conquistar a boa sorte dos deuses. Cerâmicas eram deixadas como presentes e sacrifícios eram feitos para apaziguar a sua ira.

Ponte que dá acesso à San Ignacio, em Belize

Ponte que dá acesso à San Ignacio, em Belize


O belo rio que divide San Ignacio em duas, em Belize

O belo rio que divide San Ignacio em duas, em Belize


Aparentemente, o ritmo desses sacrifícios veio aumentando em meados do século X, quando grandes secas se abateram sobre essa região do mundo. Eram os estertores do período Clássico da civilização maya e os sacerdotes tentavam, desesperadamente, reconquistar a confiança do deus da chuva, irritado por algum motivo. Sacrifícios de mulheres e crianças, aquilo que havia de mais sagrado entre os mayas, foram oferecidos aos deuses. Bebês eram deixados ali para que chorassem até a morte. O som de puras crianças era a melhor maneira de sensibilizar os deuses, mas nada pareceu funcionar. Pobres vítimas, felizes de nós que tempos a chance de ver e conhecer um pouco mais dessa incrível civilização e do desespero por que passaram. Aquelas cerâmicas e, mais ainda, aqueles esqueletos em perfeitas condições (fora aquele que o desastrado turista avariou...), parecem mais vivos do que nunca e quase podemos ver o momento em que foram deixados ali por sacerdotes em suas roupas pomposas e soldados iluminando tudo com suas tochas. É emocionante!

Meninas se divertem no rio de San Ignacio, em Belize

Meninas se divertem no rio de San Ignacio, em Belize


O belo rio que divide San Ignacio em duas, em Belize

O belo rio que divide San Ignacio em duas, em Belize


Depois dessa inesquecível experiência, dirigimos e volta à San Ignacio, a movimentada cidade que é a porta de entrada para quem chega da Guatemala. A cidade é dividida em duas por um belo rio e uma das metades é, na verdade, uma outra cidade, chamada Santa Helena. É no rio que se congregam os locais, seja para as crianças brincarem em suas águas, seja para as mulheres lavarem suas roupas. É uma visão bucólica e pitoresca.

O movimentado mercado de San Ignacio, em Belize

O movimentado mercado de San Ignacio, em Belize


Mercado de San Ignacio, em Belize

Mercado de San Ignacio, em Belize


O único ponto mais movimentado é o mercado, principalmente na manhã de sábado. É quando mais facilmente percebemos o verdadeiro caldeirão de culturas que forma a sociedade desse país, diversas etnias do povo maya, imigrantes recentes chineses, imigrantes quase centenários americanos, guatemaltecos, garifunas (negros) e todas as misturas possíveis entre esses diversos povos. Certamente, é o programa mais interessante a se fazer dentro da cidade.

Rose Apple, um tipo de maçã aguada no mercado de San Ignacio, em Belize

Rose Apple, um tipo de maçã aguada no mercado de San Ignacio, em Belize


Mercado de San Ignacio, em Belize

Mercado de San Ignacio, em Belize


Foi uma ótima despedida para nós, que partimos amanhã para a Guatemala, entrando de vez na América Latina, para nos fazer sentir ainda mais perto do Brasil. Mas ainda tem muita coisa para se ver e fazer antes de chegarmos até lá... Um passo de cada vez e o próximo se chama Flores, uma cidade em uma ilha lacustre, principal base para se visitar a mais famosa cidade maya de todos os tempos, a gloriosa Tikal.

Han-nah, nosso restaurante preferido em San Ignacio, em Belize

Han-nah, nosso restaurante preferido em San Ignacio, em Belize

Belize, San Ignacio-BEL, Caverna, mayas, ATM Cave

Veja todas as fotos do dia!

Não se acanhe, comente!

Post anterior As majestosas ruínas mayas de Caracol, em Belize, quase na fronteira com a Guatemala

A Fascinante Caracol

Post seguinte Pequena cidade na orla do lago Petén, em frente à ilha de Flores, na Guatemala

Flores! Voltando à Guatemala...

Blog da Ana Contemplando as ruínas mayas de Caracol, em Belize, quase na fronteira com a Guatemala

Caracol e ATM Cave

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 04/07/2019 | 01:22 por Taciano

    Oi amigos, tudo bem?
    Gostei dessa caverna e estou com várias dúvidas.
    Por favor, como faz pra chegar? Qual agência? Como contrato o guia? Tem passeio todos os dias? E quanto custou tudo?

    Abraço e obrigado.

  • 01/07/2019 | 03:21 por Taciano

    Oi amigos, tudo bem?
    Gostei dessa caverna e estou com várias dúvidas.
    Por favor, como faz pra chegar? Qual agência? Como contrato o guia? Tem passeio todos os dias? E quanto custou tudo?

    Abraço e obrigado.

  • 29/06/2019 | 03:05 por Taciano

    Oi amigos, tudo bem?
    Gostei dessa caverna e estou com várias dúvidas.
    Por favor, como faz pra chegar? Qual agência? Como contrato o guia? Tem passeio todos os dias? E quanto custou tudo?

    Abraço e obrigado.

  • 21/05/2014 | 19:27 por Mariana Nunes

    Que linda viagem de vocês! Acabei de conhecer o site e certamente vou estar acompanhando essa viagem! "Viajar é a única coisa que você compra e fica mais rico" Aproveitem!!

    Resposta:
    Olá Mariana

    Que legal que vc tenha gostado!

    Na verdade, nossa viagem já acabou, mas ainda temos seis meses de histórias para contar. Então, para quem nos acompanha, é como se ainda estivéssemos viajando! Espero que vc continue conosco!

    Um abs

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet