0 Reencontro com o Monte Roraima - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Reencontro com o Monte Roraima - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Reencontro com o Monte Roraima

Venezuela, Gran Sabana, Monte Roraima, Santa Elena

Mirante dos tepuis, na Gran Sabana, na Venezuela

Mirante dos tepuis, na Gran Sabana, na Venezuela


O que nos trouxe à Venezuela em 2007 foi o Monte Roraima. O mais famoso dos tepuis se localiza na fronteira tríplice entre Venezuela, Brasil e Guiana, mas o único acesso a ele é pelo lado venezuelano. Mesmo os grupos e tours organizados no lado brasileiro, principalmente em Boa Vista, primeiro viajam até Santa Elena, já na Venezuela, e de lá para Paraitepui, a pequena aldeia indígena de onde parte à trilha ao topo da montanha.

Em um mirante, admirando diversos tepuis, incluindo o Monte Roraima, na Gran Sabana, na Venezuela

Em um mirante, admirando diversos tepuis, incluindo o Monte Roraima, na Gran Sabana, na Venezuela


Esse foi o nosso caminho há seis anos, mas contratamos o tour em Santa Elena mesmo. Foi uma experiência inesquecível, nossa primeira grande viagem juntos, das quais temos muitas lembranças, saudades e fotografias. Vou relatar como foi essa aventura nos posts seguintes.

Em um mirante, admirando diversos tepuis, incluindo o Monte Roraima, na Gran Sabana, na Venezuela

Em um mirante, admirando diversos tepuis, incluindo o Monte Roraima, na Gran Sabana, na Venezuela


Agora, durantes esses 1000dias, sempre imaginamos como seria nosso roteiro aqui na Venezuela. Certamente, gostaríamos de rever tudo o que tínhamos visto em 2007, além de conhecer também novos lugares. Mas, atrasados que estamos no nosso cronograma, não pudemos fazer isso. Caracas e Los Roques, por exemplo, ficaram para trás. O Salto Angel, este era questão de honra voltar e conseguir ver o que não tínhamos visto da outra vez. Mas e o Roraima, a montanha tão especial em nossa história pessoal?

Paisagem típica da parte sul da Gran Sabana, na Venezuela

Paisagem típica da parte sul da Gran Sabana, na Venezuela


Chalés de uma pousada na Gran Sabana, na Venezuela

Chalés de uma pousada na Gran Sabana, na Venezuela


A maioria dos tours para lá dura seis dias e cinco noites. Mas nós já havíamos nos prometido que, quando voltássemos para lá, seria para chegar até o misterioso lago Gladys, num ponto mais afastado no topo do tepui. Teria de ser um arranjo especial com o tour e certamente nos tomaria um sétimo dia. Foi com dor no coração que percebemos, já há algum tempo, que essa semana a mais não caberia no nosso roteiro, a não ser que abríssemos mão de outros lugares que ainda não conhecíamos. A triste decisão racional que tomamos foi de deixar nosso retorno a essa montanha mágica para algum outro momento no futuro.

A Fiona também admira os tepuis da Gran Sabana, na Venezuela

A Fiona também admira os tepuis da Gran Sabana, na Venezuela


A decisão já nos doeu quando a tomamos, há cerca de um mês. Mas foi hoje, passando tão pertinho do Roraima, que realmente sentimos Tão perto, e tão longe...

A grandiosa paisagem da Gran Sabana e seus tepuis, na Venezuela

A grandiosa paisagem da Gran Sabana e seus tepuis, na Venezuela


Enfim... bola para frente. Tratamos foi de curtir esse visual absolutamente maravilhoso da região, diversos tepuis cabendo em um mesmo horizonte, montanhas que testemunharam a formação e destruição de continentes, nascimento e extinção de espécies e que agora, nos veem passar por ali, um casal em sua intrépida Fiona...

Admirando uma mágica mistura de sol e chuva no céu de fim de tarde da Gran Sabana, na Venezuela

Admirando uma mágica mistura de sol e chuva no céu de fim de tarde da Gran Sabana, na Venezuela


Aliás, fizemos questão de parar num mirante e apresentar a Fiona aos tepuis a ao Monte Roraima. Lá de longe, ele sorriu para nós. Na sua paciência multi-milenar, sabe que um dia voltaremos. E se não voltarmos, voltarão outros. Ele vai estar aqui, nos esperando.

Entrada para o Monte Roraima, na vila de Paraitepui, na Gran Sabana, na Venezuela

Entrada para o Monte Roraima, na vila de Paraitepui, na Gran Sabana, na Venezuela


A Fiona não entendeu bem quando paramos na estrada que dá acesso à Paraitepuy (e ao Monte Roraima), fotografamos, mas não entramos. “Ué, não vamos para lá?” – “Não, Fiona, vamos para o Brasil!”. E assim, seguimos para o sul, deixando para trás esse mundo perdido que inspirou Sir Arthur Conan Doyle, há um século, a escrever seu best-seller “The Lost World”, sobre o mundo parado no tempo onde ainda viviam dinossauros, no topo do Monte Roraima.

O Brasil aparece na placa! (atravessando a Gran Sabana, na Venezuela)

O Brasil aparece na placa! (atravessando a Gran Sabana, na Venezuela)


È... deixamos os dinossauros para trás e seguimos para onde deveríamos seguir. Mas o Roraima não se esqueceu de nós e providenciou um céu espetacular para nos indicar o caminho a seguir. A luz do fim de tarde, a chuva, arrcoíris e até uma nuvem com o exato formato de um cogumelo atômico nos mostravam aonde era o Brasil.

Uma bomba atômica parece explodir nos céus da Gran Sabana, na Venezuela

Uma bomba atômica parece explodir nos céus da Gran Sabana, na Venezuela


Momentos mágicos, devidamente capturados e eternizados nas fotos. Para nunca mais esquecermos desse lugar tão incrível que é a Gran Sabana e o Monte Roraima. Falando nisso, nos próximos posts, suba conosco (mais novinhos!) essa maravilhosa montanha...

Admirando uma mágica mistura de sol e chuva no céu de fim de tarde da Gran Sabana, na Venezuela

Admirando uma mágica mistura de sol e chuva no céu de fim de tarde da Gran Sabana, na Venezuela

Venezuela, Gran Sabana, Monte Roraima, Santa Elena,

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior Delicioso banho de cachoeira na Gran Sabana, na Venezuela

Gran Sabana: Coleção de Cachoeiras

Post seguinte Monte Roraima, na  Venezuela, em 2007

Monte Roraima 2007: A Subida

Blog da Ana Em um mirante, admirando diversos tepuis, incluindo o Monte Roraima, na Gran Sabana, na Venezuela

Roteiro na Gran Sabana

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 05/08/2013 | 09:21 por LURDINHA

    Amei esse blog, as viagens de voces...queria um dia ser convidada para ir com voces...amo tudo isso.
    abração. Lourdes

    Resposta:
    Oi Lurdinha

    Que bom que tenha gostado do blog.

    Sempre gostamos de visitas, virtuais e reais também!

    Um abraço

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet