0 O Panamá e seu Canal - Blog do Rodrigo - 1000 dias

O Panamá e seu Canal - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

O Panamá e seu Canal

Panamá, Cidade do Panamá

Refeição com vista privilegiada para o Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá

Refeição com vista privilegiada para o Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá


Início do séc XIX. A Espanha estava em frangalhos após uma sangrenta guerra com a França de Napoleão. Suas colônias na América aproveitaram esse momento de fraqueza para se libertarem da antiga metrópole. Entre os diversos heróis da independência destaca-se Simón Bolívar. Esse, em seus devaneios, imaginava a formação de uma grande república sul-americana, uma espécie de Estados Unidos da América do Sul. Por alguns anos, parecia que seu sonho daria certo. Venezuela, Colômbia e Equador se uniram para formar um só país. Peru e Bolívia, ao menos no papel, também se uniram à nova nação. A empolgação também chegou ao Panamá que, de própria vontade, logo após declarar sua independência da Espanha, juntou-se à Gran-Colômbia.

Painel no museu do Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá

Painel no museu do Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá


Mas, não demorou muito para a nova nação sonhada por Bolívar se esfacelar. Cada um para seu lado, exceto o Panamá, que permaneceu unido à Colômbia como uma província deste país. Ficou meio esquecida no mapa pelos próximos 20 anos até que a descoberta de ouro na Califórnia mudou seu destino. Centenas de milhares de americanos queriam viajar para a costa oeste em busca da riqueza dourada, mas temiam atravessar o meio oeste americano, habitado por "índios ferozes e hostis". Preferiam pegar um barco até Colón, atravessar oitenta quilômetros de trem na recém inaugurada ferrovia (a primeira ferrovia transcontinental das américas) até a Cidade do Panamá e, de lá, embarcar para San Francisco.

Museu do Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá

Museu do Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá


Uma década depois e os índios americanos foram "apaziguados" pelo General Custer e seus amigos. Os EUA construíram sua própria ferrovia transcontinental e os americanos esqueceram o Panamá novamente. Mas não os franceses, que após construírem o Canal de Suez, unindo Mediterrâneo e Mar Vermelho, viram ali nova oportunidade de negócios: um atalho entre os dois maiores oceanos do mundo, o Atlântico e o Pacífico.

Navio cargueiro atravessa o Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá

Navio cargueiro atravessa o Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá


Acharam que para quem tinha rasgado com sucesso o deserto do Sinai, separando África e Ásia, dividir a América em dois, fazendo um canal entre a mata tropical seria moleza. Doce ilusão. Vinte anos de obras e quase 25 mil mortos depois (malária, dengue e febre amarela), os franceses jogaram a toalha. Mas antes disso, resolveram negociar sua concessão com os americanos, que viram aí um bom negócio, completar um serviço que já estava em boa parte pronto. Só não convidaram os colombianos para participar da negociação.

A Ana pode estar desfocada, mas a legenda acima é bem auto-explicativa (Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá)

A Ana pode estar desfocada, mas a legenda acima é bem auto-explicativa (Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá)


Pois bem, o negócio foi fechado e os colombianos não gostaram nada disso. Queriam a sua parte, como donos da terra. Sem querer um novo sócio, os americanos acharam mais fácil dar uma forcinha aos panamenhos, para que estes conseguissem sua independência. A frota colombiana enviada para reprimir os revoltosos foi forçada a voltar para casa pelos americanos, o primeiro país do mundo a reconhecer a independência do Panamá. O pagamento por essa ajuda: o direito de construir e explorar o canal e uma área a a seu redor, por toda a eternidade.

Visita ao famoso Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá

Visita ao famoso Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá


Os americanos demoraram mais 10 anos e 5 mil vidas para terminar a obra, um dos maiores feitos de engenharia da história da humanidade. Desde então, mais de um milhão de barcos já cruzou o canal. A rota se tornou tão importante para o comércio mundial que toda uma classe de navios é construída com as medidas precisas para passarem no estreito canal. São os Panamax. Hoje, chegam a pagar 400 mil dólares de pedágio para efetuar a travessia que dura umas 6 horas. Esse valor varia com o tamanho do barco, claro. Um veleiro como o que viajamos da Colômbia para cá paga 1000 dólares. Um nadador americano que cruzou o canal na década de 20 pagou um dólar.

Dois enormes cargueiros preparam-se para deixar o Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá

Dois enormes cargueiros preparam-se para deixar o Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá


Mas, voltando à história, é claro que a sociedade panamenha não ficou feliz com os termos do acordo, principalmente a cláusula da perpetuidade. Quem ficaria, né? Os movimentos nacionalistas foram ganhando corpo e chegaram ao ápice em 64 quando, em grandes conflitos, vários manifestantes foram mortos. Negociações foram abertas e, finalmente, em 1977, os EUA se comprometeram a entregar a soberania do canal ao Panamá até o final do século. Assim, desde o anos 2000, o Panamá passou a controlar o canal que corta o seu território.

Cargueiro chega ao Oceano Pacífico, após atravessar o Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá

Cargueiro chega ao Oceano Pacífico, após atravessar o Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá


E uma das primeiras decisões do país foi aumentar o Canal, construíndo novas eclusas, mais largas e profundas. As obras estão à todo vapor, inclusive com muitas empreiteras brasileiras. O objetivo é possibilitar que navios PosPanamax também possam passar por lá (pagando polpudos pedágios, claro). Assim, em 2014 os limites de 32 metros de largura e 12 metros de calado (profundidade) devem ser razoavelmente aumentados.

Visitando em grande estilo o Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá

Visitando em grande estilo o Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá


Hoje eu e a Ana fomos conhecer essa maravilha. Aqui do lado da Cidade do Panamá estão as eclusas de Miraflores, bem na chegada ao Oceano Pacífico. Ali foi construído um complexo turístico, com um museu meia-boca, um cinema com um filme um tanto ufanista, mas com belas imagens aéreas e informações históricas e, o melhor de tudo, mirantes para se observar a operação do canal, das eclusas e a passagem dos grandes cargueiros por ali. A melhor visão se tem do restaurante de boa comida de onde é impossível não se impressionar com toda aquela engenharia. Os navios passam literalmente raspando nas bordas do canal, puxados por tratores dos dois lados com cordas tensionadas ao máximo para que ele não se resvale nas paredes do canal. A água enche e esvazia os enormes tanques contidos nas eclusas, elevando ou baixando as milhares de toneladas contidas nos navios e suas cargas. Tudo funcionando como um relógio. Ou como um gigantesco brinquedo que movimenta milhões de dólares, para cá e para lá.

Cargueiro carregado de conteineres atravessa eclusa do Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá

Cargueiro carregado de conteineres atravessa eclusa do Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá


Para quem quer conhecer as américas, este é um ponto obrigatório. Um estreito canal construído pelo homem que separou aquilo que a natureza tinha juntado há 30 milhões de anos. A América virou duas, a do sul e a do norte, unidas por duas pontes que atravessam o canal. Adivinha o nome da mais importante delas? Ponte das Américas! É por lá que passaremos em dois dias, no nosso caminho rumo ao norte do continente...

Como sempre, noite movimentada no Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá

Como sempre, noite movimentada no Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá


E, mundo pequeno, adivinha quem encontramos na nossa visita ao canal? Nossos amigos do veleiro! Os australianos Ben e Alex e o alemão Andy, agora acompanhados do irmão mais novo do Ben também aproveitaram o dia de chuva para conhecer o Canal. Amanhã vamos encontrá-los no Casco Viejo, onde estão hospedados.

Mesmo de noite e com chuva, o movimento nunca para no Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá

Mesmo de noite e com chuva, o movimento nunca para no Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá

Panamá, Cidade do Panamá, Canal do Panamá

Veja todas as fotos do dia!

Faz um bem danado receber seus comentários!

Post anterior O feliz reencontro com a Fiona no porto de Manzanillo (Colón), no Panamá

Motorizados Novamente!

Post seguinte Junto com o simpaticíssimo casal do Brasil Cristalino, a Lilian e o Eduardo, comendo sushis pescados e preparados por eles, à bordo da 'casa' deles na Cidade do Panamá

Encontros e Reencontros

Blog da Ana Uma das comportas do Canal do Panamá, ao lado da capital do país, a Cidade do Panamá

Canal do Panamá

Comentários (6)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 11/02/2015 | 16:55 por Tati Rosa

    Oi! aqui vai o endereço do meu blog, que é sobre viajar com crianças: http://filhotesviajantes.blogspot.com

    beijinho, espero vcs por lá!
    Tati

    Resposta:
    Oi Tati

    Muito obrigado!

    Vou visitar com certeza!

    Abs

  • 07/02/2015 | 19:49 por tati Rosa

    Estamos planejando nossa viagem para a capital panamenha e fiquei imensamente feliz em ler a historia escrita tão claramente por aqui. Obrigada por facilitar a minha compreensão do que vamos ver!!!!
    Depois passa lá no blog para ver nossa trip tb (que vai ser só em março).
    Tati

    Resposta:
    Oi Tati

    Legal que o blog tenha te ajudado!

    Depois, me passa o endereço do seu blog para eu poder acompanhar vcs!

    Abs e boa viagem!

  • 07/09/2014 | 18:41 por Ana Friedl

    Gostaria de saber se vocês atravessam panamá , Costa Rica . E se sim direto ? Onde ficar San Jose ?
    Abs

    Resposta:
    Oi Ana

    Atravessamos sim, na ida e na volta. E não foi direto não! Nós aproveitamos para viajar bastante nesses dois países. Os relatos estão no site

    Costa Rica: http://www.1000dias.com/rodrigo/costa-rica/
    Panamá: http://www.1000dias.com/rodrigo/panama

    E tem também os relatos da Ana!

    Abs

    P.S Em San Jose ficamos no KAS Hostel

  • 13/01/2014 | 11:13 por THALES

    Parabéns Ana e Rodrigo.

    Estou querendo fazer minha Lua de Mel ai no Panamá, achei aquela ilha de San Brás o máximo.

    Estou pensando em ir dia 05/03 e retornar 10/03/14.

    Vcs sabem como é o clima ai no mês de março e quanto seria o custo estimado sem as passagens aéreas?
    Abs

    Resposta:
    Oi Thales

    Desculpe a demora em responder. Tivemos um problema no nosso site a seu comentário ficou perdido lá atrás. Que pena! Vc foi para o Panamá e San Blás? Espero que sim, pois aquelas ilhas são MARAVILHOSAS!

    Não estou certo sobre o clima, mas me parece que é bom. Já o custo da passage, a COPA tem sempre boas promoções.

    Enfim, espero que o casamento tenha sido incrível, assim como a Lua de Mel

    Um grande abraço

  • 24/02/2013 | 13:31 por geni vizeu

    Meu sonho de consumo conhecer esta maravilhosa obra ,e fazer uma viagem igualzinha ´de vocês ,que emoção eu senti parecia que estava junto ,parabéns pela viagem e parabéns para o autor do texto detalhista maravilhoso(um dia vou escrever assim),façam um concurso para q eu ganhe esta viagem rsrsrs.Beijos no corazón!

    Resposta:
    Olá Geni

    É mesmo emocionante conhecer o Canal do Panamá, essa obra de que a gente ouve falar desde pequenininho!

    Legal que vc tenha gostado do texto. A gente sempre está tentando melhorar!

    Um abraço para vc

  • 29/11/2011 | 14:32 por Dona Helen

    Hei, Ro
    Grande texto!Explicativo e ilustrado!Didatico tambem.
    Desde dos tempos das aulas de historia, os 2grandes canais
    despertavam a minha curiosidade.Deve mesmo ser um aconte-
    cimento observar o funcionamento..
    Gostei do Anna Smile. Se o armador nao tivesse batisado o
    navio antes, te-lo-ia feito assim depois de conhecer a
    " nossa " Anna! Bjs Mm.

    Resposta:
    Quando o tema é interessante, fica mais fácil fazer um texto informativo!

    Eu também sempre quis conhecer os dois canais. Confesso que fiquei mais impressionado com esse daqui!

    Quanto ao Anna Smile, foi um presente para nós, hehehe. As boas vindas da América Central, continente que estamos apenas começando a conhecer

    Um beijão (estamos adorando a sua fase mais "comentadora"! Vamos ver o que vai achar dos sushis feitos pela Ana...)

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet