0 Espinhos ou Precipício? - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Espinhos ou Precipício? - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Espinhos ou Precipício?

Argentina, Tilcara, Salta

Explorando a Garganta del Diablo, em Tilcara - Argentina

Explorando a Garganta del Diablo, em Tilcara - Argentina


Nosso segundo dia em Tilcara começou com a díficil saída do delicioso hotel. O "Con Los Angeles" é desses que dá vontade de ficar uma semana, lendo um bom livro de tarde no banco do jardim interno, com vista para as montanhas, e tomando um delicioso vinho ao lado da lareira, para enfrentar as noites frias.

Vista do quintal do nosso hotel, em Tilcara - Argentina

Vista do quintal do nosso hotel, em Tilcara - Argentina


Mas nosso destino é seguir em frente! Empacotamos tudo na nossa fiel Fiona e seguimos para as ruínas de Pucara, ao lado de Tilcara. São ruínas de uma antiga cidade indígena pré-incaica que chegou a ter 1.500 habitantes. Ela foi construída em cima de um morro estratégico, de onde se podia controlar todo o fluxo de pessoas que passavam pela Quebrada de Humahuaca. A cidade continuou a florescer mesmo depois da conquista pelos Incas, no século XIV. Mas não resistiu à bárbara ocupação espanhola dois séculos mais tarde. Mortos, escravizados ou "realocados", os habitantes da cidade se perderam no tempo e para trás só ficaram as ruínas de uma cidade que, durante quinhentos anos, havia brilhado em Huamhuaca.

Vista da Quebrada Humahuaca, do alto do El Pucará, em Tilcara - Argentina

Vista da Quebrada Humahuaca, do alto do El Pucará, em Tilcara - Argentina


Caminhando pelo El Pucará, em Tilcara, na Quebrada Humahuaca - Argentina

Caminhando pelo El Pucará, em Tilcara, na Quebrada Humahuaca - Argentina


Caminhar por entre antigas ruas estreitas é uma viagem no tempo e na imaginação. O local vem sendo escavado por arqueólogos há um século e algumas casas e armazéns foram reconstruídos para que tenhamos uma idéia de como era a cidade. Mas a grande maioria do terreno está como o tempo o deixou, apenas a base das paredes em pé. A visão do vale abaixo é absolutamente magnífica, a mesma visão que tinham seus antigos moradores. No ponto mais alto foi construída uma pequena pirâmide que nada tem a ver com a antiga cidade, uma homenagem aos primeiros arqueólogos que exploraram o local. De lá temos a noção exata de Pucara, sua arquitetura, suas antigas ruas, os currais onde guardavam suas lhamas, as montanhas que os cercavam, a natureza de que viviam. Um passeio que vale muito à pena!

Explorando El Pucará, em Tilcara, na Quebrada Humahuaca - Argentina

Explorando El Pucará, em Tilcara, na Quebrada Humahuaca - Argentina


Visitando El Pucará, em Tilcara, na Quebrada Humahuaca - Argentina

Visitando El Pucará, em Tilcara, na Quebrada Humahuaca - Argentina


De Pucara seguimos para outra atração, oito quilômetros montanha acima por uma apertada estrada de terra, a Garganta del Diablo. É um estreito cayon, uma verdadeira garganta, como bem diz o nome, profunda e sombria, por onde corre um riacho que abastece a cidade abaixo. Uma trilha foi criada para se visitar esse canyon e é, ela mesmo, uma atração. Não só pelas vistas que proporciona mas também pela aventura de se percorrê-la. Afinal, quase todo o tempo estamos beirando precipícios de um lado e uma íngreme encosta do outro. Essa encosta é recoberta por um terreno sem nenhuma firmeza e também por uma vegetação totalmente espinhenta. Até a grama é cheia de espinhos! Como diria um querido irmão, território completamente hostil à presença humana.

No alto do canyon Garganta del Diablo, em Tilcara - Argentina

No alto do canyon Garganta del Diablo, em Tilcara - Argentina


Bom... hostil mas muito belo! Eu e a Ana seguimos por ele, fotografando e admirando a incrível paisagem. Buscando os melhores pontos para fotos eu seguia aqui e ali algumas trilhas "alternativas", sempre com o devido cuidado. Pois não é que, numa delas, ao resvalar meu pé na grama que normalmente é mole, levei um belo de um tropeção. Se fosse em outro lugar qualquer, simplesmente daria outro passo para frente, em tempo para não cair. Mas, nesse caso, uma passo para frente significaria 30 metros para baixo. Nesse meio segundo que durou algumas horas na minha mente, as opções eram bem claras: um salto no vazio ou me estatelar nos espinhos logo abaixo, os mesmos que me derrubaram. Não foi uma escolha difícil, né? E assim, enchi minhas mãos de espinhos...

Um minuto depois dessa foto na Garganta del Diablo, em Tilcara - Argentina, quase rolei desfiladeiro abaixo

Um minuto depois dessa foto na Garganta del Diablo, em Tilcara - Argentina, quase rolei desfiladeiro abaixo


Alguns, consegui tirar ali mesmo. Outros, uma esbaforida, assustada e irritada Ana, que assistiu o tombo de camarote, me ajudou a tirar. Mas a maioria ficou ali mesmo, bem alojados na minha pele, meus novos companheiros de viagem, lembranças de uma inesquecível trilha na Garganta del Diablo. O tempo e minha pele se encarregarão de expulsá-los, com ou sem a ajuda de uma boa pinça e agulha...

Voltando da Garganta del Diablo, em Tilcara - Argentina

Voltando da Garganta del Diablo, em Tilcara - Argentina


De volta ao carro, viagem para Salta. Primeiro, o belo trecho até Jujuy, que na vinda tínhamos feito de noite e com neve. Depois, caminho alternativo para Salta, por uma curvilínea estrada que mais parecia um caminho de bicicletas. Mas a paisagem era linda, cortando parques, matas e uma região totalmente bucólica e campestre. Um bom trecho nos lembrou bastante a Estrada das Paineiras, no Rio. Sem o mar ao longe, claro!

Chegando pela Corniza em Salta - Argentina

Chegando pela Corniza em Salta - Argentina


Já era de noite quando chegamos à Salta, nossa primeira metrópole no país dos hermanos. Com a ajuda do nosso GPS e de um trânsito bem organizado, chegamos logo à Plaza 9 de Julio, no centro. Ali nos instalamos no Victoria Plaza, nossa casa nos próximos dias. Programas não faltam por aqui e nas redondezas. Programas e obrigações! A Fiona está fazendo 50 mil km e vai fazer aqui sua primeira revisão no estrangeiro!

Chegando em Salta - Argentina

Chegando em Salta - Argentina

Argentina, Tilcara, Salta,

Veja todas as fotos do dia!

Faz um bem danado receber seus comentários!

Post anterior Montanhas coloridas em estrada que atravessa a Quebrada de Humahuaca - Argentina

Quebradas

Post seguinte Vista de Salta - Argentina, do alto do Cerro San Bernardo

Passeando em Salta

Blog da Ana Vegetação espinhosa em El Pucará, em Tilcara, na Quebrada Humahuaca - Argentina

Ruínas de Pucara

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet