2 St Georges à Cayenne - Blog da Ana - 1000 dias

St Georges à Cayenne - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

St Georges à Cayenne

Guiana Francesa, Saint Georges, Cacao, Cayenne

Caixas de correio em estrada rural na região de Cacao, na Guiana Francesa

Caixas de correio em estrada rural na região de Cacao, na Guiana Francesa


St Georges está na fronteira, mas já podemos notar claramente que não estamos mais no Brasil. A arquitetura colonial francesa, a organização e limpeza nas ruas nos faz lembrar que chegamos em território europeu, em plena América do Sul.

Nosso hotel em Saint Georges de L'Oyapoque, na Guiana Francesa

Nosso hotel em Saint Georges de L'Oyapoque, na Guiana Francesa


“A cidade é pequena, todos se conhecem”, nos conta uma brasileira que vive aqui há 10 anos. Grande parte das pessoas que vivem em St Georges está ligada aos serviços do governo francês, só na PAF (Policie aux Frontiere) são mais de 60 policiais, sem contar o exército, aduana, etc. Todos os postos são ocupados por franceses vindos da metrópole e não guianeses. Ela veio para St Georges com apenas 17 anos em uma época que era menos rigorosa a fiscalização e logo conseguiu se legalizar. Não foi fácil acostumar com a vida em uma cidade pequena, aprender outra língua (francês e creole) e outra cultura, mas ela está feliz com o resultado: além de criar um filho de 8 anos, já conseguiu construir a sua casa em St Georges e comprou uma casa para sua família em São Luis.

Monumento na praça central da pequena Saint Georges de L'Oyapoque, na Guiana Francesa

Monumento na praça central da pequena Saint Georges de L'Oyapoque, na Guiana Francesa


Nas ruas é fácil notar a grande mescla cultural que forma a população do guianense. São negros vindos do Caribe, Haiti, República Dominicana e antigos escravos trazidos da África ou fugidos do Brasil na época da colônia, assim como índios, laosianos, brasileiros, franceses, chineses, entre outros. O Brasil possui a mesma diversidade, sim, mas ela está espalhada e dividida no imenso território, aqui a população total é em torno de 200 mil pessoas, a maioria vive entre Cayenne e Korou, então o contraste entre as diversas nacionalidades fica muito mais claro.

Chegando na pequena Cacao, na Guiana Francesa

Chegando na pequena Cacao, na Guiana Francesa


Continuamos nossa viagem de St Georges para Cayenne passando por uma pequena vila chamada Cacao. Um vilarejo Hmong, grupo vindo do Laos na década de 70, fugidos da guerra do Vietnam. Os Hmong são os maiores produtores de hortaliças e frutas da Guiana Francesa, produção que é toda consumida internamente.

Arquitetura típica do Laos, cujos imigrantes fundaram Cacao, na Guiana Francesa

Arquitetura típica do Laos, cujos imigrantes fundaram Cacao, na Guiana Francesa


A vila fica em uma região montanhosa, em meio á vales e rios de água clara e florestas úmidas tropicais. Ali peto fica um dos melhores trekkings da Guiana, segundo o nosso guia de viagens, mas infelizmente pudemos explorar pouco a região, já que a chuva continuava intensa.

Vista de Cacao, na Guiana Francesa

Vista de Cacao, na Guiana Francesa


Seguimos viagem pela sinuosa estrada, por entre matas preservadas e riachos, para chegar à Cayenne. Fomos parados pela polícia rodoviária e logo tiramos mais uma das aflições de Rodrigo da nossa cabeça, o de não termos recebido um papel de importação temporária na aduana francesa, eles disseram não precisar. O policial nos pediu documentos e os nossos brasileiros foram suficientes. Eram pouco mais de 3 horas da tarde e estávamos ansiosos para chegar, buscarmos informações sobre a abertura dos consulados brasileiro e surinamês, acessarmos a internet, etc. Acabamos nos instalando em um dos melhores hotéis da cidade, não é caro se comparado com o Brasil e possuía vagas em um período de carnaval. Logo descobrimos que não poderíamos ter feito melhor opção, além de estarmos bem no centro de Cayenne, o staff é super atencioso e foi muito prestativo fornecendo informações e contatos que devem nos ajudar a resolver a situação.

O antigo Palácio dos Jesuítas, em Cayenne, na Guiana Francesa

O antigo Palácio dos Jesuítas, em Cayenne, na Guiana Francesa


Aproveitamos ainda o pouco de dia que nos restava e fomos conhecer a Place Léopold Héder e o Fort Cépérou. Este ainda está em funcionamento, portanto possui uma grande área restrita, zona militar, mas tem também uma pequena área que pode ser visitada, ainda que pareça estar completamente abandonada. Lá do alto conseguimos finalmente enxergar o mar e praticamente toda a cidade. Rodeada por mangues, Cayenne não possui uma orla de rio ou praias, deixando este papel para os distritos vizinhos a leste.

No alto de colina em Cayenne, com o mar ao fundo, na Guiana Francesa

No alto de colina em Cayenne, com o mar ao fundo, na Guiana Francesa


Embora pareça tranquilo, o dia de hoje acabou sendo meio tenso, já que passamos cada minuto conjecturando todas as possibilidades que tínhamos de resolver os problemas com vistos e o meu passaporte. E se não eu conseguir o visto do Suriname? E se eu não conseguir um passaporte temporário no Consulado Brasileiro? E se? Como eu disse, o Ro adora se preocupar, mas só poderemos mesmo ter certezas na segunda-feira cedo, quando as coisas devem funcionar e temos esperanças dos consulados abrirem. Até lá, dedos cruzados e pensamentos positivos, pois aparentemente fácil foi entrar na Guiana, difícil será sair!

Guiana Francesa, Saint Georges, Cacao, Cayenne,

Veja mais posts sobre

Veja todas as fotos do dia!

Comentar não custa nada, clica aí vai!

Post anterior Monumento que marca o início do Brasil, em Oiapoque - AP

Aqui começa o Brasil!

Post seguinte Fantasia de carnaval em Cayenne, na Guiana Francesa

Carnaval a Cayenne

Blog do Rodrigo O antigo Palácio dos Jesuítas, em Cayenne, na Guiana Francesa

Nous Sommes à Cayenne

Comentários (10)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 15/02/2016 | 17:53 por Carlos Mota

    Estou interessado em conhecer Caiena. Tão próximo e barato saindo da minha cidade, Belém. Se houver praia, então, quero mais nada rsrsr!

  • 19/09/2014 | 05:32 por Roberto Fasano

    Tenho vontade fazer uma viagem semelhante. Gostaria de ir à Guiana Francesa, ao Suriname e à Guiana e, se possível entrar na Venezuela. Se não for possível, voltar por Roraima. Mas ainda estou apenas conjecturando e buscando conhecer algumas coisas. Se puder me dar algumas dicas ficarei muito grato.

    Resposta:
    Oi Roberto! Se você for de carro só tem que verificar se a ponte entre Oiapoque e St Georges já foi liberada, ela está pronta mas não estavam liberando pela burocracia e tal. Para a Guiana Francesa você precisa tirar visto em SP, se for de onibus e mochila é uma aventura e tanto, principalmente na reta final entre Georgetown e o Brasil. Nós ouvimos de um guia guianes na Venezuela que existem alguns barcos que transportam passageiros entre os dois países, mas as fronteiras ali estão oficialmente fechadas, pois a Venezuela reclama este território. Na nossa experiência você teria que ir de Georgetown até Boa Vista, Roraima, para daí subir até a Venezuela novamente. Vai que essa aventura é das boas, países tão próximos e com culturas tão diferentes da nossa. =) Boa viagem! Bjs

  • 11/09/2013 | 13:36 por CESAR SILVA

    Saudades, muitas sasudades de tudo e de todos. Ao ver essas fotos me coração salta e vibra. São muito fortes

    Resposta:
    Obrigada Cesar, agora fiquei curiosa, você viveu em Cayenne?! Abs!

  • 23/03/2013 | 08:47 por Jose Mendes

    Gostei muito de todos cometarios e suas aventuras. Continuen assim pois tambem quero fazer uma viagem assim. Eu tenho uma pousada na cidade de nova vicosa-Bahia Brasil, mas moro em Londres-Inglaterra.
    Eu rodo todo ano na europa. Saio de Londres corto a franca,belgica,alemanha,hungari,slovakia,republia chz,holnda e de volta a Inglaterra. Bom Ana E Rodrigo gostaria de uma informacao de voces. Eu tenho aqui em Londres uma nissan navara ( no Brasil nissan frontier)gostaria de rodar o sul da america tambem passando por guiana,Brasil e mais paises. Pois minha namorada e da Estonia e estamos loucos para fazer esta aventura. Bom quanto ao meu carro ser Ingles, voce sabe se eu teria problema em entrar da quiana francesa para o Brasil depois voltar e continua para surime e guyana inglesa ate venezuela. Minha maior preocupacao e a receita do Brasil,pois outros paises nao seria tao dificil.
    Por ser um carro europeu tenho medo que a receita do Brasil crie problems.

    Resposta:
    Olá José! Já encontramos viajantes europeus viajando pelo Brasil com o carro deles e acho que não tiveram problema algum. Não tenho certeza dos tramites, mas normalmente é uma permissão para o veículo tirada na aduana de fronteira mesmo. Só uma dúvida, você enviaria o seu carro daí para algum porto do Brasil? Isso sim parece ser problema... os portos lá são uma novela, burocracias que podem deixar teu carro preso por 2, 3 meses! Se quer começar lá pelas Guianas talvez valha a pena vc tentar enviar o carro da França para a Guiana Francesa, pois eles sempre tem navios vindo da Europa para abastecer o estado. Enfim, tem que pesquisar com um despachante aduaneiro europeu como funciona. Precisando de dicas estamos por aqui. Abraços!

  • 30/09/2011 | 21:54 por Gabrielle Alves

    Estou fazendo uma pesquisa sobre a Guiana Francesa e o site de vocês me ajudou a achar coisas muito interessantes e conhecer esse pedaço da Europa em plena América Latina. Parabéns pelo projeto!

    Resposta:
    Oi Gabrielle! Espero que o site ajude na sua pesquisa! Se precisar de mais informações e pudermos ajudar é só avisar! Beijos e bem vinda!

  • 25/04/2011 | 21:13 por Cynthia e Eduardo (Expedição Bordas do Brasil)

    Oi Ana e Rodrigo, parabéns pelo blog! Adoramos as fotos e o texto sobre a Guiana Francesa.

    Boa viagem para vocês!

    Resposta:
    Olá Cynthia, olá Eduardo! Tb adoramos o site de vocês, já divulguei no site, no facebook e até no blog de turismo da Gazeta do Povo! Vamos manter contato, quem sabe nos encontramos por aí! Boa viagem! beijos!

  • 24/03/2011 | 12:40 por dino

    eu ja ouvir falar muito desta pequena cidade de São gorge na guiana francesa e fiquei encantado com belas culturas estarei la em agosto,espero se bem recebido pelos franceses em forte abraço Dino.

    Resposta:
    Olá Dino! São George fica na fronteira e já fica claro que estamos em outro país, mais engraçado ainda pq é europa! rsrsrs! Ela é bem pequenininha, mas com certeza tem o que explorar como algum passeio pelo rio oiapoque, etc. Bem vindo! Bjs

  • 18/03/2011 | 08:44 por ALBERTO MAGNO

    Eu nunca saí do maranhão, quer dizer fui no Pará uma vez, estou fascinado como o mundo é bonito eu sempre ouvia falar Guiana Francesa, sobre a questão de alguns brasileiros (principalmente Parenses e Maranhenses)irem para lá para o garimpo. Mas não sabia o quão lindo e rica a cultura e as paisagens...Abraços..e vai dá tudo certo...

    Resposta:
    Obrigada pela torcida Alberto! Temos nos surpreendido muito com estes nossos vizinhos que estão tão longe e ao mesmo tempo tão perto. rsrs =) Brasileiro lá na Guiana Francesa e no Suriname é mesmo o que não falta! Beijos!

  • 09/03/2011 | 16:09 por Px

    no se preocupen tanto, las cosas se alinean solas para que todo resulte!, slaudos!

    Resposta:
    Fala isso para o Rodrigo, eita homem ansioso e nervoso! Eu fico nervosa só de ficar ao lado dele! hahaha! beijos!

  • 09/03/2011 | 10:11 por clenilça alves da silva(cleo)

    oi ana, lendo aqui senti sua preocupaçao, mas fica calma que vai dar tudo certo .estou de dedos cruzado desde a agora, pois tambèm quero conhecer g francesa!!!FÈ EM DEUS !!!!amei essas fantasia de carnaval da g francesa ,essas estapas sao lindas!!!!!beijos

    Resposta:
    Lindasd e as mais exóticas, sao muitas culturas diferentes em um mesmo país! Engraçado que no sul é difícil alguém pensar em conhecê-los! rsrs! Beijos!

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet