0 Santa Lúcia, a Helena do Caribe! - Blog da Ana - 1000 dias

Santa Lúcia, a Helena do Caribe! - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

Santa Lúcia, a Helena do Caribe!

Santa Lúcia, Castries, Soufriere

Visita à ponta sul de Santa Lúcia, em Vieux Fort

Visita à ponta sul de Santa Lúcia, em Vieux Fort


Santa Lúcia, também conhecida como a “Helena de Tróia do Caribe”, já trocou de bandeira e administração entre a França e a Inglaterra 14 vezes! Antes dos franceses aportarem em “suas” novas terras, os indígenas caribes também já haviam expulsado os arawaks, que já habitavam a ilha há mais de 2 mil anos.

Praia de Soufriere, no sul de Santa Lúcia, no Caribe

Praia de Soufriere, no sul de Santa Lúcia, no Caribe


Soufriere e os coqueirais, no sul de Santa Lúcia, no Caribe

Soufriere e os coqueirais, no sul de Santa Lúcia, no Caribe


Esse troca-troca fez de Santa Lúcia uma mescla especial, adicionando ainda neste caldeirão cultural a força e o ritmo dos africanos trazidos para trabalhar nas plantações de cana de açúcar. Embora inglês seja o idioma oficial, o Patois (leia-se “pátoa”), ou “french creole” é falado por 95% da população. No mapa do país cidades e marcos geográficos possuem nomes franceses, pronunciados com sotaque inglês “apatoado”.

Vista de Castries, capital de Santa Lúcia

Vista de Castries, capital de Santa Lúcia


Vista para a Piton do nosso hotel em Soufriere, no sul de Santa Lúcia, no Caribe

Vista para a Piton do nosso hotel em Soufriere, no sul de Santa Lúcia, no Caribe


A capital e maior cidade da ilha é Castries, seguida por Vieux-Fort ao sul, aonde chegam os principais vôos internacionais. Castries é a sede do governo e econômica do país, recebe os vôos entre ilhas caribenhas e barcos vindos de outras ilhas. Chegamos de ferry-boat, pegamos um táxi direto ao aeroporto para alugar um carro e seguimos para o sul da ilha. Já era tarde, mas tiramos o dia para deslocamentos. No caminho para Soufrière subimos e descemos montanhas, vimos o sol se por entre as árvores da mata tropical e perdemos lindas vistas das baías de Marigot e Canaries. Saberíamos que valeria a pena, amanhã queríamos acordar e estar em mais um desses pedaços de paraíso na terra.

Dirigindo em Soufriere, região das montanhas Piton, no sul de Santa Lúcia, no Caribe

Dirigindo em Soufriere, região das montanhas Piton, no sul de Santa Lúcia, no Caribe


No caminho cruzamos Anse La Raye, uma vila de pescadores conhecida por suas feiras e festas animadas. A rua estava fechada para carros. Famílias, jovens e crianças circulavam animados, muita música e bebida embalava o a noite de domingo. Olhamos em volta e não encontramos nenhum turista, nenhum mulato, muito menos um branco. Por um momento parecia que havíamos nos transportado para a África.

As famosas montanhas Piton, em Soufriere, no sul de Santa Lúcia, no Caribe

As famosas montanhas Piton, em Soufriere, no sul de Santa Lúcia, no Caribe


Chegamos à Soufrière e logo nos hospedamos no Hummingbird Beach Resort, a beira da baía e com preços bem palatáveis, nossa casa pelos próximos 3 dias. Na praia à frente a Power Soca rolava solta e animava os jovens e crianças, na festa que acontece a cada quinze dias na praia de Soufrière Bay. Novamente cruzamos o Atlântico, mas aqui a sensação continuou. Não por acaso todos nos notam, principalmente se eu me deixava embalar pela soca ou pelo calypso, dançando como as mais comportadas delas, mas não como uma branca. A soca é uma dança sensual se não sexual, quase como o funk pancadão carioca. As mulheres empinam o bumbum colocam a cabeça até o chão e sacodem loucamente suas nádegas avantajadas.

Suculentas frutas-pão, no resort Jalousy, em Soufriere, no sul de Santa Lúcia

Suculentas frutas-pão, no resort Jalousy, em Soufriere, no sul de Santa Lúcia


Booma, cantor de Power Soca local nos recepcionou na festa e fez companhia, contando histórias da sua vida de malandragens e viagens. Ele confessa, não quer ver suas filhas dançando assim. Um piton, a cerveja nacional, para entrarmos no clima da festa, enquanto a lua minguante iluminava o suficiente para termos ideia da paisagem que nos aguardava.

A cerveja nacional de Santa Lúcia

A cerveja nacional de Santa Lúcia


Fim de tarde em Soufriere, no sul de Santa Lúcia, no Caribe

Fim de tarde em Soufriere, no sul de Santa Lúcia, no Caribe

Santa Lúcia, Castries, Soufriere, Caribbean, Música, Island Hooping

Veja todas as fotos do dia!

Não se acanhe, comente!

Post anterior Rua de St. Pierre, antiga capital de Martinica, com o Mount Pelée ao fundo

A Histórica Martinica

Post seguinte Uma bela tartaruga durante mergulho em Soufriere, sul de Santa Lúcia, no Caribe

Santa Lúcia Sub!

Blog do Rodrigo Catedral de Fort-de-France, capital da Martinica

Au Voir, Martinica

Comentários (3)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 14/09/2018 | 16:22 por Taina Oliveira

    Olá Ana. Estou fazendo uma pesquisa pra fins estudantis sobre Santa Lúcia e gostei muito dos seus relatos e fotos. Queria poder conversar com você sobre sua viagem para enriquecer mais meu trabalho. Se puder entrar em contato comigo agradecerei. Desde já muito obrigada.

  • 31/03/2015 | 11:36 por Grasiela

    Bom Dia Ana,
    Parabéns pelo blog....
    Uma dúvida: é melhor ir de Barco de Santa Lucia para Martinique ou de aéreo?

  • 01/03/2013 | 16:32 por Rafael Hanemann

    Ana, muito bacana o teu relato sobre Santa Lúcia!!!
    estou me programando para curtir esse pedaço do caribe, mais precisamente partindo de St. Martin e "descendo" para St. Barth, St. Kitts & Nevis, Antigua, Guadaloupe, Dominica, Martinique, Santa Lucia, St. Vincent e por fim Barbados. estou em dúvida sobre fazer alguns deslocamentos via navio (como por exemplo o Lexpress de Isles ou todos trechos por aéreo, via LIAT airlines. e estou estipulando 30 dias para fazer a trip. parabéns pelo Blog!(ainda nem olhei teus outros destinos, vim direto à Santa Lucia. e a clareza das informações, fotos da ilha foram 10.)

    Resposta:
    Delícia de viagem! Nós usamos os barcos entre as ilhas que tinham essa opção, mas você tem que encaixar no roteiro as datas de saídas corretas, principalmente para Dominica, que não tem todos os dias. Agora, se me permite, são muitas ilhas para 30 dias, contando que ainda tem o deslocamento. Vai ser corridão! Esperamos notícias da viagem! Abraços e boa viagem!

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet