0 La Dulce Casa Redonda - Blog da Ana - 1000 dias

La Dulce Casa Redonda - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

La Dulce Casa Redonda

Guatemala, Rio Dulce

O pier da Round House, na região de Livingston, no litoral da Guatemala

O pier da Round House, na região de Livingston, no litoral da Guatemala


Entre a agitada cidade de Rio Dulce e a efervescente cidade garifuna de Livingston existe um mundo paralelo, um mundo de transição, dos que passaram e decidiram ficar às margens do Lago Izabal, do seu irmão caçula, o Golfete, e do rio que vai de encontro com o mar.

Cabana em afluente do rio Dulce, perto de Livingston, na Guatemala

Cabana em afluente do rio Dulce, perto de Livingston, na Guatemala


Um mundo rodeado por água e floresta tropical, repleto de caminhos, rios e afluentes que te levam a outros rios ainda menores e eventualmente uma cachoeira, um santuário de peixes-boi, cavernas ou águas termais. A cada milha ou duas começa uma nova vila, um conjunto de sítios ribeirinhos e ao longe algumas mansões com grandes garagens para suas lanchas potentes e grandes veleiros. Algumas das famílias guatemaltecas mais influentes possuem seu recanto de férias às margens do Izabal e do Rio Dulce, não à toa aqui nenhuma organização criminosa tem espaço.

Uma casa em um pequeno tributário do rio Dulce, no nosso camiho para Livingstone, na Guatemala

Uma casa em um pequeno tributário do rio Dulce, no nosso camiho para Livingstone, na Guatemala


O meio de transporte mais comum são os caiucos, pequenos barcos de madeira movidos por um único remo também de madeira. Os caiucos têm vários tamanhos e podem carregar 5, 10, 15 ou apenas uma pessoa. As crianças mal aprenderam a andar e já aprendem a remar o seu próprio caiuquinho. Ir e vir nas águas do rio é essencial para sobrevivência, troca de bens, suprimentos, trabalho, pescarias e inclusive para a sua liberdade, pois nada mais os conecta a nada, apenas as águas.

Olha o trânsito na frente da Round House, nosso hotel no rio Dulce, região de Livingston, no litoral da Guatemala

Olha o trânsito na frente da Round House, nosso hotel no rio Dulce, região de Livingston, no litoral da Guatemala


Vivenciar este lugar é uma experiência totalmente diferente de Livingston ou de Rio Dulce. Entre o Golfete e o canion é onde se concentram a maior parte dos hotéis interessantes para viajantes que querem relaxar às margens do rio e conhecer como vive esta gente. Gaston havia nos indicado a pousada de seus amigos Dani, holandesa, e Chris e nós já havíamos nos programado para passar uma noite lá no caminho de volta, mas uma noite não foi suficiente.

Chegando de volta ao nosso hotel, depois de muito caiaque, trilha e cachoeira (região de Livingston, na Guatemala

Chegando de volta ao nosso hotel, depois de muito caiaque, trilha e cachoeira (região de Livingston, na Guatemala


Chris foi nos buscar em Livingston e esta carona de barco já pareceu diferente da de vinda, talvez pela rica experiência que acabávamos de ter com os amigos garifunas, talvez pela nova energia que estava por vir. Quando desembarcamos na Round House eu já sabia que nao iria querer ficar ali apenas uma noite. A paz deste ambiente tão silencioso, anfitriões tão interessantes somaram-se a boas conversas regadas a cervejas geladas intercaladas com banhos de rios e pores do sol dourados, vendo os caiucos passarem tranquilos em frente a palapa à margem do rio.

Maravilhoso entardecer sobre o rio Dulce, em frente à Round House, na região de Livingston, no litoral da Guatemala

Maravilhoso entardecer sobre o rio Dulce, em frente à Round House, na região de Livingston, no litoral da Guatemala


Com o Chris e seu sócio, donos da Round House, perto de Livingston, no litoral da Guatemala

Com o Chris e seu sócio, donos da Round House, perto de Livingston, no litoral da Guatemala


Com a Dani, uma das donas da Round House, perto de Livingston, no litoral da Guatemala

Com a Dani, uma das donas da Round House, perto de Livingston, no litoral da Guatemala


Um dia resolvemos vencer a preguiça, pegamos o caiaque da pousada e saímos remando. Serena, nossa nova amiga viajante italiana nos acompanhou. Fomos até o próximo afluente, antes das águas calientes e dobramos à esquerda.

Andando de caiaque em afluente do rio Dulce, perto do nosso hotel Round House, na reguão de Livingston, na Guatemala

Andando de caiaque em afluente do rio Dulce, perto do nosso hotel Round House, na reguão de Livingston, na Guatemala


Subimos o rio, remando sob o sol. Buscando cada sombra, acenando a cada caiuco, perguntando da pescaria a cada tiozinho e soltando holas! A todas as crianças curiosas. Logo chegamos ao Hotelito Perdido, outra opção bem indicada por outros viajantes para uns dias no rio. Encontramos Antonie, outro viajante francês que havíamos conhecido na pizzaria da nossa pousada. Tipo interessante, viajado e bem tranquilo.

Reencontrando o Antoine, no pier fo Hotelito Perdido, em um tributário do Rio Dulce, perto de Livingston, na Guatemala

Reencontrando o Antoine, no pier fo Hotelito Perdido, em um tributário do Rio Dulce, perto de Livingston, na Guatemala


A Serena, nossa companheira de caiaque em afluente do rio Dulce, perto de Livingston, na Guatemala

A Serena, nossa companheira de caiaque em afluente do rio Dulce, perto de Livingston, na Guatemala


Continuamos cantando musicas brasileiras e italianas com Serena, passamos por pastos e finalmente o rio pareceu esfriar, sinal de que estávamos mais próximos do fim. Dali Serena voltou, nós estacionamos o nosso caiaque duplo e seguimos a pé, em busca da cascata perdida. Uma pequena cachoeira com um delicioso poço de águas doces e refrescantes em meio à jungla guatemalteca!

A paradisíaca cachoeira perto da Round House, nosso hotel no rio Dulce, região  de Livingston, na Guatemala

A paradisíaca cachoeira perto da Round House, nosso hotel no rio Dulce, região de Livingston, na Guatemala


Refrescando-se em uma bela cachoeira, depois de muito caiaque e uma trilha para lá chegar (perto de Livingston, na Guatemala)

Refrescando-se em uma bela cachoeira, depois de muito caiaque e uma trilha para lá chegar (perto de Livingston, na Guatemala)


As noites eram divertidas, difícil dormir com tanto assunto e boas cervejas vindas direto na nano-cervejaria do Chris, britânico que produz boas pale ales e stouts em uma salinha da sua casa redonda.

Noite regada à tequila, com o Chris, um dos donos da nossa pousada no rio Dulce, região de Livingston, na Guatemala

Noite regada à tequila, com o Chris, um dos donos da nossa pousada no rio Dulce, região de Livingston, na Guatemala


Olha só o tamanhozinho da garrafa de tequila, no bar da Round House, nosso hotel no rio Dulce, região de Livingston, na Guatemala

Olha só o tamanhozinho da garrafa de tequila, no bar da Round House, nosso hotel no rio Dulce, região de Livingston, na Guatemala


Foram dois dias desconectados do mundo, isolados por mata e água em um dos lugares mais especiais que visitamos na América Central.

Guatemala, Rio Dulce, Round House, Lago Izabal, Casa Redonda, El Golfete

Veja todas as fotos do dia!

Não se acanhe, comente!

Post anterior Tentando aprender o envolvente ritmo garifuna em Livingston, no litoral da Guatemala

Blanca, Tambores e Garifunas

Post seguinte Uma das pequenas ilhotas que cercam Utila, ilha no litoral norte de Honduras

Islas de la Baía

Blog do Rodrigo Chegando de volta ao nosso hotel, depois de muito caiaque, trilha e cachoeira (região de Livingston, na Guatemala

Na Casa Redonda

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet