0 Comunidades Amazônicas - Blog da Ana - 1000 dias

Comunidades Amazônicas - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

Comunidades Amazônicas

Brasil, Amazonas, Mamirauá

Casas ribeirinhas na região de Tefé, no Amazonas

Casas ribeirinhas na região de Tefé, no Amazonas


Sempre ouvimos dizer que na Amazônia as estradas são os rios, mas dificilmente imaginamos que assim as ruas são seus afluentes menores, os canos e igapós. Os animais se adaptaram a viver entre as copas das árvores e as águas da floresta alagada na Amazônia, mas e o homem? Quando chegamos é impossível passar por estas comunidades e não se perguntar, como eles vivem tão isolados? Como vieram parar aqui? Como conseguem sobreviver?

Arquitetura típica de uma das comunidades ribeirinhas na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Arquitetura típica de uma das comunidades ribeirinhas na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas


Os ribeirinhos chegaram em diferentes levas em busca de uma oportunidade nos seringais amazônicos. Os ciclos de ocupação destas margens acompanham os ciclos da borracha, no seu auge e no seu declínio. A maioria dos ribeirinhos é originária dos estados vizinhos nordestinos, principalmente Maranhão e Ceará, povo reconhecido por desbravar e ter a coragem de enfrentar adversidades em novas fronteiras.

Visita à comunidade ribeirinha na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Visita à comunidade ribeirinha na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas


Desde a Guiana Francesa, Suriname e os confins de Roraima temos encontrado esta mesma característica nos imigrantes da mineração, construções e atividades correlatas. A sobrevivência na floresta os ensinou sobre o ciclo da vida, dos peixes, da madeira e dos frutos, mas em um ambiente tão rico quanto a floresta amazônica a sensação de que este é um bem infindável não é de toda errada. Mas como a chegada deste novo animal impactou a floresta? A caça e a extração de madeira, a pesca no período da piracema e a produção de lixo mudaram a dinâmica natural da floresta.

Família se diverte durante nossa visita à comunidade localizada na Reserva de Mamirauá, perto de Tefé, no Amazonas

Família se diverte durante nossa visita à comunidade localizada na Reserva de Mamirauá, perto de Tefé, no Amazonas


Somos parte integrante da natureza, não estamos isolados dela.

Garoto nos observa durante visita a uma das comunidades ribeirinhas na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Garoto nos observa durante visita a uma das comunidades ribeirinhas na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas



Vila Alencar



Visita à comunidade ribeirinha na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Visita à comunidade ribeirinha na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas


Hoje é dia de visita a uma comunidade ribeirinha. Depois do café da manhã subimos no nosso único meio de transporte, o barco, e seguimos para a Comunidade Vila Alencar. Uma vila com não mais de 20 casas suspensas, tipo palafitas, uma escola, um barzinho palafita e até um curral flutuante! A vida desses brasileiros teve que se adaptar ao ritmo da floresta, 6 meses seca, 6 meses inundada. A visita foi guiada pelo Manuel, simpático morador que nos mostrou as curiosidades da vila.

Um dos habitantes locais nos recebe na escola de uma das comunidades ribeirinhas na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Um dos habitantes locais nos recebe na escola de uma das comunidades ribeirinhas na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas


Arquitetura típica de uma das comunidades ribeirinhas na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Arquitetura típica de uma das comunidades ribeirinhas na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas


Há pouco foi instalada uma caixa d´água comprada com a verba dos projetos desenvolvidos pelos moradores junto com o Instituto Mamirauá e quem faz o orçamento e define as prioridades de investimento são os próprios moradores.

Nosso guia nos mostra crânios de jacaré durante visita à comunidade localizada na Reserva de Mamirauá, perto de Tefé, no Amazonas

Nosso guia nos mostra crânios de jacaré durante visita à comunidade localizada na Reserva de Mamirauá, perto de Tefé, no Amazonas


Na escola as turmas reúnem crianças de várias idades. Uma escola simples, quase sem carteiras e cadeiras, mas com todos os cartazes e beabás que as crianças precisam para aprender a ler e escrever. A aula do Ensino Médio acontece via satélite pela televisão, é o Telecurso 2000.

Visitando a escola de uma das comunidades ribeirinhas na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Visitando a escola de uma das comunidades ribeirinhas na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas


Quando perguntamos se gostam mais da seca ou da cheia, a maioria responde que prefere a seca, quando eles têm praias e podem jogar futebol. É, posso imaginar, note na foto abaixo o campinho alagado.

Completamente alagado na época das cheias, o campo de futebol de uma das comunidades ribeirinhas na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Completamente alagado na época das cheias, o campo de futebol de uma das comunidades ribeirinhas na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas


Não é só o campinho que alaga, mas também toda a área semeável, o que dá apenas 6 meses para que as comunidades plantem sua mandioca, milho ou hortaliças. Já foram feitos alguns estudos e tentativas de hortas hidropônicas flutuantes, mas aparentemente elas não funcionaram. Já o curral vai muito bem e inclusive serve como um pequeno reservatório de mudas para as bananeiras que serão plantadas no próximo verão.

Um pequeno curral flutuante, que funciona durante a cheia do rio, em comunidade localizada na Reserva de Mamirauá, perto de Tefé, no Amazonas

Um pequeno curral flutuante, que funciona durante a cheia do rio, em comunidade localizada na Reserva de Mamirauá, perto de Tefé, no Amazonas


Enquanto isso ao nosso redor as crianças brincavam tranquilas, sem nem pensar nos amigos jacarés e piranhas que habitam esses rios. Aqui é lei, uma criança aprende a nadar antes mesmo de andar! No final da visita ainda fizemos uma parada na lojinha de artesanatos da vila onde nos esbaldamos em colares, penas e escamas de pirarucus, ótimas lixas de unha.

Encontro com jacaré em rio em frente à Pousada Uacari, na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Encontro com jacaré em rio em frente à Pousada Uacari, na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas


Voltamos à pousada para o almoço e logo estamos novamente nos rios, mas agora em pequenas canoas guiados pelo guia indígena Izael. Ele é de uma tribo próxima, se apaixonou por uma moça lá da Vila Alencar e acabou vindo morar aqui, dentro do Mamirauá.

Entrando de canoa na floresta alagada, na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Entrando de canoa na floresta alagada, na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas


O conhecimento empírico desse menino é incrível, ele tem os olhos e os ouvidos treinados no dia a dia da floresta. Enquanto nos localizamos pelo número de quadras, aquele semáforo ou tantas lombadas, ele sabe exatamente em que tipo de árvore deve virar, qual é mata que estamos atravessando e aonde os bichos devem morar.

Durante passeio na floresta alagada, nosso guia nos mostra árvore repleta de formigas em seu interior, na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Durante passeio na floresta alagada, nosso guia nos mostra árvore repleta de formigas em seu interior, na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas


Passeio na floresta alagada na Reserva de Mamirauá, perto de Tefé, no Amazonas

Passeio na floresta alagada na Reserva de Mamirauá, perto de Tefé, no Amazonas


Passeamos a tarde toda com Izael pelas trilhas do Pagão, um trecho da Apara e Cano do Zeca. Vimos muitos macacos de cheiro comum e da cara preta, pequenininhos fazem sons agudos quase como passarinhos. O prego já é um pouco maior, brincalhão, bem preto e espuleta. O guariba ou bugio é grande, pesadão e muito barulhento, com seus uivos assustadores. Faltou apenas o afamado Uacari, macaco loiro da cara vermelha. Parece que a estrela da reserva está fugindo dos holofotes.

Macaco salta entre árvores sobre nossas cabeças durante passeio à floresta alagada, na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Macaco salta entre árvores sobre nossas cabeças durante passeio à floresta alagada, na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas


Fim de tarde na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Fim de tarde na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas



Clique aqui para voltar ao post índice.

Brasil, Amazonas, Mamirauá, Comunidade, Amazônia, Instituto Mamirauá, Reserva Sustentável do Mamirauá, Vila Alencar, Ribeirinhos

Veja mais posts sobre Comunidade

Veja todas as fotos do dia!

Comentar não custa nada, clica aí vai!

Post anterior O maravilhoso reflexo do céu nos rios que cortam a Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

A Chuva Amazônica

Post seguinte Entrando de canoa na floresta alagada, na Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Uacari-Branco

Blog do Rodrigo O maravilhoso reflexo do céu nos rios que cortam a Reserva do Mamirauá, região de Tefé, no Amazonas

Os Passeios na Floresta Alagada

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet