0 As Baleias de BC - Blog da Ana - 1000 dias

As Baleias de BC - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

As Baleias de BC

Canadá, Port Hardy

Baleia usa nadadeiras para empurrar peixes para a sua boca aberta, durante passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Baleia usa nadadeiras para empurrar peixes para a sua boca aberta, durante passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


A costa da British Columbia é uma das principais rotas de passagem de ao menos três espécies de baleias nas suas migrações entre o Pacífico Sul e os mares do Alasca. As principais espécies encontradas são as baleias cinzentas, as orcas e as baleias jubarte.

Primeira baleia avistada no passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Primeira baleia avistada no passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


A baleia cinzenta, ou gray whale, nesta época já passou por aqui a caminho da Baja Califórnia (México). Nós as encontramos na nossa passagem por lá, enquanto amamentavam e cuidavam de seus filhotes nas águas quentes de Puerto Lopez Mateos e Loreto. Desde então elas já vieram percorreram mais de 8 mil quilômetros para se alimentar nos mares de Bering e de Chukchi no norte e agora já estão no caminho de volta.

Movimentação de baleia atrai muitos pássaros durante passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Movimentação de baleia atrai muitos pássaros durante passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


A segunda espécie na verdade não é de baleias, mas sim de golfinhos! O maior espécime de golfinho encontrado ao redor de todo o mundo é a orca, também chamada de baleia-assassina oi killer whale, embora de baleia só tenha o tamanho e a fama. A grande rainha dos mares há muito tempo faz parte da vida, das lendas e simbologias das primeiras nações que habitam esta costa. As orcas são rápidas, caçam em grupo e possuem um sistema de comunicação super avançado. Estão no topo da cadeia alimentar marinha, ao lado dos grandes tubarões. O que poucos sabem é que existem vários tipos de orcas e três deles podem ser observados aqui na costa da British Columbia: as residentes, as transientes e as offshore, que vivem no mar aberto.

As magníficas paisagens de Telegraph Cove, em Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

As magníficas paisagens de Telegraph Cove, em Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


As residentes, como o próprio nome diz, vivem aqui nesta costa, principalmente na região entre a Ilha de Vancouver e o continente. Elas se alimentam quase que exclusivamente de peixes e seu preferido é o salmão. Vivem em clãs relacionados geneticamente, famílias com em torno de 20 indivíduos, reconhecidos também pela linguagem exclusiva que desenvolvem nesta relação.

'Sopro' de baleia quase acerta pássaro, em passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

"Sopro" de baleia quase acerta pássaro, em passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


As orcas “offshore” são avistadas em grupos de 30 a 60 indivíduos e acredita-se que sua dieta é primariamente composta também por peixes. Já as transientes, ou que vivem em trânsito, não possuem um local fixo ou padrão no seu movimento pelos mares e podem ser avistadas a qualquer momento sozinhas ou em grupos de até 5 ou 6 orcas. Essas são as famigeradas baleias assassinas, que vemos em documentários se alimentando de várias espécies de mamíferos marinhos como focas, leões marinhos, golfinhos, porpoises e até outras espécies de baleias! Em uma orca encontrada morta no Alasca, chegaram a descobrir restos de um alce dentro do seu estômago! Pelo jeito ele causou uma bela indigestão! Rsrs!

Enorme carregamento de madeira passa atrás de baleia durante passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Enorme carregamento de madeira passa atrás de baleia durante passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


O terceiro grupo de baleias que pode ser avistado aqui na British Columbia é a nossa velha conhecida baleia jubarte, ou humpback whale. As jubartes cruzam essas águas ainda em busca de alimentos durante a sua longa migração entre o Ártico e a Antártida. Elas são consideradas os mamíferos mais viajados do planeta, com uma migração estimada em mais de 25 mil quilômetros! São imensas, medem entre 12 e 16 metros e podem chegar a mais de 36 toneladas. A sua pesca quase as levou à extinção, porém desde 1966, quando foi proibida a caça de baleias, vem recuperando seu número e hoje a população mundial é estimada em 80 mil indivíduos, sendo em torno de 18 a 20 mil apenas no Pacífico Norte.

Movimentação de baleia atrai muitos pássaros durante passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Movimentação de baleia atrai muitos pássaros durante passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


No Alasca as empresas de whale watching garantem que encontrarão as baleias, ou seu dinheiro de volta! Aqui já não é garantido e escutamos de várias pessoas que encontrar as humpbacks é uma sorte grande! Nós aceleramos o nosso passo na saída do ferry em Port Hardy, para conseguir pegar o último grupo de avistamento de baleias no Telegraph Cove. Stubbs é empresa mais antiga e tradicional da Ilha de Vancouver, um grupo bem mesclado de alemães, americanos, holandeses e brasileiros foi acompanhado de especialistas, com um destaque especial para Jackie, a bióloga marinha e pesquisadora de jubartes que vive na região.

Depois do passeio das baleias, voltando à Telegraph Cove, em Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Depois do passeio das baleias, voltando à Telegraph Cove, em Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


Telegraph Cove, em Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Telegraph Cove, em Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


Quando nós cruzamos as jubartes na costa atlântica brasileira, normalmente elas já estão acompanhadas de seus filhotes, nadando rumo à Antártida. Os mais sortudos podem vê-las saltando, como vimos de longe na viagem a Abrolhos. Porém aqui a diversão é outra. A melhor época para avistá-las é de maio a outubro e o comportamento especial que esperamos ver é o da alimentação, principalmente o impressionante bubble feeding, quando um grupo de baleias cria uma rede de bolhas para encurralar os cardumes de pequenos peixes e os ataca de baixo para cima, saindo com as bocas imensas para a superfície da água.

Grupo de baleias Humpback nadam em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Grupo de baleias Humpback nadam em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


Conhecendo o comportamento de alimentação desses animais é mais fácil nos aproximarmos e observarmos calma e tranquilamente um dos espetáculos mais lindos da natureza! Cruzamos pelo menos 2 baleias no caminho até encontrarmos Conger. Ele se aproximou de um cardume de pequenos peixes e/ou krill, dieta preferida das jubartes e para a surpresa de Jackie e de todos nós, iniciou um estranho ritual de alimentação. Ele deslocou sua mandíbula, para manter a boca o mais aberta possível, e com a ajuda das nadadeiras, ele empurrava os pequenos peixes para dentro da boca!

Baleia se alimenta durante passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Baleia se alimenta durante passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


A bióloga estava emocionada e impressionada, pois era apenas a segunda vez que ela via esse comportamento alimentar! Ela acredita que Conger está inovando e inventou esta nova modalidade de alimentação! Com o barco desligado assistimos a esta cena abismados, emocionados e completamente realizados, mesmo mantendo os religiosos e ecologicamente corretos 100m de distância, para não atrapalhar o cardume e a comilança do nosso novo amigo.

Baleia experimenta novas técnicas de pescaria com sua enorme boca aberta, durante passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Baleia experimenta novas técnicas de pescaria com sua enorme boca aberta, durante passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


Em seguida recebemos a notícia de um barco pesqueiro que outras 3 baleias foram vistas no fundo da baía e para lá seguimos. Não demora muito e logo as encontramos, com seus esguichos de água, correndo indignadas de um grupo de leões marinhos. Esperem, mas não era qualquer leão marinho, um grupo de Sterlings, o maior leão marinho do mundo, estava atormentando a vida das pobres jubartes. Devem fazer isso para demarcar seu território, proteger a sua pesca e porque assim foram ensinados desde pequenos! As três baleias cantantes batiam em retirada dando sinais claros de frustração, soltando sons como quem diz: “HUNF! Me deixem em paz!!!”. Ah! Vale lembrar que as jubartes são as baleias mais conhecidas por suas curiosas e misteriosas melodias submarinas.

Grupo de baleias Humpback nadam em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Grupo de baleias Humpback nadam em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


Logo ali ao lado fomos conhecer a casa destes gigantes e fedidos leões marinhos. Preguiçosos sobre suas pedras rugiam uns para os outros deixando claro quem era que mandava no pedaço. Rolando de um lado para outro e se movendo lentamente é quase impossível acreditar na sua agilidade dentro d´água! Que o digam as jubartes!

Steller Sea Lions, a maior espécie de leões-marinhos do mundopasseio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Steller Sea Lions, a maior espécie de leões-marinhos do mundopasseio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


Leões-marinhos nadam sob o nosso barco durante passeio em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Leões-marinhos nadam sob o nosso barco durante passeio em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


Curioso foi saber que as humpbacks são menos conhecidas pela comunidade científica do que as orcas, pois são estudadas a muito menos tempo. Ao lado da casa dos sterlings, nós passamos em frente ao centro de pesquisas e observação das orcas no Canadá. A principal sede do centro de observação é aqui em uma das ilhas próximas à Telegraph Cove, justamente por ser o melhor lugar para encontrá-las. Uma pena que não foi hoje.

Grupo de baleias Humpback nadam em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Grupo de baleias Humpback nadam em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


Base de Centro de Estudos de Orcas, em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Base de Centro de Estudos de Orcas, em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


Durante o tour Jackie nos explica como se compõem as populações de cetáceos de BC e aos poucos vai passando todas estas informações que eu estou contado para vocês agora. A sua paixão por estes animais pode ser sentida em cada gesto e cada palavra. O seu trabalho aqui é muito maior do que guiar e acompanhar turistas. Além de catalogar e observar novos comportamentos, seu objetivo é informar, envolver e fazer com que todos estes turistas que passam por aqui conheçam melhor os animais que estão sofrendo com as alterações climáticas, poluição e o descuido do ser humano com o meio ambiente.

Nossa bióloga dá uma pequena palestra ao final do passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Nossa bióloga dá uma pequena palestra ao final do passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


Ao final do passeio ela faz uma palestra e mostra seus potinhos vermelhos com a quantidade de químicos encontradas em diferentes concentrações na camada adiposa das populações de orcas e baleias na costa do Canadá. A expectativa de vida das orcas, principalmente dos machos, está diminuindo absurdamente! As fêmeas não são menos afetadas, o segredo é que elas metabolizam e se livram de parte deste veneno no leite materno, passando direto para os seus bebês, afetando as gerações futuras. Nem preciso falar que perto dos portos e das áreas mais populosas, entre Victoria e a megalópole Vancouver, estão os piores resultados e justamente naquele grupo de orcas residentes. Vocês lembram qual é a principal dieta dessas orcas? Pois é, o mesmo salmão que você está comendo no restaurante chique ou no japonês ali da esquina.

A enorme calda de uma baleia Humpback durante passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

A enorme calda de uma baleia Humpback durante passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá


Agora a temporada de whale watching acabou, não por que as baleias não estejam mais no mar, mas porque o inverno se aproxima, tempestades e o mau tempo se tornam mais frequentes e os turistas trocam o litoral pelas montanhas nevadas. Nós também seguimos viagem, em busca do sol e de novas aventuras aqui na Ilha de Vancouver. Dentro de nós, porém, algo mudou. Uma experiência como esta, tão próxima de um dos seres mais fantásticos dos nossos mares, ficará para sempre marcada nosso coração e na nossa memória.

Enorme 'sopro' de baleia quase acerta pássaro, em passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Enorme "sopro" de baleia quase acerta pássaro, em passeio de barco em Telegraph Cove, na Vancouver Island, na Columbia Britânica, costa oeste do Canadá

Canadá, Port Hardy, baleias, jubarte, Vancouver Island, Telegraph Cove

Veja mais posts sobre baleias

Veja todas as fotos do dia!

Gostou? Comente! Não gostou? Critique!

Post anterior Nascer-do-sol esplendoroso na Inside Passage, chegando à Port Hardy, na Vancouver Island, no Canadá

Canadian Inside Passage!

Post seguinte Celebração do Thanksgiving Day no Strathcona Lodge, ao lado do Buttle Lake, na Vancouver Island, costa oeste do Canadá

Thanksgiving Canadense

Blog do Rodrigo Monumento aos navegadores, em Prince Rupert, na British columbia, oeste do Canadá

Para o Sul e Avante!

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet