0 A Histórica Martinica - Blog da Ana - 1000 dias

A Histórica Martinica - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Ubersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jido)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

A Histórica Martinica

Martinica, Saint-Pierre

Rua de St. Pierre, antiga capital de Martinica, com o Mount Pelée ao fundo

Rua de St. Pierre, antiga capital de Martinica, com o Mount Pelée ao fundo


Cruzamos Martinica do em direção ao grandioso Mount Peleé. Construída por padres jesuítas no início do século XVII, a Route de la Trace liga Fort de France à cidade de Morne Rouge, passando por diversos vilarejos e em meio à uma floresta tropical, bambuzais e lindas vistas das montanhas vulcânicas Pitons du Carbet. No caminho podem ser encontradas algumas trilhas, mas o pouco tempo e o clima chuvoso de hoje não nos encorajou a encarar o Trace des Jésuites, o trekking mais popular na ilha com 5km, 3 horas só de ida.

Viajando pela bela Route de La Trace, no norte d Martinica

Viajando pela bela Route de La Trace, no norte d Martinica


Uma parada rápida na Sacré-Couer de Balata, uma réplica miniatura da homônima parisiense e seguimos em direção à Mourne Rouge, uma das vilas parcialmente destruídas em agosto de 1902 pela erupção do gigante Mount Pelée.

A igreja Sacre Coeur de Balate, muito parecida com a original parisiense, na periferia de Fort-de-France, capital da Martinica

A igreja Sacre Coeur de Balate, muito parecida com a original parisiense, na periferia de Fort-de-France, capital da Martinica


Chegando à Morne Rouge, aos pés do vulcão Soufrière, na Martinica

Chegando à Morne Rouge, aos pés do vulcão Soufrière, na Martinica


Protagonista de um dos maiores desastres da história caribenha e mundial, Mount Pelée hoje é uma montanha verde, pacífica e imponente no norte da ilha de Martinica. Essa sensação de paz poderia ser real se não soubéssemos de sua história recente. Sua erupção em maio de 1902 destruiu a cidade de St. Pierre, então capital da Martinica, matando mais de 30 mil pessoas.

Mosaico bem representativo das erupções do vulcão Soufrière, no interior da igreja de Morne Rouge, ao norte de Martinica, cidade que já foi parcialmente destruída numa erupção

Mosaico bem representativo das erupções do vulcão Soufrière, no interior da igreja de Morne Rouge, ao norte de Martinica, cidade que já foi parcialmente destruída numa erupção


St. Pierre, a Paris das West Indies, era uma cidade culturalmente ativa, seu teatro recebia companhias de ópera francesas e italianas e possuía uma rica aristocracia que dominava a política na região. A história da erupção é impressionante, a vida de homens, mulheres e crianças foram levada em menos de 3 minutos, sem tempo para que pensassem em correr e se salvar.

Estado em que ficou o sino da antiga igreja de St. Pierre, na Martinica, após a trágica erupção de 1902

Estado em que ficou o sino da antiga igreja de St. Pierre, na Martinica, após a trágica erupção de 1902


Caminhando em rua de St. Pierre, antiga capital de Martinica

Caminhando em rua de St. Pierre, antiga capital de Martinica


Poucos sortudos sobreviveram para contar o caso, dentre eles um preso que estava em uma solitária subterrânea e uma menina de 11 anos que conseguiu entrar em um barco e se abrigar em uma pequena caverna na costa. O Rodrigo escreveu um ótimo post com detalhes sobre o momento da erupção, recomendo a leitura!

St. Pierre, na Martinica, antes de ser destruída pela erupção de 1902 do vulcão Soufrière

St. Pierre, na Martinica, antes de ser destruída pela erupção de 1902 do vulcão Soufrière


St. Pierre, na Martinica, logo depois de ser destruída pela erupção de 1902 do vulcão Soufrière, quando morreram 30 mil pessoas

St. Pierre, na Martinica, logo depois de ser destruída pela erupção de 1902 do vulcão Soufrière, quando morreram 30 mil pessoas


Cyparis, protegido pela cela solitária onde estava preso, foi um dos únicos sobreviventes da trágica erupção vulcânica de 1902, que destruiu St. Pierre, na Martinica

Cyparis, protegido pela cela solitária onde estava preso, foi um dos únicos sobreviventes da trágica erupção vulcânica de 1902, que destruiu St. Pierre, na Martinica


Hoje a tranquila cidade, reconstruída sobre as ruínas da antiga St. Pierre, é uma base interessante para os apaixonados por história e pela pacata vida caribenha. Dentre as atrações estão o Museu de St. Pierre, que abriga fotos e objetos encontrados após a erupção, além de boas histórias que te ajudam a remontar aqueles minutos de fúria de Mount Peleé. Ali ao lado, vale uma visita rápida às ruínas do Teatro Municipal, à antiga prisão e Catedral da Pompéia caribenha.

Escultura do antigo teatro de St. Pierre, na Martinica. Parecia antever a destruição trágica da cidade...

Escultura do antigo teatro de St. Pierre, na Martinica. Parecia antever a destruição trágica da cidade...


Ruínas do antigo teatro de St. Pierre, na Martinica, destruído na erupção de 1902

Ruínas do antigo teatro de St. Pierre, na Martinica, destruído na erupção de 1902


Para os mais aventureiros, uma das grandes atrações da região são os mergulhos nos naufrágios do início do século. Nós fomos aos 30m de profundidade para ver o Dalhia, barco que fazia o transporte dos passageiros entre as cidades de Fort de France e St. Pierre, antes da erupção.

Explorando naufrágio da época da erupção de 1902, em St. Pierre, no norte de Martinica

Explorando naufrágio da época da erupção de 1902, em St. Pierre, no norte de Martinica


Explorando naufrágio da época da erupção de 1902, em St. Pierre, no norte de Martinica

Explorando naufrágio da época da erupção de 1902, em St. Pierre, no norte de Martinica


Ele já está bem desmantelado, mas entre seus restos encontramos muitas lagostas, spotted drum fishes e outros peixinhos caribenhos. No mesmo mergulho seguimos para um segundo naufrágio, o Diamant era um navio americano vendido à França após a Segunda Guerra Mundial especializado na instalação de minas submarinas.

Explorando naufrágio da época da erupção de 1902, em St. Pierre, no norte de Martinica

Explorando naufrágio da época da erupção de 1902, em St. Pierre, no norte de Martinica


Boia sinalizadora de local de naufrágio, perdida no azul infinito do mar, em St. Pierre, no norte de Martinica

Boia sinalizadora de local de naufrágio, perdida no azul infinito do mar, em St. Pierre, no norte de Martinica


Ao sul de St. Pierre é onde estão localizados os melhores hotéis e a maioria das operadoras de mergulho. Nós ficamos hospedados no hotel do Le Jardin des Papillons, bom preço e bem localizado.

Nosso hotel em St. Pierre, no norte de Martinica

Nosso hotel em St. Pierre, no norte de Martinica


O restaurante junto ao hotel é delicioso e funciona para o almoço 7 dias por semana. A praia de areias negras é um recanto especial, com águas cristalinas, ótima para um mergulho entre os passeios pelas feiras e os mergulhos na história de St. Pierre.

Mercado de St. Pierre, antiga capital de Martinica

Mercado de St. Pierre, antiga capital de Martinica


No barco de mergulho em St. Pierre, no norte de Martinica, com o Mount Pelée ao fundo

No barco de mergulho em St. Pierre, no norte de Martinica, com o Mount Pelée ao fundo


Tranquila praia de areias escuras ao sul de St. Pierre, no norte de Martinica

Tranquila praia de areias escuras ao sul de St. Pierre, no norte de Martinica

Martinica, Saint-Pierre, vulcão, Mount Pelée, Route de la Trace

Veja todas as fotos do dia!

Quer saber mais? Clique aqui e pergunte!

Post anterior A bela praia Les Salines, em Sainte Anne, no sul de Martinica

As Praias da Martinica

Post seguinte Visita à ponta sul de Santa Lúcia, em Vieux Fort

Santa Lúcia, a Helena do Caribe!

Blog do Rodrigo Prédio histórico de St. Pierre, antiga capital de Martinica

Curtindo St. Pierre

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 21/10/2012 | 21:45 por ivany

    lindas praias,lugar maravilhoso,como o mundo é lindo,parabéns a todos desse lugar!bjus ivany-BRASIL

    Resposta:
    Isso aí Ivany, o mundo eh demais e temos que cuidar dele ;-)

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet