0 O Leste do País e a História Moderna da Islândia - Blog do Rodrigo - 1000 dias

O Leste do País e a História Moderna da Islândia - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

O Leste do País e a História Moderna da Islândia

Islândia, Breidalsvík, Myvatn

Visitando as fontes termais de Hverir, região de Myvatn, no nordeste da Islândia

Visitando as fontes termais de Hverir, região de Myvatn, no nordeste da Islândia


Acordamos meio preguiçosos na pequena Breiðdalsvík, na costa leste da Islândia, entre montanhas e um fiorde de cor azul profunda. O ar, como sempre, é gelado, mas a luz do sol ajuda a esquentar, assim como o café da manhã. O dia está mais ensolarado do que nunca e não podemos nos dar ao luxo de ceder à nossa preguiça. Ainda temos meio país pela frente e poucos dias até nosso voo de volta aos Estados Unidos. Então, de volta ao carro e à estrada!

Nosso hotel em Breidalsvík, no leste da Islândia

Nosso hotel em Breidalsvík, no leste da Islândia


Optamos pela estrada da costa, ao invés da ring road que segue pelo interior, cortando caminho. Queríamos estar, pelo menos durante mais alguns tempo, perto dos fiordes que caracterizam todo esse lado do país. Principalmente num dia lindo como hoje.

Percorrendo os fiordes no leste da Islândia

Percorrendo os fiordes no leste da Islândia


Percorrendo os fiordes no leste da Islândia

Percorrendo os fiordes no leste da Islândia


Assim, pela próxima hora, fomos dirigindo ao lado do mar, passando por cidades pitorescas e tirando nossas fotos. Passamos até por um monumento homenageando um dos primeiros missionários no país, em um local bem fotogênico. O país tem uma história muito interessante, mas vou deixar para contar sobre os primeiros séculos de ocupação humana da Islândia quando voltarmos a Reykjavik, em cujo entorno estão os principais pontos históricos da ilha, como o primeiro parlamento do mundo.

Breidalsvík, no leste da Islândia

Breidalsvík, no leste da Islândia


Dia ensolarado nos fiordes do leste da Islândia

Dia ensolarado nos fiordes do leste da Islândia


Bom, deixo a história antiga para depois, mas adianto a história moderna, fazendo uma inversão cronológica. Dirigir por esses enormes espaços e paisagens sempre nos faz pensar e refletir, e temos lido muito sobre esse país nos últimos dias. A Islândia foi ocupada pelos vikings e nasceu independente. Foi só no seu terceiro século de existência que ela se associou à Noruega, já no séc. XIII. Duzentos anos mais tarde, foi a vez da Noruega se associar à Dinamarca e a Islândia foi de brinde. Essa união de Noruega e Dinamarca durou até 1814, quando o fim das guerras napoleônicas redesenhou as fronteiras da Europa pelos próximos 100 anos. A Noruega ganhou sua independência, mas a Islândia permaneceu ligada à Dinamarca, pelo menos até o fim da 1ª Guerra Mundial, em 1918.

Dia ensolarado nos fiordes do leste da Islândia

Dia ensolarado nos fiordes do leste da Islândia


Deve estar agradecendo a incrível beleza dos fiordes no leste da Islândia

Deve estar agradecendo a incrível beleza dos fiordes no leste da Islândia


Foi quando foi assinado um acordo entre os dois povos. A partir desse ano, e pelos próximos 25 anos, seriam dois países independentes, mas com o rei da Dinamarca reinando sobre ambos e cuidando da política externa dos dois países. Ou seja, a Islândia cuidaria dos assuntos na própria ilha, mas não teria embaixadas espalhadas pelo mundo. Pelo menos até 1944, quando o acordo deveria ser renovado.

Início das highlands islandesas, no nordeste do país

Início das highlands islandesas, no nordeste do país


Pois é, mas antes disso, já na 2ª Guerra, em 1940, Hitler invadiu e conquistou a Dinamarca em apenas um dia, em 9 de Abril de 1940. A Islândia, mais do que rapidamente, não só declarou que era ligada apenas ao Rei Dinamarquês e a ninguém mais do que ele, como se disse neutra naquela guerra. Mas a neutralidade não durou muito. Um mês mais tarde, temendo que os alemães chegassem à ilha, os ingleses se anteciparam e invadiram a Islândia, conquistando-a sem maiores problemas. Afinal, a última vez que o país tinha tido um exército foi quinhentos anos antes! Os ingleses permaneceram por lá apenas até Junho de 41, quando repassaram a ilha à tutela dos Estados Unidos. Isso antes desse país ser atacado pelos japoneses e entrar na guerra. Eram os americanos que estavam no comando quando chegou o ano de 1944, data para rever aquele antigo tratado que ainda ligava a ilha à Dinamarca. Como esse país ainda estava sob ocupação nazista, dá até para imaginar o resultado da consulta popular que foi feita, não é? Mais de 90% da população votou pela instalação da república e pela independência total da Dinamarca.

Início das highlands islandesas, no nordeste do país

Início das highlands islandesas, no nordeste do país


Início das highlands islandesas, no nordeste do país

Início das highlands islandesas, no nordeste do país


E assim continua até hoje. Os americanos se foram logo depois da 2ª Guerra, mas voltaram alguns anos mais tarde, já no contexto da Guerra Fria. Dessa vez, apenas para ocupar algumas bases militares, já que a Islândia era (e é!) membro da OTAN. Ficaram até 2006 e hoje o país vive muito bem sem forças estrangeiras ou exército próprio em seu território. Um exemplo de paz a ser seguido.



E a paz realmente reina por aqui, principalmente desse lado do país onde quase não vive ninguém. Depois de reencontrarmos a Ring Road e seguirmos para o interior, passamos por pequenas estradas que dão acesso às highlands, como é chamado o vasto interior do país, região quase que completamente desabitada. Infelizmente, para nós, é território proibido. Isso porque as companhias de carro não permitem que exploremos essa área, pelo estado das estradas e dificuldade de se conseguir ajuda. Para lá, só com carros tracionados e no verão. Uma pena, pois parece que a paisagem é ainda mais fantástica lá encima. A gente chegou a se aventurar alguns quilômetros em uma estrada de terra, mas só até um mirante. Ali, uma outra placa nos advertia que não deveríamos continuar. Então, de volta ao asfalto...

Fontes termais de Hverir, região de Myvatn, no nordeste da Islândia

Fontes termais de Hverir, região de Myvatn, no nordeste da Islândia


Fontes termais de Hverir, região de Myvatn, no nordeste da Islândia

Fontes termais de Hverir, região de Myvatn, no nordeste da Islândia


Já bem perto do nosso destino final no dia de hoje, a região de Myvatn, fizemos uma última parada. Dessa vez, em uma região de fontes termais, diversas pequenas lagoas de água tão quente que chegava a borbulhar. Ou então, montes de areia de onde jorravam nuvens espessas de vapor. Uma paisagem realmente pitoresca, no meio do nada, indicativo forte da intensa atividade geológica que ocorre embaixo dessa ilha. Esse é outro assunto que vou tratar quando voltarmos a Reykjavik, mas não podemos nos esquecer que a Islândia se localiza justamente sobre o ponto de encontro entre as placas tectônicas da América e da Europa, que estão se separando. Por isso, tantos vulcões, geisers e lagos de água fervente.

Esquentando a mão no vapor quente que sai de fonte termal em Hverir, região de Myvatn, no nordeste da Islândia

Esquentando a mão no vapor quente que sai de fonte termal em Hverir, região de Myvatn, no nordeste da Islândia


Muito vapor e água borbulhante nas fontes termais de Hverir, região de Myvatn, no nordeste da Islândia

Muito vapor e água borbulhante nas fontes termais de Hverir, região de Myvatn, no nordeste da Islândia


Falando nisso, encontramos um enorme lago de águas azuis e esfumaçantes um pouco mais adiante. O dia estava bem frio e a tentação de um mergulho era grande. Mas uma placa não deixava dúvidas: a não ser que quiséssemos ser cozinhados, nada de banho naquele lugar. Acho que nunca tinha visto um lago tão grande como esse só de água quente. É.... estamos mesmo na Islândia!

Encoberta pelo vapor gerado nas fontes termais de Hverir, região de Myvatn, no nordeste da Islândia

Encoberta pelo vapor gerado nas fontes termais de Hverir, região de Myvatn, no nordeste da Islândia


Encoberta pelo vapor gerado nas fontes termais de Hverir, região de Myvatn, no nordeste da Islândia

Encoberta pelo vapor gerado nas fontes termais de Hverir, região de Myvatn, no nordeste da Islândia


De tão quente, está proibido nadar nesse lago em Myvatn, no nordeste da Islândia

De tão quente, está proibido nadar nesse lago em Myvatn, no nordeste da Islândia


Por fim, chegamos a Myvatn. Achamos logo um hotelzinho e fomos procurar um lugar para comer. Acabamos encontrando uma fazenda que tinha seu próprio e delicioso restaurante. Aí, nos esbaldamos em carneiro defumado cru, saladas e tortas deliciosas de sobremesa. Tudo isso com vista para o lago que dá nome à região. Espetacular! E quem diz isso não sou apenas eu, mas o meu estômago, hehehe!

Fazenda e restaurante em Myvatn, no nordeste da Islândia

Fazenda e restaurante em Myvatn, no nordeste da Islândia


O lago termal de Myvatn, no nordeste da Islândia

O lago termal de Myvatn, no nordeste da Islândia

Islândia, Breidalsvík, Myvatn, história, Geiser

Veja todas as fotos do dia!

Comentar não custa nada, clica aí vai!

Post anterior Visita ao lago cheio de icebergs aos pés da geleira Vatnajökull, no Parque de Skaftafell, no sul da Islândia

O Lago Gelado e os Fiordes

Post seguinte Relaxando nas águas quentes do lago natural no Myvatn Nature Bath, no norte da Islãndia

Vulcão, Neve, Banho Quente e Cachoeira

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 10/06/2014 | 18:07 por Ingrid

    Adorei as fotos e a história da Islândia, não a conheço, só fui na Noruega e Dinamarca. Estou acompanhando a viagem de vcs, e curtindo cada postagem!

    Resposta:
    Oi Ingrid

    Nós ainda não conhecemos os países nórdicos (quem sabe quando fizermos os 1000dias por toda a Europa!), mas podemos dizer que a Islândia é maravilhosa e vale bem umas duas semanas de viagem!

    Que bom que vc nos acompanha e está gostando!

    Um abraço

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet