0 O Incrível Cerro Negro - Blog do Rodrigo - 1000 dias

O Incrível Cerro Negro - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

O Incrível Cerro Negro

Nicarágua, León

1000dias no Cerro Negro próximo, à León, na Nicarágua.

1000dias no Cerro Negro próximo, à León, na Nicarágua.


O dia começou com uma visita a um museu bem peculiar. Um museu sobre as lendas e tradições da cidade de León e do país, com representações em painéis, desenhos e grandes bonecos de figuras folclóricas como a "gigantona", uma enorme mulher que percorre as ruas da cidade em busca de um marido. Até aí, tudo bem, já vimos outros muses parecidos. O que faz esse ser difente é que ele ocupa o mesmo espaço onde, durante cinquenta anos, funcionou uma terrível prisão do regime somozista, local em que presos políticos eram barbaramente torturados para delatarem seus companheiros.

Personagens legendárias em museu de León, na Nicarágua.

Personagens legendárias em museu de León, na Nicarágua.


Logo cedo encontramos na entrada desse museu o casal Ardengo (italiano) e Amparo (espanhola) que tínhamos reencontrado ontem de noite. A Ana tinha socializado com eles no Olho de Agua, em Ometepe, e a coincidência nos uniu novamente. A gente combinou de passar o dia de hoje juntos, no museu e depois, no Cerro Negro. No museu, a visita se alterna entre as exposições sobre as personagens folclóricas e os relatos sobre como funcionava a prisão, os métodos de tortura e a dura vida dos presos. Essa mistura de dois assuntos tão distintos deixa nossa mente meio confusa. Não sei se funciona bem...

Visita à antiga prisão somozista em León, na Nicarágua.

Visita à antiga prisão somozista em León, na Nicarágua.


Chegando ao vulcão Cerro Negro próximo à León, na Nicarágua.

Chegando ao vulcão Cerro Negro próximo à León, na Nicarágua.


Daí então seguimos para o Cerro Negro, localizado a 25 km de distância da cidade por estradas rurais. São poucos os que seguem para lá sem guia, mas quem tem boca chega à Roma e nós chegamos! O Cerro Negro é um vulcão em formação, o segundo mais novo do continente, com apenas 150 anos de idade (o que significa um recém nascido, em termos geológicos!). Desde que nasceu, vem tendo erupções regulares, com intervalos de 10 a 15 anos. Algumas bem fortes, cobrindo a cidade de León de cinzas. A última foi no final do milênio passado e já estamos em tempo de uma nova, a qualquer momento.

Pronto para subir o Cerro Negro com a prancha de skibunda (próximo à León, na Nicarágua)

Pronto para subir o Cerro Negro com a prancha de skibunda (próximo à León, na Nicarágua)


Subindo o vulcão Cerro Negro e admirando a bela paisagem das redondezas, próximo à León, na Nicarágua.

Subindo o vulcão Cerro Negro e admirando a bela paisagem das redondezas, próximo à León, na Nicarágua.


Enquanto ela não chega, o vulcão foi transformado numa das maiores atrações turísticas da cidade e do país. Uma trilha batida nos leva através da paisagem desoladora, uma montanha de entulho sem uma única planta, e através de suas encostas até chegarmos dentro de sua cratera. Entramos por um lado que desabou na última erupção, portanto ainda bem abaixo do cume. Ali dentro, fumaça e vapor saem de vários pontos e a rocha é toda pintada de amarelo e branco, ação dos sulfatos e enxofre que saem continuamente da boca do monstro. Por falar em monstro, numa das paredes internas da cratera se destaca a imagem de um enorme gigante, cabeça e mãos despontando, parecendo que tenta se desenterrar. Pelo menos até a próxima erupção, é a mais forte imagem de dentro da cratera.

Observando a emissão de gases dentros da cratera do vulcão Cerro Negro, próximo à León, na Nicarágua.

Observando a emissão de gases dentros da cratera do vulcão Cerro Negro, próximo à León, na Nicarágua.


Explorando a cratera do vulcão Cerro Negro e os pontos de emissão de gases (próximo à León, na Nicarágua)

Explorando a cratera do vulcão Cerro Negro e os pontos de emissão de gases (próximo à León, na Nicarágua)


Na entrada do parque a gente paga as nossas entradas e aluga uma prancha para poder descer o vulcão depois. Para quem tem a coragem e a habilidade, pode descer de pé, uma espécie de snow board nas pedras do vulcão. Para os simples mortais, descemos sentados mesmo, uma versão nicaraguense do nosso skibunda nas dunas de Jeri ou Canoa Quebrada. Subimos o vulcão carregando nossas pranchas, numa trilha de 40 minutos. A deliciosa e rápida descida, essa só dura pouco mais de um minuto, infelizmente.

Dentro da cratera do vulcão Cerro Negro, com a imagem do monstro enterrado, ao fundo (próximo à León, na Nicarágua)

Dentro da cratera do vulcão Cerro Negro, com a imagem do monstro enterrado, ao fundo (próximo à León, na Nicarágua)


A Amparo não quis subir o vulcão, ficando a observar aquele incrível cenário lá de baixo, mesmo. Eu, a Ana e o Ardengo seguimos encosta acima, nossas pranchas a tiracolo. No meio do caminho, uma parada para visitar a cratera, seus vapores e cores e o monstro que nela habita. Depois, para cima e avante novamente.

Filmando a cratera do vulcão Cerro Negro próximo à León, na Nicarágua.

Filmando a cratera do vulcão Cerro Negro próximo à León, na Nicarágua.


O cenário a nossa volta fica cada vez mais lindo. Para um lado, os destroços da última erupção, um leito de pedras e entulho se extendendo por vários quilômetros. Para outro lado, uma extensa cadeia de vulcões, um atrás do outro, em fila indiana. Paisagem fantástica, prova aos nossos olhos de que a Terra está viva, bem viva!

A bela paisagem ao redor do vulcão Cerro Negro, próximo à León, na Nicarágua.

A bela paisagem ao redor do vulcão Cerro Negro, próximo à León, na Nicarágua.


Subida final até o cume do Cerro Negro próximo à León, na Nicarágua.

Subida final até o cume do Cerro Negro próximo à León, na Nicarágua.


Finalmente, lá no alto, podemos ter uma visão completa da cratera abaixo de nós. Na verdade, das duas crateras. Isso porque, na última erupção uma cratera secundária se criou, hoje ainda mais viva que sua irmã mais velha. Essa, só vemos por cima,sem nos arriscar a virar churrasquinho lá dentro.

No cume do Cerro Negro, pronto para a descida de prancha! (próximo à León, na Nicarágua)

No cume do Cerro Negro, pronto para a descida de prancha! (próximo à León, na Nicarágua)


Enfim, a hora da descida. Sentados, um de cada vez, seguimos os trilhos de quem desceu antes de nós, pelas partes mais íngrimes da encosta. No início meio receosos, depois vamos ganhando confiança e deixando que a prancha se acelere. Chegamos a pouco mais de 30 km/h, sensação de liberdade total mas, ao mesmo tempo, percebendo aquela nossa árdua subida de 40 minutos se esvair em poucos segundos de efêmero prazer.

Vários vulcões vistos do alto do Cerro Negro, próximo à León, na Nicarágua.

Vários vulcões vistos do alto do Cerro Negro, próximo à León, na Nicarágua.


Com o italiano Ardengo no alto do Cerro Negro, próximo à León, na Nicarágua.

Com o italiano Ardengo no alto do Cerro Negro, próximo à León, na Nicarágua.


Lá embaixo nos esperava a Amparo. Fizemos algumas fotos clássicas com a Fiona em território vulcânico, o Cerro Negro ao fundo e voltamos para a portaria onde nos aguardava uma cerveja estupidamente gelada. De lá pudemos observar, de camarote, vários turistas que vieram num tour deslizar à toda velocidade pelas encostas do vulcão. Eles tem pranchas melhores que as nossas e suas velocidades chegam a mais de 60 km/h! É incrível ver aquela fumacinha descendo à toda pelo vulcão. Não faz muito tempo, um francês, de bicicleta, atingiu a velocidade de 170 km/h! Já perto do fim da descida, a bicicleta quebrou e ele teve algumas costelas quebradas...

Vista do alto do vulcão Cerro Negro próximo à León, na Nicarágua.

Vista do alto do vulcão Cerro Negro próximo à León, na Nicarágua.


Na borda da cratera do vulcão Cerro Negro, próximo à León, na Nicarágua.

Na borda da cratera do vulcão Cerro Negro, próximo à León, na Nicarágua.


Nós voltamos para a cidade e nos despedimos. Já na pousada, logo estávamos fazendo novos amigos: um inglês e um escocês que estão viajando de moto do Alaska à Patagônia. Acabavam de chegar da fronteira hondurenha onde tinham passado por um belo chá de cadeira. O bom humor só voltou depois do banho e, juntos, fomos jantar no delicioso Mesón Real, quase em frente ao nosso hotel. O dono, o Gustavo, ficou super interessado em nossas viagens e nos tratou muito bem. A começar pela comida, que estava maravilhosa, cozinha espanhola. E assim, enquanto tratávamos muito bem de nossos estômagos, trocamos experiências e informações sobre lugares que cada uma das duplas já tinha passado ou pretendia passar. Muito jóia!

A Ana deslizando à toda as encostas do Cerro Negro,  próximo à León, na Nicarágua.

A Ana deslizando à toda as encostas do Cerro Negro, próximo à León, na Nicarágua.


A Ana deslizando à toda as encostas do Cerro Negro,  próximo à León, na Nicarágua.

A Ana deslizando à toda as encostas do Cerro Negro, próximo à León, na Nicarágua.


Amanhã cedo partimos para Somoto, nossa última parada na Nicarágua. Um magnífico canyon nos espera por lá. Depóis, o tão "esperado" dia do duplo cruze de fronteiras, daqui para Honduras e de lá para El Salvador. Vamos ver com é...

A Fiona visita o mais ativo vulcão do país, o Cerro Negro próximo à León, na Nicarágua.

A Fiona visita o mais ativo vulcão do país, o Cerro Negro próximo à León, na Nicarágua.

Nicarágua, León, trilha, Parque, vulcão

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior Mural nas ruas de León, na Nicarágua

Uma Aula de História

Post seguinte Explorando o espetacular Canyon de Somoto, na Nicarágua

Atravessando o Canyon de Somoto

Blog da Ana A Ana deslizando à toda as encostas do Cerro Negro,  próximo à León, na Nicarágua.

Volcán Cerro Negro

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet