0 Ecos do Passado - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Ecos do Passado - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Ecos do Passado

Brasil, Rio Grande Do Norte, Soledade

"Por milhares de anos, provavelmente, as pinturas do Lajedo permaneceram intactas, perenes e mudas testemunhas de uma cultura desaparecida; símbolos de rituais, de sobrevivência, de árduas lutas; representações da mentalidade, das esperanças e dos sonhos de grupos humanos há muito desaparecidos na amplidão do tempo.

Habitantes de um mundo sem divisões políticas, suas pinturas estão repletas de sentido universal, memórias atávicas de todos os homens, herança de nossa ancestralidade".


Pinturas rupestres no Lajedo da Soledade, região de Apodi - RN

Pinturas rupestres no Lajedo da Soledade, região de Apodi - RN


Estivemos hoje, no caminho entre Galinhos e Mossoró, no Lajedo da Soledade, próximo à cidade de Apodi, interior do Rio Grande do Norte, quase fronteira com Ceará. É mais uma região onde se encontram fósseis de animais pré-históricos, principalmente da megafauna, como preguiças gigantes e trigres dente-de-sabre, e pinturas rupestres com milhares de anos de idade, deixadas por paleoíndios há muito desaparecidos. Logo na entrada do parque há um museu bem informativo. E na entrada do museu, um texto que eu gostei muito, do qual reproduzo alguns trechos mais marcantes, e para mim muito significativos, no início e no final deste post.

Com a Ana, da pousada Ilha do Pisassal, em Galinhos - RN

Com a Ana, da pousada Ilha do Pisassal, em Galinhos - RN


Antes de lá chegar, tivemos de deixar a tranquila Galinhos. Despedimo-nos da simpática Ana, da Pousada Ilha do Pisassal, que tinha nos recebido tão bem e que se esmeirava em nos fazer bem alimentados no café da manhã e tomamos o barco de volta a Pratagi, onde estava a nossa Fiona. Mais uma vez, deliciosas reminiscências da Ilha do Mel.

A caminho do barco para deixar Galinhos - RN

A caminho do barco para deixar Galinhos - RN


No barco com toda a nossa bagagem dos dois dias em Galinhos - RN

No barco com toda a nossa bagagem dos dois dias em Galinhos - RN


A estrada para o interior cortou uma enorme área de exploração de petróleo. A própria estrada é obra da Petrobrás. Aos poucos, vamos nos acostumando com a exótica figura de bombas de petróleo instaladas no meio da caatinga. O Rio Grande do Norte é o maior produtor de óleo em terra do Brasil.

Lajedo da Soledade, em Soledade, região de Apodi - RN

Lajedo da Soledade, em Soledade, região de Apodi - RN


Passamos por Apodi e fomos direto ao distrito de Soledade. Lá, já no museu, nos providenciaram um guia, o Cézar, para nos levar ao Lajedo. Um grande campo de rochas caucárias formado sob o mar que há muito recuou, deixando as rochas e sedimentos sobre o efeito das intempéries. O resultado foi que vários canais, pequenos canyons, se formaram nas rochas. Esses canais formam pequenas tocas que serviam de abrigo aos habitantes de outrora. Eles se aproveitavam do teto, das paredes e mesmo do piso para deixar suas marcas.

O Cézar nos mostra o Lajedo da Soledade, região de Apodi - RN

O Cézar nos mostra o Lajedo da Soledade, região de Apodi - RN


O resultado é um tesouro arqueológico, belas pinturas rupestres que nos contam um pouco a história desse povo e nos faz tentar imaginar quem eram e como viviam. A região já era seca e quente e, provavelmente, só era usada nos meses de chuva por esse povo de características nômades. Ali faziam seus rituais e representavam seus sonhos e angústias. Essas pinturas acabaram por perpetuá-los (pelo menos até hoje!), uma ligação direta com um passado que já teria desaparecido por completo, não fosse por essas incríveis pinturas.

Pintura de lagarto no teto de uma toca bem baixa no Lajedo da Soledade, região de Apodi - RN

Pintura de lagarto no teto de uma toca bem baixa no Lajedo da Soledade, região de Apodi - RN


São formas geométricas, calendários e contagens. São figuras humanas e também de animais, maravilhosamente representados. Há uma arara que é uma obra de arte! Muitas figuras de mãos que denotam que esse povo deveria ser de pequena estatura, prova de uma vida difícil com poucos alimentos.

A bela pintura da Arara, no Lajedo da Soledade, região de Apodi - RN

A bela pintura da Arara, no Lajedo da Soledade, região de Apodi - RN


Ali do lado há outro sítio, chamado Olho d'Água, uma espécie de armadilha para animais. Eles íam ali beber água, caíam na piscina e de lá não saíam. Azar deles, sorte nossa! Acabaram virando fósseis e hoje podem ser estudados por nós. Gigantescos animais que um dia dominaram essa região. Pelo porte, são prova inequívoca que o sertão já foi muito mais úmido, com uma vegetação muito mais densa.

Observando o Olho d'Água, local onde foram encontrados muitos fósseis no Lajedo da Soledade, região de Apodi - RN

Observando o Olho d'Água, local onde foram encontrados muitos fósseis no Lajedo da Soledade, região de Apodi - RN


Puxa... quando é que vão inventar a máquina do tempo? Eu não pensaria duas vezes em trocar os nossos 1000dias pela América por 1000dias pelos últimos 100 mil anos...

Explorando toca no Lajedo da Soledade, região de Apodi - RN

Explorando toca no Lajedo da Soledade, região de Apodi - RN


Fileira de pássaros voando em direção ao sol, pintura rupestre no Lajedo da Soledade, região de Apodi - RN

Fileira de pássaros voando em direção ao sol, pintura rupestre no Lajedo da Soledade, região de Apodi - RN


Há uma mensagem nas ravinas coloridas de pinturas. Uma mensagem de outra época, de outros homens que, no ato de se perpetuarem, parecem gritar, maravilhosamente humanos: "Estivemos aqui! Cuidem de nós!"

Brasil, Rio Grande Do Norte, Soledade, Lajedo da Soledade, Apodi

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior Lua cheia sobre as dunas de Galos, na região de Galinhos - RN

Os Nossos Astros

Post seguinte Segundo e derradeiro bilhete de Lampião para o prefeito de Mossoró, tentando extorquir os cofres da cidade, em memorial da Praça da Resistência, em Mossoró - RN

Invadindo Mossoró

Blog da Ana Memorial da Praça da Resistência, em Mossoró - RN

Mossoró contra Lampião

Comentários (2)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 20/07/2013 | 16:43 por José Roberto

    Gostei do que vocês trouxerão para o publico com uma otima claresa, e assim enriquecendo o conhecimento de futuros guias de turismo como eu e pessoas que são encantadas pelo turismo exótico; ha e tambem num deixa de ser um convite a visitar estes sitios der grande importãncia para o nosso estado.

    Resposta:
    Olá José Roberto

    Que legal que tenha gostado! Nós temos viajado bastante pelo Brasil, descobrindo cada vez mais a riqueza geográfica e histórica do nosso país. É incrível a quantidade de lugares e coisas para se ver, a maioria delas ainda desconhecida das pessoas.

    O Lajedo da Soledade, para nós, foi uma verdadeira aula. Um tesouro aí no seu estado e no nosso país!

    um abs

  • 21/01/2011 | 18:15 por Guto Junqueira

    Fala, Rhom! Interessante este post com as citações do museu. O passado, sempre ele, próximo ou distante, é sempre um eficiente combustível para nossas viagens. Estar onde "eles" estiveram há 10 mil anos é fascinante. Grande abraço e beijo na Ana, Guto

    Resposta:
    Oi Guto!
    É sempre muito jóia quando vejo comentários seus!
    Concordo com o que disse. Ainda mais quando se trata de um povo que simplesmente desapareceu. Mas estava ali, naquele mesmo espaço. Apenas um lapso de tempo nos separam... É, é uma viagem!
    Abs

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet