0 Chegando aos 4 Mil Metros! - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Chegando aos 4 Mil Metros! - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Chegando aos 4 Mil Metros!

Bolívia, Potosí

O GPS mostra nossa altitude ao chegar em Potosi - Bolívia

O GPS mostra nossa altitude ao chegar em Potosi - Bolívia


Depois dos dinossauros, era hora de seguir para o nosso próximo destino na Bolívia: a lendária cidade de Potosí. Por dois séculos, essa foi a mais rica cidade das américas, quiçá do mundo, devido a mineração de prata no Cerro Rico, ao lado de Potosí. A mineração continua, uma das principais atrações turísticas da cidade, mas a riqueza de outrora não está mais lá. Mas a cidade de Potosí preserva outro título: o de cidade mais alta do mundo, acima dos 4 mil metros de altitude.

A bela paisagem na viagem entre Sucre e Potosi, na Bolívia

A bela paisagem na viagem entre Sucre e Potosi, na Bolívia


Bem, para minha surpresa, mesmo saindo dos 2.850 metros de Sucre, o começo da viagem foi de descida. Aliás, antes da descida, a primeira coisa que encontramos foi um posto de controle e um pedágio. Já estamos acostumados com eles, agora. Os pedágios, na maioria das vezes se resumem à uma corda fechando a estrada. A gente para e desce do carro, vai na cabina ao lado da estrada, paga uns 10 bolivianos e o funcionário abaixa a corda para passarmos. Já nos postos de controle, tenho de ir falar com o militar de plantão, ele examina e carimba o documento da Fiona, dá uma olhada na minha carteira internacional e permite que continuemos à viajar. Agora, já virou rotina, mas quando paro para pensar, esses postos de controle são bem estranhos mesmo.

A bela paisagem aos 3 mil metros de altura, na viagem entre Sucre e Potosi, na Bolívia

A bela paisagem aos 3 mil metros de altura, na viagem entre Sucre e Potosi, na Bolívia


Enfim, depois da burocracia, descemos até os 2.200 metros, a paisagem sempre muito linda e grandiosa, montanhas à perder de vista, grandes leitos de rio quase sem água, apenas pedras. Depois, finalmente, hora de subir. Serpenteando montanha acima, fomos superando barreiras, até chegar aos 3 mil metros. Aí paramos para sessão de fotos, aproveitando o fim de tarde e a paisagem magnífica.

A bela paisagem aos 3 mil metros de altura, na viagem entre Sucre e Potosi, na Bolívia

A bela paisagem aos 3 mil metros de altura, na viagem entre Sucre e Potosi, na Bolívia


Continuamos subindo até chegarmos ao alto do planalto, o início do altiplano boliviano. Altura de 3.300 metros, ainda abaixo do recorde de 3.350 metros de dias atrás, pouco antes de chegar à Sucre. A paisagem lá encima também era linda, bem plana com grandes montanhas ao fundo.

Chegando ao altiplano, aos 3.300 metros de altura, próximo à Potosi - Bolívia

Chegando ao altiplano, aos 3.300 metros de altura, próximo à Potosi - Bolívia


Aí, um pouco antes de chegarmos à Potosí, nova sessão de subidas. O recorde anterior foi pulverizado e chegamos à simbólica barreira dos 4 mil metros. Como não fizemos nehum esforço, bem confortáveis dentro da Fiona, não sentimos nada. Mas ela acho que sentiu a altura sim. Um pouco mais barulhenta, perda de potência e meio mané na hora de trocar as marchas no câmbio automático. Mas nada que atrapalhasse. Muito pelo contrário, na estrada deu show nos outros carros que íam ficando pata trás.

Chegando ao altiplano, aos 3.300 metros de altura, próximo à Potosi - Bolívia

Chegando ao altiplano, aos 3.300 metros de altura, próximo à Potosi - Bolívia


Aqui chegando, o mesmo problema de Sucre, ruas bem apertadas. Na verdade, até mais estreitas ainda. E sem estacionamentos à vista, como logo achamos em Sucre. Após rodarmos um pouco, finalmente achei uma vaga, ao lado de uma igreja. À pé, encontramos o Hostal Libertador, que se revelou ótima escolha. internet no quarto, garagem para a Fiona, café da manhã, tudo por uns 85 reais. Ao subir as ladeiras em busca de hotéis, finalmente sentimos a altitude, falta de ar e aquele cansaço gostoso depois de alguns passos. A prova que realmente estávamos altos!

Entrando em Potosi, aos 4 mil metros de altitude (Bolívia)

Entrando em Potosi, aos 4 mil metros de altitude (Bolívia)


De noite, jantar gostoso num dos restaurantes lotados de gringos, que abundam por aqui, bem mais do que em Sucre. O nome do bar/restaurante é bem sugestivo: Café-Pub 4.060, alusão à altitude da cidade. Tomamos logo uma Paceña, para disfarçar os efeitos da altura. Ao invés de disfarçar. ele se somaram, hehehe. Nada que uma boa noite de sono não resolvesse. Aliás, não poderemos dormir até tarde, não. Já estamos com passeio marcado para as minas para amanhã, às nove da madrugada!

A cidade de Potosi com o Cerro Rico ao fundo (Bolívia)

A cidade de Potosi com o Cerro Rico ao fundo (Bolívia)

Bolívia, Potosí,

Veja todas as fotos do dia!

Diz aí se você gostou, diz!

Post anterior Maquete em tamanho real de um Carnossauro, no Parque dos Dinossauros, em Sucre - Bolívia

Dinossauros Bolivianos

Post seguinte Atravessando parte mais estreita da Mina Rosário, em Potosí - Bolívia

As Minas de Potosí

Blog da Ana A enorme encosta com centenas de pegadas de dinossauros, em Sucre - Bolívia

Juracique Parque!

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 29/07/2011 | 22:55 por Rodrigo

    Bienvenido´a Potosí!!!

    Resposta:
    Gracias!

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet