0 Bermuda: entre a Ficção e a Realidade - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Bermuda: entre a Ficção e a Realidade - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Bermuda: entre a Ficção e a Realidade

Bermuda, Hamilton

Aproximando-se de mais um barco afundado no litoral sul de Bermuda

Aproximando-se de mais um barco afundado no litoral sul de Bermuda


Dia de mergulho aqui em Bermuda. Em busca do misterioso mundo submarino que engoliu todos os barcos e aviões desaparecidos por aqui nos últimos séculos, se é que eles não foram parar em Marte ou em outra dimensão...

Nossa rota no segundo dia em Bermuda: táxi (de A à B), mergulho, ônibus (de B à C) e ferry de volta para casa

Nossa rota no segundo dia em Bermuda: táxi (de A à B), mergulho, ônibus (de B à C) e ferry de volta para casa


Tínhamos de ir ate Sommerset Bridge, na mesma direção da praia de ontem, mas bem mais adiante. Seria a mesma linha de ônibus, mas para chegar lá no horário, teríamos de madrugar. Então, acabamos apelando para um táxi mesmo, o que nos deu tempo para nosso café da manhã inglês no nosso Inn, além do conforto para levar nossa parafernália (equipamentos) de mergulho, como roupas e reguladores. Quando voltássemos do mergulho, aí sim enfrentaríamos o busão novamente, para seguirmos até a ponta da ilha, conhecida como Dockyards. Finalmente, de lá, pegaríamos o ferry de volta à Hamilton.

Posando para fotos no deck de navio afundado no litoral sul de Bermuda

Posando para fotos no deck de navio afundado no litoral sul de Bermuda


O táxi nos deixou lá no horário, preenchemos a papelada habitual e logo já estávamos à bordo do barco com outros 10 mergulhadores, rumo à costa sul da ilha. Como não poderia deixar de ser, nosso alvo eram os naufrágios! Será que conseguiríamos desvendar o mistério do Triângulo das Bermudas?

Na cabine de comando de um barco afundado no litoral sul de Bermuda

Na cabine de comando de um barco afundado no litoral sul de Bermuda


Que nada! Para começar, os barcos que desapareceram, desapareceram mesmo, e não podem ser visitados num mergulho recreativo. Em segundo lugar, os naufrágios que visitaríamos eram, na verdade, barcos que foram afundados de propósito, para formar corais artificiais e atrair peixes, mergulhadores e turistas manés que acreditam em histórias da carochinha. Aliás, é o que dizem as pessoas daqui quando perguntamos sobre o Triângulo. Dizem que o último barco que sumiu por lá estava carregando a Branca de Neve em visita ao Papai Noel.

Aproximando-se de mais um barco afundado no litoral sul de Bermuda

Aproximando-se de mais um barco afundado no litoral sul de Bermuda


Interior de barco afundado no litoral sul de Bermuda

Interior de barco afundado no litoral sul de Bermuda


Bom, mesmo com a lenda desacreditada, o mergulho é muito legal! Dois naufrágios separados por cerca de 80 metros de distância, numa profundidade perto dos 20 metros. A gente desce justamente encima do mais novo deles, com sua aparência fantasma no meio daquele mundo azulado. A maioria dos mergulhadores, vários de primeira viagem, fica só do lado de fora, mas eu e a Ana entramos e passamos por cada buraquinho no casco e na estrutura. A torre de comando é um ótimo lugar para tirar fotos, ampla e “arejada”, se é que é possível usar esse adjetivo embaixo d’água...

Explorando barco afundado no litoral sul de Bermuda

Explorando barco afundado no litoral sul de Bermuda


O estranho leito marinho no litoral sul de Bermuda

O estranho leito marinho no litoral sul de Bermuda


Para chegar ao segundo naufrágio é preciso nadar por um tempo ao lado dos corais de aparência extraterreste que abundam por aqui. Esses estranhos corais e mais o vulto do navio tombado que encontramos um pouco à frente, solitário e silencioso, são o cenário perfeito para nos lembrar que estamos em pleno “Triângulo das Bermudas”. Lá pudemos ficar por um bom tempo, apenas os dois (os outros não quiseram se aventurar tão longe...), explorando o outro barco e tentando captar um pouco da “energia perdida de Atlântida”...

Lap top na cabina de barco afundado no litoral sul de Bermuda. será que ainda funciona?

Lap top na cabina de barco afundado no litoral sul de Bermuda. será que ainda funciona?


Mergulhando bem próximo à superfície e às ondas, no litoral sul de Bermuda

Mergulhando bem próximo à superfície e às ondas, no litoral sul de Bermuda


O segundo mergulho foi sobre um banco de corais que formava diversas tocas, cavernas, túneis, arcos e passagens. Um labirinto de corredores alegremente percorrido por nós, que seguíamos sem guia, fazendo nosso próprio caminho. De novo, não podíamos ver uma passagem mais apertada e lá íamos nós, tentar chegar ao outro lado. Com as ondas batendo logo acima de nós e muita luz do sol naquelas águas rasas, era um cenário ideal para fotos. Fotos e muita diversão.

Atravessando túnel de coral no litoral sul de Bermuda

Atravessando túnel de coral no litoral sul de Bermuda


Canyon de coral no litoral sul de Bermuda

Canyon de coral no litoral sul de Bermuda


E assim encerramos nossas explorações do mundo imaginário do tal triângulo. Era hora de voltar à superfície, à realidade e à marina de onde havíamos partido. Por falar em realidade, lá, a “dura realidade” era pegar um busão para seguir até Dockyards, na pontinha da ilha. Depois de alguns minutos de espera, lá veio o ônibus e nós entramos felizes e saltitantes com o valor exato da passagem (não tínhamos mais tokens!). Apenas para descobrir que não se pode pagar em notas. O problema era que dos 6 dólares da passagem, 5 eram em nota e não tínhamos mais moedas. Felizmente, a motorista se compadeceu de nós, devolveu nosso dinheiro e mandou que nos sentássemos. Acho que devem estar acostumados com turistas perdidos...

Felizes, voltando de mergulhos no litoral sul de Bermuda

Felizes, voltando de mergulhos no litoral sul de Bermuda


Chegamos à Dockyards alguns quilômetros mais tarde. O lugar foi a maior fortificação inglesa na ilha, preocupados com a defesa da ilha frente a uma possível invasão americana. Quando os americanos conseguiram sua independência, os britânicos resolveram transformar Bermuda na sua principal base no Atlântico, um meio de vigiar e conter a emergente nação que acabava de nascer.

Dockyards, na ponta oeste de Bermuda

Dockyards, na ponta oeste de Bermuda


Navios-cruzeiro aportados em Dockyards, na ponta oeste de Bermuda

Navios-cruzeiro aportados em Dockyards, na ponta oeste de Bermuda


Noventa anos mais tarde, durante a Guerra Civil Americana, quem começou a frequentar a ilha foram os navios confederados que conseguiam furar o bloqueio das forças da União. Traziam as mercadorias (da Inglaterra, claro!) que seus compatriotas do sul tão desesperadamente precisavam.

Turistas nadam em praia artificial em Dockyards, na ponta oeste de Bermuda

Turistas nadam em praia artificial em Dockyards, na ponta oeste de Bermuda


Bom, apesar da fortaleza, ou talvez por causa dela, as ilhas nunca foram atacadas. Hoje, formam um complexo turístico meio sem alma para receber grandes navios-cruzeiro. Haviam dois, ancorados por ali. Nós passeamos um pouco, almoçamos numa deliciosa cervejaria local e passamos a tarde em uma pequena praia artificial, ao lado do antigo forte.

Final de tarde refrescante na praia artificial de Dockyards, na ponta oeste de Bermuda

Final de tarde refrescante na praia artificial de Dockyards, na ponta oeste de Bermuda


Depois, bem no final do dia, voltamos de ferry para Hamilton, cortando caminho pelo meio da baía ao invés de dar a longa volta por terra. Mesmo preço, mas muito mais gostoso e interessante. A Ana, como sempre, rapidamente já tinha feito novas amigas, que além de se admirar com a nossa viagem, deram várias dicas sobre o que fazer e o que ver em Bermuda, de dia e de noite. Assim, já temos muito mais subsídios para nosso roteiro de amanhã, quando planejamos ter nossas próprias rodas. Pois é, pela primeira vez nessa viagem, finalmente, vamos sair de scooter por aí.

Novas amigas no ferry entre Dockyards e Hamilton, em Bermuda

Novas amigas no ferry entre Dockyards e Hamilton, em Bermuda

Bermuda, Hamilton, Mergulho, história, Dockyards

Veja todas as fotos do dia!

Diz aí se você gostou, diz!

Post anterior O maravilhoso mar de Bermuda, na costa sul da ilha

No Magnífico Litoral de Bermudas

Post seguinte De scooter pelos campos de golfe de Bermuda

Duas Rodas

Blog da Ana Posando para fotos no deck de navio afundado no litoral sul de Bermuda

Dive in Bermuda

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 31/10/2014 | 16:13 por Mark

    Poxa, esta está de parabéns pelo post! Muita gente não conhece ou prefere acreditar que foram os alienígenas ou uma piramide de Atlântida que sumiram com as embarcações e aviões, uns acham que são bolhas de gases metano ou algum campo magnético... Bom não da pra saber o que realmente aconteceu. Mas esse lap top ai no fundo o sujeito com sua equipe deve ter ficado P... da vida ao esquecer o pc no navio antes de afunda lo! Kkk

    Resposta:
    Oi Mark

    Então, essa história de ETs, o pessoal da ilha não gosta não! Dizem que não há mistério nenhum, tudo hist[oria da carochinha!

    Já o lap top, acho que não tem mais conserto, hehehe O que será que foi perdido na memória dele?

    Abs

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet