0 Barichara, Cueva de La Vaca e Chicamocha - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Barichara, Cueva de La Vaca e Chicamocha - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Barichara, Cueva de La Vaca e Chicamocha

Colômbia, Barichara, San Gil, Bucaramanga

A charmosa arquitetura colonial de Barichara, na Colômbia

A charmosa arquitetura colonial de Barichara, na Colômbia


A pequena Barichara, quinze quilômetros à oeste da muito mais movimentada San Gil, é uma jóia arquitetônica encravada no meio da Colômbia. É considerado o mais bem conservado "pueblo" colonial do país e, talvez pela maior distância dos grandes centros urbanos, ainda se mantém pacato e autêntico.

Igreja na praça central de Barichara, na Colômbia

Igreja na praça central de Barichara, na Colômbia


Vendo a vida passar na praça central de Barichara, na Colômbia

Vendo a vida passar na praça central de Barichara, na Colômbia


Tão pacato que ontem de noite quase não havia nada aberto nem pessoas nas ruas. Hoje de manhã pudemos, enfim, ver a vida na cidade. Caminhamos pela ensombreada praça central, visitamos a grande igreja que está aí, tomamos café da manhã na padaria. Fotografamos suas ruas de pedra e observamos os poucos ônibus de turistas que fazem um day-tour para quem está em San Gil. Nessas horas da manhã a cidade realmente ganha vida, mas também perde um pouco do seu charme. Com a partida dos ônibus, novamente voltamos para a centenária e pacata cidade do interior.

Balcão 'recheado' de padaria em Barichara, na Colômbia

Balcão "recheado" de padaria em Barichara, na Colômbia


Igreja antiga na parte alta de Barichara, na Colômbia

Igreja antiga na parte alta de Barichara, na Colômbia


Infelizmente, não podíamos esperar isso. Muita coisa programada para o dia. Já de carro, subimos ao ponto mais alto da cidade onde uma igreja toda de pedra está ali há mais de 300 anos a zelar pela tranquilidade do vale abaixo. A paz lá de cima só foi quebrada quando chegaram dezenas de pessoas vestidas de laranja, um exercício da equipe de Defesa Civil.

Vista da parte alta de Barichara, na Colômbia

Vista da parte alta de Barichara, na Colômbia


Para nós, foi o alarme para continuarmos com o nosso dia. Seguimos para San Gil, uma cidade no fundo do vale onde dezenas de agências de turismo de aventura disputam turistas para levá-los à rios caudalosos, penhascos íngrimes, cavernas cheias de morcego ou para saltos do alto de montanhas. San Gil vem se especializando em esportes de aventura, ajudada pela rica e bela natureza ao seu redor.

Entrando na Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia

Entrando na Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia


Entre tantos programas possíveis, eu e a Ana tínhamos de escolher um. Primeiro, o tipo de atividade: entre o rafting, o paragliding e as cavernas, acabamos ficando com esse último. Foi uma questão de tempo e praticidade. Depois, tínhamos de escolher entre as várias cavernas. Depois de várias descrições, acabamos escolhendo a Cueva de La Vaca, uma caverna semi-alagada já no caminho de Bucaramanga.

Enfrentando trecho alagado da Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia

Enfrentando trecho alagado da Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia


Enfrentando trecho alagado da Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia

Enfrentando trecho alagado da Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia


Para lá seguimos de carro, encontrando o guia já quase na entrada da caverna. Devidamente aparamentados entramos os três na Cueva, justo quando saíam os únicos outros turistas ali por perto. Capacete, lanterna e roupa própria para ser molhada. Isso porque, em vários trechos, temos de nos arrastar em corredores com menos de um metro de altura, metade disso embaixo d'água.

Explorando a Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia

Explorando a Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia


Observando formações na Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia

Observando formações na Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia


A sensação de aventura aumenta ainda mais no trecho em que a água cobre toda a passagem. Aí, através de uma corda guia, vamos nos puxando por vários metros até outra galeria, onde podemos respirar novamente. Muito legal!

Ninho de morcegos na Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia

Ninho de morcegos na Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia


Plantas crescem no escuro da Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia

Plantas crescem no escuro da Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia


No caminho, muitos espeleotemas, famílias de morcegos, um trecho onde plantas crescem no escuro e até uma pequena queda d'água, o nosso ponto de retorno. Na saída da caverna, no local onde encontramos o guia, há um chuveiro onde podemos nos limpar e trocar de roupa, prontos para seguir viagem.

Pequena queda d'água no interior da Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia

Pequena queda d'água no interior da Cueva de la Vaca, em San Gil, na Colômbia


Vamos até Bucaramanga, uma grande e moderna cidade a pouco mais de 100 km ao norte de San Gil. Mas, antes de chegar lá, passamos por outra das grandes atrações dessa região: o majestoso Canyon de Chicamocha. AInda mais comprido e profundo que o Grand Canyon dos Estados Unidos, a paisagem realmente é magnífica.

O incrível Canyon de Chicamocha, no caminho para Bucaramanga, na Colômbia

O incrível Canyon de Chicamocha, no caminho para Bucaramanga, na Colômbia


O incrível Canyon de Chicamocha, no caminho para Bucaramanga, na Colômbia

O incrível Canyon de Chicamocha, no caminho para Bucaramanga, na Colômbia


A estrada segue pelo alto do Canyon, proporcionando vários pontos de mirante. Depois, bem no ponto em que o rio e o canyon fazem uma enorme ferradura (uma visão aérea deve ser impressionante!), há um Parque Nacional, com um bondinho que desce até o fundo do vale e depois sobe para o outro lado. A gente não entrou mas aproveitou o fim de tarde naquele ponto mesmo. Fantástico!

O majestoso Canyon de Chicamocha, no caminho para Bucaramanga, na Colômbia

O majestoso Canyon de Chicamocha, no caminho para Bucaramanga, na Colômbia


Finalmente, seguimos pela estrada, que agora tabém desceu ao fundo do canyon para atravessar o rio e seguir em frente por um dos "canyons afluentes". Não demorou muito e chegamos à Bucaramanga. Depois de tanta natureza e cidades pequenas, é bem estranho chegar à uma metrópole. Avenidas lotadas pelo horário do rush mas, felizmente, já tínhamos uma boa indicação sobre onde ficar. Um albergue indicado pelo Douglas, bem no meio de um dos bairros gostosos da cidade. O dono é um inglês que traz gente do mundo inteiro para fazer cursos de paragliding. Aparentemente, a região é uma das mais propícias do mundo para esse tipo de esporte. O curso dura uns dez dias nos quais o aluno vôa quase umas 100 vezes. Sai daqui um expert! Imagina se não passamos a maior vontade...

Visitando o Canyon de Chicamocha, no caminho para Bucaramanga, na Colômbia

Visitando o Canyon de Chicamocha, no caminho para Bucaramanga, na Colômbia


Bom, para matar a vontade (e a fome!), a gente ainda foi passear pelas ruas agitadas das redondezas. Afinal, era sábado à noite! Mas não pudemos ficar até muito tarde já que amanhã temos uma longa viagem pela frente. Pelo que disseram, serão quase 10 horas até Mompós, uma cidade histórica à beira do Rio Magdalena, um dos mais importantes do país. O tempo de viagem se deve menos à distância do que às condições "rústicas" do acesso. Vamo ver...

Belo fim de tarde no Canyon de Chicamocha, no caminho para Bucaramanga, na Colômbia

Belo fim de tarde no Canyon de Chicamocha, no caminho para Bucaramanga, na Colômbia

Colômbia, Barichara, San Gil, Bucaramanga, Caverna, Chicamocha, Cueva de la Vaca, Canyon

Veja todas as fotos do dia!

Comentar não custa nada, clica aí vai!

Post anterior Foto de despedida do Douglas, em seu apartamento em Bogotá - Colômbia, um pouco antes de partirmos para o norte do país

Para o Norte!

Post seguinte Transporte por burro, muito comum na estrada entre Astrea e Mompós, na Colômbia

24 Horas Para Mompós

Blog da Ana O incrível Canyon de Chicamocha, no caminho para Bucaramanga, na Colômbia

Santander

Comentários (0)

Participe da nossa viagem, comente!
Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet