0 As Ilhas - Blog do Rodrigo - 1000 dias

As Ilhas - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

As Ilhas

Guiana Francesa, Kourou, Îles de Salut

A temida Ilha do Diabo, uma das Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa

A temida Ilha do Diabo, uma das Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa


Ilhas são sinônimo de isolamento. Muitas vezes associamos suas imagens à pequenos paraísos, longe dos problemas da civilização. Mas, outras vezes, esse mesmo isolamento tem o efeito contrário: ele pode ser usado como uma prisão, um exílio para pessoas expulsas por essa mesma civilização.

O Catamaran que nos levlou às Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa

O Catamaran que nos levlou às Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa


Aqui na costa da Guiana Francesa temos um típico exemplo disso. São as "Îles du Salut", ou ilhas da salvação. Nos últimos 250 anos elas já cumpriram esses dois papéis, o de paraíso e o de inferno. Felizmente, hoje ela volta ao papel de paraíso.

Primeira visão sombria das Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa

Primeira visão sombria das Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa


Um pouco antes da Revolução Francesa, depois de levar uma sova da Inglaterra na Guerra dos Sete Anos e ser expulsa do Canadá e da Índia, a França resolveu investir com tudo na colonização da América do Sul. O plano era ambicioso. Desenvolver a isolada colônia da Guiana Francesa e daí, partir para o resto do continente. É claro que faltava combinar com portugueses e espanhóis. Mas, antes disso, era preciso também combinar com a mãe-natureza...

Examinando o mapa das Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa

Examinando o mapa das Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa


De uma só vez, foram enviados cerca de 13 mil colonizadores para a região de Kourou. A mata e o clima tropical não os recebeu bem. Antes das pessoas conseguirem se instalar, um novo navio já estava no porto, para mais desembarques. O resultado foi uma tragédia. Fome e doenças atingiram em cheio os franceses. Pessoas morreram aos milhares. Dos 13 mil, sobraram apenas 4 mil, dois anos depois. Os sobreviventes, fugindo dos mosquitos que traziam malária e febre amarela, adotaram as Îles du Salut como refúgio. Mas de quinze quilômetros mar à dentro, elas estavam longe dos mosquitos. Ali, os colonizadores esperaram para ser repatriados. Dos 13 mil originais, sobraram pouco mais de duzentos para continuar os planos de colonização. Os outros, mortos ou enviados de volta à metrópole.

A única igreja nas Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa

A única igreja nas Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa


A Guiana Francesa começava a ganhar fama de terra amaldiçoada. Pouco menos de 100 anos mais tarde, aproveitando esta fama, o governo resolveu transformá-la numa enorme colônia penal. Quase 80 mil presos, comuns e políticos, foram enviados para cá, em exílio eterno ou diretamente para os campos prisionais. O mais famoso deles, para onde íam os presos mais famosos ou perigosos, era nas îles du Salut. Afinal, quem conseguiria escapar de uma ilha cercada por um mar infestado de tubarões? A vida por aqui não era fácil. Dos 80 mil, menos de 13 mil voltaram para contar a história...

Cela do antigo presídio na Île Royale, nas Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa

Cela do antigo presídio na Île Royale, nas Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa


O mais famoso dos detentos foi Alfred Dreyfus. Sua vida foi transformada em livro e em filme famoso, o que o tornou conhecido de quem vivia nas décadas de 40 e 50. Ele foi um militar francês acusado de alta traição em 1894. Na verdade, sua origem judaica o transformou num bode expiatório perfeito para a elite militar anti-semita francesa. Com documentos forjados, foi condenado à prisão perpétua na Ilha do Diabo, a mais temida das três Îles du Salut. Anos depois, o chefe da inteligência francesa descobriu o culpado verdadeiro de espionagem. Os militares resolveram tentar abafar o caso e enviaram o chefe da inteligência para o deserto da Tunísia. De nada adiantou: as informações vazaram, muita gente comprou a briga, inclusive intelectuais e a imprensa e o governo teve de voltar atrás e soltar o pobre Dreyfus, que passou quase cinco anos na solitária.

Capa famosa de jornal em que Emile Zola intercede por Dreyfus, preso nas Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa

Capa famosa de jornal em que Emile Zola intercede por Dreyfus, preso nas Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa


Outro preso famoso, também com a vida transformada em livro e filme, Papillon, teve no sucesso de seu livro um dos motivos para se acabar com essas prisões vergonhosas, verdadeiros campos de concentração funcionando na América do Sul em plena década de 50.

Caminhando na Île Royale, a principal das Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa

Caminhando na Île Royale, a principal das Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa


Caminhando na Île Royale, a principal das Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa

Caminhando na Île Royale, a principal das Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa


Hoje, as belas ilhas são um dos destinos turísticos mais conhecidos da Guiana Francesa. Para lá fomos, eu e a Ana, partindo de Kourou num catamaran. Enfrentamos a chuva para prestar nossas homenagens a Dreyfus e Papillon. Passamos mais de uma hora no museu, antiga casa do diretor da prisão, lendo textos e vendo fotos antigas. Mais tarde, um passeio ao redor da ilha por suas antigas construções e fantasmas que parecem não sair de lá. Ao final da tarde, o tempo já estava bem melhor, mostrando o lado bonito dessa ilha tropical, quase sem praias, destino tão temido ao longo de um século.

A antiga casa do diretor da prisão, transformado em museu, nas Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa

A antiga casa do diretor da prisão, transformado em museu, nas Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa


Hoje, ao contrário, é um belo passeio, um mergulho na história e uma fonte de inspiração para pensamentos e devaneios. Muita gente passa a noite por lá, quem sabe para sonhar com outras épocas... Nós voltamos para Kourou, aonde tínhamos hotel e onde jantamos carne de canguru. Isso mesmo: canguru! Para sempre vamos associar Kourou com esses belos bichinhos saltadores de carne tão apetitosa...

Retorno confortável no catamaran das Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa

Retorno confortável no catamaran das Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa

Guiana Francesa, Kourou, Îles de Salut, Îles du Salut, Ilha do Diabo

Veja todas as fotos do dia!

Faz um bem danado receber seus comentários!

Post anterior Réplica do foguete Ariane V, no Centro Espacial em Kourou - Guiana  Francesa

Passado e Futuro

Post seguinte Placa do Parque Nacional de Awala Yalimapo, na Guiana Francesa

Praias e Tartarugas

Blog da Ana Ilha do Diabo, uma das três ilhas das Îles de Salut, na costa próxima à Kourou, na Guiana Francesa

Îles du Salut

Comentários (2)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 28/08/2014 | 20:34 por Neto Espindola

    Estou indo esse proximo final de semana pra la, pelas fotos e comentarios de alguns amigos parece ser muito bom:::: espero curtir e explorar o maximo essa natureza que parece ser tao bela!!!!!sorte pra mim;;;;rrsrs

    Resposta:
    Olá Neto

    Espero que tenha gostado! Para nós, a experiência foi ótima, lugar de exuberância natura e também com muita história!

    Um abs

  • 16/09/2012 | 20:16 por Paulo Linhares

    Verdadeiro paraiso...

    Resposta:
    Oi Paulo

    Pois é, tão belo, tão próximo de nós e ainda tão pouco conhecido e visitado pelos brasileiros...

    Abs

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet